segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Lagartape
Dj Nyack apresenta mais uma de suas mixtapes, e dessa vez trata-se da Lagar-Tape.
Segundo o próprio DJ, essa é dedicada a todos que iam nas quermesses de vilas, que frequentavam o Clube da cidade e todos outros bailes que propuseram esta época, que pra muitos foi inesquecível..
Confira a Tracklist:
01 Piano Negro – Robix
02 Black Company – Toda a Noite
03 Chubb Rock – Dj Innovator
04 Queen Latifah – Princess Of The Posse
05 Leschea – Fulton St.
06 Born Jamericans – Yardcore
07 Chevelle Franklin – Nice and Naughty
08 Junior Reid – Bubblers
09 Eazy-E – Creep N’ Crawl [Remix]
10 Mad Lion – Real Thing
11 Ini Kamoze – Who’s Goes There [Feat. Guru]
12 Whodini – I’m a Ho
13 The Dog’s – Funk The President [Instrumental]
14 Biz Markie – Just a Friend
15 Too Short – I Ain’t Trippin’
16 Kool Moe Dee – Do You Know What Time It Is
17 Maxi Priest – Housecall [Feat. Shabba Ranks]
18 Jc Lodge – Telephone Love
19 Big Daddy Kane – Very Special [Feat. Spinderella]

OUÇA AQUI!!!

Foto: Mowa Press
Foto: Mowa Press
O grupo Mesclado, representante do rap da zona sul de São Paulo, está preparando seu mais novo CD, que tem DJ Tony Di (Afro-X e ex-509-E) assinando a produção do álbum. O grupo trabalha uma mistura de sons brasileiros, com um flow funkeado característico do rap malandreado e temas periféricos ligados aos traços culturais brasileiros. Depois de "Brasil 40 graus", single lançado no final do ano passado, o Mesclado divulga a música "Muleque do gol", uma homenagem ao jogador Lucas, que reafirma a ligação entre o rap e o futebol.

No dia 13 de fevereiro, após a vitória de 6 a 0 sobre o Uruguai, o jogador pediu a música "Muleque do Gol" durante o programa Fantástico. Recentemente, o goleiro Aleksander, outro integrante da seleção Sub-20, mencionou versos da música "Quando eu morrer", do MC Rashid, em dois programas esportivos da Rede Globo.


By Central HIP HOP


O lendário grupo De La Soul retornará com um novo álbum este ano. De acordo com o membro Maseo, o coletivo está trabalhando em novo material. O mais recente trabalho do grupo foi Are You In?, que foi lançado no ano de 2009 em parceria com a Nike.

Nós definitivamente queremos lançar um novo álbum, disse Maseo. Nós vamos aparecer com 'Art Official Intelligence III', os fãs estão com saudades.
 
Então vamos lançar música nova e continuar a fazer turnês. Isso é tudo o que fazemos!, concluiu. 


By Central do Rap


Download Game - All-Star Game
Tracklist:
01. Intro
02. DJ Lennox - Intro Blend
03. Somebody's Gonna Die ft. Bounty Killer (DJ Lennox Blend)
04. Baggage Claim
05. Big Dreams ft. Biggie & Scarface (DJ Lennox Blend)
06. Su Woo ft. Lil Wayne
07. When The Chips Are Down ft. Lloyd Banks
08. Lifes A Bitch (DJ Lennox Blend)
09. Certfied Gangstas ft. Jim Jones & Lil Flip
10. Really Raw ft. Tyga, Pharell & Snoop Dogg
11. Can You Hear Me (DJ Lennox Blend)
12. In My '64 ft. Pharrell & Snoop
13. Growing Up In The Hood ft. Obie Trice
14. Where You From ft. Eazy E. & Xzibit (DJ Lennox Blend)
15. Can A Drummer Get Some ft. Travis Barker, Lil Wayne & Rick Ross
16. Kush
17. 200 Bars (DJ Lennox Blend)
18. Higher
19. The Games Pain ft. Jadakiss, Fat Joe, Pusha T, Bun B & Keyshia Cole
20. Hot 16 Cipha ft. Joe Budden, Styles P, Prodigy & Kool G Rap (DJ Lennox Blend)
21. Game Interlude
22. Tell Me When To Go ft. Biggie & E-40 (DJ Lennox Blend)
23. We Gorrilaz ft. Juice

Download

Usershare Download Link
Tracklist:
01. Letting Go Ft. Sarah Green (Produced By The Future)
02. Words I Never Said Ft. Skylar Grey (Produced By Alex Da Kid)
03. Till I Get There (Produced By Needlz)
04. I Don’t Wanna Care Right Now Ft. MDMA (Produced By The Audibles)
05. Out Of My Head Ft. Trey Songz (Produced By Miykal Snoddy)
06. The Show Goes On (Produced By Kane Beatz)
07. Beautiful Lasers (2Ways) Ft. MDMA (Produced By The Future)
08. Coming Up Ft. MDMA (Produced By The Future)
09. State Run Radio Ft. Matt Mahaffey (Produced By The Future)
10. Break The Chain Ft. Eric Turner And Sway (Produced By iSHi)
11. All Black Everything (Produced By Wizzo Buchanan)
12. Never Forget You Ft. John Legend (Produced By Wonda Co-Produced By Arden Altino)

fileserve Download Link MediaFire Download Link Megaupload Download Link
jr writer body count
Tracklist:
1.I Am Writer Intro
2.JR Writer - I'm A Boss ft. Hell Rell
3.JR Writer - Head Banger
4.JR Writer - Exclusive Unreleased Freestyle + Yea 4 Hardcore
5.JR Writer - I'll Bury You ft. Hell Rell
6.JR Writer - Best Kept Secret
7.JR Writer - My Guns ft. 40 Cal
8.JR Writer - Grind & Go In ft. Roco & Prophit
9.JR Writer - Thunda
10.JR Writer - I Been On ft. Blitz McBain & Liason
11.JR Writer - I'm The Fucking Man ft. Milli Millz, Jay Bezel, 40 Cal & Prince Negaafellaga
12.JR Writer - Karate Kid ft. Hell Rell
13.JR Writer - Warhead
14.JR Writer - It Be Going Down ft. Jag & L'oreal
15.JR Writer - I'm Already Here
16.JR Writer - Check Me Out ft. Soldiers Of Fortune
17.JR Writer - Living Legend ft. Big Bang
18.JR Writer - Gun Muzik ft. Charlie Clips
19.JR Writer - Rocks Down Here ft. Jag
20.JR Writer - Good Morning ft. Ron Browz
21.JR Writer - Cheese N Crackers (Remix) ft. Ron Browz & Cassidy
22.Bonus Classic - JR Writer - Stop-N-Go ft. Cam'ron
23.Dipset Bonus Track - 40 Cal - Fuck Ya Squad ( Hustle Hard Rmx) (Exclusive)


Usershare Download Link


Por: Redação - Fonte: Afropress - 22/2/2011

Osasco/SP - A dona de casa Clécia Maria da Silva, 56 anos, denunciou ter sido submetida a humilhações por parte de seguranças do Supermercado WalMart, da Avenida dos Autonomistas, em Osasco, ao ser tratada como ladra e ter sua bolsa revistada por um dos seguranças.

“Deixe ver essas bolsas”, teria dito o segurança, que não se identificou, ao segurar com força no seu braço à saída da loja. A dona de casa é negra e disse que, ao revistar sua bolsa, o homem teria dito: “Isso acontece mesmo com os pretos”.

Por causa da abordagem, em que as três bolsas que carregava foram retiradas das suas mãos e as mercadorias expostas, e com a aglomeração das pessoas que se formou, dona Clécia passou mal e teve que ser removida para o Hospital Montreal, pela ambulância do serviço de saúde do Supermercado.

Ela permaneceu internada cerca de 4 horas – entre as 18h52 e 22h50. A médica que a atendeu, Daniela Camargo, diagnosticou hipertensão e disse a Érica Patrício da Silva, a nora que foi chamada para socorrê-la, que ela esteve muito próxima de sofrer um Acidente Vascular Cerebral (AVC).

O caso aconteceu na quarta feira, dia 16 de fevereiro, e a ocorrência foi registrada na sexta-feira, dia 18/02, no 9º Distrito Policial de Osasco, em Presidente Altino.

Humilhação e vergonha

Segundo dona Clécia, ela estava com o cupom fiscal na mão, comprovando que havia pago R$ 10,47 "por uma bisnaguinha, um pão pulmann e três suportes de botijão". “Quando eu saí fora, veio um segurança, pegou no meu braço. Depois pegou a minha bolsa e falou: “Isso acontece mesmo com o s pretos”. Todo mundo olhando prá mim. Fiquei muito nervosa. Não estava agüentando mais ficar de pé. Depois, quando viram que eu estava passando mal, vieram e me deram uma água quente da torneira. A pressão subiu muito e eu estou abalada até hoje”, afirmou.

