terça-feira, 31 de dezembro de 2019


Chegou a esperada lista, talvez não por vocês, mas por nós. Sim, nós do Noticiário Periférico consumimos esse ano mais de 100 trabalhos nacionais, porque nossa lista não é top 10 de 11 ouvidos. Listas tem o objetivo de informar e mostrar trabalhos que passaram batidos aos ouvidos das e dos leitores. Recebemos grandes trabalhos, com mensagens importantes, carinho na produção e cuidado nas escolhas artísticas. Como nós não nos importamos em classificar os trabalhos, pois todos envolvem o trabalho, dedicação e outras coisas, decidimos fechar nos 100 que nos causaram mais impacto de alguma forma e colocamos nessa lista. Passe o ano se deliciando com ela, ao invés de ficar classificando todo álbum como álbum do ano. CONHEÇA ARTISTAS, BUSQUE CORRES INDEPENDENTES, DÊ PREFERÊNCIA AO RAP NACIONAL SEMPRE QUE POSSÍVEL (TEM RAP DE ANGOLA NA NOSSA LISTA), SÃO OS VOTOS DO NOTICIÁRIO PERIFÉRICO! 

Tome porradão! E se você não está na nossa lista, não se cobre, não dá pra abarcar todo mundo, mas mande seu trabalho pra nós, 2020 está aí!

Nossa lista está classificada por ordem alfabética pra vocês não criarem padrões nas cabecinhas, o padrão é alfabético. Cliquem nas capas dos discos para ouvir.

Akira Presidente - Nandi


Nandi é o sétimo trabalho do rapper carioca que conta com participações de Bk', Baco Exu do Blues e de sua esposa Ainá, também conhecida como Mo7her. Tendo beats de trap como base de fundo, resumindo bem o álbum, Akira fala sobre progresso, amor e fé nos parças.

Alinega - Feita para ser amada

 Clique na imagem


Mesmo sendo seu primeiro trampo solo, é bem possível notar a maturidade na arte de Alinega que traduz um olhar sensível e poético para temas densos nessa sociedade bastante desigual. Além de amor, o EP também fala sobre sobrevivência, afetos, desafetos, hipersexualização de corpos pretos e algumas fitas mais. Brisa Flow, Ray Thomaz e MGO participam do projeto e o Vibox, Shien e Iuri Branco ficaram na parte da produção musical.

Alt Niss - A linha tênue

 Clique na imagem pra ouvir

A Linha Tênue é o primeiro trabalho solo da cantora paulistana Alt Niss. O EP saiu pelo selo Boogie Naipe e conta com 7 faixas e participações de Tássia Reis, Geenuino. A Linha Tênue é a reflexão de perspectivas positivas em meio ao grande caos que pode estar a sua vida, e no quanto uma realidade difícil pode ser um grande impulso para se ganhar o mundo.

Amanda Negra Sim - Vida

 Clique na imagem pra ouvir

O álbum Vida conta com produções de Dj Tony, Dj Mr Dri, Ricardo Mock e Biscoito Sintomas Clã e conta com participações especiais de Dudu Nascimento e Dj Lobato. Vida é a continuidade e um passo adiante para as realizações de Amanda, e é diretamente influenciado pelos conceitos afro-ancestral da mulher, mãe e negra vivendo na periferia de SP.

Amiri - O.N.F.K 

Clique na imagem pra ouvir

O.N.F.K ("Odo Nniew Fie Kwan", do sistema de escrita filosófica de Gana, Adinkra, significa "O amor nunca perde seu caminho de casa") é todo produzido por Deryck Cabrera e a única participação do álbum é da Lilly B. Em todas as faixas o Amiri trata de temas como: se amar, ser confiante em tudo que você se propõe a fazer, não de uma forma arrogante, mas como um fortalecimento.
O.N.F.K “é sobre autoamor, é sobre autoconfiança, é sobre autoestima”.

Baiana System - O futuro não demora

 clique na imagem pra ouvir

Lançado em fevereiro, o disco O futuro não demora foi premiado pelo 20º Grammy Latino, e é o terceiro da carreira de 10 anos do Baiana System. Conta com 13 faixas e produção de Daniel Ganjaman e co-produção do próprio grupo. Disco com início, meio e fim muito bem amarrados, sonoridade das que a gente gosta. 

Bia Doxum - ÀTÚNWA 

 clique na imagem pra ouvir

ÀTÚNWA é o conceito yorubá para aquilo que o ocidente entende como reencarnação, significando "aquele ou aquela que volta novamente". Depois de um hiato de 4 anos como dito acima, o retorno da Bia Doxum, se dá em um novo trabalho com 13 faixas, que simbolizam o renascimento da alma através da abordagem de ideias como ancestralidade, amor preto, axé e a força da mulher negra no cenário urbano contemporâneo. As produções ficaram por conta de Heron Francelino, Gibin, Kléber Milo, Vinni Og Beats, Vibox, BadSista e Dj Higa, além da direção vocal do D Cazz. A mix e master ficou por conta do Base Mc - RefugiAudio Estúdio

Bia Ferreira - Igreja Lesbiteriana, Um Chamado

 clique na imagem pra ouvir 

Lançado em setembro, o álbum da cantora Bia Ferreira que traz em suas 9 músicas, letras políticas e necessárias para discussões sociais, trata sobre racismo, relacionamentos, feminismos e vivência de uma mulher lésbica. É um trabalho bem visceral, dos que a gente consegue vivenciar com a artista, por isso entrou em nossa lista. 

Bixarte - Mixtape Faces 

 clique na imagem pra ouvir

Essa mix eu já espalhei pra todes que conheço porque não é pra ficar guardado. Lançada em novembro, a mixtape "Faces" da artista paraibana Bixarte, vem logo após seu belo trabalho, o EP Revolução, lançado em maio desse ano também. A mixtape tem diferentes ritmos, e traz críticas sociais e políticas abordando temáticas que foram e são marginalizadas. Daqueles trabalhos que você ouve as 8 faixas balançando o corpo e com a consciência trabalhando.

Black Alien - Abaixo de Zero: Hello Hell 

 clique na imagem pra ouvir

Esse álbum lindo do carioca Gustavo Ribeiro, o mestre Black Alien, é cheio de intimismo que nos leva pra próximo dele e da relação dele com os vícios. Com produção de Papatinho, o álbum traz boombap, jazz entre outras versatilidades nas 9 faixas. 

Bundep - nSANo e Moto Treta - Assinamos com o demo 

 clique na imagem pra ouvir

De forma irreverente e controversa a dupla Bundep (nSANo e Moto Treta) apresenta seu primeiro trabalho oficial, o EP ‘Assinamos com o demo”, projeto lançado com o clipe da faixa-título. Com um tipo de humor escrachado, o Bundep pode ser definido como "os Mamonas Assassinas do rap". O EP conta com 6 faixas e conta com produções de Lr Beats, Skeeter, Eloy Polemico, Nixon Silva e Leo Machion.

Cagebê - Pretérito 

 clique na imagem pra ouvir

Depois de 8 anos, o trio CAGEBÊ (Cezar, Paulinho e Shirley) da zona norte de SP se reuniu e lançou o álbum ‘Pretérito', seu terceiro álbum. Pretérito tem 14 faixas e produções de Mortão VMG, DjTG, Semgrana e Cezar Sotaque.

Chakal - Morador de lugar nenhum 

 clique na imagem pra ouvir

O EP "Morador de Lugar Nenhum" é a estréia de Chakal, lançado pelo selo uzzn rec, conta com 9 faixas que trazem visões de mundo e vivências do MC e participações de outros artistas. O EP conta com a maioria das produções de Gibbin, e também uma faixa de Rentz e uma de Kevão & Yan. 

Chris MC - Prins 

 clique na imagem pra ouvir

O mineiro Chris MC tem se destacado atualmente a partir das batalhas de rimas, ele tem lançado trabalhos bons, o que rendeu o convite pra participação no Poetas no Topo 3.3. O álbum PRINS, traz 11 faixas, contando com a participação de nomes como Luccas Carlos, Sos e Baviera, além do álbum inteiro ser produzido por Malive.

Clara Lima - Selfie 

clique na imagem pra ouvir

Selfie é o segundo EP da mineira Clara Lima, composto por oito músicas, pelo selo Ceia Ent. Nas letras, Clara coloca, de maneira bastante explícita, as experiências pessoais e o amadurecimento desde o lançamento do seu primeiro EP, “Transgressão”, em 2017. As letras falam sobre amor, conquistas, sonhos e as dificuldades para conseguir chegar onde se quer.

Coruja BC1 - Psicodelic 

clique na imagem pra ouvir

“Psicodelic” é o terceiro álbum do Coruja BC1 e tem como plano de fundo a saúde mental para as narrativas de um jovem periférico. Memórias, traumas, críticas, anseios e (até) amor permeiam a mente de Coruja BC1, transformam essas sensações em afiados textos. Não é a toa que ele se comunica com maestria com os jovens brasileiros.

Daniel Yorubá - Casulo 

 clique na imagem pra ouvir

Casulo foi escrito durante um período em que o Daniel esteve focado em cuidar de sua mãe. Como o cantor abriu mão de muitas coisas, usou suas horas vagas para compor esta obra de arte. Casulo é um misto de Soul, Reggae, Mpb e R&B tudo com tempero bem brasileiro. O álbum tem 11 faixas e traz um misto de assuntos vivenciados pelo artista. 

Deborah Crespo - Ouça Sozinho

 clique na imagem pra ouvir

O EP “Ouça Sozinho” conta com 3 faixas R&B de muita qualidade, pra você ouvir e pensar naquela pessoa especial. Usando uma linguagem nada gourmet, nesse EP, Deborah abre seu coração e expõe seu amor, paixão e sonhos de uma vida a dois com seu consagrado.

Denov - Manual prático 

 clique na imagem pra ouvir

Lançado em março, Manual prático é o álbum de estréia de Isac Marcondes, mais conhecido como Denov, rapper e produtor de Ferraz de Vasconcelos, São Paulo. Denov faz parte da gravadora Red Room Entertainment e do coletivo Cof Cof Gang.

Dfideliz - Sou Rock n Roll 

 clique na imagem pra ouvir

Como já é de costume no mundo do trap e do Dfideliz, o álbum “Sou Rock N’ Roll” fala sobre amor, coisas de quebrada, drogas, política tudo de uma forma bem crua e sem preocupação nenhuma com o politicamente correto. Dfideliz é o MC mais lírico da Reycad, o rapper mostra toda sua versatilidade apresentando músicas nos mais variados estilos como trap, boombap, funk e RnB. Nomes de peso participam do álbum, Kevin o Chris, Gaab, Mc Igu, Jé Santiago, Dagrace.

Djonga - Ladrão

 clique na imagem pra ouvir

Em “Ladrão”, seguem presentes alguns temas que o acompanham desde o primeiro trabalho, como a posição antirracista, forte crítica social, a religiosidade - com forte presença no segundo álbum - e a paternidade, temática cada dia mais incisiva nas músicas do rapper, tendo em vista que Djonga se tornou pai em 2017. Ladrão é composto por 10 músicas inéditas, produzidas por CoyoteBeats, coprodução Thiago Braga e masterizada por Arthur Luna.

Douglas Din - #CmJ

 clique na imagem pra ouvir

O álbum #CmJ lançado em dezembro, traz nas suas 9 faixas temáticas como família, povo negro e periférico. Conta com participações de Profeta, Monge Mc, Fellipe Beluca, Eli Ribeiro, Jade AMV, Tchouzen, LIAH e Drizzy; e maioria das produções de Nerex e Kaiô Prod.

Dow Raiz - As profundezas de um tempo DANGER 

clique na imagem pra ouvir

Unindo boombap, trap, funk e uma pitada de reggae pra suavizar o clima de DANGER o trabalho traz no som e nas letras a busca por evolução do artista. Dow Raiz encara a problemática do ego na sociedade, onde percebe estar permeado de falsidade e promessas irreais, e faz das palavras a sua forma de expressão a principal arma. Em tom de desabafo, cada música traz um recorte da verdade vivida pelo artista, relatando toda a maldade observada e o perigo de estar nessa transição turbulenta, tanto para o cenário musical, quanto político e social.

Dr. Caligari - Labirinto 

 clique na imagem pra ouvir

Dr. Caligari é o alter-ego do DJ Caique, onde o renomado produtor manda suas rimas hardcore. ‘Labirinto’ tem 7 faixas e conta com participações especiais de Mr. Hyde, americano conhecido pelo estilo hardcore, de Bruno Chelles, integrante do grupo 3030, e de Patrick Horla, rapper e compositor brasileiro. E todas as faixas são produzidas por DJ Caique. Não deixem de conferir a coletânea Coligações Expressivas do DJ Caique.

Drik Barbosa - Drik Barbosa 

 clique na imagem pra ouvir

Em seu álbum de estreia a MC flerta com o mundo pop, mas não deixa o rap de lado, pelo contrário, o rap é bem marcante no álbum que conta com as participações de Gloria Groove, Karol Conká, Luedji Luna, ÀTTØØXXÁ, Emicida, Anna Tréa, Luedji Luna, R.A.E, Denise de Paula e Rael. A produção ficou por conta do Grou, direção musical ficou por conta do Fioti.

Dukes e Johnny Nelo - Emoção

 clique na imagem pra ouvir



EP fruto da colaboração entre Dukes e Johnny Nelo, todas as produções por Johnny Nelo, exceto a faixa 4 "O que te seduz", produzida por Dukes e Johnny Nelo. Não deixem de conferir também o trabalho de



Du Efex - Du Barraco Pa Espaiá

 clique na imagem pra ouvir

Du Efex que é da zona leste de São Paulo, tem 20 anos de rap, já foi do grupo Efeitos, Caos do Subúrbio e neste ano resolveu soltar seu primeiro álbum solo. Du Barraco Pa Espaiá conta com maioria dos scratchs e colagens do DJ RM, mas também o DJ Mayk, do Terceira Safra, participa na música "Quedas e tombos”. O álbum tem as participações de Luiz Preto, o cantor Henrique Elói, Marrom, Erick 12 e Reviravolta Máfia, Tico QDP, Raphão Alaafin e o produtor Sem Grana, da Rec Livre e Familia 4 vidas.

