domingo, 28 de dezembro de 2008

MV Bill defende que presos tenham o direito de votar



Recentemente o rapper carioca MV Bill esteve em uma penitenciária feminina para realizar uma palestra e falar sobre seu livro "Falcão - as mulheres e o tráfico". Na ocasião, Bill defendeu o direito de voto para os apenados de uma maneira geral e se comprometeu a entregar uma carta de reivindicações das detentas de todo o Brasil ao presidente Lula.

A palestra foi assistida por cerca de 30 detentas na escola penitenciária Desembargador Ítalo Pinheiro, em Natal. O evento fez parte de uma programação paralela do rapper que consiste ainda na realização de show na região.

A suspensão dos direitos políticos dos presos

O artigo 15 da Constituição Federal de 1988 enumera de forma taxativa as hipóteses de perda ou suspensão dos direitos políticos (direito de votar e ser votado, dentre outros).

O inciso III do referido artigo prevê que os cidadãos que sofrerem condenação criminal transitada em julgado ficarão com seus direitos políticos suspensos, enquanto durarem os efeitos da condenação.

O livro

"Falcão" é como os meninos que se envolvem com o tráfico de drogas são chamados no Rio de Janeiro. "A idéia do segundo livro surgiu depois de eu constatar que muitas das crianças que tinham servido de fonte para criarmos o 'Falcão - Meninos do Tráfico' morreram dois meses depois de terem conversado com a gente", explica MV Bill.

"A maioria das mulheres que são retratadas no livro não tinha um histórico de crime. Entraram no tráfico por amor aos seus companheiros", falou ele para a platéia atenta. "Falcão - mulheres e o tráfico" levou oito anos para ser concluído, resultado de conversas com dezenas de mulheres em todo o país.

MV Bill destacou na palestra em Natal duas personagens. A primeira foi uma senhora conhecida como "tia do lanche", que tinha como principal clientela para os seus salgados justamente os traficantes. "Mesmo não se envolvendo de uma forma direta com o tráfico, ela me perguntava: 'meu filho, como vou viver sem o dinheiro dos traficantes? Não dá para comparar o dinheiro que ganho com eles com o que faturo nas paradas de ônibus'", exemplificou.


Cultura Hip HOp

Nenhum comentário:

Postar um comentário