A dona de casa mora na Vila Serventina e disse que, habitualmente, faz compras na loja do Walmart.

Por causa da crise hipertensiva desencadeada pelo episódio, dona Clécia, que é evangélica, teve de retornar ao Hospital no sábado, dia 19/02, quando voltou a ser medicada. “Não sei porque eles fizeram isso comigo. Ele me obrigou a abrir a bolsa, e depois que viu que não estava levando nada e que havia pago tudo, assinou o canhoto da comprinha que eu fiz”, contou.
.
Depois que começou a passar mal e viu que ia desmaiar, ela disse que só teve tempo de pedir por socorro para a nora, que normalmente a acompanha ao supermercado. Érica disse ter ficado assustada quando recebeu o telefonema.
.
“Ela me ligou desesperada. Venha aqui no Walmart, pelo amor de Deus. Quando cheguei a gerente do supermercado estava com a bolsa dela na mão. Eles estavam tratando dona Clécia como uma ladra, pelo traje que ela estava vestida e pelo fato de ser negra”, acrescentou.
.
Segundo ela, foi a própria ambulância do da loja que levou dona Clécia para o Hospital. “Quando viram que ela estava passando mal, vieram os seguranças todos, veio o chefe dele e mandou que eu calasse a boca e que devia ficar quieta, porque o importante era levá-la ao Hospital”, contou.
.
Erica contou que a médica que atendeu disse que a pressão estava muito alta e que se demorasse um pouquinho teria um AVC. Indignada, ela disse que chamou uma viatura da Polícia Militar, no próprio Hospital, e foram os policiais militares que a orientaram a registrar a queixa na Delegacia de Polícia.
.
Providências
.
Ainda abalada, e com marcas nos braços do soro e do medicamento que tomou no Hospital, dona Clécia, disse que quer Justiça, para que o que aconteceu com ela não se repita mais com ninguém.
 

 http://img816.imageshack.us/img816/1266/teasersart.jpg
Resolvi criar um Teaser ou seja um preview de algumas Tracks que irão constar na Mixtape já conhecida: O Alvo Inatacável; bom espero que curtam a cena e comentem dentre as vozes conhecidas temos: Nga,Natop3,CMC e outros…Aliás podem ver na imagem abaixo as vozes que constam no Teaser… Ainda temos a disponibilidade de receber Tracks dos Novos talentos ou seja os chamados New School que queiram mostrar as suas habilidades no mundo da música, o mesmo vale para os Old School.
Mandem no e-mail de sempre: so-9dades@hotmail.com
Msn:so-9dades@hotmail.com

 Download Teaser: www.sendspace.com/file/0blymt


Yo Pessoal aí vai + uma pekena intrevista com um dos produtores de Hip Hop Em Cabinda.

CabMusic: Como foi o teu primeiro contacto com Hip-Hop?
Diplomatta:
R: Hepah! ... O 1º contacto com o Hip Hop foi tão natural “Não me lembro da data” mas foi na época em que a TPA exibia o programa “Explosão Musical (Miguel Neto)” e eu não perdia nenhuma edição do mambo sabs, “Salvo se não tivesse corrente eléctrica no  cubico” e nesse mesmo programa, passava mais música americana “Hip Hop” nesse caso. E aí surgiu aquele favoritismo pelo hip hop, na altura ainda muito puto, e já via rappers putos também como “Bow Wow, Romeo, Etc…” e esses me deixavam com muito ar de tentar também ser como eles… É por aí.


CabMusic: Foi directo para produção ou começou como MC?
Diplomatta:
R: “Não” Comecei mesmo com MC lá pro’s 2003 comecei a escrever as primeiras cenas “cenas bué weaks” sabs… mas já tinha muitas ideias de “Acordos, notas, melodias, percussões… (Já tinha muitas ideias de beats na cabeça)”


CabMusic: Em que ano comecaste a produzir e quem dropou no primeiro beat?
Diplomatta:
R: 2007 foi o ano. Ya comecei lá pro’s Setembro de 2007, quando o meu cota me passou a primeira máquina Pentium III, ya era mesmo dali que comecei a desenrascar com os primeiros beats… mas no princípio de 2007 eu já conhecia madiés que mexiam mais ou menos o FL Studio, e me davam algumas luzes sobre a cena. “Sinceramente não faço mais ideia de quem rappou no primeiro beat.”


