quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

A série ilustra desde a explosão do hip-hop, no fim dos anos 80, passando pelo núcleo da explosão do rap gangsta comercial até a aurora da era de ouro do old school.


Cansado de ouvir os cabeções da era de ouro dizerem que você não pode curtir a nova faixa do Rich Gang sem antes compreender como o The Chronic popularizou o G-Funk? Bom, um usuário da rádio online 8tracks.com – cujo pseudônimo ambicioso é MCAforPresident – gastou um bom tempo traçando sua jornada pessoal através do gênero para apreciamento público, desde 1988 até o ano 2000.
O resultado é 38 horas de beats divididos em pequenas e gerenciáveis playlists. A série ilustra desde a explosão do hip-hop, no fim dos anos 80, passando pelo núcleo da explosão do rap gangsta comercial até a aurora da era de ouro do old school. Basicamente: : NWA, A Tribe Called Quest, Three Times Dope, Beastie Boys, Slick Rick, Biggie, Mos Def, Jay Z, Q-Tip, Big L, Eminem, Outkast, costa leste, costa oeste, underground e tudo que está relacionado.
Se você é um veterano querendo recordar bons momentos, ou um jovem estudioso buscando a iluminação, isso pode te render boas tardes. Prestigie o esforço do MCAforPresident e ouça suas playlists aqui.
Por Joe Zadeh para Noisey, publicado originalmente aqui.

terça-feira, 27 de fevereiro de 2018


A banca brasiliense AltoKalibre, acaba de lançar seu primeiro clipe com a família completa intitulado COM PÉ NA PORTA.

Fundada em 2015, a banca formada pelos artistas DNA Rap, Unidade 3, Nenzin, Etnia das Ruas, Rafael Pereira, Desaforo Norte, Don Gerson, Heitor Valente, Mente Sativa, VéiOeste e Layla Moreno; trazem uma união com grande diversidade e ainda conta com djs, beatmakers, produtores musicais, produtores de eventos; que se juntaram e exploraram o potencial de cada um para galgar horizontes mais amplos.

Influenciados pelo Rap e sua musicalidade, entendem a necessidade de se respeitar toda a história e sua evolução em busca de sustentabilidade.
Com Pé na Porta apresenta o time, que entra no jogo com grande determinação para alcançar seus objetivos e se posicionar na cena brasileira como mais um elo dessa corrente chamada Rap.

Quem assina a produção musical é Bodoke, um dos beatmakers que somam com a família e o tem a direção, roteiro, fotografia e edição por conta de Alan Mano K¹³, que já realizou grandes trabalhos com vários artista do Distrito Federal.

Assista:


A Arte da Guerra é um livro que conta um tratado militar, escrito por volta de 500 a.C., e mantem-se atual a ponto de ser publicado praticamente no mundo todo até os dias de hoje. As estratégias transmitidas pelo general chinês Sun Tzu carregam um profundo conhecimento da natureza humana. Elas transcendem os limites dos campos de batalha e alcançam o contexto das pequenas ou grandes lutas cotidianas, sejam em ambientes competitivos – como os do mundo corporativo – sejam nos desafios internos, em que temos de encarar nossas próprias dificuldades. 

Yanick Shazam,  que já apareceu no Noticiário Periferico em outros trabalhos, lança seu terceiro trabalho solo, intitulado “Guerra da Arte Vol. 1”, pelo selo independente Sala Verde Entretenimento. Guerra da Arte nos remete a referência do livro, onde as estratégias da arte são narradas por Yanick. 


material foi gravado, mixado e masterizado por Drôga no Estúdio Sala Verde. A mixtape conta com 6 faixas e 3 participações sendo elas Camila Rocha, WEED, Rodrigo Neves e produções de Pensante, Nnay, Izabela Reis, o próprio WEED e O Adotado.


A mixtape já está disponível no YouTubeSoundCloud e OneRPM e em breve nas demais plataformas.

sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018


Viver a comunidade, sobreviver nela e transformá-la são narrativas presentes na maneira de fazer cinema dos realizadores das periferias brasileiras. Com o objetivo de difundir as produções oriundas das comunidades a mostra Cine Favela Brasil está com inscrições abertas para exibição de curtas, médias e longas-metragens até o dia 1º de março. As submissões dos filmes são gratuitas e devem ser realizadas através do formulário disponível no site www.cinefavelabrasil.com.br.

Nessa primeira edição os filmes serão submetidos à análise pela equipe de curadoria que levará em consideração, o impacto social e cultural, qualidade narrativa, abordagem cinematográfica, relevância conceitual e temática e a legitimidade dos realizadores da periferia. A partir das obras exibidas, a mostra Cine Favela Brasil pretende apresentar um panorama sobre a produção audiovisual das comunidades periféricas das cidades brasileiras nos dias 09,10 e 11 de março, no Centro Cultural Alagados, bairro do Uruguai, em Salvador.

A iniciativa Cine Favela Brasil

A mostra de cinema Cine Favela Brasil é uma iniciativa que visa à promoção e projeção da diversidade de sujeitos emergentes das periferias através da sétima arte. Fomentada pela Lei de Incentivo à Cultura, patrocinada pelo Banco do Nordeste e realizada pelo Ministério da Cultura e Governo Federal, o Cine Favela Brasil busca a descentralização cultural dando maior acesso aos bens e serviços culturais à comunidade.

Serviço:

O que: Inscrições da mostra Cine Favela Brasil Onde: No site www.cinefavelabrasil.com.br

Quando: Até o dia 1º de março de 2018

Quanto: Gratuito.


Rap Clandestino III: Jé Santiago + Nego E + BrisaFlow
A Gruta Bar e Bilhares Ltda Em sua terceira edição, a festa organizada pela Cérebro Surdo Produções e Drop D’ Bone com foco em apresentar artistas em ascensão no Rap Nacional também apresenta na pista especial do grande sucesso dos cinemas Pantera Negra pelos DJs da Tambores. Já passaram pelos palcos do Rap Clandestino artistas como niLL, Larinu, Beirando Teto (BA), Souto MC e Bivolt.


>>JÉ SANTIAGO: O rapper do ABC entrou no game há apenas dois anos, quando lançou seu primeiro single ‘Mentiras', mas foi após o videoclipe ‘Flow Djavan’ que o trabalho de Jé ganhou mais destaque. Em 2017, o músico, integrante do selo Artefato e do coletivo Recayd, lançou o 'EP Re:ciclo Lado A', com produção executiva de Nego E, mentor e diretor do selo. Os dois discos, com fortes influências de R&B, trapsoul, samba e pagode, receberam grande aceitação do público e renderam ao artista mais de 1 milhão de acessos nas plataformas digitais e Youtube, além de participações em projetos como RAPBOX. Em 2018, Jé promete lançar o lado B do “Re:ciclo", além de já ter lançado a 'Calzones Mixtape Vol II', junto com a Reycad. 



>>NEGO E: Além de MC, é DJ e produtor musical responsável pelo trabalho de todos os artistas da Artefato. Ano após ano, seu trabalho tem sido apontado pelos principais veículos de comunicação da cultura hip-hop, como uma das grandes novas vozes do rap nacional, caminhando pelo resgate à história do rap, à mistura de sonoridades, ao olhar sobre a questão social e ao emponderamento do jovem negro e periférico. Em 2014, lançou seu disco de estreia, “Autorretrato”, com participações de Curumin, Max B.O., DJ Nyack (Emicida/Discopédia), Tássia Reis, Xênia França, entre outras, apresentando em 12 faixas misturas musicais entre o clássico boombap, west coast até acid rap e maracatu. O álbum ganhou destaque no site Miojo Indie, ficando entre os 50 melhores do ano. Seu último trabalho, "Oceano" (2016), contou com convidados como Drik Barbosa, Filiph Neo, Rincon Sapiência, Nando Vianna e produções de GROU e The Munir. O disco foi considerado por diversos veículos como o melhor do gênero RAP no ano e entrou no TOP 10 da Red Bull e Miojo Indie. 



>>BRISAFLOW: Filha de chilenos, a cantora Brisa De La Cordillera, mais conhecida como Brisa Flow, nasceu em Belo Horizonte, mas foi criada em Sabará (MG). Iniciou sua carreira musical em 2010, participando ativamente da cena cultural mineira. Em 2012, mudou-se para São Paulo, onde participou de diversos projetos e eventos relacionados à música e aos direitos das mulheres. A música “As de Cem” esteve entre as virais do Spotify em 2015 e recebeu o prêmio Olga de “Mulheres Inspiradoras”. Em 2016, lançou, de forma independente, seu disco “Newen”, que esteve entre as listas dos melhores discos do ano selecionados pelo Estadão, Brasileiríssimos e Noticiário Periférico

TAMBORES

A festa mensal que transborda na pista toda a black music pulsando no planeta, nessa edição apresenta especial da trilha sonora do filme Pantera Negra com produção de Kendrick Lamar e TDE. (Na foto: Vitão da Tambores por arquivo pessoal)

_____________________________________________________ 

::SERVIÇO: Quando: 10/3 Horário: 23h – 04h. Local: R. Maj. Quedinho, 112-A - Centro, São Paulo – SP

:: Lista de desconto: válido para quem for comprar ingresso na porta, deixe seu nome e de seus amigos e amigas NO MURAL DO EVENTO para que possamos acrescentar na lista. Atenção: a casa está sujeita a lotação máxima e o nome na lista só garante o valor promocional, portanto chegue cedo e aproveite. ::INGRESSOS: PROMOCIONAL – R$ 10 LOTE 1 – R$ 15 PORTA – R$ 15 (nome mural do evento) / R$ 20 (sem nome no mural do evento) ::LINE-UP: Jé Santiago Nego E BrisaFlow Tambores (DJ setting) :: Ingressos antecipados (mais barato e entrada 100% garantida): http://bit.ly/RapClandestino3 A Gruta Bar aceita cartão de débito.

::ANIVERSARIANTES (01/03 a 11/03): 
1) Poste no evento que você fará aniversário no dia e/ou compartilhe o evento em seu perfil. 
2) Envie e-mail para cerebrosurdoproducoes@gmail.com com seu nome completo e RG.

G baby Da Silva, o artista angolano residente na Africa do Sul, lança pela primeira vez um projeto de originais no seu pais de origem.


