quinta-feira, 14 de julho de 2016

Rimando sobre o genocídio da população preta, o trio PROJETO PRETO lança o single "Assim que os preto faz"



Rimando sobre o genocídio da população preta, apropriação cultural que a mídia pratica ao dar destaque aos rappers brancos e boy o trio paulista de nome PROJETO PRETO lançam seu primeiro single chamado "Assim que os preto faz".

O grupo PROJETO PRETO é Formado pelo Ibu Luc, 18 anos, vive atualmente na Vila Gomes zona oeste de SP, cria de São Pedro. Thiago, 19 anos, de Diadema grande SP. DenVin, 24 anos, Campo Limpo zona sul de São Paulo



Download: http://adf.ly/1cGSnL-
Facebook: https://www.facebook.com/ProjetoPretoRap-
Letra:

Thiago:
Sente o peso da nossa voz que ecoa na história
Respeito por quem partiu buscando a nossa glória
A missão é nossa somos herdeiros da luta
Tupac, King e Malcon, manteremos a conduta
Jamais se omitir mesmo com toda repressão
Todo o sangue derramado jamais será em vão
Vão, vão duvidando do poder que a gente tem
Aqui o made In favela não é só quando convém,
pra chamar atenção na porra do horário nobre
A gente joga umas granada junto com uns Molotove
Queimar o que nos mata, desde sempre é a mema fita
Pisar nas nossas cabeças sem respeitar as feridas
há, Ceis num engana pregando reparação
nóis num vai abaixar as armas e aceitar essa ilusão
Enquanto eu só ver preto sustentando essa piramide
As algemas vão servir só pra derramar seu sangue

(Refrão)
Os preto não brinca mais, o gueto não brinca mais
Papel de policiais é nos tratar como marginais
É assim que os preto faz, é assim que o gueto faz
Boy já tem demais e nós não viemos pedir a paz
(2x)

DenVin:
Me chamaram pra ser o pesadelo de branco racista. 
Você segue Bolsonazi, eu espanco fascista. 
Eu espanto artistas brancos, machistas. 
Rap não é moda branca então eu te arranco da lista. 
Você odeia gay, boy? 
Por que? Eu odeio playboy. 
Se Rap é igualdade por que dão atenção pra vocês, boy? 
A gente destrói esses bosta de direita.
Se aderindo ao Rap mas eu tenho a resposta perfeita. 
Sou Django Livre, D mudo, sangue na tela.
Boy no Rap é mato mas quando vê a gangue já gela. 
Viva ao Grande Mandela, não ao Ghandi, favela.
Malcolm, Pac, Parks, Dandara são os grande. Aí fella 
Cê tem cheiro de Nazi que a rua detesta. 
Os bosta branca se acha o pá e tumultua a festa.
Rima crua que presta, a gente atua e manifesta.
Vou deixar o símbolo nazista marcado na sua testa.

(Refrão)

Luc:
Vim pra ser o pesadelo da industria armamentista
Da odebretch, Rede Globo e toda corja racista
Ação direta em cada rima só pra poder expor
Os 36 corpos negros que o Telhada matou
Sem selo partidario, me chame incendiário, 
sem choro pras mães de maio, eis meu desafio diário, 
Olhei meu mano Luan, negro de AK trovão
Mas por que tanto Predella com o mic na mao?
Cheguei na cena e vi logo o problema
Diadema esquecida e os pico na Madalena 
Me chamem de opressor, 
ja prevejo a falação do bonde da falcatrua 
Mas seu Rap é de condomínio não tem a essência da rua
Sem compromisso, nao respeita Negra Li ou Dina Di
"Espanque putas", tio? 
Nao vo fingir que nao vi, 
segura a bronca fi, 
vai se dar mal, 
quero ver manter a palavra de frente da industrial.
Share this article

0 comentários:

Postar um comentário

 
Copyright © 2014 Noticiário Periférico • All Rights Reserved.
Template Design by BTDesigner • Powered by Blogger
back to top