quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Artistas e intelectuais participam da vigilia pelos 111 mortos no Carandirú


Um mês depois do episódio nos anos 1990, Ramos fez uma de suas instalações mais célebres, em que cada detento era representado por uma pedra no chão da galeria. Quase um quarto de século depois do que ele chama de “chacina que continua se disfarçando nos escaninhos da Justiça”, o artista decidiu criar um ato de resistência em que convidados leram os nomes dos mortos à exaustão.

Sem plateia, artistas e ativistas, entre eles Zé Celso, Ferréz, Paulo Miklos, Yzalú,Bárbara Paz, Helena Ignez, Laerte, Marcelo Tas, Marina Person e Rita Cadillac, leram para uma câmera, que transmitia ao vivo pela internet o ato realizado num apartamento do centro de São Paulo. Nas contas dos produtores, a performance atingiu 1 milhão de espectadores.

Ramos disse que não queria uma plateia. “Pensei num lugar alto, como se fosse uma antena a irradiar esses nomes pela cidade”, disse o artista. “São as palavras tentando se materializar de todas as formas. Arte é presença, e um nome é um mínimo de presença.”

Mas a transmissão on-line também desencadeou comentários raivosos nas redes sociais, que acusaram Ramos e seus convidados de transformar bandidos em heróis, muitos repetindo a frase “bandido bom é bandido morto”.

O artista, que acompanhava os comentários ao longo da ação, discorda desse ponto de vista. “Um dos motivos de o Carandiru não ser esquecido é que essa visão precisa dele para existir. Não vou contestar a Justiça, mas as mil artimanhas legais que sustentam a anulação dos julgamentos não justificam a chacina. Não quis tornar heroico o que não é heroico, nem diminuir a dor dos que sofreram, mas o fato básico é que houve uma chacina.”

Uma das últimas a participar da performance, a cantora Rita Cadillac, que se apresentou por mais de uma década em shows para detentos dentro do Carandiru, também se defendeu da acusação de glorificar os mortos. “Ninguém está transformando ninguém em heróis, nem os policiais são bandidos. Também não acho que a melhor punição para eles seria a cadeia. A pior cadeia para eles é a imagem daquele dia, o cheiro que ainda deve estar dentro deles.”

Antes dela, a cineasta e atriz Marina Person também leu os 111 nomes. “Foi uma experiência sensorial para mim”, disse. “Comecei lendo, depois fiz uma pausa e de repente aquilo virou um jorro, um fluxo. Fiquei tonta, meio mareada lendo esses nomes.”

A Rapper Yzalú que foi convidada de ultima hora disse “A sensação é de indignação, e de sobretudo saber que são centenas de mães que até hoje choram a perda de seus filhos seus filhos.”

Dos 24 convidados escalados por Ramos, quatro foram substituídos de última hora. A madrugada de terça para quarta sofreu o maior número de mudanças no elenco, sendo que dois produtores da equipe assumiram o lugar de convidados. Não houve, no entanto, nenhuma interrupção da vigília. “Estou contente”, disse Ramos, perto do final da ação. “E menos cansado do que achei que fosse estar.”
Share this article

0 comentários:

Postar um comentário

 
Copyright © 2014 Noticiário Periférico • All Rights Reserved.
Template Design by BTDesigner • Powered by Blogger
back to top