segunda-feira, 17 de agosto de 2020

Neto Kbção retrata a dualidade de uma favela que protesta e que dança em novo clipe


“Fiz Ezze Rep” conta com a participação de Drão e reposiciona Kbção na cena, que com 17 anos de Hip-Hop passa visão para a juventude.

Em uma nova fase da carreira, Neto Kbção traz para sua discografia a mistura entre o trap e o funk, mas avisa: “Eu tenho 77 mil flows, sou o coroa que está sempre se renovando e Nunka Kai, então não esperem mais do mesmo”. O single lançado sexta-feira, 07 de agosto, em todas as plataformas de streaming, traz o refrão que fala de uma identidade negra periférica que não pode se perder no meio do game. O clipe caminha na mesma dialética. 

“Fiz esse rap pra você chamar de seu, antes de tudo não esqueça quem cê é”. Assim começa a música responsável por reapresentar o artista baiano marcado pelo álbum ‘Várias Queixas’. Neto cantou as dores do homem negro que vive a trincheira da guerra às drogas desde que iniciou no movimento Hip-Hop, em 2004. A escrita de protesto levou o grupo do qual fazia parte, a alcançar o reconhecimento regional, abrindo shows como Racionas MCs, MV Bill e Facção Central. Ainda como o cara que faz parte da velha escola do Rap baiano, agora Kbção pretende trazer outras referências para sua música.

“Esse som traz o que há de contemporâneo para mim, considerado um cara antigo por muitos. Vem com o significado de me renovar para essa nova era do Hip-Hop e me reinventar para o Rap.  É além de uma auto afirmação, uma grande contestação ao mercado de rappers que mente, finge e vende. Acredito que consegui trazer minha verdade em uma mensagem ácida com flow e uma levada mais dançante”, expressa Kbção.

O clipe de “Fiz Ezze Rep” foi dirigido por MaicoMax, capturado pela equipe audiovisual A Rua Cria, editado e finalizado pelo selo FS Filmes, também contou com a participação dos dançarinos Gleyce Manu e Daniel. O beat de trap/funk é do produtor e beatmaker DIH Beats. O funk sempre teve influência na vida de Neto, que inclusive por pouco não virou MC de funk, essa música é o momento que ele consegue unir essa influência à sua escrita de protesto e afirma que todos os artistas que fazem parte da sua referência musical, influenciaram essa produção. Mc Marcinho, Mc Cidinho, Tim Maia, Naldo Benny, Tupac e Olodum.

Assista:

Nenhum comentário:

Postar um comentário