quinta-feira, 7 de novembro de 2019

Arte urbana: Cenário da Serra colore o Beco Santo Antônio com música e grafite


Além de promover a pintura de um mural coletivo, visível de várias partes da Serra, festival reúne shows, oficinas, debates e uma caminhada ecológica no Aglomerado

Belo Horizonte vai ganhar um enorme mural coletivo de arte urbana. Em 16 e 17 de novembro, o festival Cenário da Serra ocupa o Beco Santo Antônio, no Aglomerado da Serra, com diversas atividades culturais, que se estendem ao longo dos dois dias. Na programação, tem shows de rappers como Fabrício FBC, Hot e Oreia e Mac Júlia, som na pista com a DJ Rafa Brasil, MC Laranjinha e os DJs de funk Menor da Serra e WS da Igrejinha; oficina de grafite, debate e até uma caminhada ecológica. O mural será pintado por 65 grafiteiros que se inscreveram para fazer uma sopa de letras, além de receber intervenções dos artistas Clara Valente e Ronaldo Gentil. Toda a programação é gratuita. 

Os 65 artistas se inscreveram em uma convocatória online e, agora, irão dar mais vida ao enorme muro de arrimo localizado no Beco Santo Antônio. O grupo fará uma “Sopa de Letras”, tradição da arte de rua, em que diversos grafiteiros pintam palavras no muro, uma ao lado da outra. Quem não conseguiu se inscrever também poderá participar: uma parte do muro, que tem quase 1 km de extensão, ficará aberta para aqueles que quiserem levar seu próprio material e pintar.

“Tivemos a ideia de fazer uma sopa de letras para conseguir chamar um número maior de pessoas para essa interação. E também para valorizar tanto um artista que já está no mercado quanto um artista de rua ou um garoto que ainda está começando. Nesse tipo de evento, o cenário cresce muito porque um aprende com o outro e leva isso pra frente. A gente abriu a lista de inscrição com 65 vagas e selecionou os que chegaram primeiro. Tem artistas conhecidos e desconhecidos”, conta Luan Brasil, grafiteiro e idealizador do evento ao lado da avó Cristina Brasil.

Além deles, Clara Valente e Ronaldo Gentil também farão intervenções artísticas no muro. Quem mora na capital mineira já deve ter se deparado com os trabalhos de Clara Valente. Formada em Artes Plásticas com ênfase em pintura e desenho pela Escola Guignard, seu trabalho apresenta paisagens lúdicas e libertinas em geometrias orgânicas, fazendo constantemente referência às montanhas de Minas Gerais. Já Ronaldo Gentil é um artista de rua capixaba, organizador de diversas sopas de letras e realizador do Encontro Nacional de Graffiti Origraffes, no Espírito Santo.

Nos dois dias de evento, interessados em aprender a arte do grafite poderão participar de uma oficina gratuita, que vai durar de 16h às 18h. Quem vai ministrar a aula é Goma, grafiteiro, fundador da loja Real Grapixo e um dos mais conhecidos artistas urbanos de BH. Na oficina, ele vai compartilhar com os alunos um pouco do seu conhecimento adquirido em mais de 20 anos de experiência. Não é necessário se inscrever previamente para participar.

A programação musical também mostra a força da cultura hip hop em BH. No sábado, a programação começa com show do Diquebrada.Rec, grupo formado no estúdio de mesmo nome, localizado na Serra. Em seguida, tem apresentação de Mainart e Paiva, jovens MCs de trap, da periferia da Zona Leste. Às 16h30, os MCs Hot e Oreia levam o seu rap psicodélico para o público. Em 2019, a dupla lançou o primeiro disco, Rap de Massagem. Discussões sociais, autocritica e ironia estão presentes nas composições, em letras divertidas e beats alucinantes. 