Ecologyk - Venturo 

 clique na imagem pra ouvir

Para coroar o grande ano que beatmaker teve, Ecologyk reuniu grandes artistas do rap e do R&B e lançou seu primeiro álbum chamado “Venturo”. O projeto conta com 12 faixas e um time é diversificado de artistas, nomes como Oshun (duo feminino estadunidense), Jé Santiago, Lucas Silveira, Froid, MC Rita, Bivolt e Alt Niss participaram do trabalho.

Edaum - Tommy Gun 

 clique na imagem pra ouvir

Edaum, MC integrante do grupo 3 Pilares lançou seu primeiro trabalho solo. O EP lançado em março, “Tommy Gun”, tem 4 faixas conta com produções de Eddy Muggre (Colombia) e Johnny Ash (EUA) e traz as participações de Malokero Anônimo e Emesse (Chile).

Edi Rock - Origens 

 clique na imagem pra ouvir

Edi Rock mergulhou em suas raízes musicais mais profundas e abriu seus horizontes para explorar diferentes sons e se conectar com nomes da nova geração em seu segundo projeto solo da carreira. O álbum “Origens” é uma celebração à música brasileira, onde o rap se junta ao funk, ao samba e até ao sertanejo, com influências de R&B, reggae, rock, blues e folk. Sem perder sua identidade, Edi Rock marca presença nas composições das 14 faixas, onde conta com participações especiais nacionais e internacionais.

Elza Soares - Planeta Fome (2019)

 clique na imagem pra ouvir 

Um ano após o lançamento de seu disco, Deus é mulher, Elza Soares lançou seu trigésimo quarto álbum de sua carreira, Planeta Fome. (isso mesmo que você leu) 
O álbum conta com a produção de Rafael Ramos, que produziu o álbum Ponto Cego do Dead Fish e Matriz, da Pitty. A história do nome deste álbum é muito interessante 
Em 1953, a cantora foi ao programa do Ary Barroso na Rádio Tupi. Quando o Ary viu a Elza contra trajes bem pobres, ele foi bem preconceituoso e perguntou: “de que planeta você veio? Elza forte desde sempre respondeu: “Do mesmo planeta que o senhor, do planeta Fome”
Neste mesmo programa a cantora cantou um samba chamado “Lama” e levou nota máxima. 

Emicida - AmarElo 


Amarelo aparenta ser o trabalho mais intimista do Emicida depois de sua Mixtape “Pra quem já mordeu um cachorro por comido até que eu cheguei longe". Neste álbum ele conta histórias do nosso cotidiano, mas ele meio se insere e insere pessoas no contexto e passa o real sentimento da parada. Depois de te fazer sonhar com a paz, ficar com a mente e coração cheio de esperança, a faixa 9vinha vai te preparando, daí chega Ismália chega jogando um balde de água fria na sua cara te falando: Acorda, tio! quem nem tudo é "AMARELO!". O álbum conta com a participação de Mc Tha, Drik Barbosa, o humorista Thiago Ventura, Fabiana Cozza, Pablo Vittar, Majur e outros.

Fahim - Novos tempos


Com participações Sadiki, Dee, DCazz, Nando Vianna e Timm Arif, "Novos Tempos" é a reação em versos de um mundo caótico como São Paulo, onde se vive a guerra, o amor, a flor da liberdade, as perdas, as conquistas, as derrotas, a volta por cima... os Novos Tempos, dentro de um contexto musical vindo da periferia que traz pra nós, o poder que a ancestralidade tem através da música. Pra construção desse Universo, 'Novos Tempos" foi produzido e arranjado por DJ Will, Pé Beat, Timm Arif, Derick Cabrera, Saile Beats, Ricardo Mock, Triick e Grou.

FBC - Padrim 


No álbum anterior (S.C.A.) FBC emplacou com narrativas sobre sua trajetória. Ele surgiu das favelas de Belo Horizonte, superou desafios e se tornou um expoente da cena. PADRIM é a segunda parte dessa história, com a visão mais experiente do rapper. As músicas discutem assuntos como depressão e racismo estrutural através de crônicas. O álbum contém 10 faixas com produção musical de Go Dassisti, participações especiais de BK, Ebony, Gee Rocha, Lallo, L7nnon, Luccas Carlos, Matheus Queiroz e produção executiva de Alice Duch e Rafael Barra.

Flagelo Urbano - Do Sião a Medina 


O Griot do rap angolano não decepcionou seu fãs e lançou um EP muito bem produzido, muito bem escrito, que aliás é uma de suas principais características de seu trabalho, letras muito bem escritas, linhas muito bem pensadas que nos faz refletir em diversos aspectos, seja nós como ser humano ou como sociedade. O EP “De Sião a Medica" tem este nome, pois todas as músicas tem samples e trechos de músicas do Bob Marley. O rapper angolano sempre foi um grande fã do cantor jamaicano e no mundo musical é sua maior referência.

Freelogia - Flor da Vida 


A obra carrega consigo o conceito do ciclo da vida, da sua fase inicial a final com intuito de expansão da consciência através de experiências em vida. O projeto de 7 faixas conta com a produção do prodígio em ascensão Gomes Freitera e a colaboração do canal influente na cena, Quadro em Branco, também conta com a participação do poeta Raul Riul e beatmaker Britto Iago.

Funkero - Poesia Marginal - Criminologia Pt 2

O conceituado rapper carioca, Funkero estava se mantendo bem discreto desde o fim de 2018 e começo de 2019, mas o rapper não estava de férias. Após grande expectativa de seus fãs, o rapper finalmente lançou o álbum “Poesia Marginal Pt.2: Criminologia. Variando entre, boombap, rap/rock, trap tudo num estilo bem pesado, o rapper pos na rua um álbum com letras bem atuais que conversam a situação de nosso pais. O trampo conta com 10 músicas e traz participações de: Mc Orelha, Vandal e outros.

Hanifah - Emunah

Hanifah, filha do DJ KL Jay (Racionais) lançou seu primeiro EP EMUNAH (verdade, em hebraico). 
O novo álbum apresente faixas que flutuam por ritmos como R&B, hip hop e house, além de contar com inspirações de experiências pessoais da própria cantora. O álbum tem como objetivo falar de amor nos dias atuais. Emunah conta com 6 faixas + Intro e conta com produções de Deryck Cabrera, Dj Will e Grou. As participações ficaram por conta de Dee, Dcazz, Alt Niss e Koning.

Helen Nzinga - Nzinga Mbandi 


A carioca, Helen Nzinga começou a cantar rap em 2008 num grupo gospel chamado D’missão. Após o termino do grupo a mc passou a se dedicar a seus projetos solo. Em 2015, Helen retomou a carreira no rap, mas solo, lançando singles diversos e parcerias que vão do rock a música clássica. 
Helen Nzinga lançou seu ep de estreia Nzinga Mbandi, uma proposta afrofuturista que mistura ancestralidade e elementos da cultura urbana.

Hot e Oreia - Rap de Massagem 


A dupla mineira Hot e Oreia lançou seu primeiro trampo chamado “Rap de Massagem”, que conta com participações de Djonga, Luedji Luna, Marina Sena, Rafael Fantinni e LG Lopes. O conceito do álbum parte da ideia e sentimento do não-pertencimento da dupla ao cenário do rap nacional trazendo críticas em forma de satiras sobre o atual governo. ‘Rap de Massagem’ tem 9 faixas e conta com produções de Fantasmatik, Coyote, Johny Martinez, Estudio Giffoni e Enece. 

Intelektu - Le code Noir (O código Negro) 


Mutu Moxy (Intelektu) é um MC bem acima da média, um dos melhores! O Intelektu rima em português, inglês, Kibundu e francês. Todas suas letras defendem a justiça social, trazendo um rap bem engajado e de combate. Le Code Noir (O código Negro), traz uma militância de visão pan-africanista, ou seja, de poder preto que contesta o racismo como sistema de poder. O álbum também incorporar ideias socialista por conter ideias na luta contra o imperialismo e justiça social em Angola (Africa) e no mundo, claro.

Isis Orbelli - Oscilações dos Tons Vol. 1 


A jovem Isis Orbelli parece ir na contramão do caminho que os seus apenas 18 anos a levariam, tomando um rumo onde a imaturidade e perspectivas rasas, que seriam naturais da idade, dão lugar a uma imersão em suas experiências e sentimentos. Em 3 músicas Isis fala sobre amor, acertos, erros, lamentações, inseguranças, família, relacionamentos e mais um turbilhão de coisas que se passa na cabeça de qualquer jovem, mas que nem todos conseguem transformar em arte.

Jamés Ventura - Espelho


James Ventura é de miliano no rap e no Hip Hop, mc que sempre pos a rua em suas rimas, não ia ser diferente em Espelho. Fã de gangsta rap como Facção Central, Consciência Humano e Cirurgia Moral, o rapper paulista de uma forma bem moderna traz este clima gangsta em seu álbum. Membro da família Ceia Ent, Jamés Ventura esteve ativo na cena hip-hop em 2019 realizando algumas colaborações com associados. Composto por apenas 10 faixas, o disco traz colaborações de nomes como Clara Lima, AntSocial, Beto Bongo, Jota Be, Jota Ghetto, Pizzol, Henrique Fuentes, Malokero Anonimo e UChina.


Jaya - Não foi tempo perdido 


Jaya apresentou seu trabalho que tem produção majoritária de Bface e Rodrigo Zin, além de colabs de Jxtacincx, CAFEBEATZ e Shaolin Drunk. “Não Foi Tempo Perdido” traz intimidade, relacionamentos e romantismo num álbum experimental que explora a variedade de beats.

Joca - A Salvação é Pelo Risco: O Show do JOCA 


A Salvação é Pelo Risco: O Show do JOCA é um álbum onde o rapper carioca fala que o isco que se corre é reflexo da existência do personagem que a si mesmo edita, reencontra e desconhece, através do rabisco. O álbum tem como método-base o sample, Joca reconstrói a narrativa de suas vivências acumuladas. O álbum tem 8 faixas e participações de Romão, Ciana, Drei, Juliana Thiré, Alceu, Amauri, Lucas LT, Jacquelone e Ana Frango Elétrico. A produção ficou por conta de de Joca e Reurbana.


Juliana Sete - Carranca


A Mc paulistana Juliana Sete lançou o EP 'Carranca', seu primeiro trampo solo. O EP que conta com cinco faixas e participação da Rubia RPW e Jahmal. As produções ficaram por conta do Vibox, Dj Neew e Rasec. Carranca é um EP onde a Sete põe muito de suas ideias e ideologias sobre a sociedade, dogmas cristão e etc.

Karol de Souza - Grande! 


Grande! é o primeiro disco solo da Karol de Souza, que aborda temas como birracialidade e quebra de padrões de beleza. A curitibana é uma das artistas mais promissoras da cena BR e uma pá de gente estava na fissura desse trampo. A Karol se destaca por suas letras diretas e ácidas, transitando pelo trap em rimas que abordam temas como sua birracialidade, colorismo, privilégios, fazendo também críticas fortes à padronização da beleza. O álbum conta a participação de duas de suas amigas do Rimas e Melodias: Tatiana Bispo e Stefanie.

Kid MC - Décimo Quinto Ano 


O brabo do rap angolano voltou em 2019 e lançou o álbum Décimo quinto ano. Todo enraizado pelo Boombap, o mc mostra que ainda está com suas rimas, suas ideias e punchlines bem pesadas e afiadas. Décimo quinto Ano tem 8 faixas e tem a participação de uma gama de produtores como: Dj Caique, Dj Revolution, Marley do Beat, Level Khronico, Dmage MC, Mad Contrã e Davide Beats. As participações ficaram por conta de: Paulo Flores, Valércya Nzolani, Fly Skuad, Lucássio, Laton, Sanguinário, Leonardo Wawuti, e Keita Mayanda.

Killa Bi - Eu sou uma abelha 


Killa Bi é mc, freestyleira, feminista, militante e integrante da Sociedade dos Poetas Livres (SPL). Nascida em Pindamonhangaba (Vale do Paraíba) interior de SP, lançou “Eu Sou uma Abelha”, seu primeiro EP. “Eu Sou uma Abelha” foi feito de maneira simples e coletiva, como trabalhamos na colmeia. O EP tem 8 faixas e conta com a participação de Alra Alves e Dj Gabiru. As produções ficaram por conta de Batata Killa, Gold Miner, Barba Negra, Laura Lima, Simio, AmandesNoBeat, Raul Ronde e Rato.

Koreia Barber Shop (KBS) - Mixtape 


Após a reinauguração de sua barbearia, Koreia Mori, conhecido barbeiro de Jundiaí e um dos fundadores do selo Sound Food Gang lançou a KBS Mixtape. O disco, que reúne diversos artistas do rap, chega no Brasil como a 1ª Mixtape produzida por uma barbearia. Para deixar a mixtape “na régua”, Koreia convidou amigos e frequentadores do espaço, entre os participantes estão; NIKITO, Chinv, Blackout, Yung Buda, Zemaru, Calister, Mano Will, Max B.O, niLL, Febem, Chábazz e Kado. Já os beats ficam por Emika, Crimenow, Tan Beats, Will Diamonds, O Adotado e Sono TWS.


La Riveria da Rima - Meu Estilo Não Tem Lei 


O grupo do interior de São Paulo (Piraju) formado em 2016, vem tendo espaço na cena underground do interior de São Paulo e levando a mensagem com um estilo único e harmônico e letras de questionamento, trouxe o EP intitulado "Meu estilo não tem lei", com 6 faixas.


Lheo Zotto - Hip Hop de Terreiro EBÓTAPE


HIP HOP de TERREIRO é o resumo dos 25 anos de RAP de Lheo Zotto. Mc mineiro, oriundo de Uberaba, quem diz também ser "Mineirista", devido ao fato de ter morado 15 anos em Ribeirão Preto SP, e amar igualmente cidade natal e cidade que o acolheu, são 22 faixas do mais puro rap Underground mineiro, com pé em SP e na África. Faça essa imersão e conheça o Ebó de Rimas, no Hip Hop de Terreiro. O álbum tem 22 faixas SLAMMASTER Alessandro Dornelos, Bazaka, GNZ, Gegê, Delluca, Camila Rocha e Rhenan Duarte. As produções ficaram por conta de Maladrinhação Beatz, Melody Maker, DJ Lx, Lincoln Rossi, Totoin, Galo Rex, Esquina Gentil e Dumatu Rec.

