terça-feira, 24 de novembro de 2015

Associação Cultural Cachuera! lança Livro, CD e DVD sobre o batuque de umbigada do oeste paulista




Obra é voltada prioritariamente para escolas e integra o projeto Edições Acervo Cachuera!

A Associação Cultural Cachuera! fecha o ciclo do projeto Edições Acervo Cachuera! com o lançamento do livro/CD/DVD O Batuque de Umbigada – Tietê, Piracicaba e Capivari, SP. O evento será no Espaço Cachuera!, dia 28 de novembro de 2015 (sábado), a partir das 16h (Rua Monte Alegre, 1.094 – Perdizes – São Paulo). Contemplado pelo programa Petrobras Cultural na seleção de ‘Educação Para as Artes’, o projeto Edições Acervo Cachuera!, dedicado a divulgar tradições de cultura popular afro-brasileiras da região Sudeste a partir de material audiovisual existente no Acervo Cachuera!, já lançou livros/CDs/DVDs sobre o jongo do bairro do Tamandaré, de Guaratinguetá – SP (2013), e o reinado da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário do Jatobá, de Belo Horizonte – MG (2015). A obra a ser lançada, sobre o batuque de umbigada, é fundamentada em mais de 20 anos de convivência entre integrantes da Cachuera! e a comunidade que mantém esta tradição nas cidades paulistas de Tietê, Piracicaba e Capivari, localizadas no oeste do estado, região que outrora tinha o batuque presente em várias outras cidades; questões como o racismo e o preconceito, porém, acabaram por promover historicamente uma diminuição significativa do seu território de ocorrência. Nos últimos anos iniciou-se um processo de revitalização e hoje o batuque de umbigada volta a estar presente nos municípios de Rio Claro, Barueri e São Paulo. O livro/CD/DVD é voltado prioritariamente para escolas, atendendo às exigências das leis 10.639/03 e 11/645/08, que tornaram obrigatório o ensino de história e cultura africana, afro-brasileira e indígena na educação básica brasileira.

O batuque de umbigada veio da caiumba, dançada em locais afastados das fazendas como meio de os negros escravizados poderem manter viva sua cultura. Desde a época do escravismo até a atualidade, as modas do batuque discursam contra a opressão, o preconceito e a discriminação que atingem os negros da região, e também relatam o dia-a-dia dos batuqueiros, seus amores e sonhos. Em algumas modas, o forte uso de metáforas e a linguagem simbólica permite manter discrição sobre o que está sendo cantado, e para quem. Da mesma forma que a capoeira ludibriava os capitães do mato, despertando olhares para a dança ao mesmo tempo que se fortalecia como luta e autodefesa, o batuque, considerado simples diversão entre os negros na visão dos donos de fazendas, também funcionava como forma de articulação por meio das cantorias. O tambu, o quinjengue, a matraca e o guaiá são os

instrumentos de percussão que acompanham as modas. A dança do batuque tem formação em duas fileiras confrontantes , de homens e de mulheres, e tem como principal característica a umbigada trocada pelos casais dançantes.

