domingo, 30 de junho de 2019



O novo mural em um canto de Bedford-Stuyesant é uma homenagem ao filme do Spike Lee de 1989, "Do The Right Thing" (Faça a coisa certa). 

Ele foi pintado para o 30º aniversário do filme indicado ao Oscar, que foi ambientado no Brooklyn em 1980 e explora as tensões raciais no que é considerado o dia mais quente do ano. Lee escreveu, produziu e dirigiu “Faça a Coisa Certa” e também apareceu nele. 

"Ele definitivamente era um visionário. Ele estava definitivamente à frente de seu tempo em poder dar essa voz para os negros americanos em um momento muito difícil", diz o vereador da cidade, Robert Cornegy. 

"Questões de racismo e supremacia branca e brutalidade policial e gentrificação - todas as coisas que" Faça a coisa certa "lidam com ainda ressoam hoje", diz Ashley Clark, programador sênior de cinema da Academia de Música de Brooklyn. 


Essas questões são claras na cena em que um proprietário de casas brancas que é novo no bairro, Clifton, tem um encontro com um morador negro de longa data, conhecido como Buggin 'Out. 

"Eu possuo este brownstone", diz Clifton. 

"Quem te disse para comprar um brownstone no meu quarteirão, na minha vizinhança, do meu lado da rua?" 

Essa rua é a Stuyvesant Avenue entre Lexington e Quincy. Não apenas o filme foi filmado neste bloco, também foi filmado lá. A cidade co-nomeou "Do The Right Thing way" quatro anos atrás. 

Lee está organizando uma festa de rua no domingo, 30 de junho, dia em que o filme teve seu lançamento nos EUA em 1989. O filme também será exibido novamente em alguns cinemas neste fim de semana. E será exibido até 4 de julho. 

"Achamos que ele é o maior cineasta vivo do Brooklyn, por isso é importante para nós fazer um perfil dele e manter seu legado", diz Clark. 


A alguns quarteirões de distância, no Museu de Artes Contemporâneas Africanas da Diáspora, conhecido como Mocada, uma exposição explora o filme icônico. Dexter Scott, que visitou a exposição na quinta-feira, nem nasceu quando o filme foi lançado. 

"Eu sou um cineasta, então realmente me inspirou como um negro americano a fazer filmes que fossem verdadeiros para a arte negra e para os negros que vivem todos os dias", diz ele. 

Cornegy diz que o filme representa mais do que apenas artes e cultura. 

"Embora seja um final de semana muito comemorativo, isso nos lembra que há muito trabalho a ser feito na cidade em torno de questões raciais e muito em torno das relações da comunidade policial, por isso é agridoce", diz ele.

Fonte: NY1.com

sábado, 29 de junho de 2019


O rapper paulistano ex-integrante do Facção Central, Eduardo Taddeo, foi convidado pelos responsáveis do curso direito da Faculdade Estácio e a Eurpean para palestrar sobre ativismo punitivista e desencarceramento em massa. 

O Eduardo que além de rapper é autor do livro "A guerra não declarada na visão de um favelado", livro que foi lançado em dois volumes. O volume 1 em 2012 e o volume 2 em 2016. Ambos os volumes abordam temas socias como: encarceramento em massa, desigualdade social e etc. 

O rapper dividirá as conversas com o Ariovaldo Ramos, pastor, escritor e um dos líderes da Frente de Evangélicos pelo Estado de Direito e Lucas Maurício Pimenta, advogado nacional da Pastoral Carcerária (CNBB). 

A palestra acontecerá em 27 de agosto, no auditório da Faculdade Estácio, no Campus Cotia, em São Paulo, a partir das 19:30.

Fonte: RND

Uma carta de amor que virou R&B.
Conheça Carolis e o lançamento seu primeiro single "Minha Paz".


Nascida na zona leste de São Paulo, Ana Carolina Costa Gonçalves conhecida artisticamente como "Carolis", tem 22 anos, é cantora, instrumentista, bailarina e carrega essa forte veia artística da família, que é composta por músicos e sambistas. Romântica, a artista caminha entre diversas vertentes musicais, mas foi no R&B que encontrou inspiração e liberdade para compor suas canções. Nessa quinta-feira (27) a cantora lançou seu primeiro single intitulado "Minha Paz", que traduz a vivência real de uma paixão e de uma carta de amor que acabou se tornando canção. Com instrumental de Jr King , mixagem e masterização de Canelinha e direção vocal de DCazz, a música transmite um sentimento de gratidão, mensagem que Carolis quis exprimir e dizer que mesmo após um término, é possível eternizar momentos e quão boa é sensação de ter vivido um verdadeiro amor.

‘’Essa música foi escrita em 2016/2017 no melhor momento da minha vida. Eu tinha um amor, meu amado até hoje, e quando fizemos um ano de relacionamento ele escreveu uma música pra mim e como forma de agradecimento escrevi a ‘’minha paz’’ como carta, achamos a letra tão linda que decidimos transformar em música. O tempo foi passando e o relacionamento infelizmente chegou ao fim, então não lançamos’’, diz Carolis.

Dirigido por João Paulo (BeatsFilms) e roteiro de Aska Larissa, ‘’Minha Paz’’ seguiu um narrativa no audiovisual e trouxe uma estética sofisticada, ao mesmo com uma pitada de sensualidade, captando lembranças e momentos de felicidade revividas por um casal. O videoclipe foi lançado pelo canal da Soul Di rua, coletivo de mulheres que busca produzir conteúdos e divulgar projetos femininos, com intuito de fortalecer artistas independentes.

Assista:

sexta-feira, 28 de junho de 2019


Monna Brutal rapper já conhecida pela sua grande habilidade em flows rápidos e carregados de muita informação, lançou hoje em todas as plataformas digitais o single Fantástica Fábrica de Flow.

Fantástica Fábrica de Flow ou FFF (abreviação do nome Fantástica Fábrica de Flow) lançado apenas com uma tela preta como capa questiona o ouvinte qual o poder de uma “monna” usuária da palavra quando a estética é invisível. O single ao mesmo tempo em que convida as “monas” para um levante em direção à força que habitam nelas deixa explícita a indignação da artista Monna Brutal para com a apropriação cultural e o desdém quando o assunto é o trabalho das “monas”.

Em suas rimas a artista discorre sobre suas próprias necessidades em dialogar com a sociedade e com artistas que fomentam a arte marginal na qual em uma mensagem subliminar apontam as grandes mudanças que já ocorrem na vida pessoal de Monna Brutal e principalmente na vida artística.

O single foi produzido, mixado e masterizado pelo Beatmaker de Olinda/Pernambuco Rodrigues997.

Ouça: 


Nome dos MC´s do projeto da esquerda para direita: Mizote, Arthur, NGO (na fileira de cima) + Inokoshi, DimasEdo, Átila, Siloque (na fileira de baixo)

Confira o Projeto AQUI


SOBRE O PROJETO:

Organizado por Átila, MC do grupo Primavera Nacional, “Daria um Filme” reúne diferentes artistas da cena 019 em projeto que interliga quatro videoclipes, como uma única série de TV.

O “Rapflix” tem como protagonistas Arthur e NGO, ambos companheiros de Átila no PN, Mizote, DimasEdo, Siloque e Inokoshi, e com um time diversificado, o enredo também é sofisticado, indo do drama ao romance, passando por uma trama geniosa até a ação. O projeto contou com apoio de artistas e profissionais em uma conexão Rio-São Paulo, com o beatmaker KzZ (Lucas), morador da Cidade Maravilhosa e responsável pelo instrumental da romântica “Nosso Santo Não Bate”, com letra de Átila e NGO.

Outro morador do Rio de Janeiro é o beatmaker Blahka Tao, vulgo de Romullo Sacramento, quem trouxe a batida de “DDD19”, um trabalhou em quatro mãos, contanto também com DimasEdo na produção, quem rima ao lado de Átila no som, com todas as palavras iniciadas com a letra “d”, mostrando a criatividade

da dupla. ZUMB1POUND, alcunha de Matheus de Freitas, de Mogi Guaçu, é o produtor da música que abre o projeto “Breve Desabafo Parte 2”, enquanto que a encerra tem a produção assinada por DimasEdo.

A mixagem e masterização do projeto, bem como a captação de vozes foram feitas em Mogi Guaçu, por João Gilberto e Allan Mello, no Viés Estúdio. Já o áudio visual foi feito por Letícia Vallate, de Sumaré – SP, responsável pela captação de vídeo e foto, direção, edição de clipes e fechando com chave de ouro com participação especial de atuação, no primeiro clipe.

A dupla Victor Banstarch & Rômela Batista, ambos moradores de Mogi Guaçu, participaram no projeto, mais especificamente em “Sound5 parte 2”, na captação de vídeo e foto e também na edição do clipe, onde Victor inclusive teve participação como figurante. Matraca (Matheus Eduardo, Mogi Guaçu) o quarto integrante do Primavera Nacional, também contribuiu para o projeto como artista gráfico, elaborando as artes de capa das músicas “Breve Desabafo Parte 2” e “DDD19”.

O primeiro “episódio” é a música “Breve Desabafo Parte 2”, onde Átila e NGO versam sobre o drama do Brasil, um país racista, onde ser resistência é obrigação. No segundo “episódio” a criatividade e genialidade é posta à prova em “DDD19”, com os MC’s Átila e DimasEdo que “desacreditados da decisão democrática” trazem em sua narrativa o passado, presente e futuro do Brasil, com todas as palavras iniciadas com a letra “d”, conectando o discurso com a faixa anterior.

Enquanto que no terceiro “episódio” Átila e NGO mudam o clima e trazem a love song “Nosso Santo Não Bate”. Depois do desabafo e de se mostrar na contenção, a dupla mostra como é importante falar de amor para não sermos consumidos pelo ódio que nos divide. E toda forma de amor é válida, como mostra o clipe, em que foram inseridas cenas de casais homos e héteros demonstrando afeto. E pra fechar essa primeira temporada de “Daria Um Filme”, a cypher “Sound5 Parte 2”, reunindo a contundência do rap da cena 019, com Siloque, de Águas de São Pedro, Mizote, de Mogi Guaçu, Inokoshi, do grupo ArteFatos Clan, de Mogi Mirim e Arthur (também do PN), em som que resume o Brasil atual e despreparo do desgoverno, pautado pela hipocrisia de uma sociedade falida, mas que traz a mensagem “E o que vier eu encaro!”

O projeto celebra a união de rappers e artistas da região 019 mostrando que o interior tem voz e coroa o Primavera Nacional, organizador da obra, como um dos mais importantes e influentes grupos do interior paulista, proporcionando oportunidades e espaço para seus pares no Hip Hop.

Sobre o Primavera Nacional

Primavera Nacional ou PN é um grupo de rap da região da Baixa Mogiana, interior de São Paulo, representante da cultura hip hop, mostrando a força do movimento na cena 019. O grupo nasceu no final de 2015, executando projetos sociais em fundações CASA e organizando saraus, com um trabalho 100% independente, desde a produção, composição e até mesmo as artes de divulgação.

A proposta do Primavera Nacional é levar a cultura do interior através do rap e do movimento Hip Hop para o mundo, o grupo também carrega em seu DNA a cultura africana e a luta contra quaisquer tipos de preconceitos.

Cinco anos depois de Piñata, o duo de emcee / produtor finalmente retornou com seu segundo álbum colaborativo, Bandana - lançado pela Keep Cool, uma subsidiária da RCA e da Sony Music, em conjunto com a ESGN e a Invazion de Madlib


"É por isso que estamos esperando e pelo que estamos nos esforçando", disse Gibbs sobre o movimento da grande gravadora. “Esta é uma oportunidade para competir com os melhores no melhor nível. Eu poderia entregar círculos em torno desses pequenos selos independentes. Eu quero estar lá em cima com os melhores rappers. porque é o que diabos eu sou".

O segundo lançamento de uma trilogia planejada (Montana é a próxima) que espelha uma filmografia de Quentin Tarantino, onde filmes desconectados compartilham elementos-chave, Bandana acha que os raps introspectivos de auto-fogo de Gibbs se sentem em casa com a produção empoeirada e exuberante de Lib. 

Apresentando a química que só melhorou ao longo da última meia década, o álbum não precisava de nenhuma contribuição externa, mas com um convidado como esse inclui Black Thought, Pusha T., Yaasin Bey, Anderson .Paak ("Giannis") e Killer Mike, é difícil argumentar contra isso. E quando você ouve um verso como Pusha em "Palmolive", você percebe que eles seriam tolos absolutos para tê-los excluídos.
Ouça:



Fonte: 2dopeboyz

Canção traz a vibração de Erykah Badu para o álbum, que chega às plataformas no dia 02 de agosto 

O primeiro single do álbum 'Mormaço - entre outras formas de calor', de Mel Duarte, chegou às ruas nesta sexta-feira (28). A canção, que é inspirada na energia sonora de Erykah Badu e brinca com os sentidos é a primeira do álbum de spoken, que será lançado em todas as plataformas no próximo dia 02 de agosto. 

"É uma faixa que te leva para longe. Fala de um encontro casual que termina muito bem no fim da noite", comenta Mel Duarte, que anuncia o primeiro disco, que chega com 10 faixas e é uma incursão mais profunda da poeta ao universo do spoken, ainda pouco explorado no Brasil, mas bastante celebrado por artistas norte-americanos de soul-jazz desde 1970, reforçando o uso da palavra em um contexto musical, apresentando uma nova vertente da poeta.

A música teve produção de DIA, bem como a programação, samples, pad e Efx’s, com letra e voz de Mel Duarte, bem como a produção executiva e contou também com Weslei Rodrigo no baixo elétrico, Renato Taimes no arranjo de guitarra e execução, Richard Fermino no arranjo de sopros, percussão com Sivuca e Nina Oliveira nos arranjos vocais e back vocal. 

Assista:



Sobre o Mormaço

Com produção musical de Dia que já assinou discos de “Tássia Reis”, “Rimas e Melodias”, “Brisa Flow” entre outras, o disco foi gravado no C4Studio e chega com poesias sobre amor, paixão, afeto, paixão e erotismo. Além de DIA, o álbum traz músicos como Renato Taimes (arranjo de guitarra e execução), Sintia Piccin (sax e flauta), Richard Fermino (multisopros), Sivuca (percussão), Jackson Silva (baixo acústico), Weslei Rodrigo (baixo elétrico), Marcelo Soares (arranjo de cavaco, violão e execução), que dão ao trabalho todo o conceito. A única música que o DIA não assina é “Ressaca” produzida por Peter Mesquita.

Para a apresentação deste trabalho, Mel Duarte mescla, no palco, música, ritmo e poesia acompanhada por banda com direção da atriz, cantora e MC Dani Nega. Com o próprio corpo, a voz e a performance, apresenta seus poemas em um espetáculo lítero musical, que proporciona a quem assiste, uma experiência sensorial e sinestésica única. 

Algumas faixas contam com participações especiais, como a das cantoras Bia Ferreira, Nina Oliveira e do Rapper Amiri e cada uma das 10 faixas será “ilustrada” por uma fotografia da baiana Helen Salomão que assina as fotos do disco “Bluesman” de Bacu Exu do Blues, transformando o Mormaço em um trabalho criativo e original que pode ser ouvido a sós, a dois ou em uma festa e foi pensado especialmente para emanar boas energias através dos poemas e dos sons ali contidos e experimentados. 

“A escolha do conceito, que passa pelo nome, é justamente por conta da sensação térmica que quero provocar em quem escutar o disco. Mormaço fala sobre afeto, sobre coisas que fazem o peito aquecer. Eu quero convidar as pessoas a esquentarem seus corpos – sem precisarem de sol. Quero apresentar outras formas de calor, só que através da minha poesia. A ideia é que as pessoas se permitam viajar em uma experiência sonora diferente”, destaca Mel.

Sobre a artista

Mel Duarte nasceu na primavera de 1988 em São Paulo (SP). É escritora, poeta, slammer, produtora cultural e atua com literatura desde 2006. Publicou os livros “Fragmentos Dispersos” (2013), “Negra Nua Crua” (2016, editora Ijumaa), “Negra Desnuda Cruda” (2018, ediciones ambulantes, Madrid, ES) e “Querem nos calar: Poemas para serem lidos em voz alta” (2019, Editora Planeta) É integrante da coletiva Slam das Minas – SP, batalha de poesias voltada ao gênero feminino e pessoas trans.

Em 2016 Mel foi destaque no sarau de abertura da FLIP (Festa Literária Internacional de Paraty) e foi a primeira mulher a vencer o Rio Poetry Slam (campeonato internacional de poesia) que acontece dentro da FLUP (Festa Literária das Periferias) no Rio de Janeiro. Em 2017,foi convidada a representar a literatura brasileira no Festilab Taag, em Luanda, Angola.

Por sete anos, Mel Duarte também integrou o coletivo “Poetas Ambulantes”, que distribui e declama poesias pelo transporte público.

Na publicidade, já integrou o casting de campanhas como #VaiGarota, do Banco Itaú (2018), Olla (2017), Natura (2017) e Fundação Telefônica- Pense Grande (2016). Mel Duarte também já esteve no TED x Talks em 2016 e 2017. Em 2019 é poeta convidada do Circuito Sesc Arte da Palavra. 

Mais informações em: www.instagram.com/melduartepoesia

Hericlis e Estranho liberam Ippo, sua homenagem a luta e superação dos excluídos.

A ideia de Ippo surgiu de uma conversa casual entre os artistas, quando Hericlis relatava alguns problemas pessoais e que estava levando uma surra da vida. Neste momento, Estranho disse a ele que parecia o Ippo, um personagem de um anime sobre boxe que apanha em todos os rounds, mas sempre vence no final.

Ao assisti-lo, Hericlis teve empatia com o personagem, observando o quanto seus problemas pessoais assemelhavam-se ao mesmo. Além disso, ficou admirado com a capacidade de superação de Ippo. Desta forma, convidou o Sergio para fazer esse som como tributo a todos aqueles que estão passando por mal bocados, para que possam achar conforto e força ao ouvir a track.

Assista:


Biografia do Artista:

Hericlis é um Cantor-Compositor Alternativo e Produtor Rap\Hip-Hop. Nascido em 1999 em Santos- Sp e Criado no Estuário do Guarujá ‘’ Itapema ‘’ Começou em época de escola, aos 13 anos produzindo seus amigos que cantava funk tendo o primeiro contato com estação de trabalho áudio digital, onde conheceu a produção de hip-hop (Fl Studio) e sendo incentivado pelos próprios amigos a também escrever e cantar, iniciando suas primeiras formações em crew’s de rap, e apresentações locais. Em 2018 Lançou sua primeira faixa solo, de estúdio efêmero, com a produção do Rapper Carioca Mahal Reis, Com influência poética brasileira, como augusto dos anjos e carlos drummond, e ritmos excêntricos que dão todo um cenário experimental para cada rap, o artista santista expõe sua versatilidade musical, com influências no soul, mpb, indie, drill e rock industrial misturando rimas sobre seu cotidiano conturbado, com samples nostálgicos e distorções que parecem que saíram dos antigos video-games, não esconde sua influência cinematográfica e sua paixão por animes. O músico não não se considera um rapper ou que pertence um gênero, exalta ‘’ - as possibilidades artísticas são infinitas, para eu me dar um gênero ‘’ Hericlis ganha destaque no underground brasileiro lançando seu estilo próprio e trabalhando com versatilidade artística carregado de referências, transformando a em um estilo único em evidência.


