sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

"Preta Cabulosa", é o primeiro trampo solo da Kmila CDD


A mc carioca Kmilla CDD, após anos de espera lançou o EP chamado "Preta Cabulosa". Antes de lança o EP, a Kmilla lançou o clipe da música "Guerra"
Transitando entre Boombap's e Trap's, a Kmila não perde o poder de rima e muito menos de sua caneta.
O Ep tem 6 faixas e conta com a produção de: Insane Track & Proofless e DJ Caique. A direção musical ficou por conta de seu irmão MV Bill.

Tracklist:


PRETA CABULOSA ( Prod. Insane Track & Proofless)

A FACA ( Prod. DJ Caique)
GUERRA ( Prod. Insane Tracks)
CIRANDA DA VIDA (Prod. DJ Caique)
DÁ LICENÇA (Prod. DJ Caique)
VIBRAÇÃO DA NOITE (Prod. Insane Tracks)




Produção: +55 (21) 99913 2306
kmilaprodu@gmail.com
read more...

O Duo carioca Arru, lança o EP "Ciclo"


ARRU é um duo de Rap criado em Petrópolis-RJ e formada por Lego e Gabrá. A banda vem se destacando na cena do Rap na cidade desde 2013 tendo se apresentado em diversos palcos tanto em RJ como em outros estados Brasil a fora. Com referências como Marcelo D2, De Leve, Quinto andar, MPB, Rock internacional, D’Angelo e Erica Badu, a banda lançou no inicio do ano de 2017 seu primeiro Ep. (Ciclo) contendo 6 faixas, e  produzido pelo renomado Dj/ Beatmaker Mestre Xim (link abaixo). Seu último lançamento foi o Clipe da faixa “Telefone Grampeado”, filmado na cidade do Rio de Janeiro, dirigido pela Amerindios e pos-produção pela Cosmo Produções.
Um dos integrantes, o Gabrá, faz parte da gravadora 1Kilo, trazendo o carro chefe 'Duro Igual Concreto" com seus quase 30milhoes de visualizações  no Youtube pro seu repertório.Foram 4 clipes, sendo um deles o acústico com 2 faixas “Morena” e “Leão Guerreiro”, batendo mais de 6 milhões de visualizações. A outra faixa é a “Roda de Louco” que já passa de 4 milhões.


 Ep. Ciclo : 

read more...

Inspirado em história real, Pevírguladez lança clipe “Determinação”


Matéria-prima para escrever a música veio de notícia de jornal e se tornou canção


A segunda canção do disco “Manual Prático de Malandragem – volume 2”, do artista carioca Pevírguladez, é lançado nesta quarta-feira (13) o clipe “Determinação”, com direção de Heron Portuga e participação da cantora  Lu Fogaça, resgata o que há de puro no hip-hop, numa mescla também com o soul.

Em uma pegada alto astral, a música trata de histórias de superação e foi escrita após o rapper Pevírguladez ler uma notícia em um jornal, para estimular as pessoas a não desistirem de seus sonhos e objetivos, porém sem ser piegas. A produção é de Dario & Laudz, dois beatmakers de Curitiba (PR).

 “A canção surgiu após a leitura do jornal, em que eu conheci a história de duas pessoas – Bira e Sandra – que viviam nas ruas e superaram as adversidades da vida e se reergueram socialmente. Sendo assim, ela é uma amostra real de que ninguém está fadado ao fracasso e que a determinação em viver algo melhor pode fazer muita diferença nas nossas vidas”, contou o músico, que também é educador na periferia do
Rio de Janeiro.

O clipe foi filmado no Centro de Duque de Caxias e no Parque de Madureira e de acordo com o rapper, serve também como injeção de ânimo. “Determinação é uma canção com mensagem positiva e sem pieguismo, baseado em histórias reais, cujo objetivo maior é motivar as pessoas a superarem seus limites e fraquezas em busca de uma condição melhor para si e seus semelhantes, isso é algo muito necessário num universo em que cada vez mais as pessoas entram em depressão e se sentem incapazes de serem úteis”, pontuou.  

Este é o segundo clipe do novo álbum lançado por Pevírguladez. O primeiro “Direito de Rimar” fala sobre a liberdade de expressão na arte e tem a participação da poeta  Mel Duarte.  O clipe ‘Direito de Rimar’ pode ser assistido aqui

Sobre Pevírguladez
Com mais de 15 anos de atuação no hip-hop brasileiro, Pevírguladez é educador no Rio de Janeiro e faz “hip-hop malandro”, em uma mistura de rap com samba ao cantar o cotidiano dos subúrbios cariocas.

O novo álbum, com lançamento previsto para o primeiro semestre de 2018, terá participações de Carlos Dafé, Aleh Ferreira, Raphão Alafim, Dj Nato PK, Xará e Lu Fogaça.

 Assista:

read more...

O grupo Retângulo de Ouro se apresenta com o single "Águas calmas"


Retângulo de Ouro é uma forma etérea. O grupo, formado por Alamim, Marcê e ¥€£ Aβ§trato (Daniel), explora as arestas e retas dos polígonos da nossa existência em batidas Lo-Fi e rimas afiadas. "Águas Calmas", seu primeiro single, reflete as angústias e as esperanças de quem navega diariamente nas águas nem sempre tão claras e calmas dos rios da vida em São Paulo. 
Produzido por Blackbird e lançado via Carranca Records (selo da cantora Larinu e do trio ATTICA!), "Águas Calmas" vem pra mostrar que o Retângulo de Ouro veio pra ficar.

Ouça o som do grupo e aproveite para conferir a troca de ideias que tivemos com eles.


NP: Por que o Nome Retângulo de Ouro?
¥€£ Aβ§trato - Daniel
Quando eu vi a primeira vez falar do retângulo de ouro foi em um vídeo, Pato Donald na terra da matemágica, fiquei perplexo ao mesmo tempo impressionado porque o retângulo não era só apenas uma forma geométrica ele estava presente em todo lugar e está até hoje. Fiquei com aquilo na cabeça, que uma forma podia estar em vários lugares sem ser aquela forma de fato. Ela poderia ser o que ela quisesse então para mim, o retângulo é você ser o que você quiser mesmo que você seja posto em algum rótulo, mesmo que as pessoas  tentem te moldar, você é quem você quer e o que você quiser ser! Esse é o retângulo, podemos ser o que a gente quiser basta a gente querer. 

NP: Vai lá, diz pra gente quem é o Retângulo de Ouro? Falem sobre suas vivências, dia a dia, correria.
Retângulo de Ouro é um trio da ZL formado por Alamim, Marce e ¥€£ Aβ§trato - Daniel

Alamim
Sou um preto, periférico, de 22 anos e resido na Parada XV de novembro (sou muito bairrista hahah).
Meu dia a dia, eu trampo o dia todo, porém sou sonhador e quero ter uma qualidade de vida melhor, até então sou formado em educação física.

Marce
Marcelino, tenho 24 anos, eu estou terminando a faculdade de Geografia, com o objetivo final de ser diretor de escola pública e dar aula em faculdade, amo ambiente escolar e sei que não é tarefa fácil com os gestores que temos.

¥€£ Aβ§trato - Daniel
Eu sou Daniel, tenho 20 anos, moro no bairro Prestes Maia que fica no extremo leste que, em Tiradentes. O meu  dia a dia não é nada excepcional creio eu, seja aqui em casa ou andando pelo bairro ou de busão, é de sempre tentar ver o mundo com os meus olhos, de diferentes maneiras possíveis e impossíveis.

NP: Qual o contato de vocês  com o Rap? Suas referências mais importantes.
Alamim
Meu primeiro contato com o rap foi quando eu era pivete de tudo, ganhei um CD do Racionais e do Ndee Naldinho e fiquei maravilhado, pois me identifico com aquilo. 
Totalmente diferente de ir assistir um filme e só ver branco, história pode ser até legal mas não tem nada que me representa ali, entende?
Eu gosto de música boa, minha paixão é o rap e a cultura hip-hop mas eu ouço de tudo um pouco para fazer meu rap mais autêntico.
Se eu parar pra falar todas as referências vou ficar a vida toda aqui hahaha 
Prefiro que vcs ouçam a nossas músicas para entender e sacar as referências tanto nos instrumentais como nos versos.

Marce
Desde pequeno já escutava, meu irmão mais velho meu ex cunhado na época escutávamos bastante, Racionais, Facção Central, SNJ, 509-E. Eu ultimamente  venho sendo bem eclético, minhas influências vem do rap, MPB e rock mesmo, escuto muito Foo Fighters, Maria Rita, e no rap escuto bastante Baco pós esse último álbum dele, Yzalu e Emicida também escuto muito, entre outros.

