segunda-feira, 27 de janeiro de 2020

Artigo | A história da secreta carreira de rap de Kobe Bryant


Esse é um artigo traduzido, foi originalmente escrito em 2013 por Thomas Golianopoulos para o portal Grantland. É possível ler o texto original aqui

A história secreta da carreira de rap de Kobe Bryant 


A Filadélfia tem uma história rica e muitas vezes esquecida no Hip Hop. Cool C, Three Times Dope, Schoolly D, DJ Cash Money e é claro, DJ Jazzy Jeff e Fresh Prince que lançaram bases nos anos 80. Na época, Bryant era aluno da Lower Merion High School, e o som da Filadélfia refletia o que estava acontecendo no cotidiano de muitos lugares, inclusive Nova York. 

Com as gravadoras localizadas principalmente em Nova York, o cenário ainda era muito baseado em redes de conhecidos e conexões - um primo que conhecia alguém no escritório de Russell Simmons ou um amigo de um amigo que trabalhava na Bad Boy Records. Os artistas se esforçavam para colocar suas demos nas mãos certas. Enquanto isso, na Filadélfia, os rappers ganharam exposição e credibilidade de uma maneira mais tradicional, o freestyle.

Bryant nasceu na Filadélfia, mas se mudou aos 6 anos de idade, depois que seu pai Joe "Jellybean" Bryant assinou com um time profissional de basquete na cidade italiana de Rieti. Quando Bryant voltou para Filadélfia aos 14 anos, conheceu Anthony Bannister, 16 anos, trabalhando no centro comunitário judeu na City Avenue, onde Joe Bryant era o diretor fitness. “Kobe tinha 14 anos, magro, mas apaixonado e determinado”, lembra Bannister sobre o primeiro encontro com Kobe em 1992. Eles rapidamente se uniram ao basquete e às batidas. No início, Bannister era o guia do rap de Bryant, fornecendo um curso intensivo sobre a Golden Era que Bryant havia perdido ao viver no exterior. Bryant começou a rimar logo depois, batalhando no refeitório do Lower Merion e fazendo batidas para outros MCs rimarem com um lápis e uma borracha.

Bryant também fez amizade com o melhor rapper da escola, Kevin "Sandman" Sanchez, que o ensinou sobre controle da respiração e enunciação. Na época, Bannister, que conhecia Sanchez de vista, estava vigiando os MCs com a intenção de formar um grupo; ele se imaginava um mentor do tipo RZACom Bryant e Sanchez já participando, Bannister adicionou Broady Boy e Jester. O grupo recebeu o nome da gangue Chi Sah no filme de kung fu Shaw BrothersThe Kid With the Golden Armmais tarde eles a alteraram para o acrônimo CHEIZAW.

Eles batalharam em vários lugares juntos. O CHEIZAW lutou em South Street, Parkside, Temple University, um shopping subterrâneo chamado Gallery, e Belmont Plateau, que foi imortalizado pelo DJ Jazzy Jeff e "Summertime" do DJ Freshy. Bryant, que se chamava The Eighth Man, muitas vezes não batalhava contra outras equipes, mas sempre rimava com o que Sanchez chamava de sessões internas do grupo.

Al Price, um MC do grupo Black Ops, relembra uma dessas sessões no apartamento de Broady: "Em uma sala cheia de MCs do underground, ele era mais um MC faminto, ele gostava de pegar você desprevenido. Ele gostou da parte competitiva. Gostava de mergulhar na batida, fluir e mexer com ritmos e sons. Podemos dizer que ele não era MC por acidente".

O CHEIZAW logo adicionou o produtor Russell Howard, o amigo de SanchezSai Bey, e uma MC feminina chamada Akia StoneAgora uma celebridade nacional em ascensão graças ao seu domínio em Lower Merion, Bryant anunciou que estava ignorando a faculdade para participar do draft da NBA. Em junho de 1996, Kobe foi draftado pelo Charlotte e trocado para o Lakers. Todos em CHEIZAW tinham grandes planos e Kobe seria uma das apostas de ouro do grupo. Mas as coisas rapidamente deram errado.

Em 27 de julho de 1996, um homem que escondia o rosto com um saco de pão Stroehmann roubou o 7-Eleven na City Avenue. O recepcionista disse à polícia que o ladrão tinha 1,80m, com olhos escuros. Sanchez, que tem um metro e oitenta e olhos verdes, diz que estava no centro comunitário judaico rimando com Bryant, Bannister e outros na época do crime. Ainda assim, o funcionário o escolheu de uma fila e ele foi preso.

Sanchez permaneceu em contato com Bryant antes de seu julgamento em setembro de 1998; Bryant ajudou a pagar sua fiança segundo Bannister, e compareceu em uma audiência preliminar. Às vezes, Bryant ligava para ele pedindo "um pouco de energia" antes dos jogos. Sanchez então sentava em seu carro e rimava por telefone com Bryant.

O julgamento de Sanchez durou dois dias. Cinco testemunhas oculares não conseguiram identificá-lo, mas ele foi considerado culpado de assalto à mão armada e condenado a anos de prisão; Bryant pagou para Bannister voar de Los Angeles para testemunhar, mas Bryant não apareceu no julgamento. Após a condenação, um jurado disse ao Philadelphia Daily News que o testemunho de Bryant poderia ter influenciado o júri. Anos depois, Sanchez não guarda mágoas “Não foi culpa de Kobe que eu fui preso. Eu não o culpo. Nós não pensamos que precisaríamos dele. Era uma identificação falsa. Não havia como perder".


Durante três semanas, no verão de 1998, Kobe Bryant viveu na mansão do empresário e escritor americano Steve Stoute, em Nova Jersey. Bryant, com seus 20 anos, estava lá para treinar suas habilidades no rap, mas como ele também estava treinando para ser o próximo Michael Jordan, o basquete acabava consumindo a maior parte do seu tempo. Todas as manhãs, ele dirigia para a Ramapo College, uma faculdade nas proximidades da casa de Stoute e fazia 2.000 arremessos. Às vezes, Stoute convidava jogadores de streetball de Nova York para ajudar Bryant a treinar a defesa. 


Apesar do apoio aos treinos de basquete, todos os dias, Kobe tinha outra missão, aprender mais sobre o mundo dos astros do rap no final dos anos 90. Essa foi a ideia pelo menos. Na época, Stoute era presidente de "urban music" da Sony Entertainment e recentemente tinha contratado Bryant e seu grupo CHEIZAW para a gravadora. Com o CHEIZAW em Los Angeles trabalhando em novas músicas, a Sony criou estratégias para transformar Bryant em uma estrela. Ele rimava em shows da lendária dupla de rádio de Los Angeles Sway and Tech e gravou um pequeno verso para um remix de "Hold Me", de Brian McKnight. 

Stoute mudou Bryant de Los Angeles para Nova York naquele verão, para vivenciar a valiosa indústria do hip-hop. Stoute, especialista em marketing e especialista em figurinos, estava alcançando números inéditos no setor depois de ter orquestrado o álbum de estréia de Will Smith, o nove vezes platinado Big Willie Style. Ele pensou que poderia fazer o mesmo por Kobe Bryant, mas diferente do basquete, que veio naturalmente para Bryant, o Hip Hop deu mais trabalho.

Bryant estava pronto para o trabalho de se tornar uma estrela. Quando não estava treinando basquete, ele ia para o estúdio Hit Factory trabalhar com a consagrada dupla de produtores Trackmasters e seu grupo de artistas que incluía Nas, Noreaga, Punch n' Words, Nature e o jovem 50 Cent. 

Vivendo em Nova York, Kobe costumava ir a uma discoteca com Stoute e jantar no Mr. Chow, o restaurante chinês preferido dos ricos. Nenhum desses espaços o satisfazia por completo, ele estava apaixonado pelo Hip Hop e tinha um desejo: uma batalha com os profissionais.

Ele conseguiu seu desejo uma noite na Hit Factory, quando se juntou ao membro do CHEIZAW, Broady Boy, para enfrentar a dupla Punchline e Wordsworth. Bryant, muito tranquilo, manteve a postura desde o início. Ao entrar na batalha, Kobe rimou coisas como I quantum leap into the future and battle myself". Depois de algumas rodadas, Broady ficou sem letras e a sessão de rimas terminou. Kobe então repreendeu seu companheiro de equipe: "Ei, você devia estar em boa forma lírica, cara", disse Bryant a Broady, referenciando uma letra conhecida do rapper Canibus no som Beast from the East.

"Eu poderia dizer que ele foi influenciado por Canibus", disse Words, citando o MC que era referência no estilo freestyle. “Kobe tinha uma qualidade nas letras. Quando ele entrava na música, você não olhava para ele como apenas Kobe. Você olhava para ele como um cara que podia rimar e se você vacilasse podia passar vergonha".

Abençoada com talento e com apoio para buscar sucesso também em uma carreira no Hip Hop, por que Kobe Bryant falhou como rapper?

Quando a vivência de Bryant com a música começou, já não era mais novidade atletas que estavam se aventurando na música. Shaquille O´Neal tinha um verso surpreendente no hit de 1993 do Fu-Schnickens, "What's Up Doc? (Can We Rock?)", e posteriormente teve um álbum de platina -Shaq Diesel em 1993- e um álbum de ouro Shaq-Fu: Da Return, em 1994. Já em 1996, You Can’t Stop the Reign atingiu a posição de 82 na Billboard 200, sinalizando um mercado em desaceleração. A compilação Best Kept Secret da B-Ball, lançada em novembro de 1994, que apresentava músicas de Gary Payton, Jason Kidd e Cedric Ceballos entre outros atletas da NBA, figurava sempre entre as listas de piores atletas no Hip Hop, o que era mais um sinal do desânimo do público frente aos atletas na música. 