Leal - Visceral 


Visceral é o primeiro álbum do Leal do Primeiramente, o álbum conta com 16 faixas, produzidas por Di Responsa, TH, Riff. O álbum conta com participações de Gali, Sid MC, Sant, L7nom, Dudu MC, Froid, Aka Rasta, Dnasty, NP, Raillow e do português Vado Más Ki As.


Luedji Luna - Mundo - DJ Nyack remix 


A cantora baiana Luedji Luna e o paulista DJ Nyack lançaram o EP “Mundo”, que é uma releitura de “Um corpo no Mundo”, primeiro álbum da cantora. Esta releitura conta com a participação de grandes nomes do rap brasileiro, como: Tássia Reis, Rincon Sapiência, Djonga, Zudizilla e Stefanie MC. O projeto nasce após um convite recebido pela cantora para um experimento na Red Bull Station, em São Paulo, com o rapper norte-americano Illa J. Nyack, que já produziu beats, era o DJ que iria acompanhá-lo. “Nesse trabalho, o Nyack teve a ideia de fazer o remix de ‘Banho de Folhas’ no beat de uma música do Illa J chamada ‘Sunflower’ e quando essa música rolou no show o público foi ao delírio.

Lukas Kintê - Esse ano eu não morro 


O trabalho do rapper Lukas Kintê já causa impacto na capa. Com projeto gráfico feito pelo artista plástico Emerson Dias, o design da mixtape é carregado de autenticidade e traz elementos da sua trajetória, ancestralidade e espiritualidade. A mixtape tem 9 faixas com beat vem variados e conta com as produções de Victor Haggar, Herick Soul, Kalibre, DuqRa e Formiga.

Marcola - Lírios 


O baiano Marcola lançou seu primeiro disco solo no começo do ano. Com muita dificuldade pra por o trampo na rua como ele mesmo relatou, mas sem deixar de ser quem é nas 6 faixas que compõem o trabalho. Um trabalho profundo, como trouxe uma matéria incrível do Oganpazan, "só entendará os ascpectos raciais e politicos do álbum quem for capaz de ler o subtexto". Não deixem de ouvir também o lindo álbum yÁ’t.

Matéria Prima e DJ Lotek - Rascunho de um momento conturbado 


O mineiro Matéria Prima mais uma vez lançou um trabalho lindo, em parceria com o carioca DJ Lotek. A mixtape que tem 9 faixas, tem beats pesados com timbres lo fi e inspirados no boom bap, que trazem a essência das discussões e questionamentos internos da mente da maioria de nós no cotidiano desses tempos modernos. 


Max B.O - O.M.M.M


Aos 40 anos de idade e 20 de carreira, Max B.O lançou “O.M.M.M.”, que é o primeiro trabalho de sons inéditos depois de inúmeras e das mixtapes "FumaSom vol.1", "Antes que o mundo acabe" e o álbum "Ensaio, o Disco”. Para este novo projeto, o rapper traz diversos parças e reúne uma série pesada de participações especiais de beatmakers e músicos. Curumin, Rael, Lucio Maia, Zé Nigro, Donatinho, Dada Yute, Robinho Tavares, WC e Salazar são alguns dos nomes envolvidos.

Militância Poética - Reconstrução 


Usando e abusando da liberdade de expressão sem perder o groove e o balanço da música baiana, “Reconstrução” é o terceiro álbum do grupo, que chega mais uma vez pesado na cena. Encerra a trilogia que teve também os álbuns “Revolução Além do Plano Matéria” (2016) e “Reação” (2018), ambos lançados dia 2 de novembro em homenagem a todas as pessoas vitimadas na guerra racial não declarada no Brasil, e principalmente na Bahia, estado de origem dos integrantes.

MR-13 - Nada mais de antes 


“NADA MAIS DE ANTES” é o álbum de estreia do MR-13 e conta com 13 faixas autorais. Tem produção e direção musical de Vibox - além de outras produções de TH, DJ Tadela e Lucvs LK. Mixagem feita por Vibox e masterização de César Pierri (Beatwise Recordings). O projeto vem com uma nova formação do grupo, agora composto pelos MCs V.A.L.E e Rato, nos toca-discos DJ Murilex e nos beats Vibox. O nome “Nada Mais de Antes” é um jogo de palavras com o título da mixtape lançada pelo grupo em 2013, “Antes de Mais Nada”. Trabalho que acabou por revelar o MR-13 na cena underground do Rap da região do ABC Paulista e SP. Em uma nova fase, o grupo retrata bem o clima de mudança que vive ao colocar ao contrário o nome de seu 1º trabalho na carreira.



Murica - Fome 


Murica é um dos grandes nomes da nova geração do rap do DF, vindo das batalhas de rimas de sua região, o rapper da Brazilândia lançou o álbum Fome no começo do ano. Fome é seu primeiro álbum, que foi escrito ao lado de seus amigos. A produção veio através de um pacto com o DJ MK, que acompanha o rapper em seus shows. Todas as gravações e mixagens foram feitas na Ceilândia, periferia de Brasília, num trânsito contínuo entre a cidade capital e o subúrbio, o gueto, o bairro. A masterização ficou sob responsabilidade do Estúdio Zero Neutro de Alexandre Carlo e Pedro Alex. “A FOME pra mim representa à vontade, a gana, como se fosse um sonho" diz o rapper. 

Nabru - Porque Prefiro falar de amor 


A MC mineira nabru vem nos dando bons trabalhos, lançada em agosto a mixtape "porque eu prefiro falar de amor" vem trazendo toda sua expressividade nas 10 faixas. Como a MC descreve "minhas orações, conversar com o espelho, meus medos e minhas coragens também". Ouça também o trabalho Marquises e Jardins. 


Nego Gallo - Veterano


No começo do ano o rapper cearense, Nego Gallo lançou a mixtape 'Veterano”. Nego Galo já é de miliano, pois faz parte do icônico grupo Costa a Costa, grupo cearense de maior influência na cena brasileira nos pós 2000. A mixtape Veterano do rapper Fortaleza tem 11 faixas e traz histórias de amigos, vizinhos e como o prazer pela música tem a ver com a vivência nas ruas e muitas observações do que acontece nas quebradas.

Negra Jaque - Diário de Obá


Uma mulher negra no mundo onde ela possa andar lado a lado com todas as outras, por mérito, por dedicação, com as mesmas oportunidades e ter sua voz respeitada. Essa é a caminhada da Negra Jaque, que junto com muitas mulheres negras caminha em direção à igualdade, que busca um mundo melhor pra se viver. O álbum ‘Diário de Obá' (Sigmund Records) é um EP de 6 faixas e o titulo faz referência a Orixá Obá, primeira mulher de Xangô, que representa às revoltas e fortes águas dos rios. “Diário de Obá” conta com a produção musical de alunos do curso de Produção Fonográfica da faculdade Unisinos.

