quinta-feira, 21 de maio de 2020

"Eles são genocidas e nós somos alvo do estado, mano! Nóis é preto mano.”


Terça-feira mataram o João Pedro de 14 anos, quarta-feira um jovem de 18 anos chamado João Victor foi assassinado na comunidade de Cidade de Deus durante uma ação social de entrega de cestas básicas.

“A gente nasceu alvo. A gente nasceu alvo. João Pedro foi ontem. Eles são genocidas e nós somos alvo do estado, mano! Nóis é preto mano.”
O educador, conselheiro tutelar e morador da Cidade de Deus Jota Marques acusou os policiais militares de apontarem armas para eles enquanto tentavam entrar no carro. O grupo teria informado aos agentes, então, que estavam distribuindo comida e recebido como resposta que “se não quisessem ser baleados, que saíssem com bíblias na mão”.

“Somos todos da Cidade de Deus, na Frente CDD, educadores, trabalhadores locais, artistas. Estávamos numa ação entregando 200 cestas básicas para as famílias da região Pantanal. Disseram que iam cuidar de nós”, narrou.
João Felix, ator e membro da Frente CDD, questionou: “Estava rolando uma ação social e a polícia chegou. Eu quero entender por que a polícia chegou atirando no meio de uma ação de entrega de cestas básicas?”.

Fonte: Metrople.com 

“EU ESTOU CANSADO DE FICAR CANSADO”

Toda vez que um jovem preto morre pela mão do Estado eu fico refletindo em todas as falácias brancas ditas quando eu era criança: Que o Brasil é o país do futuro, que somos um país acolhedor, que não existe racismo porque somos um país miscigenado e por aí vai. 
Nos últimos tempos tem circulado a famosa pirâmide social onde fazem um corte de gênero, onde se criou a falácia feminista do privilégio do homem preto em relação a mulher branca.
Daí eu penso: Homens negros são maioria em situação de rua, estão entre os menos alfabetizados, são minoria em cursos superiores, são os que mais estão em situação de vulnerabilidade, marginalização, são os que mais morrem por homicídio e suicídio. 

ONDE ESTÁ O PRIVILÉGIO DO HOMEM PRETO?

Eu não estou fazendo esse recorte pra dizer que homem negro sofre mais que mulher negra, JAMAIS! 
A fita é que somos um povo, isso afeta as mulheres pretas também e as fitas que afeta as mulheres pretas afetam os homens pretos também. Nós somos um povo e uma coisa está ligada na outra. 
Enquanto a gente fica na internet fazendo recorte de gênero, brigando por tom de pele de fulano ou ciclano, que o famoso ou famosa está palmitando, o sistema abate os nossos sem dó, sem fazer esse recorte e sem nada.
O BAGULHO É NÓS CONTRA ELES, TIO!

“EU ESTOU CANSADO DE FICAR CANSADO” Terça-feira mataram o João Pedro de 14 anos, quarta-feira um jovem de 18 anos...

Publicado por Noticiario Periferico em Quinta-feira, 21 de maio de 2020


Nenhum comentário:

Postar um comentário