RT Mallone inicia os trabalhos do próximo disco com a dançante "Okay”, que tem produção de ABNR e Negus.

A faixa trabalha com essa ideia do "sim eu posso, eu quero" principalmente sob a ótica do povo preto e periférico. Muito além de ter ou não dinheiro, o single é como uma oração de prosperidade para que todo mundo um dia possa dizer "Okay, eu quero!"

O videoclipe é uma produção da Artefato com a 3 Reis Filmes e é o primeiro de quatro que foram gravados em Juiz de Fora, cidade do artista.

Assista:


SHOW DE LANÇAMENTO DO ESPERADO DISCO “KL JAY NA BATIDA VOLUME II” ACONTECE NO SESC POMPEIA DIAS 4 E 5 DE JULHO.

“No quarto sozinho” reúne 26 MC’s que traduzem e conectam a cena com diferentes gerações, flows e estilos do Hip Hop

O segundo volume de uma trilogia que começou com o “KL Jay na Batida Volume III- Equilíbrio- A busca” lançado em 2001, chega 18 anos depois, após um lento e cuidadoso processo de oito anos entre estúdio, mixagem e garimpos.

O resultado- “KL Jay na Batida Volume II- No quarto sozinho”, é um disco do século 21, com raízes muito bem fincadas nas origens, e reflete um quarto onde cabem mais de 08 mil discos, encontros consigo mesmo, com a música, questões sobre a vida, o Hip Hop, e o estado das coisas no mundo, a partir da visão de um DJ com 30 anos de carreira que transita pelas pistas de todo o Brasil.

Com ouvidos apurados, sensíveis e exigentes, DJ KL Jay, manteve o mesmo critério do primeiro disco “conectar MC’s, consagrados e iniciantes”, que traduzem o melhor da cultura Hip Hop, compartilhando experiências e alimentando a cena com o que há de mais vivo e original, no encontro de flows singulares, autênticos, e extremamente talentosos.

O disco é uma verdadeira falange urbana, e nesse “quarto” entre manchetes, jornalísticas que demarcam um tempo, e samples extraordinários, ecoam as batidas poéticas e implacáveis de 31 MC’s. No palco estarão, Edi Rock, Rincon Sapiência, Mc Guimê, Sandrão (Rzo), Kamau, Xis, Akira Presidente, Aori, Flow Mc, DJ Will, Jota Guetto, Lay, Nathy MC, ZLCA, Cezar Sotaque, DJ Roger P3, Hanifah, X Da Questão, DJ Kalfani, Fator do EG, Filiph Neo, Emmy Jota e Renan Samam.

São 15 faixas com produção de DJ KL Jay, DJ Will, Sem Grana, Mister Break, Renan Saman e DJ Kalfani, além da locução e texto das Jornalistas Leandra Silva e Joyce Ribeiro. Uma obra de folego que justifica o intervalo de quase duas décadas. Quem vier verá!


O novo trabalho de DJ WTom, Pezão e Bodybrinho tem produção e direção de Policeno, da Liderativo. Gravado durante um passeio de lancha pelo Riacho Grande, em São Bernardo, próximo a estrada velha de Santos, o som reflete sobre os conhecimentos adquiridos na rua em um ambiente mais descontraído e em contemplação a natureza.

''Escolhemos um cenário diferente, mas enquanto percorríamos os 7 km da represa Billings, seguimos fazendo rap de protesto. É uma ideia positiva, correta e verdadeira, mas estamos em um momento de lazer, entre os parças e a família, a quebrada também tira um lazer.'' Explica Brinho.

Assista em primeira mão:


+ Aliados da Sul

O grupo de rap da zona sul de SP se tornou referência ao apresentar o estilo original gangsta RAP com uma roupagem atual. O primeiro trabalho dos parceiros de Heliópolis foi apresentado o ano passado no álbum "A Faculdade é das ruas", que conta com produções do DJ Pantera. As 16 faixas (Noix Voltamos, Quebrada (Helipiranga), Liga Us Chapa, Além do Mar, Manifesto, Malote dos 100Mil, Dinheiro, Cruzeiro Real, Planos & Sonhos, Faculdade das Ruas, Politikus, Diversão, Trajetória, Mente Blindada e Aliados), gravadas pelo selo Estrondo Beats, mostram a identidade do grupo que sempre pensou em fazer RAP para amenizar as diferenças sociais e alertar o povo sobre seus direitos. Confira o lyric vídeo da faixa Politicus e o vídeo clipe deFaculdade das Ruas (part1), gravado também por Fernando Policeno, com a participação de vários aliados da quebrada. Sempre envolvidos com a comunidade, são os principais organizadores de uma das festas mais clássicas da cultura de rua "Festa do Peraltas", onde além de proporcionar o encontro de vertentes da arte urbana, apresenta sempre grandes shows onde levaram o Aliados a dividir palco com grandes nomes da música como Afrika Bambaataa, Mato Seco, Xande de Pilares,Edi Rock e Kl jay (RacionaisMc´s), Facção Central, Rappin Hood, Potencial 3 entre outros.

Confira as redes sociais do grupo Aliados da Sul:



quinta-feira, 27 de junho de 2019


O jovem MC Caverinha lança seu mais novo som, "Favelado Também Pode" com participação de um dos grandes nomes do Trap brasileiro, Dfideliz, da Reycad Mob.

Pra quem ainda não conhece o Caverinha, ele ficou famoso após um vídeo seu cantando rap viralizar. E desde então o jovem rapper vem a cada dia ganhando seu espaço na cena.

Assista:



E vem novidade por aí! Naza MC anunciou essa semana que lançará no mês de julho o seu álbum solo intitulado “Naza - De Volta para o Futuro”. O MC, compositor e integrante do duo porto-alegrense Southside, afirma que o projeto servirá para resgatar muitas influências clássicas para ele e trará em sua essência letras atuais que abordam o que o futuro o reserva.

O disco está sendo construído por meio de experimentos musicais, mesclando groove, RnB, boom bap, e Soul. Além disso, o projeto também bebe da fonte do gangsta rap, discorrendo sobre a vivência nas ruas e abordando assuntos como amor de uma forma diferente.

Como uma prévia do que está por vir, Naza divulgou que a faixa “O Mundo é Seu”, em parceria com Madame Gaby integrará o álbum. O som foi feito em 2014, quando o MC estava focado nos projetos da dupla juntamente a Febehco e desenvolvia uma mixtape independente do Southside.

