segunda-feira, 2 de dezembro de 2019

Casa de Cultura de Parelheiros recebe espetáculo de dança afro-contemporânea


São Paulo recebe primeiro espetáculo de dança afro-contemporânea Déjá Vu Afrofuturista

Com pré-estreia agendada para o 1 de dezembro na Casa de Cultura de Parelheiros, o espetáculo terá mais dois dias de apresentação – 13 e 14 de dezembro - na Galeria Olido, Centro de São Paulo

Qual a ligação das vivências atuais com as experiências em África? Você pode não saber, mas seu corpo se lembra. Essa é a proposta do primeiro espetáculo de dança afro-contemporânea apresentado em São Paulo.

O Déjà Vu Afrofuturista 1º Ato - Ancestralidade High Tech mostra ao público o nascimento da humanidade e como a construção social do imaginário ocidental sobre o ser negro travou uma guerra pela autoafirmação e pelo cuidado com o próprio Ori (que significa cabeça no idioma Yoruba).

Criado pela bailarina, coreógrafa, jornalista e astróloga, Leandra Silva, o espetáculo é concebido a partir dos ensinamentos da filosofia africana, em que passado, presente e futuro não estão divididos por uma linha temporal, acontecendo ao mesmo tempo. E a partir daí, as lembranças do corpo sobre as vivências ancestrais se tornam ainda mais latentes na relação com a saúde, com a espiritualidade, no convívio entre os bailarinos e em cada passo da dança.

Outra representação marcante dessa linha tênue entre passado e futuro é a interação que coloca os tambores em consonância com as pick-ups do DJ, mostrando que sons tradicionais e contemporâneos estão interligados pela mesma origem e também se relacionam de maneira harmônica.

Se Sun Rá, músico e precursor do Afrofuturismo, já dizia que pretos não são desse planeta, o Déjà Vu reafirma a máxima, apresentando os conceitos que transcendem o lugar comum que conhecemos como a vida na terra e mostram que outras realidades e jeitos de pensar o mundo existem e não dependem do pensamento científico eurocêntrico, mas da força vital que só quem passou por uma grande ruptura, como os negros da diáspora, podem exemplificar através de tecnologias ancestrais fundamentais para a sobrevivência, como a dança.

O corpo de baile é composto por bailarinos formados no curso de imersão em dança afro-contemporânea idealizado e ministrado pela coreógrafa Leandra Silva através de sua companhia de arte negra, a Verve.

Os responsáveis pela direção musical e trilha ao vivo são o DJ KL Jay (Racionais Mc’s) e os percussionistas Edvan Mota, Guilherme Ribeiro e o músico Matheus Marinho.

A pré-estreia acontece no dia 1 de dezembro, na Casa de Cultura de Parelheiros e em 13 e 14 de dezembro, na Sala Paissandu, na Galeria Olido, no Centro de São Paulo. O evento é gratuito e aberto ao público. Os ingressos começam a ser distribuídos com uma hora de antecedência.

Conteúdo produzido por Isadora Santos

Nenhum comentário:

Postar um comentário