terça-feira, 31 de janeiro de 2017


Cathoud é um rapper do interior de Minas Gerais, não se rotula como Rap Gospel, prefere o termo Rap Cristão, pois o mercado 'gospel' hoje só gira atrás de dinheiro e o rapper ainda presa pela mensagem acima de tudo. Após um ano e meio parado começou a relançar seu trabalho, agora mais profissional. No final de Novembro lançou o disco Gênesis, que conta as histórias da primeiro livro da Bíblia e  dia 1 de Janeiro lançou o clipe Chamados com a participação do Pedro Vuks e o beat ficou por conta do Scooby. Chamados faz parte do disco 'É só o começo' que será relançado por completo no meio do ano.


DOWNLOAD

A GoodFellas Ent. apresenta o tão esperado álbum do Rapper SkotFlou de título EP DO POÇO PRO TOPO, o álbum conta com beats quentes de produtores como Rapha Na Track, RedMind e outros, linhas quentes e conteúdo Gansgtar Street... O ÁLBUM terá uma edição limitada e por encomenda, curtam o álbum de estreia do Rapper 3 anos após lançar uma mixtape que foi bem aclamada pelo pessoal, boa escuta.


A música #pbedms é o single do próximo trabalho do Sopro que está em fase de gravação no estúdio do Pizzol (Damassaclan) em SC, a mixagem também será feita por ele e quem fará a masterização será o DJ Dúh (Groove Arts Stúdio, Campinas-SP). 

O trabalho, intitulado “outros timbres, outros tons - outras terras, outros sons - outros sins e outros  nãos”, tem 08 faixas distribuídas entre interlúdios e vinhetas e conta com as participações de Jotaésse, Paulo Microfonia, Leopac, Erickson e Pizzol nas letras e interpretações, Gabriel Adorno na guitarra e Ana Sthel na percussão (octapad). O disco todo foi produzido pelo O Coletor, exceto uma faixa produzida pelo Pizzol e outra pelo Leopac CaraDeNojo. Nossa intenção é lançar apenas em fita k7 e nas plataformas digitais. Mas, tudo pode mudar quando trata-se dos trampos do Sopro... A previsão é que seja em 2017.

Ainda nesse primeiro semestre lançaremos:
- clipe do single do Paulo Microfonia, produzido pela LAMV.
- clipe "No (en)canto do pássaro" do Jotaésse, produzido pela Fejão.
- clipe "Correria" do Erickson, produzido pela LAMV.
- disco "mudanças, novidades, surpresas: possibilidades" do Paulo Microfonia. Em CD e nas plataformas digitais.


DISSRESPEITO À MULHER! 💣 Depois de inúmeros atos de invisibilização, boicote, escanteio e desrespeito ao trabalho feminino (e à mulher no geral) na cena rap de PE/NE (e de todo Brasil), por parte das próprias pessoas que reclamam de invisibilização nordestina, mas fazem o mesmo as mulheres do próprio nordeste.. Estava mais que na hora de faze-los provar do próprio veneno.. Então confere!


Já há algum que tempo fomos brindados com "A Antologia Vol. 01", um trabalho oficial da FAMÍLIA ETERNA, grupo radicado na cidade do Lobito, em Angola. Pois é, apesar de não serem lançados recentemente mais obras do grupo, os seus elementos continuam a desenvolver as suas carreiras à solo, com particular destaque ao Under P que lançou recentemente obras colaborativas com os Visionários e Grand F.  Agora, Mac D. O Murmur-YóBob Ló e NT reuniram-se em estúdio e o resultado foi um freestyle descontraído intitulado "É Me'mo Assim", tendo a instrumentalização ficado a cargo do produtor local, Sangrento Cerebral.

A mesma track abre assim o ano de 2017 para a Ur-Yó Produções/FAMÍLIA ETERNA, sendo a primeira gravada nas novas instalações do seu estúdio e marca também o início de uma série de projectos a serem lançados mensalmente, tal como eles prometem na track.

FE2= FAMÍLIA ETERNA, FAMÍLIA EXTREMA.

Link Mediafire:  http://bit.ly/ememoassim
Link Zippyshare: http://bit.ly/2ememoassim


Atenciosamente,

Mac D. O Murmur-Yó
KAY B. - FAMÍLIA ETERNA
Lobito - Angola 
E-mail: murmur-yo@hotmail.com
Blog: www.familiaeterna-fe.blogspot.com
Facebook: www.facebook.com/mc.murmur-yo
Twitter: www.twitter.com/murmur_yo
Instagram: www.instagram.com/murmur_yo
soundcloud: www.soundcloud.com/murmur-yo
youtube: www.youtube.com/user/UNIVORtv
Skype: murmur-yo

O projeto de FREE VERSES de BIG MC TCHÊ ganha novo capítulo : Ainda Hoje !!!

BIG MC TCHÊ fechou Janeiro com o oitavo trabalho lançado no mês, AINDA HOJE é mais um de seus FREE VERSE's, desta vez sobre a base do grupo 3030 da música de mesmo nome.
Com suas rimas o MC cria uma linha de raciocínio que traz a tona algumas preocupações de sua cabeça e apresenta o seu cotidiano nos versos.

Para o mês de fevereiro BIG MC TCHÊ promete o novo single de seu EP autoral TRAPKING , um registro ao vivo de alguns de seus shows feitos no ano passado, além dos projetos periódicos FREE VERSE's (quinzenal)e DAZ'ANTIGAZ(semanal).
Inscreva se no canal oficial do MC  e não perca os lançamentos !!! 

LINK CANAL BIGMCTCHEOFICIAL : www.youtube.com/bigmctcheoficial

Confira o 3030 FREE VERSE de BIG MC TCHÊ no link abaixo :


Com influências como Cartola e Liniker, a nova promessa brasileira lança seu novo vídeo clipe “Salvação Sem Amém”.

O olhar único sobre relações com uma pitada de poesia ficam evidentes no novo clipe do rapper brasileiro Malik Maluko. A música é de uma de suas preferidas do EP lançado online no ano passado e conta com participações de amigos próximos do cantor.

O novo clipe  foi gravado no último dezembro. A música fala do amor de uma maneira não convencional, explicitando os problemas do sentimento, ao mesmo tempo que ele salva. A “Salvação Sem Amém” foi produzida pelo músico e produtor Levi Keniata, outro que promete muito no cenário musical tupiniquim.

Produzido e filmado pela Guettolifefilms em Guarulhos, zona norte de São Paulo, a música e o álbum são a “cura” e a forma de protesto do rapper. Além de sempre mostraram a visão do o é a décima faixa da produção independente.O álbum da música, “Antiquado”, encanta pela qualidade e  talento de transpassar a vivência do homem negro na grande São Paulo. O EP online foi lançado e gravado pela RefugiGang,

Confira então o novo clipe do rapper Malik Maluko



Música: “Salvação Sem Amém (Suicídio Doce)”
Artista: Malik Maluko

Informações Para Contato e Shows:
SoundCloud: /malikmaluko

Instagram: @malikmaluko

Telefone: (11 )95960-6673

No dia 10 de fevereiro o rapper paulistano vai lançar seu primeiro álbum depois de uma serie de mixtapes. "Raffa Raff" mixtape é uma micro compilação de gravações do ano de 2017



 1 - Sozinho No Sukyia part. Makalister prod Nansy Silvvz 00:00
2 - Antes Disso Tudo prod Nansy Silvvz 03:38
3 - Motel prod Nansy Silvvz 06:52
4 - Eu Surfei no Trem (prévia) Prod Nansy Silvvz 10:21
5 - Terminal 3 (prévia) prod Sinned 10:51

Prod, mixagem, masterização e beats: Nansy Silvvz
Beat "Terminal 3" faixa 3: Sinned.
Gravação: PROCD Brasil. Técnico: Leandro Dazo.
Arte: @FukyNery

contato raffamoreiramusic@hotmail.com 11986521047 @raffamoreira777

Nesta sexta-feira (20) fomos surpreendidos como uma diss do rapper Lil Biic (integrante do selo Coka Music) direcionada ao Lucas “Predella”, apesar de algumas pessoas achar que foi um simples golpe de marketing ou qualquer tipo de fita o rapper Lil Biic deixou claro em um post em sua página pessoal, que o rapper da Pompeia fez um post zuando sua 1ª música; apesar de Predella ter retirado o post parece que a resposta chegou.

O som “DissPredellando”, tem produção por Dj Tadela.

Lil Biic jovem morador do Jardim Peri, bairro da zona norte de São Paulo, irá disponibilizar sua mixtape “Mulheres, Música & Marijuana”, em breve.

Ouça “DissPredellando”



segunda-feira, 30 de janeiro de 2017


São muitas referencias a negritude que nem da pra numeras, recomendo que ouça a musica acompanhando a letra.




Instrumental: J Cole - A Tale of 2 Cities (2014 Forest Hills Drive)
Letra: Coruja BC1
Gravação/Captação/Mix/Master: Canela

--------------------------------------------------------------------------------------------------------

FICHA TÉCNICA VÍDEO:

Direção: Samukera
Filmagem: AWLAWD
Roteiro & Edição: Samukera
Produção: AWLAWD
Câmera: iPhone 7

Elenco: Emicida, Drik Barbosa, Aline (AfroBreak), Dj Def, Canela , Théo, Raphão Alaafin, Vh2, Muzzike, Primo do Def, Juliano Souza, Dj Nyack e Dj Faul.