Dois anos depois, já trabalhando com o produtor musical Mike Maidana e com a Konvictus Records, Naza regravou a música e junto da nova versão lançou um videoclipe dirigido pelo selo e pelo Leonardo Medeiros.

“O Mundo é Seu” conta com beat do Djallmatic e fala sobre a trajetória de Naza, ambições e motivação para que nunca deixemos de acreditar em nós mesmos e em nossos sonhos.

Assista:


Acompanhe o Naza MC no Facebook e no Instagram.
Plataforma contempla fãs do Racionais MC’s com conteúdo exclusivo e faz ativações em shows durante a turnê que celebra os 30 anos do grupo

Foto: divulgação

O TIDAL - plataforma global de streaming de música e entretenimento, firma parceria com o grupo Racionais MC’S durante a turnê “Racionais 3 Décadas – Tour 2019”, que celebra os 30 anos de carreira do quarteto formado por Mano Brown, Edi Rock e Ice Blue e o DJ KL Jay, considerado o mais relevante grupo de rap do país, e contará com shows nas principais capitais do país.

O setlist dos shows fará um retrospecto da carreira do Racionais trazendo músicas de todos os discos do grupo, desde “Tempos Difíceis” e “Pânico na Zona Sul”, passando por “Voz Ativa”, “Homem na Estrada”, “Capítulo 4 Versículo 3”, “Negro Drama”, entre outras composições mais recentes.

A plataforma disponibiliza para os seus assinantes, a primeira das quatro playlists exclusivas curadas pelos integrantes da banda. A playlist inicial leva a assinatura de KL Jay e conta com 19 faixas que vão do Jazz, Rap, MPB ao Eletrônico, com grandes nomes da música nacional e internacional como Marvin Gaye, Elis Regina além de composições do próprio Racionais, como ‘O Mau e o Bem’. A playlist também conta com tracks como ‘Don’t Cha Know’, de Chaka Khan e ‘Tunji’ de John Coltrane, que fazem parte da seleção pessoal de KL Jay.

Além disso, serão realizadas ativações em três shows da turnê: no dia 20 de julho, em Florianópolis, no dia 24 de agosto, no Rio de Janeiro e no dia 12 de outubro em São Paulo, entre outras surpresas.

Para o TIDAL, fazer parte da turnê de 30 anos da carreira do Racionais MC’s é importante por conta da conexão única dos fãs com a banda, esse momento não revela apenas a evolução da obra do Racionais, mas sim o profundo conhecimento e impacto sócio cultural que o grupo tem no país.

“Estamos honrados de fazer uma parceria com um grupo tão icônico como esse”, diz Lior Tibon. “O Racionais MC’s é uma peça tão importante na história da música brasileira e nós sabemos que os nossos usuários irão amar desfrutar as playlists exclusivas e experiências nos shows.”

Para o Racionais MC’s, a parceria com o TIDAL marca um momento único na carreira do grupo. "Já era tempo de fecharmos essa parceria com o TIDAL. A qualidade de som para o Racionais é requisito fundamental na hora de ouvir uma música. Quando junta som e serviço o seu público vibra", diz Eliane Dias, empresária do grupo e CEO da Boogie Naipe.

O TIDAL tem um papel fundamental em amplificar a ideologia do rap nacional na divulgação das playlists exclusivas do grupo. Esses valores vão de encontro a proposta da plataforma, de conectar os amantes da música com os seus artistas preferidos. Confira o conteúdo da playlist em: https://listen.tidal.com/playlist/c6b1a773-addd-4f85-8135-cbd4f80bc466


#TIDALXRacionaisMCs

Sobre o TIDAL

O TIDAL é uma plataforma global de streaming de música e entretenimento que aproxima artistas e fãs através de conteúdo original e único e de eventos exclusivos. Disponível em 53 países, o serviço de streaming tem mais de 60 milhões de músicas e 250 mil vídeos em alta qualidade em seu está catálogo, além de séries de vídeos originais,podcasts, milhares de playlists habilmente selecionadas e descoberta de artistas via TIDAL Rising. O TIDAL está disponível nos planos Premium e HiFi - que inclui músicas com Qualidade Master Autenticada.

Todas as playlists editoriais do TIDAL são curadas por especialistas em música e a plataforma oferece uma série de benefícios para os seus assinantes, entre eles: acesso a todo catálogo com qualidade de áudio superior com resolução limitada a 44.1 kHz /16 bit; acesso a álbuns em qualidade Master autenticada pela MQA, geralmente 96 kHz / 24 bit, recurso musical que representa a versão mais fiel disponível da obra do artista.

Conteúdo produzido por Melina Tavares

quarta-feira, 26 de junho de 2019


Os artistas Ready Neutro e Uami Ndongadas, dois fazedores de rap, o primeiro veterano com créditos firmados e o segundo com carreira promissora, juntaram-se pela primeira vez para emprestarem as suas vezes ao tema "Cazola", música de autoria de Dj Ritchelly.

Disponível para o público desde o início da semana, Cazola retrata o “modus vivendi” das periferias de Luanda. O vídeo clip, que foi gravado no município do Rangel, contou com a assinatura da “Bem Bem Workz” que se encarregou pela direção, filmagem e edição.

Notável impulsionador do estilo rap na atualidade, em particular da nova vaga, Dj Ritchelly tem periodicamente disponibilizado trabalhos com o intuito de dar visibilidade aos novos artistas. Dentre eles destacam-se os TWOLI CYPHER, um Cypher que tende inicialmente a juntar novos talentos com grande potencial e “A Recolha”, compilações de músicas de artistas da nova escola que já vai no seu sétimo volume.

Assista:


Musica Cazola:



Sobre Dj Ritchelly

Rui Ritchelly Benoliel Ferreira mais conhecido por Dj Ritchelly nascido aos 05 de Outubro de 1992 em Luanda apaixonou-se pela música quando ainda pequeno. Aos 9 anos, o menino Ritchelly já gravava cassetes por influência do seu Tio Terêncio Africano que na altura trabalhava na Rádio Luanda. Rui Ferreira foi aumentando esse gosto e em 2002 quando recebe o seu primeiro computador teve a ideia de colecionar músicas, gravando assim CDs, o que resultou numa “mala de discos”, a arma de todos os DJs. Com a ajuda de seus tios surge DJ Ritchelly que aos 13 anos começou por tocar em festas de família. Em 2006 conhece Cláudio Silva A.k.a “DJ Bolinha” e José Henriques “DJ Wateva” vizinhos de Ritchelly no Projeto Nova Vida, os dois DJs e amigos contribuíram imenso para evolução do DJ Ritchelly.
Em 2007 DJ Ritchelly consegue o seu primeiro contrato para tocar em um pedido, passando assim de amador para profissional. O jovem DJ impressionou com a sua performance e como consequência ganhou mais contratos. Rui Ferreira foi evoluindo e no final de 2008 decidiu modificar a sua forma de “tocar” optando mais pelos estilos Hip-Hop, Rap, R&B e Dance-Pop, dai surge a grande paixão pelo Hip-Hop alimentada pelos inúmeros vídeos e noticias que assistia sobre esse estilo de música nos canais televisivos como MTV e Trace Urban sob influência de sua irmã e da tia.