¥€£ Aβ§trato - Daniel
O meu contato com rap foi meio que tardio sabe, até porque nos meus 14 pra 15  anos, era época do Black Charm   (que por sinal amo pra caramba), mas ali naquela época, eu nem pensava em nada a respeito de rap nem sabia muito sobre. Nos anos seguintes mergulhei de cabeça no gênero. Minhas
referências são meio que difícil listar, ouço muita coisa e acredito que quanto mais referências melhor pra pessoa. Eu vou de Katinguelê, Raça Negra a Fundo de Quintal, Carlos Dafé a  Jimmy Hendrix, The Doors, Roberta Flack ,Bee Gees, A-ha, Jackson 5, Kool & The Gang e ao mesmo tempo cresci ouvindo Furacão 2000, até o funk ostentação e cheguei sem esquecer na galera old, Wu Tang, 2Pac , Biggie, Athalyba e a Firma, Sampa Crew (que pra mim é rap, o que o Kayne faz, o Sampa já fazia a cotas kkk), Erykah Badu e  hoje  Frank Ocean, James, Travis Scott, Blake, Kendrick, The Internet  e por ai vai. 

NP:  Qual estilo vocês acreditam seguir? O que tem nas suas letras? Quanto tempo estão nos corres?
Nos não temos uma forma tá ligado Tipo a nossa forma e não ter forma, é ter liberdade de criar.
A gente fala do que a gente quiser falar, nos expressamos da maneira que a gente enxerga as coisas. É a nossa vivência, não falamos sobre verdades absolutas porque verdades são incertas, então a gente aborda um ponto de vista que muitas pessoas podem ter sobre um assunto, expressamos a nossa maneira como vemos tal assunto.
O legal da gente é isso, não ter forma. A nossa forma pode ser qualquer forma, a gente não se prende numa caixa dizendo que iremos falar só sobre determinado assunto, isso pode ocasionar a gente falar de muita coisa ou dependendo da situação às vezes não falar nada e falar tudo ao mesmo tempo em questão de musicalidade. Sempre trabalhamos em bases de coisas que gostamos, às vezes não precisa ser necessariamente ligado ao rap, mas a gente traz para o rap pra poder sempre agregar naquilo que a gente quer fazer.

NP: Como vocês enxergam a cena do Rap no Brasil
Hoje a cena está emergente, isso é muito bom para os artistas novos que vem aparecendo em questão. O rap hoje atinge públicos que não atingia a anos atrás, porém é bastante estereotipado.
Atualmente parece que os 4 elementos do Hip Hop são a Supreme , Instagram, Hype e Lean. 
Nada contra, gostamos disso também, mas isso esta mais presente na cena do que o rap, DJ, Grafiti e os B.Boys e B.Girls. 
A cultura Hip Hop não pode morrer, falta apoio de quem diz curtir música independente em geral. É fácil tá com latinha na mão na Augusta pagando de cultura, mas ajudar nesse processo quase que ninguém desses caras ajudam, é do Oasis ao suplício.

NP: No momento quais são os principais objetivos profissionais de vocês? Projetos, visões e tal?
Continuar a fazer música, estamos só no começo ainda mas temos muito que aprender, evoluir e desenvolver. Não falamos só na questão musical, precisamos amadurecer como pessoas também. 
Ter visão ampla enxergar e entender aonde estamos, onde queremos chegar e como vamos fazer isso.
Nossa arte é igual nossa vida, imprevisível!

NP: Algo que eu não perguntei e vocês queiram falar? Bom, o NP agradece a disposição, e deixem o recado aos leitores.
Tenham empatia fora da internet, meritocracia não existe no Brasil!
O retângulo agradece o espaço cedido! Ouçam o som divulguem, é pra quem tá no corre ou pretende começar: só faz parça!
Saia do retrato seja abstrato.

Carranca Records
https://www.facebook.com/carrancarecs/

Retângulo de Ouro 
https://www.facebook.com/retvngulodeouro/

Soundcloud
soundcloud.com/carrancarecords
read more...