Letra

Me chamem de Latrell Spencer, o foda
Que deixou esses cara pálida na cadeira de roda
Eu incomodo, porque dizer a verdade incomoda
Flow corrosivo, igual bicarbonato de sódio
Esse é Coruja BC1, zika, filho de pai negão
Que curte reações análise, não análises de um REAÇÃO
Contra a maré já subi Foz do Iguaçu
E agora toda cena sabe que existe rap em Bauru
A mil na pista igual Range Rover
Enquanto dou risada desses histérico de internet
Playboys que pensam que são Takeover
Então nesse take ouve nas linha eu reencarno Éter
Subo degrau por degrau da escada sem elevador
Elevando o nível do jogo e também da sua própria dor
Nasci, em 94, morô
Pois se fosse em 97 diriam: Pac voltou

[Ponte]
Olhe mais pras rimas por favor
Pois quem só olha pra views é cego
Se pá cês fumaram crack da fama
Tão igual porco na lama tendo overdose de ego
Disseram que eu tava morto pro rap
Levei isso como piada
Esqueceram que eu sou uma ave no rap
Agora esses cuzão tão tudo com medo de alma penada

[Verso 2]
4x4 do flow até pareço um jipe
Analistas do canal turbo chamam de egotrip
Cês reclamam igual o Hardy
Eu sou leão igual Lippy, animal
Divisão noturna me alimento do eclipse, mas
"Coruja não é preto, é branco do cabelo ruim"
Ruim é teu preconceito há mais de 500 ano assim
Te mato sem aço, sem gangue
Com o mic na mão, te mostro a melanina no meu sangue
Com mil convites pra rimar boombap
Calma, família, eu odeio Trump, eu não odeio trap
Meus versos são língua no grelo
Fique pasmo, ainda não percebeu mas o beat tá tendo orgasmo
Adoto fãs que ficaram orfãos de idolos como consolo
Depois eu reencarnei Moisés e chutei o bezerro de ouro
Crianças cês não são Suge Knight
Só porque sugam com canudo o pózinho branco na night
Sem remorso dos flow que disparo pra derruba
Coração duas vezes gelado eu chamo de bipolar
Rapper sendo infantil tá precisando de babá
Mas hoje não no meu pau, então tira sua boca de lá
Preguiçosos iguais Jaiminho, não tem punch no prato
Tão tanga froxa que no CEP eles põe Tangamandapio
Sou Coruja! Nessa, corrida de rato
Muddy Waters sem Chess pra lucrar com o contrato
Sei o que eles quer? O quê?
Bota o rap numa cruz
Mata pra deturpa a história igual Roma fez com Jesus
Que era negro do cabelo crespo igual meus ancestrais
Porém um cristo de olho azul faria a indústria render bem mais
Eu dou unfollow na tua vida, pivete
E o máximo que cê faz é xingar muito na internet
MC que é MC tem que explorar o limite
O ministério do bom senso disse: bebê, não digite

[Ponte]
Tô com os pés no chão igual capoerista
Mirando o espaço igual astronauta
Minha auto-estima é equivalente ao dólar
Que até em tempo de crise consegue se manter em alta
Fiz meu álbum visando o futuro
Pra dar de presente pros meus ouvintes
Caso cês não entenda as rima agora
Espera mais 3 anos pois fiz pensando em 2020

[Refrão x17]
Liguei o modo foda-se

[Interlúdio]
Eu não sou rapper, eu sou um MC
Sou um MC
Como prometido

[Verso 3]
Lavei minha mão com álcool e detergente
Amolei o bisturi
Operação perfeita, tirei o Hip-Hop da UTI
Comprei camisinha GG e resurgi
Com os verso que bota no -- do rap game sem cuspir
Eu dei meu duro eles tomaram igual Dreher
Rainha é Erykah Badu
Foda-se Iggy Azalea
Nós com dinheiro é conquista
Eles com dinheiro é mesada
Nós é made in favela
Eles cosplay de quebrada
Chave igual gol quadrado
Atropelo flow saturado
E transformo papéis com escrito
Em papéis com peixe estampado
Fracos, caiu do alto igual folha depois do outono
Fim da Dinastia César, gueto de volta pro trono
Roubo teu sono igual coca ou café de vó
Cês no piano só vem de ré
Eu chego na sola sem dó
Foda-se Thor, eu sou machado de xangô
No dia dos nossos o profeta das ruas voltou

Noticiado na pagina RAPTV o rapper paulistano Raffa Moreira vai lançar amanha um disco, não sei se é mixtape ou álbum mesmo.
Muita gente aguarda um trampo completo do Raffa, não que ele não lança trampos completos, pois suas mixtapes são dahora. Mas álbum é álbum né pai!

Ouça Motel:



Troglobio Mc a.k.a Mr Work é um dos nomes em evidência quando se fala de rappers Angolanos residentes no Brasil, é um daqueles rappers cuidadosos na escrita e com uma habilidade vocal muito forte por cima dos instrumentais. Lança hoje a sua quarta Mixtape com o título "O Cronista" de forma surpresa para os seus ouvintes em comemoração ao seu aniversário. De acordo com o que Troglobio Mc diz "A Mixtape O Cronista foi feita em 2 semanas desde escritas até a produção" ainda assim ficamos  surpreendidos pela qualidade sonora e pelo desenvolvimento das temáticas abordadas com tão pouco tempo. O Cronista é uma viagem à essência do rap desde as mensagens até a produção dos instrumentais. A Mixtape foi toda captada e misturada pelo jovem  produtor angolano também residente no Brasil Sérgio Beatz que também produziu alguns instrumentais. O álbum consiste em 8 faixas musicais e conta algumas participações especiais como a de Bruno Brito e Marinela David e conta também com o conceituado Fx-M produtor  Chileno e um dos melhores Beats Maker da América Latina. O Cronista veio mostrar o porque do a.k.a apelidado "Mr Work" que significa Senhor Trabalho. 


Faça o Download free da Mixtape e assista o primeiro vídeo clipe de umas das faixas extraídas do CD  #O_Cronista. // DOWNLOAD

O grupo de rap do interior paulista inicia 2017 com mais uma novidade em seu canal no Youtube, o single acompanhado de um lyric vídeo, que vem com a produção musical assinada por WZY. O som foi gravado, mixado e masterizado no Estúdio Vergel Beat'$ por Fernando Vergel.
Z.N.R. é o segundo single do álbum ‘IndaiaBounce’ previsto para o segundo semestre deste ano.
Acompanhe mais do grupo em todas as redes sociais e canais de streaming musicais. 


A dupla Two Bigs apresenta o single “Marginais”, rap que fala da luta cotidiana dos moradores das periferias da cidade de São Paulo. Com uma mensagem de superação, Gulliver e Gor-Flow, traçam rimas sobre mudança em meio ao cenário desigual construído de forma desordenada nos subúrbios. Família, perseverança, amor e trabalho são parte deste single, música que traz um instrumental cadenciando, trabalho feito por Gorflow. “Marginais” já tem videoclipe com produção da Julio Torres Filmes sera lançado simultaneamente nas plataformas digitais. 


"Liga nas de 100" está em São Paulo Não É Sopa, novo disco da big band gravado entre outubro e novembro no Red Bull Studio São Paulo

Crédito: Felipe Gabriel/Red Bull Content Pool
A big band paulistana Aláfia lança dois vídeos gravados ao vivo para a série Stripped Sessions, do site redbull.com. Além de uma versão exclusiva da música "Inimigo do Orixá", que faz parte da setlist dos shows do grupo, a banda revelou a inédita "Liga nas de 100".
As faixas são uma prévia para São Paulo Não é Sopa, novo registro do conjunto que deve ser lançado em março deste ano. Com bairros e regiões de São Paulo como tema, o álbum traz convidados especiais - como a dupla Assucena Assucena e Raquel Virgínia, da banda As Bahias e a Cozinha Mineira,  e o percussionista João Parahyba - em uma ode à capital.
São Paulo Não é Sopa é o terceiro álbum da banda (sucede Aláfia, de 2013 e Corpura, de 2015) e foi gravado entre os meses de outubro e novembro no Red Bull Studio São Paulo. A produção é assinada pelo guitarrista e vocalista Eduardo Brechó.

Veja os vídeos de "Inimigo do Orixá" e "Liga nas de 100": AQUI


Sobre o Red Bull Studio São Paulo
Desde 2013, o Red Bull Studio São Paulo funciona como um espaço de experimentação e produção musical para artistas dentro do Red Bull Station, onde funcionou a antiga subestação de energia Riachuelo. Com altíssimo padrão técnico, o estúdio é reservado para talentos de estilos diversos, independente de sua abrangência ou tempo de carreira. Por ali, já passaram nomes como Metá Metá, Nação Zumbi, Emicida e Arto Lindsay.
Apolo Convida: Criolo, Tássia Reis e KL Jay
MC recebe trio estrelado da música brasileira em nova casa da Barra Funda


