segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Primeiro álbum do rapper Msário é disponibilizado para download gratuito


Caracterizado por riqueza nos ritmos – hip hop, reggae, soul music, afrobeat, manguebeat e R&B -  “Sangue de Leão” reúne participações especiais de Apolo, Rael da Rima, Kamau, Max B.O e Izzy Gordon, entre outros


Capa do álbum “Sangue de Leão”, Msário. Arte de Bruno Yano
 São Paulo, novembro de 2015 - Msário, rapper paulista que foi integrante do grupo Pentágono durante 12 anos –, segue em lançamento de seu primeiro álbum solo, intitulado “Sangue de Leão”, que ganha download gratuito no site www.msario.com. Produzido de forma independente por Bruno Dupre e Jeff Boto, é constituído por dez faixas inéditas que afirmam a pluralidade do artista.
“Sangue de Leão”, que levou um ano e meio para ser finalizado, traz diversas referências da musicalidade de Msário, passando pelo afrobeat, manguebeat, reggae, hip hop, soul music e R&B. Já as rimas trazem questões pertinentes ao universo do músico e falam sobre seus sonhos, estilo de vida, frustrações, desejos e metas, como nas faixas “Única Opção”, “Sangue de Leão”, “Basta eu pedir”, “Não Ah” e “Vim de Longe”.
“Esse disco é uma concretização de projetos e pensamentos de toda a minha vida e carreira. Falo de fé, amor, paz, luta, autoconfiança, de se divertir com sabedoria, de que todas as batalhas e glórias da vida vêm por algum motivo. Este álbum é um sonho que corri atrás. Sempre me considerei um leão nessa selva chamada São Paulo. Literalmente demos o sangue para concretizar este álbum, comenta Msário.
Neste disco, Msário resgata o pioneirismo brasileiro do Pentágono em apresentar o rap de forma instrumental. Ao invés de bases pré-gravadas, o músico conta com uma banda de peso. Os metais foram gravados por Jean Arnault (Jorge Ben) e Tiquinho e Reginaldo 16 toneladas (Funk Como Le Gusta). Carlos Caféum fera no pandeiro, que tocou para Emicida, também participa.
Há também uma série de parcerias especiais, entre elas Apolo e Max B.O na música Jet, e Rael da Rima em Desapegar. A cantora de jazz Izzy Gordon é outra convidada e participa de Não Ah, dividindo o microfone com o rapper Kamau; Junior Dread e Monkey Jhayam fazem um vocal especial em um dos principais hits: Única Opção.
O responsável pela arte da capa é o ilustrador Bruno Yano, que já desenvolveu trabalhos gráficos para nomes como Rael da Rima, Criolo, Black Alien, Akira Presidente, D-Pinot, Lívia Cruz, Time do Loko, a festa Fya Bun, Brasativa, Sipam e mais.
ÁLBUM “SANGUE DE LEÃO”
ARTISTA: MSÁRIO
GRAVADORA: DUBATAK
VALOR: SOB CONSULTA