#ReferênciAna - AFROCYPHER III

Retomando o quadro mais nerd do blog, depois do Hebreu, #ReferênciAna tá de volta, assim como explica o nome, nessa seção do NP, você vai encontrar algumas de minhas percepções e discussões sobre referências históricas e sociais utilizadas em letras de músicas.

#ReferênciAna - AFROCYPHER 3

Relembre o último episódio do projeto: #ReferenciAna - Afrocypher vol. 2

A música, Afrocypher III, é o último episódio da triologia e fechou o mês da consciência negra abordando temas como o racismo, desigualdade social, mídia, estética e história. Você pode ouvir o som abaixo e saber mais sobre a produção, vídeo e tudo mais aqui: Afrocypher 3 tá na área!


Lembrando sempre que eu vou discutir sobre as referências com cunho histórico e social que eu percebi utilizadas nos versos de cada rapper, lembrando que são minhas percepções como ouvinte, pode não ser a intenção real do rapper. Esse quadro não se direciona a discutir técnica, produção e afins, é um post pra evidenciar as linhas e suas referências, pra cultivar o elemento do Hip Hop que tem que estar presente em todo espaço, o conhecimento. Vocês podem conferir a letra completa do som aqui, enquanto assistem ao clipe acima.


O primeiro a lançar seus versos é o Rodrigo Buga, sempre referenciando África e os africanos. Inclusive, veja o papo que ele trocou com o Noticiário Periférico no quadro Opinião Periférica.

Nkosi Sikelei' iAfrika, o verso que abre caminho na cypher, é o título do hino da África do Sul, e foi posteriormente adotado pelo pan-africanismo. A frase que é uma mistura de Zulu, Suaíle e mais alguns idiomas, quer dizer "Deus abençõe a África", o hino marca o início da era democrática e homenageia a época "colorida" da África do Sul. Você pode encontrar mais informações aqui, e ouvir o hino abaixo.


"Tempestade passou, chegou a bonança, Marcus Garvey regou o solo, em nosso peito brotou esperança". No último verso do Afrocypher II, Buga ressignificou o #somostodostalcoisa, usado muitas vezes por racistas velados pra falar justificar, como ocorreu com o somos todos macacos por exemplo. e deu sentido ao #somostodosMarcusGarvey, dando sentido positivo de sermos todos ativistas, já que Marcus Mosiah Garvey foi um comunicador, empresário e ativista jamaicano. É considerado um dos maiores ativistas da história do movimento negro. Ele retoma esse verso, quando faz a analogia de que as palavras de Garvey foram sementes, e brotaram esperança em cada um de nós.  

"Cada criança preta dança a ciranda, com a mente fortalecida pra Somália se tornar Wakanda" Essa é boa pra filtrar os modinha de HQ rsrsrs. No verso destacado, Buga menciona as crianças na Somália, fazendo alusão ao momento de desespero que o país passou em Outubro desse ano, onde num atentado foram mortos mais de 358 pessoas. A mente fortalecida pra que o país se torne Wakanda, é uma esperança que um dia o país devastado pela violência como foi a Somália se torne a nação Wakanda. Um pequeno país no interior do continente Africano e uma das maiores potências tecnológicas no universo Marvel, governada por nada menos que Pantera Negra.


Buga continua suas linhas com uma sequência de trocadilhos e inversões, "Oferta de potássio é vitamina pro Nego Drama, arregaço quem discrimina jogando banana" o potássio é um dos principais nutrientes da banana, que é a fruta associada como alimento do macaco. Macaco pra quem ainda não sabe o porque de ser R-A-C-I-S-T-A, é um termo pejorativo associado a história, "O xingamento de macaco, na verdade, tem a ver com a maneira com a qual os europeus, eles mesmos, se diferenciaram, biológica e culturalmente, em um esforço de manter superioridade sobre outros povos."

"Rap white quer ser rap god sem rap good" seguindo, nem precisa referenciar, só explicar de maneira sucinta, o rap branco que quer ser rap "deus" sem ser rap bom. Buga cita filmes como Estrelas além do tempo, vidas cruzadas, filmes de temática negra, antes de finalizar sua parte na cypher, de maneira emocionante e muito pessoal, que se assemelha a muitos jovens negros do Brasil.

"Meu pai morreu assassinado e a mãe no hospital uma tragédia
Somei a idade deles e chegou perto da média,
da expectativa de vida de uma pessoa branca!"


"Se a ignorância for uma benção, a mídia vem sendo o Papa, Dando papa pra quem só pensa caca, Gugu da-dados móveis neurônios imóveis, Eles precisam de livros não de automóveis. (foi Gol?)" Rhenan inicia seus versos com uma aliteração (que é uma figura de linguagem que consiste na repetição de sons de consoantes iguais ou semelhante) de palavras, que nos dão a ideia de como a mídia nos "abençoa" com tanta ignorância através da manipulação de informações.

"Meu Rap faz poesia da ferida que não estanca, Todo mundo tem uma amiga preta que pensa que é branca, Tem preto que odeia preta e sempre avalia, Pois cresceu ouvindo: "tem que clarear a família!"" na minha visão, Rhenan denuncia a questão da autoestima das e dos negros, boicotada desde a infância. Impondo uma beleza branca padrão a ser alcançada, principalmente a mídia, além da sociedade no geral, cria estereótipos e os coloca para olhar as e os negros do Brasil. Se estiver dentro do padrão estabelecido, ok, se não estiver vão fazer de tudo para que se acredite que é necessário se moldar ao padrão. Lógico que tem toda uma questão histórica no Brasil que influencia na questão do se ver negro, por conta da miscigenação e tudo mais, é um projeto contínuo, e embora "pretos e pretas estejam se armando", a autoaceitação ainda é um dos principais meios pelo qual se boicota o ser negro, o se aceitar negro, se enxergar como negro e pautar sua negritude.

"Nos somos lindos, ou melhor, realeza, Seu globo ocular que não quer ver nossa beleza" nessa linha, numa interpretação bem pessoal, faço conexão com o verso anterior, onde discutimos a questão da imposição midiática de um padrão estético a ser seguido. Logo, mesmo sendo lindos, reis e rainhas, o globo ocular não quer ver nossa beleza, esse globo ocular pode ser entendido como sentido literal de olho, ou o figurativo, representando a leitura do mundo através da Rede Globo.

"Sejamos mais do que presas sendo presas" aqui parece ser uma crítica de Rhenan ao sistema judiciário brasileiro. Na biologia, presa significa algo que está sob domínio do predador, para ser devorada posteriormente. Se olharmos com essa percepção, corpos negros seguem sendo dominados por um sistema racista, que empurra nossos jovens para um sistema carcerário falido, influenciando na desestruturação de famílias e na violência ao corpo preto.

"Amor e nossa cor são irmãs siamesas" , esse trecho é mais que necessário, evidenciando a afetividade preta. Gêmeos siameses, são gêmeos que nascem conectados fisicamente um ao outro, nesse caso, Rhenan contrapõe o que denunciou até agora sobre o auto ódio, a baixa estima e os padrões, já que nossa cor é ligada ao amor.

Por fim, diante das várias notícias que ganharam destaque esse ano, de casos de racismo explícito contra crianças, Rhenan usa a imagem da MC Sofia, nossa menina pretinha, que canta justamente contra o racismo e os padrões da sociedade.


"Pode fingir mas sabemos que você sente,
Que uma MC Sofia incomoda muita gente."

A cypher continua, e o próximo a rimar é o rapper Daniel Garnet.
"Não querem ser black na face mas quer no Face" esse trecho da parte de Garnet nos remete ao artigo "Quem quer ser negro no Brasil?" afinal, diante da era da internet, ficou relativamente "fácil"se posicionar enquanto pessoa negra (mesmo sendo branca rs), e pautar várias coisas em discussão no facebook, mas não ser atingida ou atingido de maneira pontual, somente por ser negra ou negro. Não querem ser preto na face, porque não querem sofrer as violências relacionadas a cor da pele, obviamente. Não querem ser pretos na face porque não querem discutir racismo estrutural, questionar privilégios, questionar um sistema violentamente racista. Mas o discurso de facebook, sobre poder usar um turbante, uma trança, roupa africana, fazer rap, esses são defendidos com unha e dentes.