Blue Pillz, é o videosingle de estreia do EP "I GOTTA STAY NORMAL" que será editado pela produtora Latino Records e disponibilizado em todas as Plataformas Digitais para Download Gratuito.
#Blue Pillz feat. Riscow (Prod.By Kiid Banger Beats) Video Directed By Deja Vu Latino Films

Assista:


Sansacroma. Uma espécie de gavião protetor das crianças sul africanas nos massacres provocados pela Apartheid, reza a lenda local. E o número 15, conforme a numerologia significa liberdade de movimento e harmonia. Com simbologias tão fortes, nada melhor para a Cia. Sansacroma dar continuidade às comemorações de seu décimo quinto aniversário em uma série de eventos em três unidades do Sesc: Ipiranga, Campo Limpo e Belenzinho. De fevereiro a maio de 2018, a Dança da Indignação, processo criativo que marca a existência da Sansacroma ecoará em formato de espetáculos, debates e workshops.

A primeira fase destes eventos comemorativos acontece a partir do dia 22 de fevereiro de 2018, quinta-feira, no SESC IPIRANGA (R. Bom Pastor, 822 – Ipiranga) , dentro do projeto “Fricções”, série de espetáculos, intervenções, performances, residências e oficinas que tratam da diversidade por meio de diferentes linguagens e formatos. Resistir e existir - em rede, em grupo, em coletivo - produzindo relações, afetos, propostas que borram as fronteiras entre arte e vida.

Criada em 2002 pela atriz, dançarina e coreógrafa Gal Martins a Cia. Sansacroma tem produção artística focalizada em temas pertinentes à sociedade atual. O ponto de partida das criações são as poéticas e políticas do corpo negro. A Dança da Indignação, conceito criado pela artista, norteia a pesquisa de linguagem estética da companhia. Com atuação na periferia sul de São Paulo, este território influencia diretamente o seu processo artístico.

Dia 22, quinta-feira às 20h (grátis)

– A Dança da indignação e o corpo negro periférico: 15 anos da Cia. Sansacroma

Mesa de discussão sobre a metodologia criada por Gal Martins – a dança da indignação –, seu processo de concepção, o tensionamento do corpo negro periférico no universo da dança contemporânea e suas relações com o contexto atual. Durante este evento, será feito o segundo lançamento da publicação dos quinze anos da Cia.

Ficha técnica Mediação: Anelise Mayumi, artista da dança integrante do grupo Fragmento Urbano Participantes: Gal Martins, artista da dança, criadora da Cia. Sansacroma Kanzelumuka, artista da dança, integrante da Nave Gris Cia Cênica e idealizadora do projeto Mulheres Negras na Dança Érica Malunguinho, ativista, educadora e artista, é fundadora do centro de cultura de resistência negra Aparelha Luzia

Local: Teatro (200 lugares). Retirada de ingressos com 1 hora de antecedência na bilheteria da unidade.

Dia 24 de fevereiro, sábado, das 17h às 18h30

Redes de Indignação, (grátis)

A Sansacroma convida outros grupos e dançarinos que, dentro de suas metodologias, estão em diálogo com a proposta da Cia. O encontro propõe a troca de informações, discursos e indignações entre os grupos: conversas e apresentação de possibilidades e concepções do corpo e dos movimentos que podem compor uma obra. COM NAVE GRIS CIA CÊNICA, FRAGMENTO URBANO E CIA SANSACROMA

Local: Teatro (20 vagas). Inscrições: Na central de atendimento da unidade e online. Para inscrição online, envie um e-mail para: oficinas@ipiranga.sescsp.org.br , com Nome da oficina ou curso, seu nome completo, data de nascimento, CPF, RG, e número de matrícula da credencial Sesc.

Espetáculo “Rebanho”, 24 de fevereiro às 21h e 25 de fevereiro às 18h

Preços: de R$ 6,00 a R$ 20,00

Espetáculo composto de cinco solos que pressupõem uma recusa à submissão, uma insistência em ser, em afirmar a existência. Resistir é o próprio ato de criar. Criar o possível para si próprio e para o mundo.

Ficha técnica Direção: Gal Martins Assistente de Direção: Djalma Moura Intérpretes Criadores: Djalma Moura, Malu Avelar, Ciça Coutinho, Flip Couto, Aysha Nascimento e Érico Santos Trilha Sonora: Melvin Santana, Uribe Teófilo e Danilo Santana Técnico de Audio: Danilo Santana

Concepção e Operação de Luz: Piu Dominó Orientação de Pesquisa: Rodrigo Reis Preparador Corporal: Djalma Moura Produção: Maria Fernanda Carmo e João Simões Local: Teatro (136 lugares).

“Plataforma Rebanho”, Cia. Sansacroma (27 de fevereiro a 02 de março)

Terça, quarta, quinta, sexta, 18h às 21h e dia 03 das 14h às 17h (grátis)

A plataforma de criação "Rebanho" é um espaço destinado à experimentação, desenvolvimento e demonstração de criações de processos individuais de artistas, a partir da vivência da aplicação dos procedimentos presentes na estrutura da pesquisa de linguagem A DANÇA DA INDIGNAÇÃO, estruturada pela Cia Sansacroma. Cada um dos participantes poderá explorar situações, reflexos e contaminações diversas por meio do processo de encontro com o seu corpo indignado; e poderá refletir e experienciar sobre essa poética, que passa por estímulos e vivências pessoais, afeta seu estado cênico, criando uma intersecção entre arte e vida. O nome Rebanho refere-se à pesquisa baseada no devir animal, onde foi pesquisado o arquétipo do Búfalo, animal de forte potência e significados voltados à coletividade, à força e à ancestralidade.