Na quinta-feira 09 de fevereiro Apolo recebe CrioloTássia Reis e KLJay para uma noite de celebração na Fabrique, nova casa noturna da Rua Barra Funda. Conhecido como uma das pontas do Pentagono, Apolo mostra o repertório de seu primeiro disco solo, o recém lançado Apologia. Criolo, amigo das antigas, comemora o final da turnê, Ainda há Tempo, e canta músicas já lançadas em conjunto como Respeito, que faz parte álbum de Apolo e a primeira versão de Demoro, do Criolo que teve produção assinada por Apolo. Enquanto Tássia Reis lacra com faixas do seu último disco Outra Esfera e divide sua voz com composições do rapper. No comando da pista, o mestre KL Jay com um set daqueles, especiais!
MC e rodutor, Apolo faz parte do coletivo Pentágono, formado por Apolo, Rael, Massao, Msario e Dj Kiko com 4 discos lançados. Influenciou a nova geração do hip hop nacional, mostraram o seu som em vários cantos do Brasil e fora do país! Abriram shows para O Rappa, Mos Def, Nekka,Groundation, Racionais, Kymani Marley, Marcelo D2 entre outros mestres. Além de MC o Apolo é responsável pelas criações das bases mais além de MC o Apolo é responsável pelas criações das bases mais cabreiras do grupo, como É o Moio! Além de já ter gravado, mixado, arranjando obras de nomes como: O! Rashid, Criolo, Rael, Projota, Flora Matos, Livia Cruz, Slim Rimografia, Emicida entre outros.
Coroando esse novo momento de sua carreira, Apologia foi lançado no final de 2016, conta com 13 faixas e participações de Ogi, D-Pinot, Criolo, Marechal,Rashid, Terra Preta, Jota 3 e Akira Presidente. Ao lado de Felipe Gama, o rapper assina também a produção de Apologia. Com letras atemporais e que ilustram o aprendizado do MC através da cultura hip hop, o disco traz uma rica musicalidade e reverencia tanto as gerações que já passaram, como as que ainda estão por vir. “Não me apeguei a tantas regras e moldes, eu fiz algo com sentimento. E eu acredito que é isso que toca as pessoas”

Ouça Apologia:

Serviço:
Apolo Convida: Criolo, Tássia Reis e KL Jay
Quinta-feira 09 de fevereiro de 2017 a partir das 23hs
Fabrique - Rua Barra funda, 1071 – Barra funda – SP
Preços: R$ 25 antecipado e R$30 na porta + 1k de alimentos ou R$35 sem alimento
Vendas on line: http://bit.ly/2jODfyA
Para Maiores de 18 anos

Gustavo mais conhecido como Gusta, É de São José dos Campos SP Vale do Paraíba, canto RAP a 14 anos. Seu primeiro contato com a Cultura hip hop foi através  do Grafiti, e indo aos eventos conheceu o RAP e foi amor a primeira vista,  já lançou 3 discos, e esta pra lançar o próximo com previsão pra Março, com participações de Fex Bandollero, Cacau Siqueira, DJDedé 3D e com produções de Skeeter e THE MUNIR, em 30 de Novembro de 2016 saiu o primeiro single ``Mais um Dia´  com Direção de Jean Furquim, e agora dia 25 saiu o segundo ``Aonde Eu For´´ 

``Mais um Dia´

``Aonde Eu For´´ 

O produtor por de trás dos hits “Olha Eu”, de Francis e Ready Neutro, e “Condenado”, de DJ Soneca, está em estúdio a trabalhar no seu primeiro EP, Supabeat. Supa, como é conhecido na produção, mostra os seus outros dotes agora como cantor com o single “Mais um Copo”, que também tem a sua produção.

A música tem uma batida festiva, o conhecido tchilo, e não surpreende apenas pela versão cantada de Supa mas também por não usar qualquer tipo de palavrão na faixa. “Mais um Copo” é definida pelo artista como uma música mesmo só para festa, para quem quer curtir e beber só mais um copo, num ambiente livre tal como as festa de Luanda.
O EP já tem as participações confirmadas de Extremo Signo e Vander Soprano e com certeza mais faixa cantadas por Supa.

domingo, 29 de janeiro de 2017


No ar mais uma edição do Programa Freestyle! Desta vez o papo foi com o Rincon Sapiência, que mandou várias ideias sobre vegetarianismo, cinema e atuação, estética, orgulho e auto estima da juventude preta e ainda adiantou novidades sobre o disco novo que sai em 2017. Confira!



Facebook: https://facebook.com/programafreestyle
Instagram: http://instagram.com/programafreestyle
Contato: pgmfreestyle@gmail.com

Apresentação: Marcílio Gabriel
Direção e edição: Douglas Melo
Produção musical: DJ Latif
Redes Sociais: Henrique Mol

Se liga na poesia do Marcelo Gugu, na voz do Godô e na produção do monstro Dj Duh.
A letra esta abaixo da ficha técnica 




Adquira os produtos oficiais do Marcello Gugu em: http://www.atqg.com.br/

Ficha técnica:
Nome: Ajami (Uma Briga de J.I.S)
Participações: Godô.
Guitarras: Leandro Wesley.
Baixo: Weslei Rodrigo.
Produção musical: DJ Duh (Groove Arts).
Gravação e Mixagem: DJ Duh (Groove Arts).
Masterização: Maurício Gargel.