A carreira de Bryant no Hip Hop acompanhou essa desaceleração. Depois que sua estadia em Nova York terminou, ele gravou de forma intermitente. A primavera de 2000 foi marcada como data de lançamento para Visions, seu álbum de estréia. Mas depois do primeiro single, o álbum nunca foi lançado. No final de 2000, a Sony havia retirado Bryant do rótulo.

A indústria musical focada nos números pode ter suprimido o talento de Kobe.

Desde o início, CHEIZAW era um grupo que não era pra dar certo. “Eu apenas senti que assinaria o grupo e, lenta mas seguramente, tenho certeza de que todos cairiam e que teríamos um disco de Kobe”, diz Stoute. “É algo natural que acontece com um novo sucesso - os amigos mudam, as coisas se separam".

Com o CHEIZAW em Los Angeles e trabalhando em novas músicas, a Sony criou estratégias para transformar Bryant em uma estrela. Ele rimava no show da lendária dupla de rádio de Los Angeles, Sway and Tech e gravou um pequeno verso para um remix de "Hold Me", de Brian McKnight. Ele até apareceu em uma música com seu amigo Shaquille.

Essa música, chamada “3 X's Dope”, aparece no álbum Respect de 1998 de O'Neal. Traz também a rapper Sonja Blade, que estava escrevendo para Shaq na época, e um terceiro rapper não listado nos créditos que começam a tocar. Kobe Bryant é esse rapper. Alguns dizem que o nome de Bryant não foi listado por motivos gravadora e outros dizem que a música foi uma surpresa. Foi gravado no início de 1998 em Los Angeles com o lendário produtor Clark Kent. A princípio, Bryant sentou-se em silêncio enquanto Kent terminava de compor a música. O'Neal manteve o clima leve, contando piadas e falando besteira com Kobe.

Clark Kent tem uma opinião formada sobre o desempenho de Bryant. “Ele parecia um daqueles caras que queriam ser tão bons que tentava usar as palavras mais inteligentes. Era como 'Calma, duque. É apenas rap'. Ele era de fato o rapper lírico-milagroso-genial".

Com Bryant acampado no estúdio, a Sony continuou a enfatizar a campanha de marketing. A gravadora procurou maneiras de capitalizar a juventude, fama da NBA e o crescimento dos laços da indústria da música. O ponto crucial do plano da gravadora, no entanto, estava eliminando o grupo CHEIZAW.

O projeto mudou gradualmente, de um álbum do CHEIZAW para um álbum solo do Kobe Bryant. A Sony também direcionou Bryant para um som pop favorável ao rádio. Como a maioria dos rappers de batalha, principalmente seu herói Canibus, Bryant lutou com a mudança. Sean "S-dot" Francis, um produtor da Filadélfia, foi trazido para fornecer um som mais elegante para Kobe.


Enquanto isso, Anthony Bannister não aprovou as mudanças. Ele não era fã do que chamou de "música do Mickey Mouse Club" e sentiu Bryant se distanciando. Um dos executivos da Sony teve uma idéia para adoçar a música de Kobe: Tyra Banks. A supermodelo, vista acima com o S-dot, cantava o refrão de uma das músicas.



Mas Bryant era desafiador. Ele se retirou para o estúdio com Broady e voltou às suas raízes: underground liricamente complexo. Isso, é claro, não era o que a Sony tinha em mente, e o álbum acabou sendo descartado. Nesse ponto, Stoute deixou a empresa e os apoiadores de Bryant o abandonaram. Então a Sony fez o que teria feito com qualquer outro artista que não dá lucros: descartou Kobe.

Tempos depois, Bryant e Jerrod Washington se reagruparam, formando seu próprio selo independente, o Heads High Entertainment. Um comunicado à imprensa de outubro de 2000 declarou sua missão: “Trazer uma boa música e elevar a mensagem à comunidade através da música de seus artistas”.

 A lista incluía Bryant, Broady Boy, Sean Francis, um rapper chamado Rico, uma rapper de Nova York chamada Uneek, e Da Babies, um grupo infantil. Houve uma vitrine na House of Blues, em Los Angeles, no verão de 2000, mas uma proposta de caridade ao estilo “We Are the World” que combate a violência na escola nunca decolou. Dentro de um ano, o selo cresceu

A carreira de rap de Kobe Bryant terminou se tornando uma nota de rodapé improvável em sua extraordinária carreira. Através do departamento de relações com a mídia do Lakers, Bryant se recusou a ser entrevistado para a matéria original, assim como associados que ainda residem no círculo de Bryant.

Gostaríamos de trazer esse artigo como nossa forma de homenagear a vida de Kobe Bryant e seus múltiplos talentos além do basquete. Talvez se a indústria da música não sufocasse o talento de Kobe, teríamos experimentado mais suas músicas.

A todas e todos fãs nossos sentimentos.
Por Kobe e Gigi Bryant, com carinho. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário