terça-feira, 3 de setembro de 2019

Mulamba lança clipe de "Vila Vintém" gravado na Ocupação 29 de Março


Canção fala sobre a opressão do Estado e clipe retrata a realidade de quem vive nas comunidades periféricas

Foto: Luciana Petrelli


São Paulo, setembro de 2019 – O direito constitucional à moradia é negado há décadas, derrubando casas e expulsando pessoas de suas terras, dilacerando sonhos e marcando vidas. Embebido em sua fé e à sombra de uma sociedade cega, Elidieu e sua familia haitiana, personagens da vida real, moradores da Ocupação 29 de Março, em Curitiba, estão entre esses que carregam honestas qualidades e sonham em reconstruir seu teto com as próprias mãos após a comunidade pegar fogo, no fim do ano passado. Essa é a sinopse de “Vila Vintém”, o novo clipe da Mulamba.

“Durante a gravação, as pessoas da comunidade quiseram ajudar, os grafites foram feitos pelos artistas de lá, existe uma verdade no clipe, que não é nosso lugar de fala, mas a gente quer dar esse espaço”, explica Caro Pisco, baterista da banda. “Da nossa forma mais humilde, gostaríamos de chamar atenção não só para a 29 de Março como para todas as outras comunidades periféricas que precisam que alguém olhe por eles, para que haja respeito por parte do Estado e para que haja preocupação com a infra-estrutura local. Tudo isso é para fortalecer o rolê deles”.

A canção, de autoria de Cacau de Sá, fala sobre a violência do Estado contra a população periférica. “Eu comecei essa letra no Rio de Janeiro, onde tive contato direto com as ocupações, com a violência da polícia e com as ações do governo. Um dia, a polícia foi na Vila Vintém, que é lida como um lugar com muitos traficantes, com a ideia do governo para desocupar a favela. Então essa música nasce como um grito de resistência e desespero, pela visão de quem vive em um lugar e é retirado”.

Vila Vintém, favela situada no Rio de Janeiro, carrega nesse filme as milhares de favelas e os milhões de Elidieus que lutam por moradia nesse país a fora.


Assista “Vila Vintém”: 





SOBRE MULAMBA


Mulamba é uma banda curitibana que pulsa força e poesia, unindo influências que vão do rock à música erudita. Juntas desde dezembro de 2015, Amanda Pacífico (voz), Cacau de Sá (voz), Caro Pisco (bateria), Érica Silva (baixo, guitarra e violão), Fer Koppe (violoncelo) e Naíra Debértolis (guitarra, baixo e violão) são contundentes em reiterar os anseios e as inquietações de quem transforma a luta pela igualdade de gênero em batalha diária. O sexteto conquistou visibilidade após a repercussão do vídeo de “P.U.T.A”, que ultrapassou a marca de três milhões de visualizações no Youtube. Suas composições traduzem temáticas de cunho social e político, mas também falam de amor, família e amizade. A banda já participou de importantes festivais nacionais como o Psicodália (SC), Soma Sonora (SP), SIM São Paulo (SP) e Festival Vento (SP). Foi indicada à categoria de “Melhores Instrumentistas”, no Women’s Music Event 2018. Foi convidada para participar do projeto “Escuta as Minas”, do Spotify, ao lado de Elza Soares, Karol Conká, Maiara & Maraísa e outras grandes mulheres da música brasileira. Lançou seu homônimo álbum de estréia, gravado no RedBull Station (SP), em novembro e a obra figurou na lista de “Melhores do Ano” de diversos veículos especializados. Inclusive, está na respeitada lista do APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte) como um dos melhores 25 lançamentos do segundo semestre de 2018. Em janeiro de 2019, foi indicada como “Artistas pra ficar de olho 2019” pelo Youtube Music. Mulamba representa um grito de vozes silenciadas, reforçando o protagonismo feminino na música nacional.

Nenhum comentário:

Postar um comentário