REDES SOCIAIS

Shows: marcellogugu@gmail.com

LETRA

Parte 01
Canetei seu sorriso numa linha e a folha toda se apaixonou..
Te escrevi em mil metáforas só pra falar de você de novo cada vez que tivesse que explicar alguma...aprendi que delicia é o nome do gosto que seu nome deixa na minha boca sempre que te chamo.. e quando debrucei minha esperança no seu sorriso... descobri o pra sempre... Tudo isso começou na saida de uma festa, quando sofri um acidente que mudou minha vida. Eu ...bati... meus ...olhos... em vc...
Desse dia em diante descobri que entre nós não existe entre e que quando você me encara, eu fico igual seu guarda roupas: uma bagunça só...
Antes me perguntava: quantas galáxias já não morreram no vácuo que vc me deixa, depois entendi que tinha que aprender a te paquerar por satelites pq voce mora no mundo da lua...
descobri que seus olhos eram um sol enquanto reparava numa constelação em suas pintas...e nessas liguei cada uma fazendo um céu no seu corpo só pra me sentir um astronauta cada vez que me joguei nos seus braços.
Com você aprendi que amor tem que fazer salivar, tem q ser aquele folheto da pizzaria q entra por baixo da sua porta, te espera em casa e te deixa cheio das vontades.
Aprendi que amor é tirar o folego sem sufocar, é quando seu primeiro ultimo beijo se repete em todo bom dia, é saber que um palmo é a distância do paraíso quando se está na frente de quem se gosta.. e

Refrão:
até eu te encontrar
o amor nem pensava em vir quando enfim
um brilho no olhar...
e um sonho em par...
pra mim, amar é assim...

Parte 02
Talvez nosso erro foi ter ensaiado, ao invés de ter vivido as linhas da música que eu queria ter escrito pra vc..
Era pra gente ter sido magica, fomos apenas truque e nosso amor virou o feijão no pote de sorvete, o meio ponto que faltou pra gente passar de ano juntos e fez com que meu coração em pedaços percebesse que seus cacos de vidro só refletiam selfies suas.
Quando você foi embora, descobri que o espaço que você abriu no meu guarda roupas era menor do que o buraco que sobrou no meu peito quando você tirou suas coisas de lá...
De vez em quando, passava nas mãos o creme que você deixou em casa e que costumava passar depois do banho só pra ter a sensação de que eu tinha acabado de te tocar...
Devo dizer que escrevi seu nome de canetinha na minha mao só pra ver se uma cigana via você na minha linha do destino.. desenhei corações em mapas astrais só pra dizer que a culpa era das estrelas mas no fim, aprendi que amarração de amor é mão dada. O resto é só propaganda enganosa.
Contigo aprendi que sotaque é a forma que a geografia encontrou pra ser sexy e que gemido nada mais é que a tradução em vogais de uma história que o tesão escreve pelo corpo..
Meu bem, me deixa ser a cura pra sua insônia: me chama de sono e me pega, faz meu sorriso se vestir com sua risada e me afoga com desejos só pra justificar o boca a boca.
Vamos ser a justa causa da solidão, transformar o instagram num album de casamento, e, num teste de farmacia, ver o substantivo Positivo virar um nome próprio.
Hoje de manhã fotografei nossa felicidade. Ela é a cara dos nossos filhos. e... (olhando pra eles...entendi que...)

Refrão:
até eu te encontrar
o amor nem pensava em vir quando enfim
um brilho no olhar...
e um sonho em par...
pra mim, amar é assim...

Parte 03
Com você longe, descobri que amor é ficar encarando o telefone depois de uma briga, é entender que a diferença entre uma masmorra e uma fortaleza é só a existência de uma porta e é quando se aprende que não existem apostas numa relação por que em todo jogo de bem me quer uma flor acaba mutilada...
me perdoa por minhas frases as vezes parecerem a calçada da fama, aonde desfilam minhas famosas desculpas, e te peço que se você for por palavras na minha boca é bom que sua língua venha junto e que o fim do nosso orgasmo seja o único desmancha prazeres entre a gente.
Por mais que a vida fechou nossas portas em algum momento, eu continuo endereçando sorrisos pra sua caixa de correio.
Meu bem, sempre fomos o ultimo casal a deixar a pista.. A esperança é quem apaga a luz do salão depois de varrê-lo... daqui, as luzes ainda estão acesas e por tudo que a gente viveu, acho que a gente ainda merece uma última dança.
Fica aqui meu convite.

Dedicada a vó Josefá e ao vô Ildefonso de Souza (J.I.S).

sábado, 28 de janeiro de 2017

“Como é que você nunca ouviu falar, nos bruxos lendários do norte?”
               Por Ana Calheiro e colaboração de Victor Augusto

Pra todo amante do rap nacional, mesmo que hoje curta um estilo diferente, em algum momento da vida já teve contato com o rap através do Gangsta Rap ou o “Rap de mensagem”, como gostam de chamar. Nesse contexto, existe a dicotomia de pensamento,entre aqueles que só consideram rap como sendo verdade nesse estilo de crítica explícita ao “sistema”, e os que criticam criticam o estilo, por ser um ataque sem rumo, sem inovar na tão importante “mensagem”.



