quinta-feira, 30 de abril de 2020

O Fio da Memória | Documentário que narra um pouco da história do negro no Brasil

Foto de Gabriel Joaquim dos Santos


"O Fio da Memória" é um documentário brasileiro produzido entre 1988 a 1991, dirigido por Eduardo Coutinho. O documentário de longa metragem aborda a cultura e identidade dos negros e principalmente sobre a escravidão, em meio ao Centenário da Abolição da Escravatura no Estado do Rio de Janeiro. Um dos fios condutores da narrativa do documentário é a marginalização da religião e cultura, que é responsável pelo racismo e perda de identidade étnica de boa parte de 60 milhões de brasileiros de origem africana. 


Mas o principal fio condutor de “O Fio da Memória” é a história do trabalhador de salina, artista semi-analfabeto Gabriel Joaquim dos Santos, filhos de ex-escravos que nasceu quatro anos depois da abolição da escravatura. Gabriel construiu a própria casa (Casa da flor) e tornou-se artistas por natureza, recolhendo e reutilizando materiais como lâmpadas, cacos de vidros, pedaços de azules e até restos de lixos, servindo de decoração e criando sua arte em São Pedro de Aldeia, no interior Fluminense. 


Morreu em 1985, aos 92 anos. Gabriel é o personagem escolhido por Eduardo Coutinho para caracterizar e servir de molde para o enredo do documentário. Relatos gravados e depoimentos escritos em cadernetas servem como registro histórico, geográfico e cultural do país. Ligando alguns temas e personagens, a vida do Gabriel é contada por ele mesmo e revela o esforço obsessivo de um homem para deixar marcas de sua existência no mundo. 

Foto de Claudia Ferreira

O fio da memória inicia com uma breve narração (Milton Gonçalves e Ferreira Gullar) sobre o Brasil colonizado por Portugal e sobre o início do tráfego negreiro e da escravidão. Através de depoimentos, entrevistas e relatos do cotidiano, o documentário é um documento histórico, cultural e revelador do Brasil e da identidade e trajetória dos negros. Benedita da Silva e Candeia também são entrevistados.

Assista:



Um comentário: