segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Coruja BC1 lança "MODO F" (J Cole - A Tale of 2 Cities - REMIX)


São muitas referencias a negritude que nem da pra numeras, recomendo que ouça a musica acompanhando a letra.




Instrumental: J Cole - A Tale of 2 Cities (2014 Forest Hills Drive)
Letra: Coruja BC1
Gravação/Captação/Mix/Master: Canela

--------------------------------------------------------------------------------------------------------

FICHA TÉCNICA VÍDEO:

Direção: Samukera
Filmagem: AWLAWD
Roteiro & Edição: Samukera
Produção: AWLAWD
Câmera: iPhone 7

Elenco: Emicida, Drik Barbosa, Aline (AfroBreak), Dj Def, Canela , Théo, Raphão Alaafin, Vh2, Muzzike, Primo do Def, Juliano Souza, Dj Nyack e Dj Faul.

Letra

Me chamem de Latrell Spencer, o foda
Que deixou esses cara pálida na cadeira de roda
Eu incomodo, porque dizer a verdade incomoda
Flow corrosivo, igual bicarbonato de sódio
Esse é Coruja BC1, zika, filho de pai negão
Que curte reações análise, não análises de um REAÇÃO
Contra a maré já subi Foz do Iguaçu
E agora toda cena sabe que existe rap em Bauru
A mil na pista igual Range Rover
Enquanto dou risada desses histérico de internet
Playboys que pensam que são Takeover
Então nesse take ouve nas linha eu reencarno Éter
Subo degrau por degrau da escada sem elevador
Elevando o nível do jogo e também da sua própria dor
Nasci, em 94, morô
Pois se fosse em 97 diriam: Pac voltou

[Ponte]
Olhe mais pras rimas por favor
Pois quem só olha pra views é cego
Se pá cês fumaram crack da fama
Tão igual porco na lama tendo overdose de ego
Disseram que eu tava morto pro rap
Levei isso como piada
Esqueceram que eu sou uma ave no rap
Agora esses cuzão tão tudo com medo de alma penada

[Verso 2]
4x4 do flow até pareço um jipe
Analistas do canal turbo chamam de egotrip
Cês reclamam igual o Hardy
Eu sou leão igual Lippy, animal
Divisão noturna me alimento do eclipse, mas
"Coruja não é preto, é branco do cabelo ruim"
Ruim é teu preconceito há mais de 500 ano assim
Te mato sem aço, sem gangue
Com o mic na mão, te mostro a melanina no meu sangue
Com mil convites pra rimar boombap
Calma, família, eu odeio Trump, eu não odeio trap
Meus versos são língua no grelo
Fique pasmo, ainda não percebeu mas o beat tá tendo orgasmo
Adoto fãs que ficaram orfãos de idolos como consolo
Depois eu reencarnei Moisés e chutei o bezerro de ouro
Crianças cês não são Suge Knight
Só porque sugam com canudo o pózinho branco na night
Sem remorso dos flow que disparo pra derruba
Coração duas vezes gelado eu chamo de bipolar
Rapper sendo infantil tá precisando de babá
Mas hoje não no meu pau, então tira sua boca de lá
Preguiçosos iguais Jaiminho, não tem punch no prato
Tão tanga froxa que no CEP eles põe Tangamandapio
Sou Coruja! Nessa, corrida de rato
Muddy Waters sem Chess pra lucrar com o contrato
Sei o que eles quer? O quê?
Bota o rap numa cruz
Mata pra deturpa a história igual Roma fez com Jesus
Que era negro do cabelo crespo igual meus ancestrais
Porém um cristo de olho azul faria a indústria render bem mais
Eu dou unfollow na tua vida, pivete
E o máximo que cê faz é xingar muito na internet
MC que é MC tem que explorar o limite
O ministério do bom senso disse: bebê, não digite

[Ponte]
Tô com os pés no chão igual capoerista
Mirando o espaço igual astronauta
Minha auto-estima é equivalente ao dólar
Que até em tempo de crise consegue se manter em alta
Fiz meu álbum visando o futuro
Pra dar de presente pros meus ouvintes
Caso cês não entenda as rima agora
Espera mais 3 anos pois fiz pensando em 2020

[Refrão x17]
Liguei o modo foda-se

[Interlúdio]
Eu não sou rapper, eu sou um MC
Sou um MC
Como prometido

[Verso 3]
Lavei minha mão com álcool e detergente
Amolei o bisturi
Operação perfeita, tirei o Hip-Hop da UTI
Comprei camisinha GG e resurgi
Com os verso que bota no -- do rap game sem cuspir
Eu dei meu duro eles tomaram igual Dreher
Rainha é Erykah Badu
Foda-se Iggy Azalea
Nós com dinheiro é conquista
Eles com dinheiro é mesada
Nós é made in favela
Eles cosplay de quebrada
Chave igual gol quadrado
Atropelo flow saturado
E transformo papéis com escrito
Em papéis com peixe estampado
Fracos, caiu do alto igual folha depois do outono
Fim da Dinastia César, gueto de volta pro trono
Roubo teu sono igual coca ou café de vó
Cês no piano só vem de ré
Eu chego na sola sem dó
Foda-se Thor, eu sou machado de xangô
No dia dos nossos o profeta das ruas voltou
Share this article

0 comentários:

Postar um comentário

 
Copyright © 2014 Noticiário Periférico • All Rights Reserved.
Template Design by BTDesigner • Powered by Blogger
back to top