A música ‘Radinho&Parafal’ faz parte de um novo ciclo na carreira do mc, sendo a segunda de um ciclo total de 6 músicas, previsto para o ano de 2019.

O single conta com o beat envolvente de MRND (142 Rec.) e produção de Wu (MWRAP Produções) ambos grandes referências da cidade Campinas.

Abrangendo vertentes, visando mercado, Banzé em colaboração com o rapper L$, traz com essa musica o swing e poder que toda Mulher tem sobre a terra, com palavras ousadas mas delicadas. O artwork é assinado por Murf (Griot Rec.) Para você que leu até o final, mês de Agosto tem lançamento com clipe do single Traficando Tendência feat TrinkaRap.

Confira: 

terça-feira, 25 de junho de 2019


Emicida vem fazendo barulho nas redes sociais após divulgar que após quase cinco anos, vai lançar um álbum. recentemente o rapper paulista, lançou o clipe de seu single “Eminência Parda". Mês passado o MC anunciou mais duas participações de seu terceiro álbum de estúdio. O rapper se reuniu em estúdio para gravação de uma faixa com Pabllo Vittar e Majur. 



Hoje, em 25 de junho, ao lado de Majur e Pabllo Vittar, o Emicida lança o clipe “AmarElo”

O som foi escrito por Emicida e produzido por Felipe Vassão e Dj Duh e direção geral do Evandro Fioti


Assista:

Um membro da equipe Vagabond da França compete em uma batalha de break durante a Final Mundial em Essen, na Alemanha, em 21 de outubro de 2017. O evento é considerado o campeonato mundial não oficial de breakdancing. Friedemann Vogel / EPA


O COI também anunciou terça-feira que skate, escalada esportiva e surf foram provisoriamente adicionados ao programa olímpico de 2024. Esses três esportes vão estrear em Tóquio 2020, mas não foram garantidos lugares no programa olímpico para além do próximo ano. 

"Eles contribuem para tornar o programa mais equilibrado em termos de gênero e mais urbano, e oferecem a oportunidade de se conectar com a geração mais jovem", disse o presidente do COI, Thomas Bach, em um comunicado à imprensa. “Os esportes propostos estão alinhados com esses princípios e aprimoram o conceito geral dos Jogos dinâmicos de Paris 2024, que se concentra na inclusão, inspirando um novo público e hospedando Jogos socialmente responsáveis.” 

O Conselho Executivo do COI tomará a decisão final sobre o programa do evento de Paris 2024 em dezembro de 2020, mas nenhum outro esporte poderá ser proposto para inclusão. Isso significa que o beisebol e o softball, que retornam às Olimpíadas no ano que vem, não estarão no programa olímpico de 2024. Esses esportes ainda podem ser adicionados para os jogos de 2028 em Los Angeles. 

Breaking estreou nos Jogos Olímpicos da Juventude no ano passado, onde os EUA não tiveram nenhum atleta. Sergei "Bumblebee" Chernyshev da Rússia e Ramu Kawai do Japão conquistaram medalhas de ouro. 

Breaking nunca havia participado de uma votação para a inclusão olímpica, mas a Federação Mundial de Dança é reconhecida pelo COI. 

Os adolescentes: Bad Matty, Senorita Carlota e KennyG, enfrentaram batalhas de dança nas Olimpíadas da Juventude em Buenos Aires no ano passado. Eles se apresentaram em uma esteira numa quadra de basquete ao ar livre ao som de uma batida e apresentações. 

Os juízes determinaram os vencedores usando seis critérios: criatividade, personalidade, técnica, variedade, perfomance e musicalidade. 


"Breaking é um estilo de dança urbana", segundo a Olimpíada da Juventude. "O estilo de dança urbana originou-se em meados da década de 1970 no bairro do Bronx, em Nova York".


Fonte: NBC Sports
Red Bull BC One Camp Brazil reúne de 5 a 7 de julho diversos eventos dedicados à street dance no CCSP; No domingo (7/7), ocorre a disputa da final nacional do maior campeonato de breaking 1x1 do mundo, com b-boys e b-girls duelando por vaga na final global, que será na Índia, em novembro

B-boy Samuka - final BC One Suíça - Romina Amato Red Bull Content Poo
Maior campeonato de breaking do mundo chega a SP com três dias de atividades sobre danças urbanas

Red Bull BC One Camp Brazil reúne de 5 a 7 de julho diversos eventos dedicados à street dance no CCSP; No domingo (7/7), ocorre a disputa da final nacional do maior campeonato de breaking 1x1 do mundo, com b-boys e b-girls duelando por vaga na final global, que será na Índia, em novembro

O Red Bull BC One realiza pela primeira vez no Brasil uma edição do seu "Camp": imersão de três dias focada no breaking e em outros estilos de dança que nasceram nas ruas das grandes cidades. De 5 a 7 de julho, o Centro Cultural São Paulo (CCSP) terá workshops, palestras, batalhas e a grande final nacional do Red Bull BC One, o maior campeonato de breaking 1x1 do mundo, com b-boys e b-girls de todo o país. Os vencedores dessa cypher garantem presença na final global a ser realizada na Índia, no dia 9 de novembro. O evento chega num momento oportuno para a dança de rua no país e também globalmente, já que o breaking é um dos esportes cotados para fazer parte das Olimpíadas de Paris, em 2024.

Final nacional do Red Bull BC One em 2018, realizada no Red Bull Station [Fábio Piva/Red Bull Content Pool]

Além da cypher de São Paulo, que escolherá um b-boy e uma b-girl para a final do Red Bull BC One no sábado, o evento promove outras batalhas de estilos como popping, house e hip-hop, todas valendo prêmios em dinheiro e com inscrições abertas e gratuitas (informações detalhadas estão no final deste release). Os workshops, voltados principalmente para quem já tem experiência com dança, contemplam vertentes que vão da house ao passinho, estilo que surgiu nas favelas do Rio de Janeiro e tornou-se sucesso no mundo inteiro devido à popularização do funk carioca.

