segunda-feira, 6 de maio de 2019

A NBA foi racista?


Desde que eu me entendo por gente eu ouço rap, e na minha cabeça a cultura Hip Hop e o Basquete andavam juntos, não que eu jogue (queria ter este dom), mas eu sempre vinculei, porque sempre vi rappers com camisas de basquete, tênis Air Jordan ou And1 e jogadores de basquete vestido como rappers. Quando eu conheci o StreetBall (Globetrotters e And1) este vinculo ficou muito mais forte em minha cabeça. E outra fita, eu cresci jogando NBA Hang Time, “Catioro”. Este jogo é muito Hip Hop!! (Saudades, inclusive).

O vinculo do rap/hip hop com o basquete, se deve ao fato de a maioria dos jogadores das ligas profissionais ou amadoras virem dos guetos estadunidenses. Assim como no Brasil toda quebrada tem uma quadra ou campo de futebol, nos guetos do Estados Unidos tem quadras de basquete. O basquete assim como o futebol é o mais popular e prático de se praticar, afinal, bastar ter pessoas e uma bola para jogar. A ascensão dos negros no basquete foi praticamente no mesmo período em que o Hip Hop estava em alta nos guetos de Nova York. As primeiras festas de rap, (Block Party), eram em ruas sem saída ou em quadras de basquete. Diversos rappers falam sobre basquete em seus sons. Em 2016 o site HipHopDX montou uma lista com 10 melhores rap's que usam a temática basquete. Artistas como J.Cole, Busta Rhymes, Kurtis Blow, Methodman e outros estão na lista.

Block Party - Bronx




















Não tem como desvincular, pois quando o jogador que vem do gueto chega na NBA por exemplo: Ele quer mostrar pra seus manos que apesar de estar ali com status e grana ele não esqueceu de onde ele veio, saca? o modo que ele anda e veste, seu "Life Style" é sua identidade. 

Mas vamos ao fato. Em 2005 a NBA criou um “Dress Code”, um “Código de Vestimenta” de como os jogadores da NBA deviam se vestir. Mas aí você que é do futebol vai dizer: “Aahh, hebreu, no futebol isto é comum, não tem nada de racismo nisto." Quando se trata do futebol, você tem razão, mas no basquete tem outro contexto. Vamos aos fatos mais importantes que levaram a NBA proibir os jogadores de se vestir do modo que eles quisessem. 

Em outubro de 2005, David Stern, que no ano era o comissário da NBA, introduziu uma nova regra em toda a liga. A partir da próxima temporada todos jogadores deveriam seguir um código de vestimenta único em todos os pré-jogos, entrevista coletiva, eventos da liga, em tudo que envolvesse a NBA de alguma forma. 

Eles estavam proibidos de usar: Regatas, bermudas, camisetas, camiseta de times esportivos (a não ser que seja da NBA ou de seu próprio time), nada de bandanas, gorros, tocas ou bonés, correntes, pingentes, medalhões, óculos escuros em locais fechados e fones de ouvido. Tudo isto você pode conferir no próprio site da NBA

Em entrevista ao The Boston Globe, David Stern, explica o motivo da criação do Código de Vestimenta: “É uma pequena coisa que contribui para o aumento do profissionalismo da liga. É o que o trabalho implica”, disse ele. “Nossos árbitros sempre estão bem vestidos de certa forma, nossos técnicos também. Chegou a hora dos jogadores” 

Para no New York Time, o dirigente disse que tinha que mudar a forma que os jogadores eram vistos. 

“Nós percebemos que a reputação de nossos atletas não era tão boa quanto eles são, e poderíamos fazer pequenas coisas para melhorar” disse o dirigente. 

Sabe aquela fita de que o sistema fica só esperando uma brecha sua pra te punir? Então, em 2004 houve uma confusão gigante na partida entre Detroit Pistons e Indiana Pacers. Perto do fim do jogo iniciou uma confusão generalizada com vários jogadores, inclusive um fã jogou um copo com bebida em Ron Artest, o jogador foi atrás do torcedor e tretou com ele, e acabou levando a treta para o meio do público. 

A briga ainda não era um motivo forte, a não ser punir os envolvidos na briga. Um fator bem importante para a NBA pegar firme no quesito imagem foi a declaração do Larry Brown, técnico da seleção masculina de basquete. Larry Brown disse ter sentido vergonha num jantar oferecido em homenagem aos atletas, na cidade de Belgrado. Segundo ele, enquanto os jogadores sérvios, que também estavam lá, vestiam-se com os mesmos uniformes e jaquetas padrões, seus comandados usavam “roupas de treino, jeans enormes, brincos de diamantes cintilantes e correntes de platina”. Dentre eles superestrelas como Allen Iverson, Carmelo Anthony e LeBron James. 

Diversos jogadores se posicionaram contra ao código de vestimenta, vários jogadores consideraram o código racista, por que os itens proibidos de serem usados eram usados por jogadores negros que tem uma história de virem do gueto. Mesmo sendo comum você ouvir rap durante os jogos, a NBA meio que “criminalizou” a geração Hip Hop. 

Foto: Rafael Berezinski

Em entrevista ao site “Jornal Especializado” o DJ Erick Jay, que está até hoje no Programa Manos e Minas da TV Cultura, disse: “As roupas, expressões e comportamentos dizem muito sobre uma pessoa, seja no esporte ou no Hip Hop. É preciso ser livre para escolher o que quer ou não usar”, opinou o DJ. “Como a maioria dos jogadores da NBA vêm do gueto eles acabam optando por usar roupas largas, bonés etc. Esta atitude é uma forma de se expressar e de mostrar orgulho de onde vieram”

Jason Richardson

Jason Richardson, na época ala-armador do Golden State Warriors disse que a medida tirava toda a expressão de um jogador. “Alguns têm significados até religiosos usando as suas correntes, outros tem mensagens pessoais. Eu acho que foi indiretamente racial”, afirmou. Ele ainda completou dizendo que “você pode ser um PhD e usar calças largas e ao mesmo tempo ser um criminoso vestindo um terno. Sua roupa não muda seu caráter”, disse a ESPN. 

Stephen Jackson, ala do Indiana Pacers, que tinha se envolvido no caso do Malícia no Palácio, tinha certeza de que era uma atitude racista. “A proibição tem uma direção certa. A maioria das pessoas que usam corrente são negras e tem minha idade. Eu estou muito chateado com isso tudo”, afirmou à ESPN. 


Allen Iverson foi o que mais ficou puto, ficou tão puto que ele achava que o código foi criado para afeta-lo. 
Posso tá errado, mas o Iverson foi o jogador mais rua, mais hip hop, mais gangueiro da NBA, seja detro o fora de quadra. Com isto o jogador deu diversas declarações na época criticando a NBA e David Stern. 
O armador do Sixers, era o maior destaque da liga, sua camisa estava entre as 10 mais vendida, MVP da temporada 2000/2001 e os carai, ele era o cara. 
Como eu disse acima, Iverson achava que o código foi criado para ataca-lo. Em entrevista ao Washington Post, Iverson disse: “Eles estão atacando a minha geração – a geração Hip-Hop. Você pode colocar um assassino num terno, ele continua sendo um assassino” 

Se você chegou até aqui e não achou que é racismo, se liga na fala do Phil Jackson, técnico do Lakes na época. “Os jogadores estão se vestindo como prisioneiros tem uns 5, 6 anos. Tudo que se relaciona a gangsters, bandidos eles estão usando”, opinou em entrevista à ESPN. 

Pesado ou não? Só não vê racismo nesta fala quem não quer. 

Michael Jordan e Charles Barkley

O ex-ala/pivô e comentarista, Charles Barkley fez um comentário triste, mas realista. Charles Barkley que jogou na NBA de 1984 a 2000, disse saber que o código tinha um contexto racial envolvido. Mesmo sabendo disto, Barkley era a favor. “Jovens negros se vestem como jogadores da NBA, mas, infelizmente eles não são pagos como jogadores da NBA. Quando eles forem para o mundo real o que eles vestem será usado contra eles”, disse ele em entrevista ao jornal The Guardian. “Se uma criança branca bem vestida e uma criança negra vestindo uma bandana e uma camisa regata larga vem a mim numa entrevista de emprego, eu contrataria a criança branca. Essa é a realidade”. Disse o comentarista. 

A NBA parece não estar ligando muito pra isto ultimamente, afinal o rap é o ritmo mais popular no mundo faz alguns anos. Ela como uma empresa, não pode criar um atrito com seus fãs.

Veja esta postagem de 2016 da NBA Brasil no Twitter:


Atualmente a NBA não tem ligado tanto pra este código, alguns jogadores já foram vistos usando fones, óculos e etc. O Exemplo mais recente é do jogador Russel WestBrook com seu estilo nada discreto..rsrs.

Este texto é inspirado no vídeo "O dia que a NBA proibiu o Outfit dos jogadores" do canal Dois por cento TV e usa como fonte o artigo "O Dress Code na NBA: Um ataque a individualidade ou uma busca pela imagem Profissional?", do site Jornal Especializado 

Assista:





Nenhum comentário:

Postar um comentário