segunda-feira, 11 de abril de 2016

Conheça o Jordan Fields vulgo BIXOP, o educador norte americano que aprendeu português ouvindo e cantando o rap brasileiro




É com um imenso prazer que entrevistei o mano BIXOP, o famoso arte educador norte americano que ficou famoso por cantar a musica "O trem" do RZO.

Fazendo jus a um dos primeiro lemas do Noticiário Periférico que era e ainda é claro  "Da periferia de São Paulo para as periferias do Mundo".
O NP é conhecido por fazer este intercambio e troca de ideia com pessoas fora de São Paulo e do Brasil, nestes 9 anos ja entrevistamos pessoas e rappers de Angola, Moçambique, Portugal, Guine Bissau ,Cabo verde e agora Estados Unidos.

Jordan Fields ou como ele prefere ser chamado pelo seu vulgo Bixop, que ele diz que usa este vulgo inspirado no personagem do Tupac no filme Juice.
Bixop é um jovem preto norte americano que cresceu em meio a violência que o sistema norte americano proporciona em todos os bairros negros e latinos norte americanos, nos chamamos de favela eles chamam de gueto!.

Bixop recentemente ficou famoso em nosso pais por interpretar musicas do rap brasileiro, de artistas como Racionais, Facção e RZO. A musica que tomou grande proporção foi a do RZO "O trem", onde o rapper e arte educador fez um clipe cantando mostrando a realidade do gueto norte americano.
Na primeira conversa com o Jordan no Whatsapp ele me disse que na mesma noite que o vídeo viralizou no brasil 3 homens invadiram sua casa e roubaram seu celular e computador que demorou um ano para pagar e que tinha usado pra editar o vídeo clipe , dai ja da pra ver que a realidade de la não nada diferente daqui.

Nesta entrevista BIXOP, fala sobre, sua infância, segregação racial e conflitos raciais, fala também como funciona o sistema carcerário norte americano e como o sistema atrai o negro pra criminalidade, fala também que teve que aprender espanhol para estreitar laços com a comunidade latina em seu bairro, para que eles mudassem o pensamento sobre os negros, claro que nos conta  como aprendeu português e diz quem vem ao Brasil fazer show e se pah morar.

Salve mano Jordan um imenso prazer trocar esta ideia com voce, pra começar bem, fale sobre você, quem é o Jordan, como vive e o que faz..?

R: Meu nome é Jordan Fields, porem meu nome no rap é Bixop. Meu apelido é inspirado no personagem Bixop interpretado pelo rapper Tupac no filme "Juice". E também em um personagem do X-men que todo mundo diz que eu pareço com ele. Tenho feito musica a muitos anos. Meu trabalho do dia a dia é de professor de crianças especiais. Educação especial. (Educador de crianças de baixa renda)


Como foi sua infância e como é a infância de um jovem preto nos Estados Unidos..?

R: A família do meu pai são de muçulmanos, muçulmanos negros. Muitas pessoas mudaram de religião na década de 60, por influencia de Malcolm X. Muitos negros nas prisões decidiram deixar o cristianismo e se juntar à nova religião, A Nação do IslãEu tinha um irmão mais velho, meu pai tinha 40 anos quando eu nasci. Ele viveu uma vida diferente da minha,no Brasil vocês chamariam de 157. Ele foi morto por seu próprio amigo na cidade de Newark NJ. isso tudo aconteceu quando eu era uma criança pequena. Por esta razão fui morar com meus avós num porão em Plainfield, NJ. Eu cresci entre Newark e Plainfield, minha infância foi normal. Meus pais se separaram, assim que fui criado principalmente por minha mãe e avó. Uma coisa que eu sempre procurei era uma figura masculina, não havia muitos homens na família da minha mãe. Minha mãe,tia e suas 3 filhas que eram 20 anos mais velhas que eu,então, elas foram minhas tias também. Uma das minhas tias tinha um marido que era muito afro centrado. Ele mudou seu nome para Kamešs Haki e viveu conosco por um tempo na casa da minha avó. Ele tinha dreads e me ensinou muito sobre a cultura negra e orgulho negro segui tudo o que ele fazia mesmo com os meus oito anos de idade. Minha mãe tinha 2 ou 3 empregos naquele tempo e fui para a faculdade, ela estava muito ocupada então eu tinha muito tempo pra ficar sozinho com isto eu ganhei um forte relacionamento com Hip Hop.

Como você enxerga o que é o rap,qual a importância dele na sua vida e no seu cotidiano..`


R:Como eu disse antes eu tinha um monte de tempo a sós enquanto crescia e o rap era meu melhor amigo, o rap me ensinou sobre o mundo fora da minha porta e as regras para viver.


Mano, gostaria que você, falasse como vive a maioria dos negros nos Estados Unidos, pois existe o mito de que praticamente não há pobreza ai, que o negro ai vive muito melhor que nós negros no brasil, muitas vezes vejo que as pessoas acham que a maioria negro vive igual ao Michael Jordan ou 50 cent ou na classe media. diga como é sua realidade e a de milhões de pretos ai.

R:kkkk Michael Jordan e 50 cent ?? O povo brasileiro realmente acredita que as pessoas negras vivem dessa maneira nos Estados Unidos? (respondendo: alguns sim..rsrs)  Há muitas pessoas negras que têm dinheiro. Mas muitos deles saíram do gueto e nunca mais voltaram. Um grande problema aqui, como pode ser em outras partes do mundo é a falta do pai em casa, muitos jovens estão sendo criados por mães solteiras como eu era. Na verdade, de todos os meus colegas eu só conheço uma pessoa que foi criado em uma família com ambos os pais. Na comunidade negra dizem que 70% das crianças crescem em lares monoparentais temos a maior taxa de pessoas na prisão. 
Como é que os negros são apenas 12% da população dos EUA, mas quase 40% da população prisional são de negros, 1 em cada 15 homens negros estão na prisão ou já estiveram na prisão. Após a prisão, é muito difícil encontrar um trabalho que possam se sustentar. Assim, muitos voltam a cometer crimes para sobreviver. Isso quer dizer que os homens negros são geneticamente mais violentos que os homens brancos ?? Acho que não. Há uma guerra contra os homens negros aqui uma guerra que já existe há muitos anos, e quem se beneficia é o sistema.O sistema industrial Prisional tem muitos investidores.  Pessoas como o mesmo Michael Jordan. Michael Jordan investe  parte de seus dinheiro em prisões, porque é um trabalho extremamente barato. E ajuda a sua empresa fazer sapatos baratos e vende-los caros, maximiza o lucro para ele. É por isso que eu nunca fui um fã de esse homem. Muitas empresas que o povo americano ama tanto, vendem seus produtos mais barato por causa do trabalho escravos da prisão. A escravidão nova! É o sistema prisional. Eu trabalho em uma escola e essas crianças querem ser bandidos e criminosos, porque acham que faz parte da exigência negra seguir este caminho.Estou sempre dizendo a eles que tenham cuidado, porque para os negros nos Estados Unidos, é muito mais fácil de ir para a prisão do que encontrar um emprego




Mano, o tipo de rap norte americano que é mais exportado, é o tipo de rap sensual, de ostentação, o rap do mainstream, pelo que acompanho o Kendrick Lamar e J.Cole são os únicos rappers do Mainstream que fogem deste esteriótipo, o rap de protesto ainda é forte ai..? 