"No meio em quem dita o rap game tem cartão Black, Carta branca e marra de skinhead (spin that shit!), O mundo gira e os nossos rodam, exceto os nossos Pelés e nossos Jordan's" na minha percepção, parece uma crítica aos MC’s e grupos que se encaixam nesse termo de rap game, o ter cartão black, me parece uma referência ao “ter luxo e não ter limite” referencia aos cartões de crédito de luxo, carta branca, porque em geral fazem o que querem e muitas vezes apoiados pelas e pelos fãs sem o senso crítico para questionar a postura dos ídolos, e a marra de skinhead é literal rs. O mundo gira e os nossos rodam, mais uma vez pontuando a questão do racismo brasileiro, que segue sendo racista, quando Garnet diz que exceto nossos Pelés e nossos Jordan’s tem a ver com a presença das e dos negros no esporte e o “respeito” que de certa forma conquistam, enquanto estão dando alegrias pro clube do coração.  

"Cortam, esse mal pela raiz, Quando na alma usam machado de Xangô e na mente o de Assis", Kaô Cabecilê!, dentro das diversas formas de vivenciar as religiões de matriz africana, Xangô é o orixá da justiça, seu machado de duas lâminas iguais, porém voltadas para lados opostos, demonstram a qualidade de divisão entre os opostos, a própria formação da dualidade tão característica de nosso mundo e o perfeito equilíbrio dinâmico entre esses opostos. “Xangô é decididamente um Orixá guerreiro e, mais que isto, justiceiro.” por isso utilizar na alma o machado de Xangô, simbolizando o cuidar espiritual, a alma. E na mente, usar o Machado de Assis, simbolizando a importância do grande escritor negro brasileiro, considerado um dos maiores escritores brasileiros, por muitas vezes tido como branco, Machado de Assis era negro.

"Doctor MC's curaram-me do coma, Doctor Dre curou-me os sintomas, Fez as batidas do meu coração subir a toda, Quando ele parou conheci o Doutor Vivien Thomas" mencionando o grupo Doctor MC`s e a capacidade de tirar do coma, com o som e a levada da UBC, além do trocadilho com o nome do rapper Doctor Dre, Garnet menciona o Doutor Vivien Thomas, que foi o primeiro afro americano sem um doutorado a realizar a cirurgia de coração aberto em um paciente branco nos Estados Unidos, e tem sua história contada no filme Quase Deuses.

"O que nos difere é a oportunidade, O que nos difere são alguns centímetros, De usar grafite 0.7 ou uma 9 milímetros" dando o gancho pras rimas do Peqnoh a seguir, Garnet finaliza sua participação evidenciando a falta de oportunidades impostas a determinadas pessoas, associada a cor da pele principalmente, que empurra ao uso do grafite 0.7, simbolizando a escola, o estudo, a escrita, ou a 9mm, simbolizando a arma, violência e outras situações que muitas e muitos são empurrados sem escolha.



Eles queriam nos delimitar dentro das linhas que viam nos campos, Não queriam nos ver militar por linhas nossas escritas nos campus” Peqnoh começa sua parte na cypher fazendo uma crítica explícita ao modo que se enxerga o negro no Brasil, limitando as possibilidades, e colocando situações certas para pessoas negras alcançarem o “sucesso”, como por exemplo é o futebol. Robson continua fazendo um trocadilho com campus, que se refere a Universidade, dessa forma, evidencia a dualidade de um sistema que “permite” a algumas pessoas alcançar a fama, mas ao mesmo tempo limita as oportunidades e impede de se alcançar essa fama seja por qual maneira for.

“Agora falam de pretos no topo, Mas agem como quem queria ver os pretos nos troncos ... adoram a estética e odeiam a genética eu tô ligado” acredito que nessa parte, o rapper quis trazer parte do que se vivencia no chamado “embranquecimento” do rap, que nada tem a ver com cor de pele de quem faz rap, mas sim a forma como se naturaliza e se apropria de uma cultura predominantemente preta pra deslegitimar algumas coisas, por exemplo som que denuncia racismo e desigualdades, são raramente lembrados quando confrontados com sons que rimam coisas óbvias. Sendo assim, não é o Rap, a cultura Hip Hop que as pessoas estão amando, mas sim o ego, fama e dinheiro atrelado ao fazer rap. Além de obviamente o sentido literal, falar de pretos no topo, referenciando a cypher com o mesmo nome, mas difunde comentários, atitudes e ofensas racistas por aí ...