Nill - Lógos 


O álbum fala de tempo - o conceito Lógos -, e ao mesmo tempo se passa em uma loja de brinquedos, onde os sentimentos e percepções tornam-se comuns a todos. A produção fica por conta do Adotado - seu alter ego -, com instrumentais de Nave, Crimenow, Tan Beats e Yung Buda e tem participações de BK, Callister, Mano Will e Melk.


Nyl MC - Natural do Mundo
Nyl sem dúvida está em constante movimento na cena alternativa do Rio de Janeiro. Cria de Irajá, ele lançou seu EP "Natural do Mundo", produzido em parceria com a marca Impt Lifestyle!. Nyl teve seu trabalho estudado por um trabalho de mestrado que o teve como estudo de caso como um intelectual orgânico do rap do Rio de Janeiro. As faixas do EP trazem a originalidade de Nyl, e as vivências de seu dia a dia.

Okzo - Lavida 


Okzo é um rapper independente de Limeira e no mesmo de agosto lançou seu primeiro EP chamado ‘Lavida’. Trampo onde o rapper colocou tudo de si, seus corres, sua vida, sua família e sua alma. LaVida tem 6 faixas e conta com a participação de Aly, Rodrigo Short e Stak.


Paulo Microfonia e Sopro Inverso - O som nosso de cada dia 


Paulo Microfonia & Sopro Inverso se juntaram para compartilhar suas experiências cotidianas no EP "O Som Nosso de Cada Dia". A intenção do projeto é contemplar a fusão de dois artistas distintos, e ao mesmo tempo parecidos, saindo da forma padrão de produzir, apresentar e dialogar. As seis músicas que compõem o disco oferecem uma linguagem que enaltece a diversidade lírica e musical, tendo como influências o RAP produzido no final dos anos de 1980 e início dos 1990, incluindo o uso de "recortes" de vinis e samples de clássicos da música popular brasileira.


Primeiramente - Outro Nível 


Após "Basta Acordar" (2013), "A Um Passo do Precipício" (2014) e "Na Mão Do Palhaço" (2017), o novo disco mostra que o grupo acompanhou a evolução musical do gênero no país e no mundo, mas não deixou de lado sua raíz e suas mensagens que vão de auto-estima, família até protesto e posicionamento social e político. O álbum conta com produções do TH, Riff, DJ Murillo e OG Beatzzz e DJ Fire. BK do RJ e Georgia de SP deixaram suas contribuições em "Século XXI" (feat BK) e "Eu Sou A Luz" (feat Georgia).


Qua$imorto - OITOOITO 


Qua$imorto nativo de Manaus (AM) é formado por Fernando VÁRIO$, Victor XAMÃ, João ALQUÍMICO, Luiz CAQUI e Dj MAQ. O álbum foi produzido pelo Victor Xamã, nas dependências do selo 2088, 6 dos 8 beats foram produzidos pelo CEO do selo. OitoOito teve como participação: Sergio Estranho na faixa "Ultimo dia de inverno" e Matheus Coringa na faixa "Beat mais boombap".

Rael - Capim Cidreira 


Com folhas estreitas, compridas e quase sem caule, capim cidreira é uma erva medicinal com propriedades calmantes e aroma agradável. Geralmente, é ingerida em formato de chá. Mas agora também pode ser consumida em formato de música, já que “Capim-Cidreira” é o titulo de seu quarto álbum. Capim-Cidreira conta com as participações de Thiaguinho e a banda Merlim.

Rafuagi - Áudio Instrução 


‘Áudio em Instrução’ é lançado em comemoração aos 15 anos de carreira do grupo gaúcho. Composto por 10 faixas, o projeto marca a maturidade musical do grupo. Boombap é o chão do álbum, onde o grupo mostra o apreço pela tecnica rítmica, preocupação com o atual momento político do país. O álbum conta com parceria de peso da cena nacional como Thaíde, Rapadura e Nitro Di; além das participações de Boaventura de Sousa Santos, Lenys Merkdo, Vitin, Denise Fraga, Zilla Dxg, Mk Nocivo e Mr. Way. As produções ficaram por conta de Nixon e Skeeter; Luiz Café ficou na contenção das mixagens e masterizações.

Ramalho - Fogo a vera 


O rapper Ramalho que representa o vale da Paraíba lançou seu primeiro EP, intitulado “Fogo a Vera”. O EP conta com cinco faixas conta direção musical do Moita, criador e representante da família Matrero (nome de grande importância no vale do Paraíba) e beats assinados pelos meninos “mãos de ouro” da nova geração, Jessé e Raul, o EP é uma obra que nasceu em meio a vivências do cotidiano do artista. 

Rap Nova Era - Renovação 


Rap Nova Era, formado por Ravi, Moreno e DJ Kbça, lançou “Renovação”. Como o próprio título sugere, esse é um marco para a identidade do grupo baiano. Se antes o objetivo era ressaltar a vivência contínua da violência, principalmente policial, agora a proposta é outra, menos agressiva e muito mais preocupada com a musicalidade. 
Seu terceiro álbum conta com as participações de Yzalú, DJ Cia, Daganja, JR RDG, Nocivo Shomon, Big da Godoy, Godines, DBS, Lord, Vandal e Galf. Já as produções ficaram por conta de Plinelson, Dj Gug, Gedson Dias, Dactes, Coro de Rato e Jumar Paralelo. 

Rap Plus Size - A Grandiosa Imersão Em Busca do Novo Mundo 


“A Grandiosa Imersão em Busca do Novo Mundo” é o segundo álbum do Rap Plus Size, duo formado por Sara Donato e Jupi77er, que conta com participações dos rappers Djonga, Monna Brutal, Kamau e Cris SNJ, da banda Mulamba, da cantora Danna Lisboa e das slammers Ingrid Martins e Luz Ribeiro. Os beats foram produzidos pelo criador do selo TEIAinc.: Vibox (Victor Machado), que mergulhou visceralmente nas referências musicais sugeridas por Jupi77er e Sara e juntos construíram a identidade musical da obra. 

RAS - Paz entre nós, guerra aos senhores 


O piracicabano Ras, lançou seu álbum de estréia, Paz Entre Nós, Guerra aos Senhores, com 12 faixas. Faixas que contam com as participações de Kadu e Filipe Gang. E com o time de produtores SativoBeats, RaulRound, Saci, GusBeat e 444ZN. As gravações foram feitas na Toca de Gigantes pelo Short Beatmaker e a arte pelo Daniel Delvaje e Diego Neder da Docter Sloth. O álbum esta cheio de rimas que abordam as relações entre o gueto e o sistema.

Rashid - Tão Real | 2 temporadas 

 




Rashid inovou na forma de apresentar seu álbum Tão Real e o lançou em temporadas. Esse ano ele apresentou duas das três temporadas, e nós decidimos colocar as duas nessa lista. 