CabMusic: Alem de produzir ve-se que tbm participaste em algumas track, Mixtapes como do Mq Soulja, + ve-se q te envolveste + na  producao é isso?
Diplomatta:
R: Ya, meu sabs… Eu sou mais produtor do que MC. Tipo “70%_Produtor…”


CabMusic: Quais foram as suas influencias dentro e fora do hip hop?
Diplomatta
R: Pra ser sincero, pra mim a influência é e sempre foi apenas uma, “ouvir a minha voz por cima dum beat” mas acontece que depois de um tempo, sem mesmo eu dar por conta. Já me tinha apaixonado pela música “Hip Hop” nesse caso… Agora sinto me fixe e quanto mais o tempo passa dou me por mim, que não tem mais tempo pra desistir. E sinto que está a chegar a minha vez.


CabMusic: Como encarras o Rap em Cabinda?
Diplomatta
R: O Rap em Cabinda resume-se numa pergunta: “Quem Viu e Quem Vê?” mas cresce, apesar de crescer à passos de cágado mas cresce… O Movimento Hip Hop aqui cresce em Quantidade, mas Qualidade népias... Tá tipo “30%_Qualidade…” Há que se fazer algo. Produz-se muita coisa mas não há saída.


CabMusic: E Sobre Rap Nacional?
Diplomatta
R: O rap nacional tá altamente, nota-se que tão a vir muitos rappers fudidos, mas também tão a surgir muitos falsos “eu chamo esses de MC’s pra Freestyle” na letra não têm nada. E ainda vejo muitos que estão a copiar a vibe o o flow de outros Mc’s. Há que se criar mais. Mas eu explico tudo em percentagem, para facilitar o entendimento. É tipo “40%_Real Rappers…”


CabMusic: U que nos dizes sobres uz Beefs? Tens beef com algum Mc, produtor…?
Diplomatta
R: O Beef é necessário, por natureza o hip hop é assim… o Beef é o clímax do Hip Hop. Na qualidade de produtor, eu faço os possíveis de evitar Beef com qualquer MC, mas só que já tem havido alguns rappers a mandar-me punch lines sabs… mas isso é menos. A resposta é: “Ainda Não Tenho Beef com nenhum producer nem MC”


CabMusic: O que usa para produzir?
Diplomatta
R: Uso um sistema reduzido “Home_Studio” Tipo…

Hardware:
1 PC, 1 Piano MIDI, 1 Behringer U-Control Big (UMX 49), 1 Placa se Som Externa_USB, 1 Mic Behringer C1, 1 Mixer Berhinger Com 16 Tracks, 2 Speakers PHONIC SEP206 PCMS (HxWxD)-235x160x178mm.

Software:
Pra Beats Uso: FL Studio Rewired Com Propellerhead-Reason, Orion (Duns Coros) + Plugins (Cakewalk_Kit, Steinberg, etc…)

Para Captação e Mistura Uso: Magix Audio Studio, FL Studio, Cool Edit Pro, Acid, Nuendo, Sound Forge e as vezes também o Cubase SX. Por Aí…

CabMusic: Seus produtores favoritos (Nacionais e Internacionais)
Diplomata:
R: Sinceramente “não tenho um produtor favoito” mas Admiro muito produtores como o Condutor, Havoc dos Mob Deep, Sam The Kid, Dj Nell Assassin, Levell Khronico, Raiva, Hida The Real, LG-Lérigo, Lex Luger, Drumma Boy, Pollow Da Don, David Banner, Lil Jon, Aires, Sandocan, Hepah… São Muitos. Mas Sem Esquecer Do I.V.M. (R.I.P.). O Mano Foi Memo Fudido.


CabMusic: Mcs favoritos
R: Curto de muitos Mc’s mas admiro muito Mc’s Originais e realistas como Phay Grand O Poeta e Halloween “São Memo Diferentes”.


CabMusic: Para quem já produziu?
Diplomatta:
R: Já produzi pra muitos rappers locais, alguns nomeados como: “New Souljas, MQ Soulja, Smourf Money, Hida The Real, Nigga elvino, Lima MC, Denger Pac, Rupper a.k.a. Wey G, Black Money, Ady Boy, Big Jest, MD Money, Magníficos, Oskar, Boy Fat, Gorillas Boys, Ballaz Hood, Mampolo MC, Lirick MC, Afro-Negra, Gerry Nigga, Demokrata, Mundo Ideal, X-Thug, Arma Secreta, ”, também alguns do movimento nacional e internacional niggas como: “Geezy, Duplo N, MC Matita, Nga, Forç Suprema, Estrela NLS, Rugbistah…. ”e inclusive alguns hits também do estilo RnB.


