quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Poesia Periférica - ÍNDIOS


Baseado em: "Nas linhas pontilhadas vou indo, indo, indo; na terra cujo o herói matou 

um milhão de índios."




ÍNDIOS



Engravataram os índios,
puseram leis em seus costumes.
Desde os primórdios.
Infecto descobrimento, falsos descobridores fedem estrume.



Borraram seus traços,
pinturas de guerra,
trouxeram dor, rancor, sangue e destroços.
Se apropriaram de sua terra.
Mataram seus ritos,
os taxaram de satanistas esquisitos.



catequizaram-os, proibiram suas substâncias,
Roubaram seu tesouro, natureza
por pura ganância
e malvadeza.



Trouxeram a incerteza do livre amanhã,
Algemaram o espírito do xamã. 
Hegemonia, tirania, patifaria,
agonia.
Hoje, esses porcos são heróis
e os índios, dançam pra chuva, batem continência ao algoz,
sem voz.


Autor: Douglas Neves






Nenhum comentário:

Postar um comentário