Inscrições: Na central de atendimento da unidade e online. Para inscrição online, envie um e-mail para: oficinas@ipiranga.sescsp.org.br , com Nome da oficina ou curso, seu nome completo, data de nascimento, CPF, RG, e número de matrícula da credencial Sesc.

Mediação: Gal Martins e Djalma Moura

Local: Sala 2

Mostra de Processos – Primeiro Fórum de Criação Convivial

1 de março das 21h às 23h (Grátis)

Com Conrado Carmven, Aysha Nascimento, Bruno Coelho, Wellington All, Inessa Silva, Piu Dominó, Paula Salles, Luiza Meira, Kako Arancibia, Malu Avelar, Urubatan Miranda, Jo Pereira e Deise de Brito. 14 artistas independentes, de várias regiões e periferias, compartilham seus processos e metodologia de criação intitulada "Dança da Indignação", linha de pesquisa da Cia Sansacroma.

● A proposta foi de encontrar estratégias de aproximar esses artistas, entre eles jovens, acadêmicos, docentes, bailarinos e atores, mulheres, homens, negros, brancas, bichas, lésbicas e héteros, à metodologia que permeiam as criações artísticas-politicas e sociais enquanto (re)existência no cenário da dança negra paulistana. Aqui pretende-se compartilhar com o público o processo de seis desses artistas, ato necessário na medida em que os mesmos se tornam protagonistas de seus processos e precisam compreender na troca e na relação com o outro, os impactos, transformações, fragilidades e potências do que foi construído. O objetivo aqui é a subversão dos modos de existência, se anteriormente desejávamos o afago para gerar um espaço seguro entre as parcerias, dessa vez o desejo é de gerar energia vital para combatermos os medos, as ameaças, as invisibilidades e os silenciamentos com danças urgentes, furiosas e indignadas. Local: Teatro. Retirada de ingressos com 1 hora de antecedência na bilheteria.

Serviço

15 anos da Cia. Sansacroma – Projeto Fricções, de 22 de fevereiro a 01 de março

Sesc Ipiranga - Rua Bom Pastor, 822

Tel: (11) 3340-2000

Após 13 anos sem lançar músicas novas, Rappin’ Hood convidou Emicida para gravar “Da Estação de São Bento Ao Metrô de Santa Cruz”, faixa que marca sua volta ao mercado. O single, que sai pela Som Livre, fala sobre a relação do rap com a rua e é o primeiro de uma sequência de lançamentos que rapper está planejando. 
Ouça nas plataformas de música: https://SomLivre.lnk.to/DaEstacaoSaoBento.
Rappin’ e Emicida, que assinam a composição da faixa, gravaram o clipe em São Paulo rodeados de diversas personalidades brasileiras do rap – assista -, uma homenagem ao bom momento que o gênero musical vive e também ao DJ Primo, produtor do beat da faixa, que morreu em 2008.
Esse é o primeiro trabalho dos rappers, que celebram na música locais representativos para o hip-hop paulistano. “A inspiração foi a vontade de imortalizar esses dois locais, essas duas estações de metrô como templos do hip hop nacional. Gravar o clipe foi uma diversão, estar com os amigos e celebrar o rap e o hip hop foi muito bom. Quero agradecer a todos q participaram e colaboraram. Juntos somos fortes”, diz Rappin’ Hood.
Referência quando o assunto é rap nacional, Rappin’ é compositor, produtor e apresentador. Já gravou com nomes como Caetano Veloso, Gilberto Gil, Arlindo Cruz, Jair Rodrigues, Zélia Duncan, Dudu Nobre e Black Alien. 

Assista:

quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018




Pra quem ainda não sabe a jovem cantora e Mc Drik Barbosa, assinou contrato com a Laboratório Fantasma ano passado. 
Espelho é o nome do seu primeiro EP que vai ter 5 faixas e vai dar um novo ciclo na carreira da MC.
Através de sua conta no Instagram a cantora e MC deu todos os detalhes sobre seu trampo de estreia.
Confira:

Foto: @lucianafaria_ 
Styling: @santahelena 
Make: @makeupcarolromero

“ESPELHO”
é o nome do meu EP, meu primeiro trabalho autoral que reúne 5 faixas e será lançado pela Laboratório Fantasma , dando início a um novo ciclo na minha carreira. É um projeto muito íntimo em que cada faixa é como se fosse uma conversa minha comigo mesma, sobre estar encarando meus sentimentos, lutas e pensamentos. Por isso escolhi o nome “Espelho” por ser o que mais traduz essa reflexão.