CabMusic: Que beat seu o faz mais orgulhoso e porquê?
Diplomatta:
R:  É complicado dizer isso, mas há um beat que me põe muito fly que foi também o 1º beat que eu bumbei usando extratos de uma track de uma cantora americana que já não me lembro, “Algo de bom na vida Pt.2 – Com MQ Soulja em 2009 na mixtape (por traz de tudo vol.2 do MQ Soulja, trilha nº13)” yah rapamos no beat. É um beat que me fez acreditar que o tempo e a prática nos levam a perfeição. Comparando com os primeiros beats, nota-se que houve grande evolução. Por aí.


CabMusic: Projectos de música para o futuro.
Diplomatta:
R: O Futuro é mesmo esse, não tenho projectos de longa data. Só pra dizer até o momento só há projectos para 2011, “Vem aí uma mixtape com marca de cabinda” que será recheado de talentos da Banda e partilhado com niggas das outras bandas do país, de modo a nos familiarizarmos mais com os demais Mc’s de Angola e ao mesmo tempo o show de apresentação da cena… e se tudo correr bem ainda sai o Álbum “Reunião familiar” Que será interpretado por Hida The Real, MQ Soulja, Smourf Money, Ady Boy, Rupper e Eu mesmo “Diplomatta”.



CabMusic: O que acha deste blog alternativo?
Diplomatta:
R: Hepah, o blog é uma prova que existe alguém que de uma ou de outra maneira pretende e tem contribuído muito pra o Hip Hop em Cabinda, “O Blog é fixe” tem ajudado muito nos últimos 3 anos, principalmente na expansão da nossa música e na actualização dos niggas de Cabinda, a cerca da vinda de outros manos doutras bandas pra nossa. Mas é importante que exija muito aos niggas que mandam-te cenas pra serem postadas, que preocupem-se mais com a qualidade das cenas a serem postadas, porque as cenas vão pra o mundo à fora e é necessário bumbarmos mais sérios de modo a oferecer boa música aos ouvintes e enviar um bom reflexo da imagem da cultura aqui e assim como o nome da nossa província para o resto do mundo…

VALEU BUÉ PELA ENTREVISTA…
Tamos Juntos.


 
 
Desde 2003 nas veredas do som Monkeyjhayam vem semeando pelo MUNDO suas mensagens! Militante e agitador cultural de São Mateus zona leste de São Paulo, MonkeyJhayam tem ja lançada uma Mix tape intitulada "Independencia ou morte" essa que desde 27 de março de 2010 vem se espalhando de maneira independente, através de venda em shows, correios e algumas lojas do ramo, podendo atingir boas criticas de grandes produtores do cenario musical nacional!
Atualmente faz shows apresentando musicas da sua mix tape mais algumas canções antigas e trabalha na pré produção de sua nova mix tape que tem lançamento previsto para o primeiro semestre de 2011!
Nesse meio tempo Monkey encontra tempo para participar e vivenciar graduamente o cenario dub undeground nacional como toaster, tambem gravar dubplates para sound systens do mundo inteiro algumas delas são: Radikal guru (polonia), Jahouvia sound (rep. tcheca) e Moshi kamachi (frança) entre outras!
Fica a dica pra quem aprecia raízes de diferentes vertentes da musica preta, rap, reggae, ragga, soul, jazz...
Musica com consciencia!
 
 
Foi Liberado  essa semana pra download gratuito no trama virtual a mix tape "independencia ou morte" na integra pra download, confira no link abaixo:

indicação da mix tape no show livre por Rodrigo Carneiro:

video release da mix tape faixa a faixa:





Gravada em apenas 12 dias, o novo trabalho de Lindomar envolve rappers do triângulo mineiro e versa sobre sonhos