Rexistenciais - Thestrow e Nairobi -  SEX, DRUGS E RAP'$ EP


Thestrow e Nairóbi são nomes conhecidos do Hip Hop há tempos. E em 2016 se aproximaram pra manter o rap anos 90, justamente por isso o grupo se denomina "Resistência existencial", ou seja REXISTENCIAIS. Para o blog Labirinto sem LimitesNairóbi é um dos nomes do Rap curitibano que mais diversifica no processo de criação, basta observar seus trabalhos solos e os projetos em que participou e Thestrow do Mentekpta, tem um trabalho solo bem consistente e original, sem contar o Inthefinityvoz. 

Rincon Sapiência - Mundo Manicongo: Dramas, Danças e Afroreps 


O Mundo Manicongo é um dos álbuns mais originais desse ano, e é um álbum de uma sonoridade única, pois o álbum é norteado por vertentes da música pop africana. O Rincon sempre teve este lado mais dançante e estiloso desde o lançamento do clipe “Elegância". Mas o Rincon vive uma fase bem madura em sua carreira, quem achou que ele não conseguiria lançar algo próximo ao "Galanga Livre", se enganou! Acredito que este segundo álbum vai abrir mais portas para o rapper do que o primeiro. O álbum conta com as participações de Mano Brown, Lellê, Gaab, grupo ÀTTØØXXÁ, Duquesa, Rael e do Coletivo Audácia.

Romulo Boca - Quando o mundo acabou era meio dia 


QOMAEMD é o resultado de anos de trabalho e transmite fatos marcantes da vida do artista, mudanças pelas quais ele passou e acontecimentos que o tornaram uma pessoa mais forte e experiente. Ao lado de Lucas Félix e Wendeus, Rômulo forma o grupo A.L.M.A. (Arma Lírica Musical da Alma). Eles foram convidados, assim como Teagacê, Chinv, Masthif, Rodrigo Zin, niLL e Isaac de Salú, para participar de algumas tracks. O título da mixtape faz alusão a um sonho no qual Rômulo disse a frase para a mãe, dona Francisca Cesário de Almeida. Segundo ele, foi uma resposta psicológica a morte dela.

RT Mallone - Roho Tahir 


Sucessor da elogiada mixtape ‘Vendedor de sonhos’, o primeiro álbum de RT Mallone tem sete músicas mostra a visão do rapper sobre o cotidiano em que vive no Bairro São Benedito, Juiz de Fora. 

Senzala Hi-Tech - Represença 


O grupo musical Senzala Hi-tech formado pelo atleta de taekwondo Diogo Silva, pelo rapper Sombra , pelo produtor e músico Minari Groove Box (SNJ) e pelo cartunista e percussionista Junião (Lavoura) lançou em comemoração aos 10 anos de carreira, o álbum Represença, recheado de afrofuturismo, mensagens de amor, resistência a ativismo político. 

Sergio Estranho - Tudo isso é um sonho


O Beatmaker e rimador, nascido e criado na zona norte da cidade de São Paulo, Sergio Estranho é membro do coletivo Morlockz, sócio e artista do estúdio Rancho Mont Gomer, lançou esse ano o EP intitulado "Tudo Isso é Um Sonho" é composto por cinco faixas, contando com instrumentais pelo próprio Sergio Estranho, produção musical pela Rancho Mont Gomer. Segundo o próprio artista, o EP trata de sonhos, pensamentos e reflexões.

Souto - Ritual 


Esperei esse trampo à uma cota, já! Há uns 2 anos atrás escrevi sobre as rimas da Souto serem leves como uma borboleta, mas que picam como uma abelha. Que depois ela imortalizou no Poetisas no Top, da Pinnepple. Apesar de ser conhecida como a braba, a Carol rima bem suave, mas suas letras são sempre sensatas e certeiras. Ritual tem 8 faixas inéditas e conta com participações de pessoas que fazem parte da história da mc, um dos convidados é o senhor Pedro Netto, pai da Carol, que abre o disco com uma bela poesia na faixa Ritual que abre o disco. Quem assina as produções musicais são: Pedro Turra & Rafael Campanini do Verso, braço fonográfico da produtora de áudio A-gandaia com beats produzidos por Iuri Rio Branco e Ganga Prod. conceituando a produção artística. 

Tasha, Tracie e Ashira - EP ROUFF



As gêmeas Okereke são DJs, artistas fashion, e usaram seus conhecimentos e estilo para juntas de Ashira, lançarem o EP ROUFF. Recheado de futurismo mas olhando pro passado, tem antes de tudo, auto-estima, daquelas necessárias pra fazer um projeto ousado como esse. Não soa parecido com nada, são 5 faixas originais, bem como tudo que elas fazem. 

Tássia Reis - Próspera 


Tássia Reis lançou seu terceiro trabalho de estúdio composto por 16 faixas – 13 tracks e 3 interlúdios. O álbum conta com as participações especiais de Fabriccio, Monna Brutal, Froid, Preta Ary e Melvin Santhana. Verso a verso, rima a rima, artista fala sobre seguir em frente, progredir e valorizar um olhar mais delicado com a vida, rompendo ideias, ciclos e histórias que nada de positivo conseguem nos acrescentar. 

Teagacê - Demônio da Máquina de Costura 



Tarcísio Galvão, vulgo Teagacê, é um artista potiguar, com sonoridade ímpar, que tras influências do blues e jazz ao lo-fi. Representando Natal, ele lançou seu terceiro álbum, "O Demônio da Máquina de Costura" composto por 9 faixas.

Thaís Aguiar - Carta Natal


Álbum de estréia de Thaís Aguiar.  O álbum em si, foi gerado em meio a batalhas, mas cultivado e semeado com muito amor e responsabilidade. 12 faixas lindas, com muito cuidado na produção que conta com Pedro Simples, Nego Iego e Babidi. , e inspirado na configuração do céu do nascimento da MC, as doze faixas representam aspectos astrológicos.

Thaís Badu - Sou Preta 


O EP “Sou Preta” é o resultado do primeiro trabalho da cantora e compositora paraense Thais Badu, que em mais de dez anos de carreira cantando em diversas bandas e projetos lança agora seu trabalho solo e totalmente autoral para o mundo virtual. O EP tem produção musical de Dubalizer, Waldo Squash, Bruno Habib e GBM, conta um pouco da trajetória da artista e levanta questões como empoderamento, segregação, preconceito e ambiente, além de mistura ritmos regionais paraenses com o pop reggae.

Thiago Elnino - Pedras, Flechas, Lanças, Espadas e Espelhos 


Ao todo, “Pedras, Flechas, Lanças, Espadas e Espelhos” é o rap tradicional do artista, com influências dos toques de terreiro emulando a energia sentida nesses espaços, em uma perspectiva moderna. Dos quadrinhos ao cinema, do esporte a literatura, Thiago Elniño surge como um artista renovado, cheio de coisas para dizer. Com 12 faixas produzidas por Martché, além de beatmakers de todo o país, álbum propõe ser um relicário da música preta brasileira e traz, entre as participações especiais, nomes como Projeto Preto, Thiago MC, Luedji Luna, Rincon Sapiência, Tassia Reis, Ricardo Aleixo, Daiana Damião e Natache.