O que torna ainda mais íntimo esse trabalho é o fato de que cada faixa contém a minha personalidade na forma como falo sobre os temas que abordo. Procuro ser uma pessoa otimista e passo isso nas canções, porém quando falo sobre preconceitos, racismo, machismo e coisas negativas que me rodeiam, sou bem direta para que me ouçam e entendam a urgência de transformar essas questões.

O simbolismo da água permeia todo o EP e está representado nas várias nuances dos versos: cura, purificação, força e fúria, sem nunca perder a essência. Independente de onde esteja, em um copo ou no oceano, a água continua sendo água, da mesma forma que eu, independente de onde eu vá ou esteja, mantenho a minha essência.

A sonoridade de “ESPELHO” transita entre o RAP e o R&B, ritmos que me influenciam e estão na base do meu trabalho.

A direção e produção musical do EP é assinada por Tunesbygrou, produtor e beatmaker que já trabalhou com Emicida, Kamau_ , Criolomc e Rimasemelodias, entre outros. A única exceção é o primeiro single, "MELANINA", que foi produzido por Deryckcabrera, também produtor e beatmaker que tem no currículo trabalhos com Criolo, JayPrince, Donl, entre outros. A direção vocal é assinada por D_cazz .


O projeto que conta também com as participações de Rinconsapiencia e Stefanie_roberta é o primeiro gravado no mais novo estúdio da Lab Fantasma e chega às lojas dia 16 de março nas versões digital e física. 
Espero que cada um que ouça “ESPELHO” consiga enxergar um pouco do reflexo de si mesmo, assim como eu consigo me ver refletida em cada rima, cada verso e cada nota desse trabalho.

Estou eu no Metrô de SP, e rapidamente li algo do tipo "Racionais da um pause na carreira prestes a completar 30 anos de carreira. Depois vejo pessoas compartilhando uma fala do Kl Jay dizendo: Racionais sai de férias coletiva.
Eu já pensei: Fodeu, Racionais acabou. Ainda bem que estou errado.

O grupo vai "dar um tempo" até meados do fim do ano. 
De acordo com uma entrevista do KL Jay par a revista Rolling Stone, o grupo entra em "ferias coletivas" para que ele, Mano Brown, Ice Blue e Edi Rock possam descansar. "É muito peso. Racionais é uma carga muito forte, né? Se continuar fazendo show (a gente) fica louco. Os quatro, fica tudo louco" disse o Kl Jay.

A reação dos fãs foi imediata. Vários temem que o Racionais, prestes a completar 30 anos, encerre as atividades. Integrantes da produtora Boogie Naipe, que administra a carreira do grupo, negam o fim do grupo. A previsão é de que os shows sejam retomados no fim do ano, possivelmente por volta de outubro.
Enquanto isso, no "período sabático", os quatro integrantes se dedicarão às respectivas carreiras solo. KL Jay vai lançar o aguardado disco Na batida vol.2 (o primeiro saiu em 2001). Ice Blue promete um álbum com Helião, do grupo RZO, e continua comandando programa de rap numa rádio paulistana. Edi Rock tem desenvolvido parcerias com Alexandre Carlo (Natiruts), entre outros artistas, e feito shows com vários rappers – nesta quinta-feira (22), apresenta-se com Don Pixote em São Paulo. Edi está escalado, assim como Mano Brown, para o Festival Cerrado Mix, em Goiânia, marcado para abril.
O Mano Brown passa bem longe de estar de ferias, o rapper vem trabalhando bastante com seu show Boogie Naipe.

Há especulações sobre uma dobradinha do rapper com Ivete Sangalo, quando a cantora, que acabou de dar à luz a gêmeas, retomar a agenda.

Em janeiro, Brown revelou ao UAI/Estado de Minas que gostaria de abrir o leque de parcerias – inclusive com mulheres, citando Karol Conka, Iza e Ludmilla. Contou que recebeu melodia do maestro Arthur Verocai para letrar. O rapper compôs a faixa Ciganapara o elogiado No voo do urubu, lançado por Verocai em 2016.

KL Jay afirmou à Rolling Stone que o quarteto se reuniu, no fim de 2017, depois de se apresentar numa casa paulistana, e decidiu descansar. "Cada um faz seu corre individual e tá tudo certo. O Racionais trabalhou demais. Fizemos um show memorável na Audio, um puta show, para mim foi o melhor. E agora estamos descansando”, declarou.


O EP será lançado dia 02 de março, nas principais plataformas de streaming, com três faixas inéditas que apontam para sua renovação artística
Após pouco mais de um ano do lançamento de sua última mixtape, Bastidores de Uma Vida Aleatória (independente, dez/2016), no próximo dia 02 de março, o rapper Marcão Baixada apresentará seu mais recente trabalho, o EP intitulado “Vermelho Outono”, que estará disponível nas principais plataformas de streaming (Spotify, Deezer, SoundCloud, iTunes, Bandcamp) e em seu canal no You Tube.

O EP foi produzido pelo próprio artista e conta com três faixas inéditas, nas quais Marcão narra a experiência de um jovem negro na busca de uma possível ascensão econômica, abordando como ele encara as consequências desta busca. Em sua jornada pessoal, este jovem se depara com o crime e a violência, mas encontra também a possibilidade de seguir o caminho da música.