“Ei tio ! Eu vim em busca de um sonho (...)”, é com esta frase e com muita determinação, atrelada à força de vontade e uma pitada de sorte do “destino”, que o rapper mineiro, Lindomar 3L divulga o mais recente trabalho.
Uma mixtape com 14 faixas, gravada em apenas 12 dias no triângulo mineiro, durante o ano de 2010 chega às ruas neste início de 2011 e promete alimentar esperanças em quem ouvi-la.
Produzida pelo beatmaker Jonas, na cidade de Uberaba, a obra coletiva traz participações de vários rappers, alguns já antigos na estrada e outros estreantes, que foram formados pelo próprio Lindomar, enquanto dava oficinas no projeto Fica Vivo, em Minas Gerais.
Com influências da Black music, do swing do soul, funk e jazz, o novo trabalho versa sobre os sonhos de cada mc, que juntos, integram mais um trabalho coletivo dentro do hip-hop.
Questionado sobre como surgiu a ideia de criar a mixtape, Lindomar 3L conta que foi por acaso. “Eu estava no estúdio do Jonas, que é meu amigo e também produtor, no início de outubro e conheci por lá o Pixaim, que viveu os últimos 13 anos em Boston, nos Estados Unidos e agora está de volta. O pai dele vive em Araxá e ele estava passando uns dias no Brasil, aproveitou para visitar o Jonas e adquirir algumas bases. Conversamos e resolvemos fazer uma música juntos, após uma admiração mútua do trabalho”, lembra.
Entre conversas e surpresas positivas dos trabalhos apresentados, os rappers deixaram a rima fluir e gravaram a canção “Em Busca de Um Sonho”. Daí para a mixtape foi apenas um passo.
O convite aos amigos se deu de forma natural e o resultado pode ser conferido no produto que acaba de ser lançado.
Desta forma, em menos de duas semanas, Jonas produziu as bases e o trabalho foi gravado. Apenas Lindomar 3L participa de todas as faixas, que tem também a participação de rappers como Marboy, TOI, Guillard, Muguinha e Dunga, além de Dj Fioti e Sozin, que também produziu três faixas.
“Fizemos um trabalho para transmitir esperança, auto-estima, paz, alegria e sentimentos bons, sempre seguindo o tema da mixtape: Em Busca de Um Sonho”, frisa Lindomar.


Serviço – Para comprar o CD escreva para jonaspheer@gmail.com ou entre em contato pelo + 55 (34) 8807-3773