Quem se apresenta na sequência é MAC Júlia, revelação do rap mineiro, que lançou recentemente o álbum “Sextape: Love me Two Times”. No trabalho, ela mescla as vivências da tinta nos muros e da poesia rimada, vindas das ruas de Betim. Às 18h30, Fabrício FBC sobe no palco. Com mais de 15 anos de atuação, o rapper ganhou destaque no Duelo de MC’s e começou a despontar no cenário nacional com o coletivo DV Tribo. “S.C.A.” é o segundo disco solo de FBC, lançado 5 anos depois do trabalho de estreia “C.A.O.S.”. O álbum, que tem se destacado em todo o Brasil, contém crônica social potente e aborda temas como racismo, violência policial e exclusão social.

Representantes da crescente cena funk da cidade também marcam presença no festival. Às 19h30 o MC Laranjinha, ao lado dos DJs Menor da Serra e WS da Igrejinha, todos do Aglomerado da Serra, sobem ao palco para encerrar a programação musical do sábado. Nos dois dias, a DJ Rafa Brasil vai marcar presença durante à tarde, com música para todos os gostos. 

Primavera

A estação mais florida do ano também vai dar o tom do Cenário da Serra. Nos dois dias, o encontro começa com uma caminhada ecológica, que tem início no Parque das Mangabeiras e segue até o local do evento. O público ainda vai poder participar de uma roda de conversa sobre agroecologia, hortas urbanas e permacultura, mediada por Thiago Lopes, um dos responsáveis pelos projetos Vida Composta e Spiralixo. Desde 2015, ele promove a coleta de resíduos orgânicos na Vila Nossa Senhora de Fátima, onde residem mais de 13 mil famílias, e transforma o lixo em adubo e fertilizante. Com isso, produz mudas, que geram renda para quem trabalha no projeto. Aproveitando o tema, o festival também vai promover a doação de mudas para o público.

BH é arte

A capital mineira é uma cidade pulsante e criativa com potencial para se tornar referência em arte urbana no Brasil. É notável um esforço coletivo para substituir o cinza do concreto por cores e formas. O projeto Cenário da Serra chega exatamente com a intenção de contribuir com a divulgação do trabalho desses artistas locais. Além disso, realizar encontros culturais nos espaços públicos contribui com o convívio democrático e agregador. Dessa forma, o objetivo é também potencializar conexões e transformar o Beco Santo Antônio em mais um ponto turístico do grafite na cidade.

Criado por Cristina Brasil e por Luan Brasil, o projeto conta com apoio da Belotur e também tem o objetivo de valorizar a cultura do Aglomerado. “Eu já tinha vontade de levar uma galera do grafite para essa parte da Serra, que tem muros sobrando, além de ser uma rua que sempre tem eventos, como o Baile Funk. A ideia é trazer a arte da favela pra ela mesma, pra quem mora ali aproveitar um festival de graça, na rua. As pessoas deveriam conseguir fazer arte ali também e não ser aquela coisa de contratar o artista da favela pra tocar na zona sul. Vamos colocar a galera do grafite junto com a galera do rap, chamar os artistas locais do funk, fazer uma coisa boa pra todo mundo”, afirma Luan. 

Festival Cenário da Serra
Data: 16 de novembro
Horário: 12h às 21h

Local: Rua Nova/Beco Santo Antônio - Serra
Entrada gratuita
Outras informações: @cenariodaserra
Programação: 
13h - Caminhada ecológica
13h – Sopa de letras
13h - Roda de conversa com Thiago Lopes, dos projetos Vida Composta e Spiralixo
13h30 - DJ Rafa Brasil
14h30 - Diquebrada.Rec
15h30 - Mainart e Paiva
16h - Oficina de grafite com Goma
16h30 - Hot e Oreia
17h30 - MAC Júlia
18h30 - FBC
19h30 - MC Laranjinha, DJs Menor da Serra e WS da Igrejinha

Data: 17 de novembro
Horário: 12h às 18h
Local: Rua Nova/Beco Santo Antônio - Serra
Entrada gratuita
Outras informações: @cenariodaserra
Programação:
13h - Caminhada ecológica
14h – Sopa de letras
14h - DJ Rafa Brasil
14h - Distribuição de mudas
16h - Oficina de grafite com Goma


Conteúdo produzido por Aclive Comunicação e Projetos

Nenhum comentário:

Postar um comentário