domingo, 18 de novembro de 2007

50 Cent questiona por que Britney Spears não foi censurada


It's Britney, Bitch! - exclama Britney Spears nos primeiros segundos de seu novo álbum, o recém lançado Blackout. A frase que abre a elogiada faixa Gimme More, contém a palavra "bitch", que tem conotação ofensiva, e gera muita polêmica nos orgãos de censura norte-americanos, por denegrir a imagem da mulher.

A palavra é uns dos termos prediletos das estrelas do hip hop ao se referirem ao sexo feminino. No entanto por causa da censura, as músicas ganham versões limpas livres da palavra e outros termos ofensivos para poderem tocar nas rádios e televisões.

Enquanto promove seu novo disco Curtis em Londres, 50 Cent fez a seguinte a pergunta: "se a Britney pode usar a palavra que começa com "B", por que eu não posso?".

"Acho que as regras se aplicam de forma diferente para cada artista", completou o MC, cujo nome de nascença é Curtis Jackson.

50 Cent realmente tem do que reclamar. Ele acaba de lançar um videoclipe gravado em parceria com o cantor Akon que foi batizado I'll Still Will (algo como "Eu ainda irei" na tradução) para poder ser veiculado na TV.

"O nome da música é I'll Still Kill ("Eu ainda Matarei"). Tive que mudar o nome para passar na MTV. O mais engraçado é que depois desse clipe , foi exibido um vídeo de um grupo chamado The Killers (Os Matadores)", disse.

Ainda sobre o assunto 50 mencionou seu mais recente projeto cinematográfico, o longa Righteous Kill (ainda sem título brasileiro), em que ele contracena com os mestres Al Pacino e Robert De Niro.

"Não houve problema para este título, apesar da palavra "Kill" (matar) aparecer lá. Realmente, coisas assim me fazem pensar que o hip hop é o filho bastardo da indústria do entretenimento", finalizou.

Fonte:: Blog G-Unit Records

Nenhum comentário:

Postar um comentário