Twitter: @lindomar3l
Shows: + 55 (35) 9160-3755

Manifesto:  Um Ano de luta da Rede de Comunidades do Extremo Sul


O povo de nossa região, assim como o povo de toda a periferia, sempre lutou por suas necessidades: cada escola, cada posto de saúde, cada linha de ônibus, cada rua asfaltada, até o acesso à água e à luz, foram resultados de várias batalhas no passado, feitas por muitas pessoas que sabiam onde o calo apertava, e acreditavam que a vida podia ser melhor. Essa consciência, essa união, e essa organização popular que trouxe uma série de conquistas, já fizeram tremer os “poderosos”, e poderão fazer novamente.
Foi com esse espírito que, em fevereiro passado, criamos a Rede de Comunidades do Extremo Sul, buscando fortalecer essa cultura de luta, de resistência e de solidariedade de classe, num momento em que reina o individualismo, a acomodação, e a arrogância de querer ser melhor do que o vizinho, e portanto de não se importar com suas dores e suas alegrias.
Na época de surgimento da Rede Extremo Sul, sofríamos não apenas com os despejos que se tornaram comuns em nossa região e em várias outras regiões de São Paulo, mas também com a calamidade das enchentes que atingiram algumas comunidades. Diante dessa situação, travamos pistas, marchamos, protestamos e até nos dispusemos a negociar com nossos inimigos, os donos do poder. Perdemos algumas batalhas e conseguimos resistir a outras ofensivas; vimos como é grande a força da estratégia usada pelo Estado e das construtoras para nos dividir, fragmentar nossas lutas, aliando a entrega de migalhas – que compram algumas lideranças e silenciam muitos dos que estão sendo removidos -, a uma repressão crescente, tratando os problemas sociais como crimes da população pobre contra o Estado, e mobilizando a polícia para não permitir qualquer manifestação do povo indignado com as injustiças que sofre.
Diante dos cheques-despejos disfarçados de bolsa-aluguel, e da falta de uma alternativa habitacional real, percebemos a mentira do discurso “humanitário” dos governantes, que dizem estar fazendo isso para nosso próprio bem. Outro discurso que se revelou mentiroso é o da defesa do meio ambiente: por que não se faz nada com as grandes empresas e as grandes mansões que também seencontram em áreas de mananciais? Por que não se cria infra-estrutura nas nossas comunidades, como redes de esgoto e sistemas eficientes de coleta de lixo? Por que não se dá alternativa aos que são removidos, obrigando-os assim a ocupar uma nova área à beira da represa ou de um córrego? Logo descobrimos a resposta destas e de outras perguntas: que se danem as nossas vidas ou o meio ambiente, quando se trata de encher de dinheiro os bolsos dos “poderosos”. E é isso que estão fazendo as grandes empresas – construtoras, incorporadoras, imobiliárias – e muitos políticos, que aliás têm suas campanhas financiadas por essas empresas.
Por mais duros que tenham sido esses ensinamentos, eles serviram para nos fortalecer, de tal forma que, ao completar um ano de existência, temos sim o que comemorar. Nesse período, passamos a nos reunir periodicamente para discutir os problemas de cada comunidade, tirar nossas pautas, decidir coletivamente nossas próximas batalhas. Outras comunidades se juntaram à Rede, sendo elas também vítimas da violência dos despejos e colocadas em situação de risco por obras que têm em vista o lucro e poder de alguns, mas não a melhoria das condições de vida da periferia. Lutamos pela moradia, mas também lutamos com as mães e reconquistamos juntos com essas mulheres guerreiras o direito à creche, que foi violado pela privatização do sistema de educação infantil; estamos juntos com estudantes, professores e comunidades que lutam pelo fim da opressão e autoritarismo no interior das escolas e pela qualidade da educação; e também com lideranças que lutam pela melhoria do transporte e da saúde de nossa região. Junto aos grupos de cultura, nos fortalecemos ocupando espaços e ruas, becos e vielas de nossas comunidades, criando autonomia paranossas manifestações que aliam uma arte e uma comunicação produzidas por nós mesmos com a luta cotidiana. E tivemos a satisfação de travar contato com outras lutas, como a iniciativa combativa e transformadora de cooperativas de catadores de papel, com quem temos todo o interesse em caminhar juntos.
Comemoramos também porque aprendemos com as derrotas e sabemos que nossos desafios são imensos, e que estão na ordem do dia de toda a periferia. Os próximos tempos serão sombrios, pois com o lucrativo projeto de transformar a imagem da cidade para os mega-eventos, como a Copa do mundo e as Olimpíadas, os ataques contra as populações pobres de São Paulo irão aumentar. No entanto, a cada dia tomamos mais consciência de nossa classe, reanimando a solidariedade entre nós, e percebemos que “nós” somos milhões. Estamos no extremo sul da cidade, mas também nas imensas periferias mundo afora.
Sabemos que as lutas que travamos são muito pequenas, insuficientes, localizadas. Mas temos ousadia de lutar, e de seguir um caminho honesto e autônomo, sem ficar debaixo da asa de políticos, de ONGs, de empresas, e sem nos subordinarmos ao Estado. Seguiremos dedicados à nossa organização de luta da periferia, por uma sociedade sem classes.
As tarefas do nosso tempo nos desafiam a estarmos sempre nos renovando, mudando de estratégias, propondo novas formas de nos organizarmos, diversificando nossas bandeiras. Hoje acreditamos ser importante articular e unificar algumas experiências organizativas que estão sendo desenvolvidas em nossa região, mas também em outras. Se buscamos combater com nossa prática a fragmentação das lutas, a divisão entre líderes e liderados, entre os que pensam e os que executam, entre os que mandam e os que obedecem; se somos contra a profissionalização da prática política, e a aplicação de modelos e fórmulas prontas, que não respeitam as realidades de cada lugar, pensamos também que não podemos cair no isolamento. Nos próximos meses, junto com outros companheiros e companheiras de caminhada, nos dedicaremos à criação de uma ferramenta organizativa que garanta ao mesmo tempo a autonomia das iniciativas em andamento, mas que as unifique em torno de bandeiras e estratégias comuns.

 
 
A periferia está em luta!

Rede de Comunidades do Extremo Sul, fevereiro de 2011.

domingo, 27 de fevereiro de 2011



O grupo First Generation, formado pelos rappers do Comptons Most Wanted MC Eiht (foto) e Tha Chill, Kurupt, do DPG, King T e pelo produtor de longa data de Ice Cube e Kool G Rap, Sir Jinx, está preparando um álbum.

Além dos emcees de Compton e South Central, quem também está presente no coletivo é o talentoso Jayo Felony, que é natural de San Diego, Califórnia.
 
MC Eiht revelou a notícia esta semana em sua recém-criada conta no Twitter. Além de anunciar o álbum do grupo, o rapper declarou que o vídeo de uma faixa chamada Killin' Me Softly já foi gravada, e que gravará em breve o videoclipe de outra intitulada Keep It CPT.

MC Eiht foi membro do Warzone, grupo afiliado de Snoop Dogg que também contava com os membros Kam e Goldie Loc. O coletivo nunca chegou a lançar um álbum. 


By Central do Rap


50 Cent foi o convidado do programa de entrevistas Conan, que foi exibido na última quarta-feira (10), pela emissora norte-americana TBS.