TrapFunk e Alívio e Reddaughter - Papo Reto


O porradão do Trap Funk & Alívio foi nos apresentado também pelo Oganpazan. O EP Papo reto é parceria do trio com a artista novaiorquina Reddaughter. As cinco faixas que compõem o trabalho são recheadas de porradas, líricas e sonoras, que trazem a realidade dos guetos onde vivem.

Troglobio Mc - Mansa Musa


Daniel Lufupa vulgo Troglobio como é conhecido no movimento hip hop, nesse álbum em especial traz um retrato muito forte daquilo que é a vida de um jovem negro no Brasil em todos os sentidos. 
O Troblogio diz ter escolhido "Mansa Musa" como nome deste trabalho por que: "Mansa Musa foi um homem negro, rei do império do Mali e é considerado até hoje o homem mais rico de toda história da humanidade. E isso quer dizer muita coisa no meio desse preconceito e vinculo de que negros são descendentes de escravos.


Ukah Veó - O sonho e a dor 


O Sonho e a dor é o primeiro álbum solo do rapper Ukah Veó, que é uma legenda do rap catarinense, no qual labuta há mais de duas décadas. Em 12 faixas o artista tece comentários sobre racismo, religião, amor, marcados por um tom confessional, períodos difíceis, frustrações e a recuperação. O nome do álbum traz triplo sentido: o sonho e a dor, o som e a dor, o sonhador. O álbum conta com a produção de Nansy Silvvz, Fabio Vargas, Pontes Beats, Cabes e Jackson Araújo. E participações especiais de Léia Afonso, Milton Neto e Aline Teruel.


Universos - Periferia é terra fértil 


A oficina de rap idealizada por Robertinho com as crianças e adolescentes, na cidade de São José do Rio Preto, interior de SP rendeu frutos. Um CD lindo, que nos traz um pouco do porque amamos rap. A "molecada" cantando Rap nas 12 faixas, com nomes como "Edi Rock (Racionais Mc's) - Renan Inquérito - Preto Aplick (Consciência Humana) - P.MC(Jigaboo) - e Biorki.  

Vinicity - Vinicity 


Vinicius Denner, também conhecido como Vinicity, é integrante do coletivo de músicos chamado Refugigang. Em janeiro, lançou o seu primeiro trabalho solo intitulado Vinicity. Com 18 faixas, o disco conta com vários produtores, como Dj Will (5 pra 1), Base MC, Geenuino o Pai, Dj Tadela (Rancho Mont Gomer), William Sales, Mat.jpg e Dj Catatau. 


Nas rimas conta com participações de peso como Markao 2 (DMN), Dee (5 pra 1), Kleber Milo (B.M.C.K.M), Cocão a Voz, Eloy Polemico e a Rancho Mont Gomer, Joy Amaru,  Jotape e Neo.  

Vinicius Terra - Eles não sabem a minha língua


Com o objetivo de reconectar a história da língua portuguesa sob a ótica da cultura hip-hop, o rapper carioca, Vinicius Terra lançou seu primeiro disco autoral com uma consciência de desconstrução e, ao mesmo tempo, de pertencimento lusófono. "Manifesto à Descolonização da Palavra Lusofonia" conta com as participações de Lavoisier, Dino d'Santiago, Mynda Guevara, Azagaia, Dexter, Karyna Gomes, Akira Presidente, CHS, Denise, Keso, Mase, Goribeatzz e ainda Selma Uamusse.

Y3ll x Sloope - Diaz By Baile



Mixtape, álbum ou coletânea, chame como quiser, esse é o projeto idealizado por Y3ll, de 22 anos, morador do extremo leste de São Paulo. Juntamente com o jovem trapper Sloope (Gabriel Lopes) de 19 anos, também morador da zona leste. Produzido longe do "padrão FIFA" de produção, já que segundo Y3ll e Sloope eles são “a várzea da produção independente”. E isso não significa má produção, já que todo o trabalho feito nos fundos de um quarto na Zona Leste de São Paulo, com um computador completamente fora de linha com o seu sistema operacional Windows XP, deu origem ao EP! O EP conta com uma longa lista de participações,  Leo Lotho, Romulo Lopes, a.k.a Tempra Palace, Grupo ATTICA, Sandra Maria, Retângulo de ouro, Alamim, Shaka, 7roy, Vintilamor. 

Yung Buda - Músicas pra Drift vol. 2


A mixtape traz texturas nostálgicas de jogos de corrida, como Gran Turismo e Need For Speed 
Considerado um dos destaques na cena underground do trap, Yung Buda lança no dia 1º de abril (segunda-feira), o Músicas para Drift Vol. II e encerra sua trilogia de mixtapes. Com beats mais calmos e percussivos o MPDV.II é lançado pelo selo SoundFood Gang. 
A mixtape que tem 6 faixas, contém samples de diversos estilos de música eletrônica, como minimal techno e happy hardcore.


Yzalu e Shirley - Quântica 


“Quântica” é um projeto formado e idelalizado pela Yzalú e Shirley Casa Verdade. O EP foi gravado no estúdio Rec Livre em Carapicuíba/SP, a maioria das faixas foram produzidas pelo Sem Grana, menos a faixa “Ovelha Negra”, produzida pelo Dj TG. O boom bap embala o ritmo da maioria das canções, as melodias vibrantes entoam uma junção de vocais potentes das duas artistas, e como que num raio-x celebram as conquistas das mulheres ao mesmo tempo em que refletem e questionam acontecimentos recentes e recorrentes desta estrutura.

Zudizilla - DOPAC SPDOC 


Zudizilla lançou seu segundo álbum “De onde eu possa alcançar o céu sem precisar deixar o chão”, com 11 faixas inéditas. Criando um ponto em comum entre tudo o que já produziu musicalmente, artista traz em seu novo trabalho, uma mensagem de fragmentação de personalidade e busca pelo individual em um coletivo que nada lhe representa. O álbum conta com uma única participação da Manoela Fortuna na faixa 'Sem Distração'. Já na parte de produções tem uma gama de beatamakers zica como: Felipe "Canela" Senna, Heron Francelino, Rafael Md Beats, Bruno Paks, Coyote, Dj Nyack, Digestivo, WillsBife, Dario e Sweet Jazza.

É ISSO FAMÍLIA, SE ALGUÉM FALAR QUE FALTOU ÁLBUM ................................... JÁ SABE! TAMO DE RECESSO! VEM 2020!!!!


Confiram também a lista de 50 álbuns do Submundo do Som!

Confiram também a lista de 19 álbuns do Rapresentado!

Confira também a lista de melhores álbuns fora do radar do Oganpazan

E CONFIRAM TAMBÉM ESSE DISCO LINDO! EXTRA!!

Do baterista e beatmaker baiano Jorge Dubman, ou Dr. Drumah. Tendo como fio condutor do seu trabalho o jazz rap, Dr. Drumah cria suas bases influenciado pelos grandes beatmakers dos anos 90, adotando um estilo de produção standard boom-bap. "The Underground Remix" é um álbum inteiramente dedicado a essa fascinante arte de remixar. Tendo uma outra visão, a essência desse trabalho foi tentar aproximar esses clássicos ao meu estilo de produção (Boom Bap, Jazzy e Soulful beats), e tentar passar para o público essa vibração sem perder o estilo. 



UFA!
FÉRIAS PORRA!