“Eu me vi quando ouvi Public Enemy "Don't believe tha hype"”, ah se todo mundo se visse quando ouvisse DON’T BELIEVE THA HYPE, ouçam o som abaixo, e acompanhem a tradução aqui. A música é uma parada mais política, assim como basicamente todas as músicas do Public Enemy, inspirada nas obras de Noam Chomsky, que era entre muitas coisas, um filósofo americano, que escreveu muitas obras com temas de guerra, política e mídia de massa. Apesar do trecho fazer todo sentido, acredito também na dupla interpretação do título, "Não acreditar no hype" hoje no rap significa ouvir música para além dos indicados em react análise rs, além do que está na chamada mídia informativa de rap e cultura que produz conteúdo dentro de um quarto de condomínio e nunca viveu a rua, não acreditar no hype hoje é mais do que manipulação midiática apenas, é um marco essencial pra manuntenção da cultura de rua.

                

"Descobrimos seus segredos de minar os nossos sonhos, mas nosso "Sorriso Negro" te assusta quando vê brilhar, Ainda temos "Voz Ativa" "E nada pode nos Parar" mantemos a "Mente Engatilhada" e é "1, 2 pra atirar" referenciando clássicos do samba e do rap nacional, Peqnoh talvez retome a ideia acima, sobre o tal hype, na minha visão como “consumidora” de rap, dificilmente se produzem clássicos atemporais como os referenciados acima, as músicas são em geral são comerciais e com uma espécie de  “obsolescência programada”.



No underground, já que o Mainstream ta igual o Crepúsculo: Branco!” autoexplicativo, mas achei importante pontuar como os versos dos artistas conversam entre si, o problema do mainstream já foi citado acima e o tratamento das mídias.


Comum, o Brasil é engraçado que nem Mussum, e esqueceu do guri do Habbib’s mas não dos 7 a 1”, Moto treta sempre faz referências aos problemas que nos atinge diretamente, nesse verso ele faz uma comparação com a chamada “tragédia” que muita gente se refere, quando o Brasil perdeu de 7 a 1 no futebol para a Alemanha na Copa, e ao mesmo tempo se esquece do assassinato do garoto João Victor, de apenas 13 anos, espancado pelo segurança do Habbib’s em Fevereiro desse ano.

Vida fora da Terra? é Fantástico … drástico memo é Africano ganhar comida de Plástico” nesse ano, além de todos os absurdos denunciados na África, como o caso da Líbia por exemplo, que geraram pouca ou quase nenhuma comoção mundial para auxílio, foram veiculadas várias fotos e vídeos sobre alimentos de plástico que estariam sendo consumidos na África.

Minha fome por vitória me faz ser super guloso, com medo de ser preso a toa e só sai tuberculoso” LIBERDADE RAFAEL BRAGA! nesse verso, Moto Treta faz a triste referência ao caso do jovem Rafael Braga, e dos vários e vários Rafaéis Bragas presos injustamente no Brasil. Rafael Braga Vieira, 28, teve mantida sua condenação a 11 anos e três meses de prisão por ter sido encontrado com 0,6 g de maconha e 9,3 g de cocaína no Complexo de Favelas da Penha, zona norte do Rio. Em setembro desse ano, Rafael conseguiu prisão domiciliar para poder tratar a tuberculose contraída na cadeia. A tuberculose é uma doença  bacteriana infecciosa e a elevada incidência de tuberculose nos presídios brasileiros é uma emergência de saúde pública e de direitos humanos que demanda ações mais efetivas de controle, tratamento e prevenção, segundo especialistas.



“Sou ''Djonga livre'', matei uns racista e depois ri, ''Racismo Reverso'' a maior piada que ja ouvi!” aqui, para finalizar a cypher, a junção de Django Livre, filme de Quentin Tarantino de 2013, que conta a história do ex-escravo Django faz uma aliança inesperada com o caçador de recompensas Schultz para caçar os criminosos mais procurados do país e resgatar sua esposa de um fazendeiro que força seus escravos a participarem de competições mortais. A substituição de Django por Djonga, se refere ao rapper que lançou um som pelo projeto Perfil, onde uma de suas rimas é “Fogo nos racista!”.  

Bom, é isso, minhas percepções como ouvinte de algumas referências utilizadas, pode não condizer com a intenção do autor. Deixem sugestões de músicas nos comentários, e críticas também.




read more...
 
Copyright © 2014 Noticiário Periférico • All Rights Reserved.
Template Design by BTDesigner • Powered by Blogger
back to top