O rapper falou sobre as declarações e piadas polêmicas que faz em seu Twitter e explicou o curioso nome de seus animais de estimação. Sua gata atende por Gayle enquanto que sua cadela ganhou o nome de Oprah. Uma “homenagem” à famosa apresentadora da TV americana, Oprah Winfrey.

“Para começar, eu soube que Oprah Winfrey não gosta de hip-hop, então eu não gosto dela. Eu nunca tive a chance de conhecê-la e acho errado você odiar alguém que nunca tenha visto na vida. Então eu coloquei o nome da minha cadela de Oprah e agora eu amo a Oprah. Ela me escuta e tudo mais!”, explicou 50 Cent.
 
By Comunidade da G-unit

sábado, 26 de fevereiro de 2011

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011



Salve a todos #RAPBR, hoje tem lançamento do single TO NA CHUVA de China Trindad
Apos as 20H etaremos trasmitindo pela twittcam direto do RIMA's ESTUDIO com presença do meu mano LEOPAC
O link pra Down esta abaixo,espero q gostem do som
#RAPPROPAGA


Já se passou muito tempo desde que 50 Cent atacou o Wu-Tang Clan na bombástica How To Rob. Em 1999, o líder da G-Unit disparou: Eu roubaria o ODB, mas isso seria perda de tempo/ Eu provavelmente teria que atirar nele, correr e jogar a nove fora.

Eu entro no estúdio, pego as jóias dos malucos e saio fora/ Pego o Rae, Ghost e o RZA pelos seus anéis engraçados (50 Cent - How To Rob).



Um ano depois, Ghostface respondeu os ataques em Ghost Deini, faixa que integrou o clássico álbum Supreme Clientele: Dois rappers foram esfaqueados essa noite, eu não vou dizer nomes/ Eles sabem quem são, obrigado pelo troco, disse Ghost.

Mas os ataques do Wu-Tang não pararam por aí. Em 2008, GZA disparou contra 50 Cent durante um show: Eu não estou nem aí pro 50 Cent. Quem se importa com ele? Você tem muito dinheiro, você não tem é talento. Você tem um monte de álbuns vendidos, muita grana, mas você não tem talento, filho da pu**.

Após a declaração, GZA atacou 50 na 'diss track' Paper Plate, que nunca foi respondida.

A antiga rivalidade parece não existir mais. Em entrevista para o site ThisIs50.com, Rae manifestou vontade de trabalhar com 50 Cent: Nesse momento, eu preciso do meu mano 50 em alguma coisa, ele disse. Então 50, você mora no meu coração. Vamos levantar e fazer um clássico pra esses malucos.


By Central do Rap
Ganjaman, com Zegon e Mano Brown, ao fundo
Ganjaman, com Zegon e Mano Brown, ao fundo  
"No aparador da sala da casa dele, uma foto curiosa. Um menino de 2 anos escalando uma estante, segurando-se com a boca a fim de deixar as duas mãos livres para, com elas, poder fuçar em uma vitrola. Influenciado principalmente pelo pai - um aficionado por discos, instrumentos e equipamentos sonoros, e com quem ele mantém um estúdio desde 1997 -, aquele garotinho, que hoje atende pelo nome de Daniel Ganjaman e há tempos trabalha com importantes nomes da música nacional, é um dos produtores mais requisitados do País e promete para este ano pelo menos três discos que, como ele mesmo define, `devem fazer barulho´." Esse é um trecho da matéria "À procura de Ganja", publicada no jornal O Estado de São Paulo.
Clique e leia matéria na íntegra

Via Social Rap

Sabádo à 00h, estará disponível a mixtape "Classico" depois de 2 Bombasticas faixas, o Musico Will G decide então soltar a mixtape "Classico" que se encontrará disponível em: http://dywanvip.blogspot.com e http://ls2207.webs.com/download.htm

Como ja referido a mixtape conta com as participações especias de: KB MaxPina G & Jlz a.k.a Kamikaze Style.

Produção Musical: Bigsom Records
Design: LS2207

 Materia Exclusiva Referente a nova  fase do Alvos da Lei, sobre o Projeto Sem Fronteiras, e polêmicas envolvendo as parceiras e a formação atual do Alvo da Lei e a parceria com o A Fallange.Agora é só aguarda nos próximos dias o Portal Rap Nacional vai publicar uma entrevista exclusiva com Dimenó Alvos da Lei.
 Confiram o vídeo com um trecho da nova música dos Alvos da Lei,  “Os Bicos Falam um Monte “ que promete agitar o cenário do rap nacional .

Saiba Mais a Respeito Do Projeto Sem Fronteiras e As Polemicas Causadas Nos Comentarios

Follow Us