Faixa a Faixa, por Msário
 “Alívio” - 3m27s.
“A letra fala sobre as dificuldades e a necessidade de aliviar-nos às vezes. No meu caso, a música é o que me alivia, e o que eu quero é que a minha música alivie o meu público. A batida conta com a participação de diversos elementos de gêneros diferentes: uma levada de bateria com uma pegada afrobeat; uma guitarra e uma linha de contrabaixo que remete ao manguebeat do Nação Zumbi; guitarras rock e vocais modernos; além das referências da nova escola do hip hop. Os metais do Funk como Le Gusta aumentam a gama de camadas sonoras trazendo o clássico groove para a música”.
“Basta eu pedir” – 4m13s
“Esta música é quase uma oração, uma pregação invocando a palavra de Deus e uma força maior que nos protege. Não o Deus católico ou o evangélico, mas Deus em sua forma mais pura: a natureza, as árvores, a água, a terra, o sol, as estrelas. Deus é isso para mim e eu acredito que se você estiver em conexão direta com essas coisas, se conseguir pedir as coisas certas, e claro, correr atrás, Ele te dá. Toda essa ideia foi traduzida em uma musicalidade reggae contemporânea com elementos modernos, porém a estrutura é de um verdadeiro "reggae roots". Linhas marcantes de contrabaixo, bateria e teclados, misturadas com guitarras, timbre característico do ritmo e vocalizes modernos - frases clássicas de metais que remetem desde Bob Marley ao melhor Steel Pulse. A mixagem é DUB, com diversas camadas de efeitos”.
“Era tão bom” – 4m26s
“Foi inspirada em um relacionamento real que durou quatro anos, mas no final vimos que não tínhamos muito a ver. Além disso, também fala muito das relações momentâneas, que encontramos em uma noite. Eu já tinha escrito a primeira parte sozinho, mas não tinha base. O Bruno Duprê me mostrou o beat, aí criei o refrão em cima em uma pegada mais R&B, que é algo que eu nunca tinha feito”
“Não ah” - 5m08s; participação de Kamau e Izzy Gordon
“A música fala sobre conquistas, lutas e vitórias. As coisas acontecem, mas nada pode te impedir de lutar pelo seu sonho e pelo que você quer e almeja. Em uma pegada funk por causa dos metais e guitarras, e ao mesmo tempo hip hop anos 90, a parceria com Kamau e Izzy Gordon ,que já inicia o som nos levando de volta ao bom hip hop de Tupac, NAS e Notorius BIG, tem uma levada clássica, porém com o groove afiado da banda”.
“Vim de longe” - 3m37s; participação de Kamau e Izzy Gordon
“Esta é uma das musicas que mais traduz o que o disco inteiro prega. Criada com o DJ Caique, a música lembra as produções de Sly and Robbie dos anos 80, com timbres eletrônicos (bateria, teclados, synths e scratches) contrastados com elementos orgânicos (contrabaixo, guitarra e voz)”.
“Única Opção” - 3m37s; participação de Scotti Beats, Junior Dread e Monkey Jhayam
“A letra dessa música fala sobre a única opção para pessoas que, como eu, vieram do gueto e não tem condições de estudo, saúde, educação, saneamento básico e precisam lutar. Lutar pela nossa dignidade. Essa é a única opção para ser o que almeja. Com participação de Scotti Beats, Junior Dread e Monkey Jhayam, a bateria programada ao estilo MPC, traz a força do hip hop com uma mixagem que prioriza bumbo e caixa da bateria”.
“Né Pai” – 5m08s
“Escrevi essa música para o meu filho Juan Rakin, de 8 anos, pensando em deixar uma mensagem para ele. Falo de coisas que eu acredito serem importantes, afinal, a gente não sabe quanto tempo é a nossa estadia na Terra. A música possui uma diversidade de elementos e estilos bem grande. Primeiramente, o violão traz uma pegada latina, que lembra Orixás. A entrada da levada de bateria e baixo traz uma nova mistura. O refrão com a mistura de vozes fortes, scratches e teclado é sobreposto por uma ponte feita com pandeiro, cuíca e trompete, mostrando a diversidade da música. O final traz um drum’n bass apoiando o solo de trompete e guitarra”.
“Desapegar” – 3m51s; participação de Rael da Rima
“Fazemos uma crítica, ainda que leve, ao sistema e aos valores que a sociedade adota. Não há incentivo para o amor, apenas para o consumo. Hoje, o que você tem é mais importante do que o que você é”.
“Jet” - 5m01s; participação de Max BO e Apollo
“Essa é uma música de celebração mesmo, falamos um pouco da diversão, que é necessária depois da correria, em um tom mais animado com uma levada de dancehall, característica dos anos 90, e forte presença de scratches e colagens. Os teclados reggae e o contrabaixo pesado fazem a cama para o flow”.
“Sangue de Leão” – 5m21s
“A música tema do disco fala de toda essa trajetória que eu tive que passar para chegar nessas ideias, esse tipo de pensamento, essa opinião e essa maneira de ver o mundo. O termo ‘Sangue de Leão’ é por conta do sacrifício, por eu estar dando o sangue, dedicação e suor; lutando mesmo para fazer o disco sair dessa forma, e que ele possa chegar onde a gente almeja, no maior numero de ouvintes possíveis, e para transformar e tocar o maior número de pessoas possíveis também. Um reggae clássico que segue na mesma cadência nas linhas de contrabaixo, bateria, teclado e guitarras, que junto aos metais dão a característica principal da música. O flow é rap, mas os refrões bridges são cantados em uma forma mais reggae. Uma música forte com um arranjo bem trabalhado e um vocal feminino bonito nas respostas e refrões”.
Sobre Msário
Msário é rapper da Zona Sul da selva paulistana, um leão que faz parte do universo hip hop há mais de 15 anos lutando para manter vivas as mensagens de respeito e papo reto simplesmente, mas não tão simples assim, por amor ao rap. Suas primeiras rimas começaram na escola, onde mais tarde se juntou com Rael, Apolo, Massao, Dodiman e DJ Kiko para formarem o grupo Pentágono, que esteve mais de uma década nas estradas espalhando hits de sucesso como “É o Moio”, “OQ”, “Multicultural”, entre outras. Msário lançou sua primeira mixtape e trabalho solo, em 2011, “PlaybeckMixtape”, que traz em 14 faixas sua essência ao reunir ritmos como samba, dubstep e ragga. A música “Só o Amor”, produzida em parceria com Bruno Dupre, tornou-se a faixa de maior sucesso do MC chegando a ter uma versão em vídeo clipe. Após o grande êxito da música, Msário e Bruno Dupre decidiram produzir um álbum completo. Em 2013 estenderam a parceria com o produtor Jeff Boto, membro fundador do Coletivo Dubatak. Para a divulgação do novo CD, “Sangue de Leão”, Msário já fez shows no Bourbon Street, Centro Cultural Rio Verde, Clube 33, Clube Da Leone, entre outros.
Share this article

0 comentários:

Postar um comentário

 
Copyright © 2014 Noticiário Periférico • All Rights Reserved.
Template Design by BTDesigner • Powered by Blogger
back to top