Clã Nordestino - A Peste Negra do Nordeste (Álbum)
Considerando essa dualidade de idéias, identifico um dos melhores grupos que eu considero na história nacional, Clã Nordestino. O álbum A Peste Negra do Nordeste, deveria ter mesmo o status de clássicos tão respeitados por nós. Aqui do sudeste  As rimas fortes que tratam a realidade da periferia no Maranhão, com a identificação do recorte de classe e a insatisfação com a burguesia, o álbum é uma pesada produção explícita do povo para o povo, apresentando ideias pontuais sobre as vivências e problemas, sem fugir de apontar as soluções. No corre desde 1998, Clã Nordestino nos mostra que a cena no nordeste ferve há muito tempo, porém atualmente, está em ebulição, se destacando no quesito adesão do público, letras e tudo mais que tem mostrado todo o fervor do corre independente do Rap Nordeste. 

Baco Exu do Blues e Diomedes Chinascki


Durante alguns dias consegui conversar com algumas pessoas envolvidas com o Rap Nordestino de alguma forma, e também com alguns amigos do interior de São Paulo, pra destacar algumas visões. Esse texto não é uma entrevista, não é para recortar a fala fielmente e colar aqui, essa troca de idéia tem que ser pessoal com a galera, digo por mim mesma, que é uma grande experiência ir buscar mais sobre a cena nordestina, são diversas experiências e histórias. Desde já queria agradecer aos que deram um tempinho pra mim e contribuíram com a troca de ideias, o Recém Chegado MC da Bahia, o Snow do grupo Os Crias, e que compõe a banca Fortal La Máfia no Ceará, o Pajé do grupo Ibura Bagdá do Pernambuco, e também o Marcola, organizador da batalha do Castelinho, e o Arthur, organizador da batalha do Coreto e também integrante da Produtora 2Face, ambos também do Pernambuco.
O trecho que dá título a esse texto, da tão incômoda Sulícidio de Baco Exu do Blues e Diomedes Chinaski, ecoa forte na cabeça mesmo pra quem não gostou do som. O grito desses dois rappers faz todo o sentido quando pensamos na questão de consumo musical, que até uns anos atrás era monopolizado no eixo Rio-São Paulo. Isso se explica por alguns motivos, mas o principal é o paradigma social. Os gostos e costumes impostos pelo estereótipo do nordestino, são uma estratégia de reduzir toda a diversidade do povo, a alguma característica apenas. Pensando musicalmente, essa estratégia acaba se tornando um boicote a toda produção musical que fugir ao estereotipado  para o Nordeste, como por exemplo o Rap. 
Sulícidio é entendido por todos como pontual e importante pro destaque da cena do nordeste, mesmo não sendo o estilo do corre de alguns, é fácil notar a reação em cadeia na visibilidade do som, que com certeza movimentou todo o rap nacional. Como me disse um amigo, “Baco e Diomedes são só a ponta do iceberg,pra despontar dois caras assim, com certeza existe todo um pano de fundo gigante, uma cena, trabalhando e produzindo”. 
Fazendo uma analogia barata, sabe quando desfia um pano que você gosta, e você puxa a linha e vem um monte de linha na sua mão? É isso, só que nesse caso a idéia é puxar mais e mais.  Troquei idéia com 5 caras, e é incrível como as histórias se assemelham, a forma como o Rap envolve e edifica a vida de cada um. Pra quem bate tanto na tecla de viver o que canta, a cena nordestina é o canal. 

D'rua - Maloka, mc da Batalha do Castelinho - PE

Batalha do Castelinho, em Recife, surgiu como forma de protesto e de grito em resposta a ação do governo de desabitar e demolir prédios habitados. A Batalha tem cerca de um ano, e o organizador Marcola conta que mesmo recente, foi possível ver a evolução da primeira edição, as de hoje; a levada dos mc's, as rimas, além de ter aberto porta pra vários grupos locais, e a visibilidade dos grupos da própria comunidade que ninguém sabia que existia. Pertinho de Recife, Jaboatão dos Guararapes, ou JG City, também tem a Batalha do Coreto, que começou a se movimentar, na vontade do Mc Raí Dread de levar o Rap pra quebrada. Imerso no ambiente da batalha há 2 anos, Arthur que hoje é produtor de imagens da batalha e também dos mc's Raí Dread e THC, comenta sobre sua própria evolução pessoal ao analisar a cena local do Rap. Antigamente pelas próprias palavras dele "ninguém levava a sério quando qualquer um  de nós chegava pra mostrar os trampos, depois que comecei a estudar jornalismo, ampliei a visão, vi que a cena exige profissionalismo", e nessa busca pelo profissional, Arthur se juntou com o DJ Drop3D e criaram a produtora 2Face. Hoje considera que esse trampo conseguiu inserir o grupo no mercado e aprimorar o trabalho dos mc's que trabalham.  