R: O rap de protesto não é valorizado muito aqui não. Nós temos Kendrick e J. Cole, mas um artista como J. Cole foi introduzido ao "game" por Jay-Z, que tem muito dinheiro para a promoção de artistas. Agora que você realmente não precisa de uma gravadora ou selo musical, você pode tornar-se famoso na internet, mas você precisa de dinheiro. Dinheiro para se promover, e se destacar mais do que muitos artistas que estão agora tentado tornar-se famoso online. Enquanto J. Cole pertence a um colectivo de Jay-Z e Rihanna. Kendrick Lamar tem muitos fãs e ele é amado na internet. Em Nova York, você quase nunca ouve as músicas dele tocando no rádio, embora muitas pessoas dizem que o ama. Mas como podemos ver com o seu sucesso, o rádio não é tão importante hoje em dia. Mas você precisa de dinheiro, e ninguém parece querer colocar dinheiro no rap de protesto. O dinheiro é dado ao rap ignorante. Voltado para o sistema industrial Prisional que falei antes,para controlar a mente da juventude,  e fazer gostar do modismo fútil para levá-los a prisão.

Mano, uma fita que também gostaria que você falasse, é sobre as gangues, porque no brasil, alguns fãs de rap acham legais as gangues como Bloods ou Crips, e até escolhem um lado, cara conte pra nós a realidade destas gangues e como elas agem nos bairros..

R:Sobre as gangues, há muitos Bloods e Crips aqui nesta cidade. Estes são grupos que têm as suas origens em Los Angeles.Infelizmente, a mídia tem importado essas gangues para outras partes do país e do mundo, na verdade. Com filmes como Colors Boys in tha Hood. Também vídeos de música do artista de hip hop. Comecei a ver Bloods e Crips na costa leste no início de 2000 eu achei que era estranho. Era algo que eu não entendia. Por que os negros matavam uns aos outros por causa de cores? Mas também é a mídia que funciona com o mesmo sistema prisional que eu estava falando. Tudo está conectado. Muitas gravadoras aqui recebem dinheiro do sistema Penal. É um fato oculto, mas todos os sistemas trabalham juntos para manter os homens negros na cadeia



Nós estávamos conversando no WhatsApp, e você me falou sobre a segregação que há por ai, gostaria que você contasse sobre esta historia de bairro de negro, bairro de branco, bairro de latino, isto não existe por aqui,pelo menos não explicitamente, como funciona isto..? é algo natural..? 

R:A segregação neste país é algo histórico, quando os portugueses colonizaram o Brasil, eles chegaram sem trazer suas mulheres, houve um monte de misturar durante e após a escravidão. E muitos homens brancos casaram ​​e até mesmo viveram ao lado de pessoas negras no seu país. Aqui as coisas eram muito diferentes. Após a abolição da escravidão era ilegal para os brancos e negros viver na mesma área. Durante a era da reconstrução logo após a escravidão, vimos as origens do grupo terrorista racista como a Ku Klux Klan, cujo principal objetivo era a destruição da raça negra e quaisquer outras pessoas que eles achavam que eram anti-americano. Quando certos bairros negros tornavam-se próspero, eles queimavam toda a comunidade. Um homem negro nunca deve ser mais bem sucedido na vida do que um homem branco. A lei era que o homem negro não podia falar com uma mulher branca, ou olhar um homem branco diretamente nos olhos. A punição para esses atos incluem morte por enforcamento em uma árvoreO medo disso ainda pode ser encontrado no DNA de muitos negros. Minha mãe e minha avó sempre me dizem, tenha cuidado com essas mulheres brancas, elas sempre são de problemas. Lugares como meu estado de Nova Jersey ainda esta muito segregada. Muitos pretos chegaram aqui em busca de melhores oportunidades e para fugir do racismo opressivo do sul, apenas para encontrar uma forma de racismo diferente.. Tal vez não chegam na sua porta na noite pra te matar, mas vai negar o acesso ao trabalho e direitos humanos básicos. Durante a década de 1960 muitos negros ficaram tão irritados com o sistema que eles começaram a se revoltar e incendiaram cidades inteiras, incluindo a minha cidade Newark New Jersey. Era como uma zona de guerra real entre negro e  brancoIsso aconteceu nas grandes cidades em todo o país. Muitas pessoas morreram e quase todas as pessoas brancas saíram de medo. Isso deixou as cidades com a maioria de pessoas negras. Mas agora eles foram destruindo as cidades, das quais ninguém se importa em ajudar ou investir o dinheiro. Então, nós estamos indo para quase 60 anos de declínio constante. É por isso que existem bairros negros e bairros brancos, e por isto que as áreas pretas são muito menos suportável.