Sobre o título do trabalho, Marcão Baixada explica que “durante o outono, as folhas de árvores costumam ganhar uma pigmentação avermelhada. Esses pigmentos vermelhos funcionam como uma proteção contra a radiação solar intensa. Apesar disso, no outono, as folhas caem para que possam florescer novamente após o inverno.” E é isso que o rapper propõe com este EP: Marcar o fim de uma fase, para entrar num período de renovação artística, tanto em suas temáticas, quanto na sonoridade de suas músicas, usufruindo da liberdade de flertar com sons e estilos que não são sejam propriamente o rap – mas sem esquecê-lo.

Arte de Capa: Elaine Rodrigues e Nathalie Peixoto (DesignLinhadas)
Foto de Capa: Caio Rabelo

Marcão Baixada é um artista que vem se firmando como um dos principais expoentes musicais da Baixada Fluminense. Anota em seu currículo diversos lançamentos, seja com seu grupo #ComboIO, com o qual já fez 2 viagens internacionais e venceu o Take Back the Mic: A Copa do Mundo do Hip-Hop; ou em seu trabalho solo, que já lhe garantiu o Prêmio Baixada 2015 na categoria Música. Em sua discografia, constam os EP's  Itinerante (2012) e Bang Bang Remixes (2015) e as Mixtapes  Black Friday (2015) e Bastidores de uma Vida Aleatória (2016). Além disso, suas principais músicas e videoclipes colecionam um grande número de plays na internet.

Ficha Técnica

Vermelho Outono – EP

Marcão Baixada



1 - MUITA FÉ (Marcão Baixada / Jordan Mosley)

Voz: Marcão Baixada

Participação Especial (Voz): Jef Rodriguez 

Programações e Percussões: Marcão Baixada

Synths: Jordan Mosley



2 - DANNY GLOVER (Marcão Baixada)

Voz: Marcão Baixada

Programações e Percussões: Marcão Baixada



3 - P.G.S. (Marcão Baixada / Cleones)

Voz: Marcão Baixada

Programações, Percussões e Synths: Cleones



Produção Musical: Marcão Baixada

Produção Executiva: Marcão Baixada

Gravado, mixado e masterizado por Marcão Baixada no Estúdio MTD.

Arranjos de Base: Marcão Baixada, Jordan Mosley e Cleones



Links:

Instagram: @marcaobaixada

Yannick lança o 1º clipe de 2018
Faixa ‘Também Conhecido Como Afro Samurai Remix’ ganha curta-metragem cheio de efeitos e participações especiais

O rapper paulistano Yannick Hara lança mais um vídeo de uma das faixas do EP Também Conhecido Como Afro Samurai. Desta vez, a faixa-título versão remix, última música do trabalho, ganhou um clipe cheio de efeitos e participações especiais. 

Gravado em estúdio, o vídeo apresenta os dançarinos Danilo Martins e Dartlita Double-Lock em performances intercaladas com a presença do próprio artista. O cenário alterna as cores azul, vermelha e branca, gerando uma sensação de drama e suspense, como sugere a letra.

Na concepção da música, Yannick conta com a participação de Dieguito Reis (Vivendo do Ócio) e Petrus (OI Darth Bastard). O remix tem uma pegada trap, com uma roupagem eletrônica e mais pesada do que a original. A faixa apresenta, ainda, novas rimas, que lembram uma apresentação de Freestyle.

O vídeo é o sexto de uma séria de oito. “Pretendo lançar clipe de todas as faixas do EP até o final de 2018”, explica Yannick. O trabalho é totalmente inspirado no mangá e anime Afro Samurai, cujo o enredo narra a saga de um samurai negro chamado Afro que busca vingar a morte do pai, assinado por Justice. 

Assista:


YANNICK
Nascido e criado no centro de São Paulo, Yannick é um rapper independente que não segue os padrões tradicionais do gênero. Enquanto a maioria dos MCs falam do dia a dia nas periferias, críticas ao sistema ou - até mesmo - sobre amor, festas e luxo, Yannick busca inspiração em mangás, animes e a cultura geek para escrever suas letras. Pouco a pouco, o artista vem crescendo e conquistando respeito do público e da crítica. Com o EP Também Conhecido Como Afro Samurai, por exemplo, realizou mais de 40 apresentações e uma apresentação no Estúdio Showlivre, um dos principais palcos da música independente brasileira. O EP ganhou um resenha no blogCollectors Room de Florianópolis (SC), além de destaque no site Nação da MúsicaRap Nacional Download (RND). Concedeu entrevista para o Portal R7MonkeyBuzzRevista Arte BrasileiraThe Trend Killers e para o canal Yo Ban Boo. A pedido do Jornal Metro SP, o rapper resenhou a edição “Hip Hop Genealogia” que revê primórdios do gênero. Lançou o clipe de A Maldição da Bandana, com exclusividade pela Billboard Brasil, e o curta Afro vs Justice em parceria com o Omelete. Concedeu entrevista para oR7 e, também, lançou o clipe Luto Por Você pelo Portal. Participou do programa Manos e Minas (TV Cultura). Fez parte da coletânea "O Mundo Ainda Não Está Pronto - Um Tributo ao Pato Fu", projeto que reuniu vários artistas de vários gêneros para homenagear os 25 anos da banda mineira. Yannick, junto com Camila Brumatti, fez a faixa "Eu Ando Tendo Sorte". Em dezembro de 2017, cantou a faixa “Luto por Você” no programa do Ratinho (SBT) no quadro Dez ou Mil.


