sexta-feira, 9 de outubro de 2020

UGangue lança clipe de clássico do bate-cabeça baiano | Trama



Originalmente conhecido como “Na Disposição e depois “Na Trama do Pó”, a banca de rap baiana UGANGUE está de volta relançando um clássico de seu repertorio muito famoso nos role de Salvador. 


Ugangue é aquela banca no estilo bem de rua que rima sobre tudo o que ronda a gente, principalmente os pretos (as) que mora em quebrada.


Kiko MC e DaGanja são os criadores da banca “União do Gueto” (UGangue), que quando foi lançado a mixtape “Rádio UGangue vol.1” (2014) era formada por Mobbiu, Dimak, Vandal, Galf AC, Rap Nova Era, Coscarque, Kino MC, CDoze e Saca Só.


“Na Trama do pó” é a segunda faixa da mixtape “Radio UGangue vol.1”, esse som é rimado em cima do beat da música “Trap Back Jumpin” do rapper estadunidense T.I. O rapper de Atlanta não é o criador do estilo, mas um dos primeiros a popularizar do termo TRAP. Buscando inspiração em um dos pioneiros, a banca baiana deu um gás na cena baiana ao lançar esse som, pois há relatos que esse som que é um TRAP deu uma renovada no Bate-Cabeça baiano.  Além de darem um UP nos bate cabeça de Salvador, a banca é uma das pioneiras no TRAP na Bahia. Esse som inclusive não tocou nas rádios, mas geral no roles curtiram e ainda curtem muito quando toca de quebradinha no roles.


Conservadorismo x Renovação 


MUITOS em São Paulo por serem OG’s (Original Gangstas) ou UBC (União Bate-Cabeça) torcem muito o nariz com essa nova geração batendo cabeça em TRAP, pois acreditam que só se bate-cabeça em “boombap-hardcore” como em “Pule ou Empurre” do RPW, “Mano de fé” do Potencial 3, “UBC” do Doctors MC’s e outros, ou em sons “gangsta progressivo” como “Refém da Amnésia” do Realidade Cruel e clássicos do Facção Central e RZO.  Mas essa gente conservadora esquece que o bate-cabeça nem é criação do rap, mas do Rock e também esquece que o Hip Hop é cultura de rua e na rua as coisas são contemporâneas e transformadoras. O Hip Hop tem a capacidade de se adaptar/se moldar/se transformar e absorver a cultura local. O Hip Hop é uma grande arvore que dá frutos que de tempos em tempos se renovam.

UGangue é exatamente isso, são vários pretos gangsta do cangaço fazendo rap atemporal para pessoas iguais a eles, numa linguagem simples, direta, certeira sempre com sua originalidade baiana. O mais foda da cena baiana é que ela não é cópia ninguém! É um fruto novo e diferenciado.


2020


Estamos passando por um momento de retrocesso social por conta da politica de nosso país e por conta da pandemia por conta do Covid-19. Diante de tudo isso ou apesar de tudo isso, a banca decidiu se reunir novamente em estúdio e está preparando uma série de lançamentos que começou com o audiovisual de “Trama” (Remix Trap Back Jumpin)


Em 2014, a música que a princípio como dito lá em cima “Na Disposição”, já tinha ganho um clipe numa versão “Cypher”.

Agora em 2020, “Na Disposição” vira “Trama” e ganha clipe produzido por Iury Taillan e Ícaro Luan, que foram os responsáveis por materializar em imagens um dos maiores hinos do rap baiano.  O clipe reúne imagens de plano aero da “fronteira” entre a cidade baixa e cidade alta, forma geográfica através da qual Salvador se configura. 


Segundo informações de Danilo Cruz, do Oganpazan em matéria ao site Bocada Forte, UGangue hoje é formada por DaGanja, Rap Nova Era, Pivete Nobre, Kiko MC, Vandal e Galf AC, que já estão em estúdio gravando novas faixas para um disco, ainda sem data de lançamento prevista”. 


Danilo que é um dos grandes pesquisadores/garimpeiro da cena baiana, também na mesma matéria ao Bocada Forte nos relata o pioneirismo da banca.


“Na Trama” é também um registro do pioneirismo do Trap na Bahia, ao contrário do que geralmente é vinculado, a Bahia faz trap desde 2010 e nessa faixa em específico a banca utilizou um remix do pioneiro americano T.I. da música Trap Back Jumpin (2013). Onde Galf AC, Vandal e Ravi Lobo (Rap Nova Era), demonstrando em 4K a atualidade de uma música produzida 6 anos atrás, um hino atemporal para todos aqueles que entendem o rap como luta, como enfrentamento”, conta Danilo.


O clipe é apresentado no melhor estilo banca de rap com os aliados na quebrada tirando onda sem querer guerra com ninguém, a não ser que alguém teste sua febre, tá ligado?


Bora para o clipe:


Nenhum comentário:

Postar um comentário