terça-feira, 25 de setembro de 2007

Mano Brown compara traficante de drogas a comerciante


O rapper Pedro Paulo Soares Pereira, conhecido como Mano Brown, líder do grupo Racionais MCs foi o entrevistado desta segunda-feira no programa Roda Viva da TV Cultura. Avesso a entrevistas, o programa ao vivo foi uma das raras aparições de Brown na televisão. No Roda Viva o cantor falou sobre temas polêmicos, como a questão racial, a violência nas periferias e disse que "os traficantes de drogas são apenas comerciantes".

"O cara que vende cocaína é igual ao que vende pinga, cerveja. O que faz mais mal, um como de pinga ou um cigarro de maconha? Mas o cara que vende pinga não vai preso, ninguém da Ambev vai para a cadeia, porque eles não são pretos, não moram na periferia", argumentou o rapper, que disse que preferia viver "em um mundo onde ninguém precisasse de nenhuma droga para viver bem".

O programa ao vivo foi apresentado pelo jornalista Paulo Markun, e contou com os apresentadores: Maria Rita Kehl (psicanalista); Paulo Lins (escritor, professor de literatura e roteirista de cinema); Renato Lombardi (comentarista da TV Cultura); Ricardo Franca Cruz (editor-chefe da revista Rolling Stone Brasil); José Nêumane (editorialista do Jornal da Tarde e comentarista da Jovem Pan e SBT); e Paulo Lima (revista Trip).

Diferente da imagem carrancuda que exibe em shows e clipes do grupo Racionais MCs, Brown estava bem humorado e disse que não serve de exemplo para ninguém. O rapper, que cresceu sem o pai, se considera ausente na criação dos filhos, e diz que não gosta de expor a família "para que ela dure mais".

Profissão perigosa
Segundo ele, cantar rap no Brasil é uma profissão perigosa. "Aqui não é como no rap americano, que eles falam de fantasia. Aqui se eu cantar algo que eu não vivi, eu sou cobrado na rua. E eu canto a rua, eu vivo na rua, então é perigoso".

Os companheiros de Brown no grupo estavam na platéia. Falando com muitas gírias, Brown mostrou seu apoio ao presidente Lula, dizendo que sempre votou no PT e que não espera nenhum benefício por isso. "O Lula está certo. Não é da índole dele entregar um amigo que errou. Se provarem que o cara estava errado, aí tem que punir, mas ele não entregaria", diz o músico.

Exemplo
"Não sou exemplo. Meu rap não é professor, é companheiro. De vez em quando dou umas orelhadas conselhos para os parceiros, mas não tenho um discurso. Sou livre e sou cidadão, brigo por isso", diz o rapper que afirma que uma das coisas que o tiram do sério é seu timo do coração, o Santos Futebol Clube.

Recentemente ele foi detido em um jogo do Santos contra o Corinthians no estádio do Pacaembu por se envolver em uma briga. O músico foi liberado em seguida.

Pirataria
Mano Brown diz que a pirataria é algo incontrolável, e que tem "diversos amigos no ramo". Para ele, o ambulante que vende seus discos piratas funciona como uma rádio, que divulga sua música sem que ele receba nada em troca. " pirataria me dá notoriedade".

O cantor não se considera "paz e amor" e diz que Pedro Paulo deve "assumir o lugar de Mano Brown daqui há alguns anos, seguindo o rumo da vida". Brown e os Racionais MCs estão há 19 anos na estrada e lançaram em 2007 o primeiro DVD da carreira, 1000 Trutas, 1000 Tretas.

Fonte: Terra

Um comentário:

  1. Esse cara sabe como mandar a mensagem "pros cara certo,na hora certa" e concordo com q ele diz sobre droga e comercio(bares e butecos)...q vendem a mesma droga causadora dos mesmos "sintomas"..a diferença é q tudo é legalizado e aceito dentro da ESTUPIDAS leis Brasileiras!!!

    ResponderExcluir