terça-feira, 12 de maio de 2020

Poeta, preta e de quebrada, Kimani é a representante brasileira do Grand Poetry SLAM 2020


Foto de campeã do Slam BR 19
A quebrada estará muito bem representada com a Kimani sendo nossa poeta brasileira na competição mundial de Slam. (Spoken Word/Poesia Falada) 

Cinthya Santos vulgo Kimani é moradora do Grajaú, zona sul de São Paulo. O tempo passou e as poesias de amor e carinho se transformaram em versos e atitudes potentes sobre ser mulher, preta e de quebrada. Kimani diz que sempre consegue escrever quando está muito puta. Seu ódio é transformado em poesias de rasgar a mente, assim Kimani após ser vice em 2017, se consagrou campeã do Slam BR na edição de 2019. E agora em 2020 vai nos representar e se representar na competição mundial de Slam. 

Trecho da entrevista da Kimani ao site TPM

Como foi voltar ao Slam BR este ano e ser campeã depois de ter ficado com o vice-campeonato em 2017? 
Rolou uma cobrança interna. Nunca estive tão nervosa em todas as competições que já passei. Claro que ter sido vice em 2017 tem um peso. O difícil agora é me manter na cena, conseguir trazer novidade sem ser aquela coisa previsível, das pessoas falarem “ah, já sei o que ela vai fazer”. Foi o meu maior desafio, mas senti que fui crescendo ao longo da competição. 

É verdade que você escreve poesia desde os seis anos? 
Tive a sorte de, no começo da infância, estudar em uma escola particular, que tinha saraus. Lá tinha espaço para falar de sentimento. Lembro que, nas minhas primeiras cartinhas para os meus pais, escrevia frases como “que Deus te proteja com as nuvens de amor”. Era uma coisa meio de simbologia, mas o que eu estava querendo dizer já era poesia. 

De onde vem a inspiração para escrever as coisas nada dóceis que você escreve? 
Meu processo criativo é sentir. Sempre consigo escrever quando estou muito puta com alguma coisa, quando estou com raiva. Escrevi um último texto antes do Slam BR porque estava muito chateada com algumas coisas que eu tinha ouvido, sabe? Umas pessoas me chamando de palmiteira, porque eu namoro um homem branco. Então falei “ah beleza, vamos falar sobre isso”. E é muito foda, porque nem sempre tenho coragem para chamar as pessoas no diálogo para falar o que eu penso, mas na poesia eu tenho. Então uso a poesia para desabafar, desafogar o que está entalado. 

Antes da poeta da zona sul de SP se consagrar campeã do Slam BR foi convidada pela Globoplay para roteirizar e declamar um manifesto para promover a série The Handmaid’s Tale – O Conto da Aia, que retrata uma sociedade dominada por fundamentalistas religiosos e que está em crise de infertilidade. Seu manifesto bateu tão forte que o vídeo promocional no Youtube foi visto por 16 milhões de vezes em 2 semanas depois do lançamento.

Na mesma entrevista para a TPM, Kimani fala sobre um pouco do processo de criação e como foi o convite para esse trabalho. Confira: 

"Não foi só um trabalho para o Globoplay, foi um trabalho para uma série britânica e branca. Vamos deixar isso bem claro. Quando recebi o convite, teve muito esse pr!ocesso de primeiro achar que eu não era capaz. Depois, gostei do desafio. Claro que não tinha a menor ideia que iria viralizar tanto. Também tinha receio se realmente eu iria conseguir fazer do “jeito Kimani”. Tive medo de ficar engessada, muito dependente do briefing que me passaram, mas foi muito tranquilo. Eles me liberaram para falar o que eu quisesse, claro que a parte de palavrões eu tive que cortar por conta da TV, mas com relação ao conteúdo é um texto que você ouve e fala: “A Kimani escreveu isso”

Grand Poetry SLAM 2020:

Como todos sabem o mundo passa por um momento em que boa parte das pessoas estão de quarentena seguindo os protocolos do isolamento social recomendo pela OMS (Organização de Saúde) por conta da pandemia de Covid-19. 

Portanto nesse ano, a edição não vai poder acontecer na França, onde sempre ocorreria a competição mundial. 

A transmissão vai ser online pelo aplicativo Zoom, então anota na sua agenda: 

A competição mundial ocorre de 18 a 23 de maio, mas a Kimani representando o Brasil, se apresenta no dia 19 às 16 horas, horário de Brasília. 


Ver essa foto no Instagram

Poeta, preta e de quebrada, Kimani é a representante brasileira do Grand Poetry SLAM 2020 A quebrada estará muito bem representada com a Kimani sendo nossa poeta brasileira na competição mundial de Slam. (Spokem Word/Poesia Falada) Cynthia Santos vulgo Kimani é moradora do Grajaú, zona sul de São Paulo. O tempo passou e as poesias de amor e carinho se transformaram em versos e atitudes potentes sobre ser mulher, preta e de quebrada. Kimani diz que sempre consegue escrever quando está muito puta. Seu ódio é transformado em poesias de rasgar a mente, assim Kimani após ser vice em 2017, se consagrou campeã do Slam BR na edição de 2019. E agora em 2020 vai nos representar e se representar na competição mundial de Slam. Mais detalhes de como assistir da sua casa aqui: https://bit.ly/2xU9CHw

Uma publicação compartilhada por Noticiario Periferico (@noticiarioperiferico) em


Segue os links: 


Facebook do SLAM: 


Poesia campeã:



Nenhum comentário:

Postar um comentário