FICHA TÉCNICA
Realização: Live Station
Direção: Seiji Hara e Rodrigo Furlani
Edição e produção: Rodrigo Furlani e Norberto Filho
Beat por Everton Beatmaker
Participação especial de Petrus da Ol´Darth Bastard (@petrus.camargo), Dieguito Reis da Vivendo do Ócio (@dieguitoreiss)
Dançarinos: Danilo Martins (@danilo_kapela) e Dartlita Double-Lock (@darlita.albino)
Figurino: Rose N Crown Brasil (@rosecrownbrasil)
Mixado e masterizado por BlakBone nos estúdios da Live Station (@livestationoficial).
Disco: EP Também Conhecido Como Afro Samurai (2016)

YANNICK

Segunda turnê das lendas do HIP HOP no Brasil

Dia 9 de março, o Arena Barra Funda receberá o show do lendário grupo de Cleveland, Bone Thugs N’ Harmony. A apresentação é atração do Hip Hop Live, festival já conhecido por trazer o grupo em 2015, após muita espera dos fãs (confira fotos abaixo). Realizado pelo X-Type Music Group e pela Swag Brasil, o evento tem promoção da Agencia Fabrik. A festa contará com discotecagem do premiado DJ King e a presença de convidados.

Formado por Krayzie Bone (Anthony Henderson), Layzie Bone (Steven Howse), Bizzy Bone (Bryon Anthony McCane II), Wish Bone (Charles C. Scruggs) e Flesh n Bone (Stanley Howse), Bone Thugs N ‘ Harmony são conhecidos pelos sucessos como "Tha Crossroads", "I Tried", "Thug Luv" (ft 2Pac), "Foe Tha Love Off " e "Thuggish Ruggish Bone.

Os ingressos para a noite de custam de R$40 a R$80 (pista), e de R$60 a R$120 (mezanino open bar). As entradas podem ser compradas via Sympla ou nos pontos de vendas físicos (Barnabé Bar Tatuapé, Náutica Tattoo, Ichiban Store, e nas Loja Kings (Centro, Paulista, Center Norte, Tucuruvi, Morumbi e Guarulhos)). Confira a movimentação no evento oficial!


Bone Thugs-n-Harmony é um grupo de rap dos Estados Unidos formado por Krayzie Bone (Anthony Henderson), Layzie Bone (Steven Howse), Bizzy Bone (Bryon Anthony Mc Cane II), Wish Bone (Charles C. Scruggs) e Flesh n Bone (Stanley Howse) em Cleveland. É conhecido pelo seu estilo de rap harmonizado com vocais. Em 1997, o grupo ganhou o Grammy Award pelo melhor desempenho de rap, com “Tha Crossroads”. Desde sua criação no começo dos anos 90, o grupo foi honrado com outras numerosas premiações. Com 11 álbuns (Faces of Death, Creepin on ah Come Up, E 1999 Eternal, The Art Of War, BTNHResurrection, Thug World Order, Bone 4 Life, Thug Stories, Strength & Loyalty, Uni-5: The Word’s Enemy e The Art Of War: World War III, o grupo volta ao Brasil pela segunda vez para alegria dos fãs que lotaram todas as datas em 2015.

Serviços:

Hip Hop Live apresenta Bone Thugs N’ Harmony

Dia 09 de março de 2018 a partir das 23h

Arena Barra Funda – Rua Nicolas Boer, 550 – Barra Funda – São Paulo / SP

Ingressos de R$40 a R$120 Sympla ou nos pontos de vendas físicos (Barnabé Bar Tatuapé, Náutica Tattoo, Ichiban Store, e nas Loja Kings (Centro, Paulista, Center Norte, Tucuruvi, Morumbi e Guarulhos)).

"Alguma coisa a ver com uma missão", da Cia. Os Crespos revisita lutas negras no Brasil.

"Sabe esse passado que não passa? Pois é... Enquanto houver senhores e escravos não estaremos dispensados da nossa missão (Heiner Müller)"

"Alguma coisa a ver com uma missão", da Cia. Os Crespos, volta em cartaz e leva o público a conhecer histórias das lutas negras por liberdade. Acompanhando duas personagens - uma Gari e uma auxiliar de enfermagem - que recebem um convite para viajar no tempo pelas águas da Calunga, o público reconhece trajetórias invisibilizadas pela história oficial. Contemplada pelo Proac Circulação de Rua da Secretaria da Cultura do Governo do Estado de São Paulo A Cia vai realizar diversas apresentações no Estado de São Paulo, sendo 5 apresentações na capital e nas cidades de Franco da Rocha, São Luis do Paraitinga, Santos, Ribeirão Preto e Registro, entre os meses de fevereiro e março de 2018.