Livro traz estilo inédito de narrativa histórica O livro que integra a obra O Batuque de Umbigada - Tietê, Piracicaba e Capivari, SP foi concebido com base em encontros realizados entre a equipe da Cachuera! e os batuqueiros. A redação do livro ficou a cargo da Cachuera! e os batuqueiros atuaram como um conselho editorial, opinando sobre o conteúdo. O livro traz uma novidade narrativa, a tecelagem de entrevistas. Alguns de seus capítulos foram elaborados através do entrelaçamento de depoimentos de vários batuqueiros, entrevistados por integrantes da Associação Cachuera! em diferentes períodos, entre 1992 e 2015. Desta forma, batuqueiros já falecidos, como Romário Caxias e Plínio, ‘conversam’ com os mais jovens, como Bomba e Fião, sobre temas como a origem do batuque, o toque dos instrumentos, histórias que inspiraram modas, etc. “Aproximamos e entretecemos trechos de depoimentos gravados como se as pessoas estivessem sentadas em roda conversando sobre determindo tema. E nós, da Cachuera!, nos colocamos às vezes no meio dessas conversas”, explica Paulo Dias, editor do livro e coordenador do projeto Edições Acervo Cachuera!, presidente da Associação Cachuera! e pesquisador de longa data dos batuques de terreiro do Sudeste do Brasil, que incluem o jongo, o batuque de umbigada e o candombe. O livro apresenta histórias inusitadas e representativas de batuqueiros, como as narradas pelo falecido Rei Domingos, da cidade de Tietê, entrevistado pela Cachuera! já com mais de 100 anos de idade. CD e DVD: tradição e contemporaneidade do batuque O CD encartado no livro apresenta 53 modas de batuque tratando de temas variados como histórias de namoro, casamento e desapego, críticas de costumes, libelos contra a discriminação e a opressão, com o uso de ironia, do humor, de provérbios e metáforas. Diversas faixas são interpretadas por Anecide Toledo, a grande dama do batuque de umbigada atualmente. O DVD traz dois documentários: No Repique do Tambú, de 2003, coprodução da Associação Cachuera! com as TVs Cultura e SESC/Senac, e A Primeira Boca, A Primeira Casa: Relatos Sobre o Novo Batuque de Umbigada, produção de 2015 que mostra o processo de revitalização do batuque de umbigada. O evento de lançamento abre com a exibição deste documentário. Batuque de umbigada, racismo e preconceito As comunidades batuqueiras são alvos constantes de preconceito até hoje. Na história deles contabiliza-se o vigário que era contra a presença do batuque dentro da cidade e relatos de que vários municípios do oeste paulista viveram épocas de “apartheid social”, impondo regras de que o centro era para os brancos, sendo que em alguns lugares até portões foram utilizados para dividir brancos e negros – isso nos anos 1970. Os batuqueiros denunciam tais fatos por intermédio das letras das modas. “O batuque tem força política e projeta uma sociedade que nós queremos, onde negros e brancos possam viver juntos

com direitos iguais. E o preconceito ainda está presente: até hoje é a comunidade que custeia suas próprias festas, praticamente sem apoio dos poderes públicos locais”, diz Paulo Dias.

Com o surgimento de projetos de valorização da cultura local, ações do movimento negro e de associações ligadas à valorização da cultura popular tradicional afro-brasileira, os jovens da comunidade passaram a reconhecer o valor histórico do batuque e hoje vivem a experiência de promover um processo de renovação na cultura da Umbigada, principalmente dentro dos barracões, lotados, em todas as festas promovidas pela comunidade.

Lançamento do Livro/CD/DVD O Batuque de Umbigada – Tietê, Piracicaba e Capivari, SP Livro: 296 páginas | CD: 78 minutos DVD: No Repique do Tambú (2003) – 53 minutos | A Primeira Boca, A Primeira Casa: Relatos Sobre o Novo Batuque de Umbigada (2015) – 85 minutos Patrocínio: Petrobras, através da Lei de Incentivo à Cultura (Governo Federal/MinC) No dia do lançamento o livro/CD/DVD será vendido ao público em geral (valor: R$ 50,00)

Onde: Associação Cultural Cachuera! – Rua Monte Alegre, 1.094 . Perdizes . São Paulo . SP

Quando: dia 28 de novembro de 2015 (sábado), a partir das 16h

Quanto: Entrada franca

Informações: (11) 3872-8113 . 3801 1708


Programação

16h – Exibição do documentário A Primeira Boca, A Primeira Casa – Relatos Sobre o Novo Batuque de Umbigada

18h – Roda de conversa com as comunidades batuqueiras de Tietê, Piracicaba e Capivari

20h – Confraternização

21h – Apresentação de Batuque de Umbigada
Share this article

0 comentários:

Postar um comentário

 
Copyright © 2014 Noticiário Periférico • All Rights Reserved.
Template Design by BTDesigner • Powered by Blogger
back to top