sexta-feira, 30 de março de 2012

David Banner,T.I e Wyclef Jean Falam Sobre Discriminação Racial por causa do assasinato do jovem Martin Trayvon

 

No meio da tragédia Martin Trayvon, David Banner e Wyclef Jean apareceu em um episódio especial da BET de "106 & Park" para discutir a discriminação racial e que pode ser feito para impedi-lo.

"O que podemos fazer para ter certeza que isso não aconteça novamente", perguntou um Banner apaixonado. "Nós podemos marchar, podemos cantar, podemos fazer canções, não temos que fazer algo que significa algo assim isso nunca vai acontecer com outra criança de novo."

Ele sugeriu maneiras de trazer a mudança por boicotar os jogos de basquete e não liberar música. "Temos que encontrar uma maneira de atingir os EUA, em seu bolso ou implementar leis [contra] as pessoas que se sentem como eles querem ser vigilantes", explicou.

Wyclef repassado o conselho que ele ensinou a sua filha. "Quando alguém que tem autoridade para bloqueá-lo para cima ou para tirar sua vida se aproxima de você, a primeira coisa que você tem que aprender é sempre manter a calma e falar sempre a calma volta para a pessoa", aconselhou Clef, que usava um capuz de apoio Martin. "Quando você começar a falar alto, a pessoa vai ficar cada vez mais alto."

T.I. também chamado para compartilhar seus pensamentos sobre a discriminação racial, especialmente quando se trata de rappers. "Eu não acho que raça nunca deve entrar em questão sempre que você estiver olhando para defender a justiça e cumprir a lei", disse T.I.P.

Pra quem nao sabe sobre este jovem veja a noticia 


Em 26 de fevereiro de 2012, George Zimmerman, um ‘Vigilante da Vizinhança' voluntário em Sanford, Flórida, EUA, atirou e matou Trayvon Martin, 17 anos, quando este estava saindo de uma loja após comprar doces. George Zimmerman confessou para a polícia ter atirado em Trayvon no peito.
Segundo a transcrição da conversa gravada ao número de telefone 911 [en], publicada no dia 23 de março, George Zimmerman havia notificado a polícia sobre um “indivíduo suspeito”, Trayvon Martin, um jovem negro de 17 anos, saindo de uma loja. O operador da linha 911 declarou ter dito a George Zimmerman para não perseguir o jovem [en].
Eu sou Trayvon Martin /"I am Trayvon Martin" - crianças na caminhada por Trayvon Martin, foto por Gilbert King Elisa no Flickr, licença-CC -BY
A indignação de cidadãos estadunidenses e internautas ao incidente continua forte e ainda chega às manchetes na cidade de Sanford, onde houve o assassinato. A unidade de polícia encarregada do caso não expediu acusações formais até o momento contra George Zimmerman, cujo ato tem sido considerado por muitos como um crime racista.

Materia Completa no Globalvoiceonline

Nenhum comentário:

Postar um comentário