Quem estará à frente das principais atrações do Red Bull BC One Camp Brazil são as maiores estrelas do breaking mundial. Os b-boys Menno (da Holanda), Lil Zoo (da Áustria, atual campeão mundial) e Sunni (da Inglaterra) serão jurados de batalhas e farão apresentações para o público; além disso, Pelezinho e Neguin (único brasileiro a ganhar o troféu mundial do Red Bull BC One), dois heróis locais da dança de rua, também estarão deliberando nas batalhas, ministrando workshops e dançando com a galera.

De acordo com Pelezinho, que será um dos jurados das cyphers que escolherão a melhor b-girl do Brasil, a expectativa em torno do Red Bull BC One Camp Brazil está alta. "Um 'camp' é muito importante para a nossa cena, tanto local quanto nacionalmente, pois trará, além das disputas, bastante conteúdo que será bem aproveitado pelos competidores. É uma boa oportunidade para qualquer dançarino crescer". "Como é o evento mais esperado do ano para a cena, o nível dos competidores vai estar altíssimo, e as disputas serão como nunca vistas antes. Haverá muita dedicação", diz FabGirl, que estará entre as juradas da final nacional de b-boys.

FabGirl, Neguin e Pelezinho, astros nacionais do breaking que estarão no evento



O evento é gratuito tanto para quem vai competir quanto para quem só quer assistir às batalhas ou participar das oficinas. Os dançarinos devem procurar o guichê de inscrições no CCSP das 10h às 14h, no dia do evento para o qual pretende se inscrever. As vagas são limitadas e preenchidas por ordem de chegada.


Confira a programação completa do Red Bull BC One Camp Brazil:



SEXTA-FEIRA, 


5 de julho de 2019



Sala de Ensaio 1



[Espaço de workshops]


14h30 - Workshop de Breaking I

O dançarino Neguin, membro do seleto grupo Red Bull BC One All Stars e único brasileiro a conquistar um troféu mundial do Red Bull BC One, ensina passos de breaking inspirados em movimentos da capoeira, uma de suas especialidades. A característica do breaking é a dança no chão, com movimentos acrobáticos realizados no nível do solo.

Local: Sala de Ensaio 1. Duração: 90 min. Vagas: 55

Inscrições: Devem ser feitas na sexta-feira (5/7), das 10h às 14h, no guichê instalado no CCSP (sujeitas à lotação).

17h30 - Palestra ˜Coaching para Dançarinos de Alta Performance˜

Bate-papo de coaching funcional para dançarinos de alta performance ministrada por Tami Saito, coach especializada em esporte que já trabalhou com atletas como Muller, Fabiana Marcelino e Edmilson.

Local: Sala de Ensaio 1. Duração: 120 min. Vagas: 55

Inscrições: Devem ser feitas na sexta-feira (5/7), das 10h às 14h, no guichê instalado no CCSP (sujeitas à lotação).

20h - Workshop "Produção de Vídeos de Dança"

O eslovaco Marcel Vaľko, da The Legits, ministra esta aula. Com 13 anos de experiência em produção de vídeo e 10 anos de produção de design gráfico, ele se juntou à famosa empresa The Legits em 2013, onde atua hoje como diretor criativo e editor-chefe dos vídeos da marca. Além disso, é b-boy ativo desde 2001 e também DJ, participando e duelando em eventos de hip-hop ao redor do mundo. Nesta oficina, ele dará dicas de como fazer um vídeo de dança perfeito, usando sua experiência em produção e criatividade.

Local: Sala de Ensaio 1. Duração: 60 min. Vagas: 55.

Inscrições: Devem ser feitas na sexta-feira (5/7), das 10h às 14h, no guichê instalado no CCSP (sujeitas à lotação).

21h30 - Workshop de Breaking II

Membro do seleto grupo de dançarinos Red Bull BC One All Stars e atual campeão mundial do Red Bull BC One, o austríaco Lil Zoo ministra uma aula para quem quer aprender a fazer alguns de seus famosos movimentos.

Local: Sala de Ensaio 1. Duração: 90 min.Vagas: 55

Inscrições: Devem ser feitas na sexta-feira (5/7), das 10h às 14h, no guichê instalado no CCSP (sujeitas à lotação).

Sala Adoniran Barbosa

[Arena de Batalhas]

14h30 - Cypher Livre

Nesta cypher, como o nome já diz, o público é convidado a subir à arena e dançar livremente. Haverá a escolha dos melhores em movimentos de breaking, como windmills, flares and air flares contests e também uma batalha em que a galera batalha com chinelos (quem deixar cair o calçado durante os movimentos é desclassificado). Não é necessário fazer inscrição, só chegar e participar, e os vencedores não recebem prêmio em dinheiro.

18h30 - Batalha de Hip-Hop (Qualificatórias)

Qualificatória para as finais da batalha do estilo hip-hop, valendo prêmio em dinheiro de R$ 1 mil. As inscrições para dançarinos que desejam competir são gratuitas.

Local: Sala Adoniran Barbosa. Vagas: 40.

Inscrições: Devem ser feitas na sexta-feira (5/7), das 10h às 14h, no guichê instalado no CCSP (sujeitas à lotação).

20h - Batalha de Popping (Qualificatórias)

Qualificatória para as finais da batalha do estilo popping, valendo prêmio em dinheiro de R$ 1 mil. As inscrições para dançarinos que desejam competir são gratuitas.

Local: Sala Adoniran Barbosa. Vagas: 40.

Inscrições: Devem ser feitas na sexta-feira (5/7), das 10h às 14h, no guichê instalado no CCSP (sujeitas à lotação).

21h30 - Batalha de House (Qualificatórias) 

Qualificatória para as finais da batalha do estilo house, valendo prêmio em dinheiro de R$ 1 mil. As inscrições para dançarinos que desejam competir são gratuitas.

Local: Sala Adoniran Barbosa. Vagas: 40.

Inscrições: Devem ser feitas na sexta-feira (5/7), das 10h às 14h, no guichê instalado no CCSP (sujeitas à lotação).

SÁBADO, 


6 de julho de 2019



Sala de Ensaio 1



[Espaço de workshops]


17h30 - Workshop de House I

Oficina de house, modalidade que vem dos bailes de house music de Chicago e tem passos complexos de pernas rápidas combinados com movimentos fluídos do tronco, ministrada pelo dançarino Kapela.

Local: Sala de Ensaio 1. Duração: 90 min.Vagas: 55

Inscrições: Devem ser feitas no sábado (6/7), das 10h às 14h, no guichê instalado no CCSP (sujeitas à lotação).

19h30 - Workshop de Hip-Hop I

Oficina do estilo chamado hip-hop, cuja principal característica é a malemolência com movimentação híbrida de mãos, pernas e quadril. Quem ministra é a dançarina sueca Niki.