Você também disse que aprendeu espanhol para conviver melhor com seus vizinho, porque precisou disto..? havia conflitos ?

R: No caso dos Latinos, algumas grandes cidades têm áreas que são estritamente composta por pessoas de origem latina. Mas, na minha cidade latinos e negros convivem nos mesmos bairros. O problema entre negros e latinos nesta cidade, eu acredito que começou quando muitos jovens negros iam roubar os trabalhadores latinos. Eles roubavam porque sabiam que os latinos não tinham contas bancárias por não terem o greencard e que sempre carregavam grandes quantias de dinheiro em seus bolsos. Muitos ladrões negros esperavam até o fim de semana e esperavam os latinos sairem dos bares bêbados, e  eles os roubavam e às vezes até mesmo matavam por causa do dinheiro que eles tinham em seus bolsos. Muitas das pessoas negras que foram cometer esses crimes no entanto, são ignorantes. Eles não sabem que essas pessoas vêm de países como El Salvador, que têm uma história de violência e guerra civil. Começamos a ver as gangues da América Central como MS 13 brotar em Plainfield NJ. Durante o ano de 2010 houve uma explosão de violência entre os dois grupos e muitas pessoas foram mortas. Incluindo um dos meus alunos,ele era um afro-americano e ele estava discutindo com um Latino quando foi baleado. Entrei numa organização de anti-violência na minha cidade, e estávamos protestando contra a violência na comunidade onde o assassinato aconteceu. Não conseguimos que os latinos ficassem com a gente por causa do idiomaEu percebi que uma boa maneira de quebrar a barreira seria eu aprender a falar espanhol. Então eu decidi deixar o país por um ano. Mudei-me para o Panamá, um país localizado na América Central. Havia muitos negros, então eu fui capaz de me misturar. Quando voltei para os Estados Unidos, os latinos ficaram muito surpresos ao ver um negro falando a língua espanhola e eles estavam mais abertos pra conversar comigo.




Hoje 22 de março, neste exato momento o presidente Obama junto com Raul Castro em um estadio de baseball em cuba, primeiro mano gostaria de saber se o Obama foi um grande presidente para os pretos nos estados unidos..

R:Agora, é muito difícil responder a essa pergunta sobre o Obama. Eu acho que nós teríamos que deixar a história passar para encontrar a resposta correta. Eu sei que durante o mandato do Obama a taxa de negros na prisão tem crescido significativamente, e absolutamente nada aconteceu para melhorar as vidas de pessoas negras nos Estados Unidos. Sei também que ele é apenas um homem, e também ele não tinha maioria do poder no congresso. Ele não é o presidente de América negra,ele é o presidente dos Estados Unidos da América. Então, sua lealdade não pode ser apenas com a gente. Mas vou dizer que quando ele foi eleito Dancei por quase uma hora na chuva em Newark em New Jersey. Eu estava tão feliz. E, para muitas crianças negras, ver um presidente negro é algo que eles podem crescer sabendo que tudo é possível.


E a pergunta que não quer calar, como você conheceu o rap brasileiro, e aprender o português..? de onde veio este interesse pelo rap feito em nosso pais..?

R... É muito difícil para mim encontrar rap vindo deste país que eu gosto. (Brasil) Quando eu fui para o Panamá eu amei o reggae panamenho. Artistas como El Roockie e Kafu Banton cantam sobre as realidades da vida no gueto no Panamá, eu percebi como a musica era bonita e muito significativa. Quando voltei para os Estados Unidos Eu não podia suportar a ignorância que eu ouvia todos os dias no rádio. Além disso, não havia nenhum desafio. A música claro que era em Inglês e eu entendi isso, mas não era tão boa. Depois de um tempo, comecei a cantar em espanhol. A minha música não era sobre a luta embora o espanhol é uma língua muita bonito, e as pessoas são bem românticas que todas as minhas canções em espanhol eram sobre o amor  pode cre kkkkk. Mas foi em novembro de 2013, eu acho que alguns alunos nas faculdades  estavam fazendo projetos sobre os afro-americanos. E porque o nome do meu grupo é Negros Americanos eles acabaram encontrando nossa página no Facebook. Havia muitos brasileiros que curtiam a página alguns estavam enviando mensagens. perguntando se eu falava português e se eu fazia música em português assim como nós fazíamos espanhol. Eu disse não, eu realmente nunca pensei sobre o idioma. Eles me disseram que eu deveria mudar minha mente que eu deveria aprender português, porque os brasileiros amam o rap dos norte americano, e não tem muitas referências de um rapper americano cantando em português do Brasil. Seria legal ver e ele iria ajudar a quebrar barreiras. 
Então eu mudei meu pensamento e comecei a estudar o português com uma excelente professora do Rio Grande do Sul .. Eliane ChalmeresEla me apresentou a Racionais, e desde a primeira vez ouvir "Negro Drama" eu me apaixonei pelo rap brasileiro. Acho muuuito Da Hora. Eu tenho sempre escutado muitas pessoas próximas a min, dizendo que eu não quero mais ser afro-americano e que eu acho que sou latino ou brasileiro.. Mas eles tem apenas a mente fechada

Mano, quando que você percebeu que o vídeo em que você canta a musica do RZO "O Trem", viralizou no Brasil, e como foi sua reação..?

R.. "Quando vi que vídeo havia viralizado no Brasil fiquei tão feliz. Eu editei esse vídeo em um computador MacBook que me levou quase um ano inteiro de trabalho pra comprar. O dia depois que eu upei o vídeo (no youtube), três rapazes (negros) invadiram a minha casa e roubaram o computador da minha cama enquanto eu estava dormindo. Eles roubaram meu celular com uma tela muito rachada também.Eu acordei e vi três homens sobre a minha cama. Eu gritei YO! E eles correram, mas eles conseguiram levar minhas coisas. Eu estava triste, mas feliz que eles não me machucaram. Eu comprei um outro telefone, não foi tão bom quanto o antigo, mas pelo menos a tela não estava quebrada.Quando baixei aplicativo do facebook, notei um monte de brasileiros me enviando pedidos de amizade. Então, as pessoas estavam compartilhando os posts do video. Em 2 dias, eu esqueci completamente sobre o roubo. Embora às vezes eu acordo durante a noite e acho que há pessoas de pé em cima de mim"




Você me disse que vem para morar no brasil, e sera um prazer ter uma pessoa como você em nosso pais, o que você pretender fazer aqui no brasil, fale sobre seu projeto...

R:
No Brasil eu pretendo fazer muitos shows, com musicas de própria autoria em inglês e portuguêsSim eu escrevo minhas músicas em português. Eu canto música de outras pessoas porque eu tenho que trabalhar no meu sotaque, e eu acho divertido. Mas em breve vou lançar minha primeira música, que será a metade inglês e português. A musica terá a produção do Sango, Sango é um produtor americano Africano e mistura Trap e Funk para fazer um novo gênero essa música será lançada em breve. Eu também estou trabalhando em um álbum chamado "Não é um paraíso" Para mostrar ao povo brasileiro o dia-a-dia de muitos negros e latinos pobres nos Estados Unidos. E também para mostrar as comunidades pobres brasileiras para o povo dos Estados Unidos. E uma troca de informações. Eu também estarei trabalhando com um grupo de irmãs poderosas da Zona Sul. "As Herdeiras de Aqualtune".Vou trabalhar em projetos com elas, e também dando aulas de inglês para jovens periféricos que querem aprender e não têm muitas oportunidades
Share this article

0 comentários:

Postar um comentário

 
Copyright © 2014 Noticiário Periférico • All Rights Reserved.
Template Design by BTDesigner • Powered by Blogger
back to top