quarta-feira, 30 de abril de 2008

Duas de Mariah Carey

Que Mariah Carey é uma das maiores vendedoras de discos da atualidade não é nenhuma novidade. O que pouca gente sabe é que na hora de se apresentar em shows ou programas de TV a cantora recorre a uma velha e ainda polêmica ferramenta: o playback.

* O executivo e todo-poderoso da indústria fonográfia David Munk contou num e-mail enviado para um amigo - que vazou na internet - que Mariah não passa de uma fraude.

* Olha só o desabafo: "Mariah é tida por muitos como a cantora das cantoras, mas ela não canta ao vivo. Todo mundo sabe que ela só canta ao vivo ocasionalmente... quando se sente à vontade. Ela é, essencialmente, uma cantora de estúdio". Que tal?


-------------------------------------------------------------------------------


Filme novo de Mariah Carey estreou no Festival de Cinema Tribeca, em Nova York




NOVA YORK (Reuters) - Sete anos depois de ter feito um filme considerado por muitos como um dos piores da história, Mariah Carey está de volta com mais um filme sobre uma viagem de carro.

Mas seu novo trabalho, "Tennessee", tem pouco em comum com "Glitter -- O Brilho de Uma Estrela", de 2001.

O filme, que fez sua estréia no Festival de Cinema Tribeca, em Nova York, no sábado passado, acompanha dois irmãos que partem em busca de seu pai. Na viagem, conhecem a garçonete Krystal (Mariah Carey).

"Mariah disse: 'Isto vai ser renovador para mim, é algo que eu quero', mesmo sabendo que a filmagem seria difícil", contou o diretor Aaron Woodley em entrevista. "Algumas pessoas me disseram que até esqueceram que era Mariah Carey quando assistiram ao filme."

Em 2001 Carey lançou o filme semi-autobiográfico "Glitter", que foi um fracasso comercial e de crítica. Ela também apareceu no programa "Total Request Live" da MTV e quase tirou a roupa diante do perplexo Carson Daily, em meio a rumores de que estaria sofrendo um colapso nervoso.

Desde então, Carey, 38 anos, vem tentando compensar o que fez.

"A experiência toda de 'Glitter' foi muito difícil, mas aprendi muito com ela", disse a cantora em comunicado à imprensa.

Em 2005 ela teve uma grande volta por cima com seu álbum "The Emancipation of Mimi", que virou multiplatina, e foi elogiada por sua performance no drama/comédia "WiseGirls", exibido no Festival de Cinema Sundance.

"Ela não é uma diva. Veio para trabalhar", disse o produtor de "Tennessee", Lee Daniels, reconhecendo: "As pessoas têm uma visão negativa dela como atriz".

Mas isso não o impediu de oferecer a Carey o principal papel feminino no filme. Produtor do filme premiado com o Oscar "A Última Ceia", Daniels disse que, quando viu Carey em "WiseGirls", concluiu que "ela é uma atriz muito talentosa".

O novo álbum de Carey, "E=MC2", chegou à primeira posição nas paradas pop americanas, estreando com vendas de 463 mil unidades na semana que terminou em 20 de abril. Foram as melhores vendas iniciais de sua carreira e as melhores de qualquer artista este ano.

O último single da cantora, "Touch My Body", é o 18º dela a ser número 1 nos Estados Unidos. Com isso, Maria Carey ultrapassou Elvis Presley e está quase alcançando os Beatles, que tiveram 20 canções no topo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário