domingo, 7 de abril de 2019

O triste adeus a JL Lenda, e nossa ingratidão com quem pavimentou os caminhos.

Faleceu hoje um dos primeiros MC's de Freestyle do Brasil, José Luis Martins de Jesus, mais conhecido como JL - A Lenda, aos 50 anos. Segundo a família, o último adeus ao amigo JL será amanhã às 11hs no cemitério Municipal de Diadema. 

O Noticiário Periférico se solidariza com os familiares, amigos e fãs. E além de noticiar essa grande perda do movimento Hip Hop, queríamos levantar uma pequena reflexão. Porque a gente não olha pra trás quando chega em um espaço? Porque não sabemos o mínimo da história de quem pavimentou as coisas por aqui?


TERRITÓRIO NEGRO - AQUELE ABRAÇO (CD)

J.L estava no rap desde o início dos anos 80, representando a cidade de Diadema, ele teve algumas parcerias no Rap, ficou conhecido com o grupo Território Negro e também pelo freestyle. 


J.L também tem uma participação no trabalho "KL Jay na Batida vol. 3", fazendo um monstro de track, de 11 minutos de freestyle com o Kamau.


Só pra relembrarmos um pouco da caminhada de J.L. Vários artistas e amigos lamentaram a morte dele, e é possível notar muito carinho na fala de todos e todas. Mas algo que também nos chamou a atenção, é como uma pessoa tão importante pra sua época, pras pessoas a sua volta, é esquecida durante a história, qual o momento que nós começamos a esquecer de quem veio antes, e acreditamos que estamos sendo pioneiros nas coisas? O Hip Hop tem uma história, quantas vezes vocês já pararam pra se questionar quem veio antes de nós, e porque do rap, o Hip Hop estar sendo notado por grandes mídias, corporações e afins?

A condição social, muitas vezes determina quanto tempo de vida com qualidade as pessoas terão. Isso é muito triste, e é uma das formas do capitalismo agir. Não deveria ser assim. A publicação de que J.L não estava bem é de antes de Abril, ele foi internado, teve parada cardíaca, ficou entubado e veio a falecer hoje. 

Duas publicações de J.L são relevantes pra pensarmos sobre como temos tratados os nossos. Não é sobre enriquecer ninguém, mas ser mais grato com o que trouxeram. Recentemente o DumDum tava pedindo ajuda pra gravar um disco, a discussão é muito complexa sobre o porque algumas pessoas da mesma época conseguiram se estruturar pra continuar trampando, e outras vivem no esquecimento, mas o nosso descaso é fato e devemos nos atentar mais a isso.



J.L deu 38 anos da vida dele pro Hip Hop. Pra passar seus últimos meses na miséria, não só econômica, mas também afetiva por parte de nós. Vendendo seus pertences pra comprar remédio e ser enterrado em um cemitério público. Não é responsabilidade de ninguém especificamente, mas o quanto de responsabilidade cada um de nós poderia ter dividido? 

É muito triste que alguém pare de fazer rap como o Sant, é muito triste que DumDum peça ajuda pra levar sua mensagem ao povo, é muito triste que alguém como J.L tenha morrido de certa maneira com alguma mágoa com as pessoas que constroem o Hip Hop. Ainda dá tempo de repensarmos muitas coisas sobre nossas condutas, abrir mão de apegos ideológicos que nos impede de tantas coisas.

Esteja em paz J.L, que seu espírito permaneça vivo em cada um. 

Toda solidariedade a todas e todos parentes, amigos e fãs. 


4 comentários:

  1. Só li verdades... linha por linha..

    ResponderExcluir
  2. JL, uma lenda, um mito.
    Gratidão pelo caminho percorrido.
    Imensa satisfação ter participado da sua trajetória, segue vivo por aqui.
    Luz.

    ResponderExcluir
  3. Um talento inesquecível que ficara para sempre na memória!

    Suas músicas suas rimas Hey Diadem Aquele abraço descanse em paz Amigo JL!

    ResponderExcluir