quinta-feira, 30 de abril de 2020

Barras Maning Arretadas | Projeto que interliga mc's em 30 segundos de rimas



Desafio de rap iniciado em Moçambique viraliza vídeos curtos nas redes sociais: Mais de 100 MC´s e seis países! Barras Maning Arretadas é uma iniciativa em que rappers enviam vídeos de até 30 segundos, a partir de instrumental disponibilizado a cada segunda-feira pela organização


Os rappers têm encontrado formas de manter vivo o espírito comunitário do hip-hop no atual período de isolamento social. Há pouco mais de duas semanas foi iniciado um desafio no interior de Moçambique, para manter a interação entre os rappers. Essa corrente já atingiu mais de 100 MC´s, de seis países, incluindo o Brasil, onde a maioria dos participantes até agora é de Mossoró, no interior do Rio Grande do Norte.

Essa iniciativa gerou o desafio Barras Maning Arretadas, em que são disponibilizados instrumentais a cada segunda-feira na bio do Instagram @maningarretadas e os rappers devem devolver durante a semana com vídeos de 30 segundos, com rimas em cima desses beats. Esses vídeos são compilados e espalhados pelo Youtube, Instagram, Facebook, grupos de Whatsapp focados em rap e até mesmo em alguns locais da mídia.

Confira compilações de alguns vídeos das duas primeiras semanas desse desafio:

Semana 1, no beat do Tchaka (Quelimane/Moçambique): 


Semana 2, no beat de Dedecco (Beira/Moçambique): 


A iniciativa

No dia 12 de abril, o rapper Tchaka, da cidade de Quelimane, em Moçambique, enviou um mesmo beat para várias pessoas da sua região e essas deveriam devolver com rimas em vídeos de 30 segundos em até 24 horas. Daí, Tchaka enviaria os vídeos para vários grupos de whatsapp, mostrando as diversas possibilidades de líricas, flows, temas e métricas em um mesmo instrumental. Um fato que surpreendeu nessa primeira semana foi que algumas pessoas responderam com clipes de alta qualidade de produção, criados em menos de um dia. 

Confira: 



O rapper Função Inversa, da cidade de Chimoio, viralizou a iniciativa em todas as províncias de Moçambique, com a ajuda do rapper Xelter, de Nampula. Depois disso, o rapper brasileiro Carlos Mossoró internacionalizou o desafio, convidando pessoas de Angola (Cabinda e Luanda) e Brasil (Mossoró, Currais Novos e Natal, cidades do Rio Grande do Norte).

Confira os vídeos de Tchaka, Função Inversa, Carlos Mossoró e Xelter, os impulsionadores do desafio: 


A internacionalização

A internacionalização desse projeto tem contribuição do rapper Carlos Mossoró, porque esse artista realizou pesquisa de doutorado sobre rap como forma de ativismo político em países de língua portuguesa e, com isso, entrevistou mais de 40 rappers do espaço lusófono.

“Foi feita uma rede de contatos interessante na pesquisa, que ajudou nesse projeto Barras Maning Arretadas. Depois da teoria, vamos aprimorar a prática e esse desafio é uma tentativa de globalização contra-hegemônica, aquela em que utilizamos a tecnologia a nosso favor, levando as nossas identidades culturais e não as dos meios hegemônicos do capital e o rap é a forma de comunicação ideal para isso. Além do pessoal que já participou, temos também alguns MC´s de outros países que gostaram do desafio e se propuseram a entrar nessa corrente, mas estão com dificuldades acima do habitual para acessar a internet nesse período de crise do Covid-19, mas logo se somarão a esse time. São os casos de Cepero de Cuba, Negro Bey de Guiné Equatorial, Cabro Homer do Chile e Imperador de Guiné Bissau, todos eles são rappers de destaque em seus países”, disse o rapper, que defendeu a tese na Universidade de Coimbra, em Portugal, no último dia de 31 de março, sendo aprovado com distinção, devido à inovação científica que trouxe essa tese focada em rap.

A organização do Barras Maning Arretadas também ganhou o reforço do beatmaker paulista César Hostil, que, entre outras pessoas, convidou a rapper Sharylaine para participar do desafio. Sharylaine é a primeira mulher da história do rap brasileiro, atuante desde 1986. Além de cantar, ela faz diversos trabalhos sociais e artísticos em prol da igualdade de gênero no movimento. Por falar em igualdade de gênero, aproveite para conferir o vídeo de Sharylaine e de outras mulheres que aceitaram participar do desafio: 


As regras da 3ª semana

O Barras Maning Arretadas cresceu bastante, mas também surgiram várias sugestões, para reformular e ampliar essa corrente. A maior parte dos comentários era uma sugestão para definir temas e haver maior interligação entre os vídeos compilados.

Entretanto, quando questionado entre os rappers participantes, foi criado um dilema, pois muitos gostaram de observar a diversidade de líricas, flows, temas e métricas em um só instrumental, prevalecendo o lema do projeto: “Um só ritmo, várias expressões”.

Com a divisão equiparada de opiniões, os organizadores resolveram lançar dois beats e um deles com tema pré-definido, enquanto o outro permaneceria com conteúdo livre. No tema pré-definido, também se estabeleceu a tentativa de um “clipe experimental”. Com isso, é recomendado que todos os interessados façam vídeos na horizontal e comecem a rimar depois do drop (virada do beat), para facilitar a sincronia na edição desse experimento.

O beat “Ruas”, do beatmaker Matheus Bahls, de Curitiba, é o instrumental com tema livre. Já o beat “Missão”, do beatmaker Caboco, de Mossoró, tem o tema “Como ajudar alguém?”. Assim, quem aceita o desafio temático deve responder a essa pergunta. Ambos os beats estão disponíveis no seguinte link: we.tl/t-53aRtJhbwZ

A participação é livre e quem desejar participar deve apenas postar no seu feed no Instagram e marcar a página @maningarretadas. Com isso, a organização irá entrar em contato, para incluir nos vídeos do projeto.

Confira alguns vídeos que chegaram até agora na terceira semana: 


Em caso de dúvidas, segue um vídeo explicativo sobre as regras da terceira semana: 


Os beatmakers interessados em divulgar o trabalho também podem entrar em contato no direct da organização.

A origem do nome

O nome Barras Maning Arretadas simboliza a interligação das diversas culturas envolvidas, e demarca a identidade cultural dos locais onde foi iniciada a internacionalização do projeto. Barras é a demarcação lírica dos versos no rap. Maning é uma expressão em língua nacional de Moçambique, local de origem do projeto, e que significa muito. E arretadas é uma palavra do Nordeste brasileiro, onde iniciou as participações fora de Moçambique. Arretada é uma expressão que caracteriza algo esplêndido!

Junte-se a essa iniciativa e envie as suas barras, participando dessa corrente internacional.

Conteúdo produzido pela organização do projeto 

Nenhum comentário:

Postar um comentário