"Alguma coisa a ver com uma missão" parte da investigação sobre as evoluções locais e revoluções políticas latino-americanas a partir dos levantes negros no Brasil e no Caribe, tendo em vista a construção imaginária de uma revolução poética a favor da abolição do racismo. Através de uma viagem na qual passado e futuro se encontram, personagens movimentam-se dentro da nossa sociedade compreendendo as lutas por liberdades diversas como tochas acesas para o estopim das transformações sociais antirracistas. O espetáculo é uma criação livremente inspirada no texto "Lembrança de uma revolução: A Missão" de Heiner Müller.

"Com este espetáculo queremos resgatar as pequenas e grandes conquistas do dia-a-dia daqueles que, inversamente ao que até hoje se supôs, resistiam a se tornar meras engrenagens do sistema que os escravizara. Esse é o ponto de partida para uma verdadeira mudança de ponto de vista sobre a participação negra numa possível reestruturação social" explica Lucelia Sergio, uma das fundadoras dos Crespos, ao lado do ator Sidney Santiago Kuanza e Joyce Barbosa, que também integram o elenco.

O espetáculo

Duas mulheres - Uma auxiliar de enfermagem e uma gari – são convocadas, através de sonho, a viajar no tempo pelas águas da Calunga (palavra banto que significa mar, oceano e grande cemitério). Elas fazem o trajeto guiadas por uma barqueira que lhes transmite uma missão. Cada parada no percurso é um enigma que as personagens devem desvendar para cumprir seus destinos. Por intermédio desta alegoria, Os Crespos transportam o público para uma viagem que remonta as revoltas e os levantes negros responsáveis por nossa liberdade e símbolos da resistência de um povo.

Musicalidade do espetáculo baseia-se em Vissungos

Os VISSUNGOS são cantos afro-brasileiros originais de Minas Gerais e cantados por descendentes de escravos, ainda hoje presentes em algumas manifestações populares de Minas e em alguns quilombos deste Estado.

O espetáculo se inspira nessa musicalidade para criar músicas próprias, além de recriar alguns vissungos originais durante o percurso da peça e os músicos acompanham público e atores em todo o trajeto.

Quem são os Crespos

Os Crespos é um coletivo teatral de pesquisa cênica e audiovisual, debates e intervenções públicas, composto por atrizes e atores negros. Formo-se na Escola de Arte Dramática EAD/ECA/USP e está em atividade desde 2005. A Cia. trabalha, há onze anos, a construção de um discurso poético que debata a sociabilidade do indivíduo negro na sociedade contemporânea e seus desdobramentos históricos, aliado a um projeto de formação de público. A Cia realizou, ao longo desses 12 anos, 6 espetáculos teatrais, 11 intervenções urbanas, 2 edições da Mostra Cinematográfica “Faz lá o Café”, a 1.a Mostra de Teatro Negro de São Paulo, os premiados curtas “D.O.R”, “Nego Tudo” e “Ser ou Não Ser”, a elaboração e publicação da revista de teatro negro "Legítima Defesa", além da circulação com espetáculos, intervenções e palestras por diversas cidades e estados do país.

Ficha Técnica

Direção Coletiva - Os Crespos Atores - Lucélia Sergio, Sidney Santiago Kuanza, Dani Nega, Dani Rocha, Joyce Barbosa e André Luis Patrício Orientação de direção - José Fernando de Azevedo e Kenia Dias Dramaturgia - Allan da Rosa e Os Crespos Direção Musical: Giovani Di

Ganzá Músicos: Gisah Silva e Giovani Di ganzá Musicas Criadas: Giovani Di ganzá e Lucelia Sergio Direção de Arte - Maya Mascarenhas Assistente de direção de arte - Gui Funari Cenotécnico - Wanderley Wagner da Silva Adereços - Cleydson Catarina Iluminador – Edu Luz Produção Executiva - Felipe Dias Contrarregras - Rogério Aparecido, Felipe Dias e Frederico Peixoto de Azevedo Orientação de criação e assistência de direção - Lena Roque Preparação Musical - Mauá Martins Preparação Corporal - James Turpin/ Lena Roque Preparação Teórica - Allan da Rosa, Saloma Salomão e Marc Pierre colaborações de Dramaturgia no processo - Christian Moura Assessoria de Imprensa - Lau Francisco (7 Fronteiras Comunicação) Designer Gráfico - Rodrigo Kenan Fotografia - Roniel Felipe

Serviço

24 de fevereiro, às 19h, Rua Saul Borges Carneiro, às 19h, zona leste de SP (no campo de futebol)

Dia 25 de fevereiro, às 19h, na Praça da Casa de Cultura M’Boi Mirim, Av. Inácio Dias da Silva, sem número, Piraporinha (em parceria com a Cia. Sansacroma)

Dia 03 de março – São Luis do Paraitinga, Praça Dr. Oswaldo Cruz, às 20h, seguido de debate

4 de março, às 18h – Franco da Rocha, Parque Municipal Benedito Bueno de Morais, Centro– Rua Nelson Rodrigues 400, Centro

6 de março Praça Sete Jovens, Rua Pedro Pomar-Eliza Maria, zona norte de São Paulo, às 19h (Em parceria com a Terça Afro com debate)

Dias 16 e 17 de março, na Praça Ramos, Centro de SP, às 20h na sexta e sábado Início nas Escadarias do Theatro Municipal.

Classificação etária: Livre

Espetáculo Gratuito

Duração: 75 min