sexta-feira, 13 de setembro de 2019

Uganda realiza primeiro concurso de beleza para pessoas com albinismo


A África está quebrando os estereótipos das pessoas com albinismo. Uganda realiza o primeiro concurso de beleza para pessoas com albinismo.

Pessoas com albinismo na África enfrentam muitos desafios em sua busca pela aceitação na sociedade.

Não é novidade que, além do fato de serem frequentemente ostracizados, eles também são caçados por partes do corpo que, acredita-se, têm fortes valores rituais em muitas partes da África.

No entanto, parece que a África deu um passo ousado para interromper a narrativa e defender a mensagem de unidade e amor pelos albinos.

Uganda realizou seu primeiro concurso de beleza para pessoas com albinismo para selecionar os candidatos que representarão o país no concurso na áfrica ocidental.

Vinte e dois candidatos de seis distritos do país disputaram a oportunidade de representar o Uganda em novembro, mas apenas 5 homens e 5 mulheres foram escolhidos pelos juízes para preencher as vagas necessárias.

Falando após o concurso, diretora da Fundação Malengo e juíza no evento, Michelle Omamteker disse que o evento era importante porque oferece aos albinos uma representação digna e defende a necessidade de a sociedade ver as pessoas com albinismo iguais.


 “Hoje foi uma oportunidade importante, porque tivemos em Uganda as primeiras audiências de pessoas com albinismo para o Sr. e a Sra. Albinism, da África Oriental. Isso é extremamente importante porque a representação é importante. Isso diz muito sobre como a sociedade percebe essa diferença”, ela disse.

Os participantes do evento agradeceram aos organizadores e disseram que era uma oportunidade para eles mostrarem os talentos que ele haviam na sociedade.

“Acho que no próximo ano será enorme, haverá ainda mais do que os 22 de hoje. Acho que os números chegarão a cem, ou até 200 ou mais”, disse Brenda Boonabaana, uma concorrente.

 “A razão pela qual me inscrevi é que quero estar no centro das atenções para representar o albinismo e também preciso aumentar a conscientização. Começando com os pais de pessoas com albinismo. Porque há coisas que elas fazem com as crianças que pensam que as estão ajudando, quando não lhes fazem nenhum favor”, disse Paul Wakibona, outro participante.

Nenhum comentário:

Postar um comentário