quinta-feira, 30 de julho de 2015

Emicida lança mini documentário sobre o clipe "Boa Esperança"

“Acho que tem uma parada muito louca que a gente precisa discutir: uma é a escravidão e outra é o modus-operandis da escravidão que está presente até o dia de hoje na realidade brasileira. Uma pessoa te remunerar por um serviço, não significa que em instância alguma aquela pessoa é dona de você.” A fala do rapper Emicida na abertura do documentário Boa Esperança, que o artista acaba de lançar no seu canal no Youtube, serve como sinopse perfeita tanto para o filme, como para a situação de muitos empregados, e não apenas domésticos, no Brasil.
Com 12 minutos de duração, o documentário, dirigido por Kátia Lund e João Wainer, mostra os bastidores da produção do vídeo clipe da música Boa Esperança, lançado no final de junho, e que trata da revolta de um grupo de empregadas domésticas contra os patrões, durante um banquete na casa onde trabalhavam.
Emicida

As críticas ao vídeo e a música vêm exatamente deste lado da sociedade,de gente que sabe no fundo o quão privilegiada é por ser branca e com dinheiro e ignora todo este entorno de ódio e caos ao seu redor.

O documentário é mais uma pancada em quem se surpreendeu com a narrativa do vídeo clipe, que aliás já caiu como uma bomba no mundo de quem não enxerga a profunda divisão racial que existe no Brasil. Além de imagens do making-off do clipe, entrevistas gravadas com empregadas domésticas reais desvelam, num tom indignado e ao mesmo tempo simples, a concretude das humilhações apresentadas no clipe da música.
“Em muitos lugares em que eu trabalhei a gente não podia comer, ali na Pacaembu mesmo, ali tinha lugar da casa onde a gente não podia andar…Isso é normal, na casa do povo muito rico”, conta Divina Cunha, sobre o tratamento recebido quando trabalhava em casas da família de bairros nobres da capital paulista, como Higienópolis e Pacaembu.
Em entrevista para PonteEmicida diz que Boa Esperança é para o Brasil como um todo e que a ficção do clipe assusta por mostrar uma bomba-relógio, mas que ninguém sabe a hora que vai explodir. Ou, como ele diz, e forma precisa na música: “Aguarde cenas no próximo episódio. Cês diz que nosso pau é grande. Espera até ver nosso ódio.”

CONFIRA A ENTREVISTA AQUI E O DOCUMENTÁRIO ABAIXO




Nenhum comentário:

Postar um comentário