Local: Sala de Ensaio 1. Duração: 90 min.Vagas: 55

Inscrições: Devem ser feitas no sábado (6/7), das 10h às 14h, no guichê instalado no CCSP (sujeitas à lotação).

21h30 - Workshop de Popping I

Oficina de popping, movimento de dança marcado pela técnica de contrair e relaxar os músculos rapidamente para causar um empurrão no corpo chamado de "pop" ou "batida", guiada pelo dançarino Trakinas.

Local: Sala de Ensaio 1. Duração: 90 min.Vagas: 55

Inscrições: Devem ser feitas no sábado (6/7), das 10h às 14h, no guichê instalado no CCSP (sujeitas à lotação).

Sala Adoniran Barbosa

[Arena de Batalhas]

14h30 - Batalha de Hip-Hop (Finais)

Os oito melhores competidores escolhidos nas qualificatórias se enfrentam para saber quem será o campeão. Quem julgará os movimentos dos participantes serão Niki, Pikolé e Edson Guiu.

16h - Batalha de House (Finais)

Os oito melhores competidores escolhidos nas qualificatórias se enfrentam para saber quem será o vencedor. Os jurados serão os especialistas Kapela, May e Nenê.

17h - Puma Session

Espaço em que a marca Puma convida heróis locais da dança para uma apresentação ao público.

18h - Red Bull BC One Cypher São Paulo - B-Boys

A batalha, a principal da noite, escolherá os últimos competidores para disputar a final nacional, a Red Bull BC One Cypher Brasil, realizada no dia seguinte. Eles se juntarão aos dançarinos já escolhidos durante as cyphers regionais, realizadas de janeiro a junho deste ano em diversas cidades brasileiras, como Manaus e Fortaleza.

Local: Sala Adoniran Barbosa. Vagas: 150.

Inscrições: Devem ser feitas no sábado (6/7), das 10h às 14h, no guichê instalado no CCSP (sujeitas à lotação).

21h - Batalha Break Down The House

Trata-se de uma disputa de duplas, cada uma formada por um dançarino(a) de house + b-boy/b-girl. Os competidores serão escolhidos pelos especialistas Kapela e Neguin (portanto, a batalha não terá inscrições abertas para competidores).

DOMINGO, 


7 de julho de 2019



Sala de Ensaio 1



[Espaço de workshops]


15h - Workshop de Breaking III

O dançarino holandês Menno, membro do seleto grupo Red Bull BC One All Stars e campeão mundial do Red Bull BC One em 2017, ensina passos de breaking.

Local: Sala de Ensaio 1. Duração: 90 min.Vagas: 55

Inscrições: Devem ser feitas no domingo (7/7), das 10h às 14h, no guichê instalado no CCSP (sujeitas à lotação).

17h - Workshop de Popping II

Oficina de popping guiada pela dançarina francesa Deydey, integrante da crew Zamounda.

Local: Sala de Ensaio 1. Duração: 90 min.Vagas: 55

Inscrições: Devem ser feitas no domingo (7/7), das 10h às 14h, no guichê instalado no CCSP (sujeitas à lotação).

19h - Workshop de House II

Oficina de house ministrada pelo dançarino brasileiro Nenê.

Local: Sala de Ensaio 1. Duração: 90 min.Vagas: 55

Inscrições: Devem ser feitas no domingo (7/7), das 10h às 14h, no guichê instalado no CCSP (sujeitas à lotação).

21h - Workshop de Passinho

Com o objetivo de trazer um pouco do universo do passinho, estilo de dança que surgiu há alguns anos nos bailes das favelas cariocas e se popularizou rapidamente, a oficina será guiada pelo dançarino do Rio de Janeiro Michel Quebradeira Pura, um dos grandes especialistas no estilo que já participou de eventos mundiais, como as Olimpíadas. A ideia também é mostrar como os praticantes de qualquer vertente de street dance podem se beneficiar da utilização do passinho em suas apresentações.

Local: Sala de Ensaio 1. Duração: 90 min.Vagas: 55

Inscrições: Devem ser feitas no domingo (7/7), das 10h às 14h, no guichê instalado no CCSP 

Sala Adoniran Barbosa
[Arena de Batalhas] 

14h30 - Batalha de Popping (Finais)

Os oito melhores competidores escolhidos nas qualificatórias se enfrentam para descobrir quem será o campeão. Os jurados serão Renanted, Trakinas e Deydey.

16h - Red Bull BC One Cypher São Paulo 2019 - B-Girls

Nesta cypher, 40 garotas disputarão uma das 16 vagas reservadas à final nacional, que ocorre logo a seguir, com as melhores competidoras.

Local: Sala Adoniran Barbosa. Vagas: 40.

Inscrições: Devem ser feitas no domingo (7/7), das 10h às 14h, no guichê instalado no CCSP

17h30 - Red Bull BC One Cypher Brazil 2019 - B-Girls

Final nacional da batalha de b-girls, em que 16 garotas competem pelo título nacional, mostrando seus movimentos para o júri formado por Menno, FabGirl e Pelezinho. A campeã vai para Índia disputar em novembro a final global ao lado das melhores b-girls do mundo.

19h30 - Red Bull BC One Cypher Brazil 2019 - B-Boys

Evento em que os 16 melhores b-boys do país (classificados em cyphers regionais, na cypher de São Paulo e escolhidos pelo time de especialistas da Red Bull) lutam pelo troféu de melhor b-boy do Brasil. O vencedor garante participação na final mundial, realizada em novembro, na Índia, mas precisa passar pelo crivo do trio de jurados formados por FabGirl, Neguin e Menno.

21h30 - 3X3 Exhibition Battle

A exibição trará alguns dos melhores dançarinos de breaking do mundo em uma batalha livre. O time internacional, com integrantes do Red Bull BC One All Stars, será formado pelos b-boys Sunni, Lil Zoo, Menno. Já o nacional, chamado de Brazil All Stars, terá Bart (atual campeão nacional), Leony (três vezes campeão brasileiro) e Branco.


SERVIÇO GERAL:


Red Bull BC One Camp Brazil

Data e horário: Sexta-feira a domingo, dias 5, 6 e 7 de julho, a partir das 14h30

Local: CCSP - Centro Cultural São Paulo

Endereço: Av. Vergueiro, 1.000, Paraíso, São Paulo. Tel.: (11) 3397-4002

Ingressos: Gratuitos, sujeitos à lotação do local de 600 pessoas

Classificação etária: Livre

Conteúdo produzido por Agência Lema