quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Assumidamente Gay Rico Dalasam lnaça o clipe "Aceite-C"



O rapper Rico Dalasam deu uma chacoalhada na cena do rap aqui no brasil, a principio todos achavam que ele era o primeiro homem gay assumido a cantar rap, mas a "Lulu Monamour" de goias ja canta rap a um bom tempo. 
O rap alem de ser machista é bem homofóbico quando se tratar de homem gay,pois mulher gay sempre teve e os homens do rap nunca reclamaram, inclusive em várias letras de rap tem frases homofóbicas.

Mas a pergunta que eu faço o publico do rap ja esta preparado para esta cena ...? digamos que pra esta vertente do rap, um rap de protesto ou não cantando por um homossexual assumido..?

Pois é bom nego se acostumar pois nos estados unidos ja existe uma cena formada chamada, e no brasil não vai demorar para aparecer mais.

Assista o clipe do Rico "Aceite-c" dirigido pelo grande diretor Toddy ivon






Aos 25 anos, Dalasam afirma-se como promessa em outra caminhada que deve mantê-lo na mira. Ele prepara o terreno para lançar suas primeiras músicas no EP Modo Diverso. Sua estratégia é oferecer cinco faixas para, depois de um breve intervalo, lançar outras cinco. Depois de sofrer uma decepção com um produtor de São Paulo, decidiu ele mesmo dirigir o clipe da música Aceite-c, que deve sair com o primeiro pacote. Aos poucos, começa a criar nome em um meio sem histórico no Brasil de representantes assumidamente gays. "Acho o trabalho do Rico uma parada indispensável para a nossa cena. Acredito que seja um dos maiores nomes de 2015 em diante", diz Flora Matos, considerada a maior voz feminina do rap atual, com milhares de seguidores nas redes sociais. "Ele é um artista para se ficar de olho. É corajoso e vem na esteira da onda festiva da Karol Conka e de Flora Matos", diz o jornalista André Maleronka, editor da Revista Vice.
Viver nos dois lados da ponte permite a Dalasam criar uma visão privilegiada sobre si mesmo. Ao mesmo tempo em que mora na periferia de Taboão da Serra, em um condomínio de prédios que fica em frente às quebradas de casinhas sobrepostas do bairro Intercap, onde cresceu, trabalha como cabeleireiro e com produção de moda selecionando peças em lojas caras dos Jardins. Em vez de procurar extremos nos dois mundos para opor um ao outro e legitimar-se no rap usando o discurso da vitimização, mistura tudo em um mesmo ecossistema no qual o vilão também pode viver dentro da vítima. "Eu gostaria de dialogar com todos. Não existe esse cara mediador de conflitos que propõe novos caminhos possíveis. Isso porque, muitas vezes, esses conflitos se encontram dentro de um mesmo lar", diz.
Alguma parte da culpa, segundo Dalasam, pode estar no sentimento de culpa. "As pessoas sentem muita culpa na periferia. Culpa por ser negro, culpa por ser pobre. Muitos nascem e morrem sentindo esta culpa." Um sentimento que tem explicação em um trauma histórico, mas também em fatos: "Eu chamava amigos para irem ao Sesc Vila Mariana e eles diziam que não iriam porque lá era lugar de playboy. Não era isso. Eles não iam porque tinham certeza de que sofreriam olhares atravessados, de que as mulheres iriam segurar a bolsa com mais força."
Do ano como aluno do colégio classe média alta do Paraíso, não ficaram muitas lembranças boas. "Eu fiz amigos, mas muitas vezes me sentia como se fosse um animal trazido da África." E, dos tempos em que seguiu a palavra de Deus frequentando a igreja, que também deixaram amizades, sentiu o maior dos choques. A mesma casa que o ajudou a descobrir-se e a aceitar-se não poderia suportá-lo a partir do momento em que ele dissesse a verdade. "Enquanto eu frequentava os cultos, só algumas pessoas sabiam que eu era gay. No momento em que eu decidi ser eu mesmo, não pude mais ficar por lá. Em algum momento, aquilo passa a não caber mais."
O rap, apesar de uma pretensa postura conservadora, nunca o desrespeitou. Dalasam sabe que as flechas poderão voltar quando ele crescer e sua vitrine ficar maior, mas não pensa nisso. Acredita que tem algo a dizer com uma verdade que pode criar pontes. "Aqui na periferia, a gente olha no olho, pega firme na mão." Ser ele mesmo é o começo de um caminho que flecha nenhuma deve abater. "Se o papo for minoria, eu sou várias."