Raí Dread & THC x PinguiN - $UJX, mc`s da Batalha do Coreto - PE
Ainda passeando na cena de Pernambuco, conheci o grupo Ibura-Bagdá, o nome do grupo foi uma música feita pelo rapper Rafael Couto, pra homenagear o bairro onde mora, o som tomou uma proporção muito grande, e acabou se tornando um grupo. Conversei com o Pajé, que hoje faz parte do grupo, sobre a visão dele de como o Rap tem caminhado em Pernambuco. Pela experiência dele próprio, que via apenas a cena de longe, não percebia um grupo local que chamasse a atenção da comunidade, sempre eram os sons clássicos de São Paulo e Rio de Janeiro que estavam presentes nos espaços; porém viu recentemente o surgimento de vários grupos e estilos no Rap Pernambucano, além dos beatmakers e estúdios de qualidade, que hoje alimentam a quantidade de mc's e grupos recém formados.  

PaJé - Crônicas (prod Ereg), grupo Ibura Bagdá
Conversando com essa rapaziada do corre no Pernambuco, percebi como o fortalecimento local é importante. É muito legal ver como eles, mesmo em estilos diferentes, se fortalecem, divulgam o corre dos outros, consomem muito o que é produzido deles pra eles. Isso reflete no público geral, progressivamente o sotaque paulista e carioca que ecoava nos beats, é tomado pelo jogo de rima embolada e speedflow natural nordestino. 
O "nós por nós" não se limita ao rap local da cidade ou do estado; trocando idéia com o Snow, do grupo Os Cria do Ceará, ele destaca vários trabalhos pesados do pessoal, relata que coletivamente o nordeste tem se fortalecido e que as dificuldades de contratos e retorno monetário que pega pra todos, não impede o trabalho sério do pessoal. Snow é um dos mais novos, mas com muita idéia pra mostrar. Na cena do rap desde 2012, já rimava em rinhas de funk quando mais novo. O som pesado do grupo Os crias, quando ouvido em meio a cena crescente do trap, dá aquela sensaçào de que o rap crime vive, e é muito bem alimentado lá no Ceará. O lançamento recente intitulado Frieza, mostra a qualidade dos sons, daqueles que a galera exprime um "Máximo respeito!" depois de ouvir. 

Snow flm - Frieza (O.S.C.R.I.A)
Referenciando o album que eu mais gosto, que o corre nordestino continue a invadir a cena nacional, sendo uma verdadeira Peste Negra do Nordeste, incontrolável, tomando todos os espaços e contaminando com as idéias pesadas. Aproveitando o fortalecimento coletivo da galera que conversei, perguntei o que eles estavam ouvindo ultimamente, e olha a mãezona que sou, vou até deixar uma lista de indicações deles próprios com alguns sons que ouvi e me instigou a ouvir mais. 
Vale a pena descobrir o mundo do rap no nordeste, buscar, conhecer, ouvir, consumir, façam o E.T bilu do rap, busquem o conhecimento da cena nacional!

Áurea Semiseria - Áurea Abolicionista (BA)



Dinexo , Junior MC , Recém Chegado - O Clã (BA)

Camila Rocha - Nada de Novo [part. Issa Paz][beat.ATNbeats] (PB)



Flip R1 - Abatendo a Meta (Prod.Primordio) (PE)

LADY LAAY - Subversão Feminina [Prod. DJ Novato](PE)

Opanijé - Se Diz (BA)

Pinguin - Infector (PE)

Planeta Mafia x Biggie N - "Lugares" (Prod.Primordio) (PE)

NSC - Sexta feira 13 [Ft. Rimador] (AL)
É isso!

Notas da Ana pra vocês:
* O norte e o nordeste são duas regiões distintas, uso o termo norte no título não generalizando, mas é fazendo menção ao som e a questão de que em relação ao sudeste, o nordeste está ao norte hehehehhe.
** São só algumas indicações, a cena é grande, e vão ficar vários de fora infelizmente. Vão procurar sobre a cena, procurem grupos, entrem em contato, troquem idéias. É uma troca de vivências extremamente importante que tem muito a acrescentar.
*** Perdoem os erros, relevem os equívocos, e qualquer coisa, chama na caixinha que a gente resolve.

Sobre os autores


Ana Calheiro: Não é jornalista, nem blogueira, só uma amante do rap que gosta de falar bastante.
Victor Augusto: Guto é DJ no selo independente Carranca Records.  

Follow Us