quarta-feira, 26 de fevereiro de 2020

Quem matou Malcolm X? | Ilyasah Shabazz (Filha do Malcolm) junto de documentaristas falam da série

Antes de mais nada, saiba que é um tradução de uma transcrição de um programa no estilo Podcast, do site Democracynow.org, onde a entrevistadora, Ami Goodman conversa com Abdur-Rahman Muhammad, homem que investigou e entrevistou várias pessoas no documentário "Quem matou Malcolm X", série que está disponível na Netflix, juntamente com a produtora e jornalista Shayla Harris e também a Ilyasah Shabazz, filha de Malcolm X.

O bate papo foi divido em duas partes: Quem matou Malcolm X e seu legado. 

A primeira parte é sobre quem matou, portanto, a maioria das perguntas são direcionadas ao Abdur-Rahman Muhammad e a Shayla Harris, além de ter trechos da série documental.

A segunda parte do bate papo, onde a Iyasah fala do legal de seu pai vamos soltar no domingo de manhã.

Vamos para o bate papo porque é um pouco longo mas muito bom.

Detalhe importante: Onde está em azul, são trechos da série documental "Quem Matou Malcolm X?"

Da esquerda para a direita: Abdur-Rahman Muhammad, Shayla Harris, Malcolm X e Ilyasah Shabazz.

Ilyasah Shabazz, Filha de Malcolm X fala sobre o legado de seu pai e a nova série "Quem matou Malcolm X?" 

Em fevereiro de 2020 completou cinquenta e cinco anos que o Malcolm X foi assassinado. O líder dos direitos civis foi morto a tiros em 21 de fevereiro de 1965, no Audubon Ballroom, em Nova York. Ele tinha apenas 39 anos. Os detalhes de seu assassinato continuam sendo discutidos até hoje. No início deste mês, o procurador do distrito de Manhattan, Cyrus Vance, disse que estava pensando em reabrir a investigação, poucos dias depois de uma nova série de documentários sobre o assassinato ter sido lançada na Netflix chamada "Who Killed Malcolm X?" Defende que dois dos três homens que foram condenados pelo assassinato de Malcolm X são realmente inocentes e que seus assassinos não capturados eram quatro membros de uma mesquita da Nação do Islã em Newark, Nova Jersey. Juntamo-nos a Ilyasah Shabazz, uma das seis filhas de Malcolm X, que tinha apenas 2 anos quando seu pai foi assassinado na frente dela, seus irmãos e sua mãe. Também falamos com o premiado autor Abdur-Rahman Muhammad, estudioso independente, historiador, jornalista, escritor e ativista, que é amplamente considerada uma das autoridades mais respeitadas na vida e no legado de Malcolm X e é apresentada no novo documentário e Shayla Harris, produtora da série e cineasta e jornalista premiada. 

Amy Goodman: Cinquenta e cinco anos atrás, Malcolm X foi assassinado. O líder dos direitos civis foi morto a tiros em 21 de fevereiro de 1965, no Audubon Ballroom, no Harlem, aqui em Nova York. Ele tinha apenas 39 anos. Os detalhes de seu assassinato continuam sendo disputados até hoje. No início deste mês, o procurador do distrito de Manhattan, Cyrus Vance, disse que estava pensando em reabrir a investigação, apenas alguns dias após o lançamento de uma nova série de documentários sobre o assassinato na Netflix. 

Chama-se Quem Matou Malcolm X? Este é o trailer da série. 

MALCOLM X: Não somos brutalizados porque somos muçulmanos; somos brutalizados porque somos negros na América. 

ABDUR-RAHMAN MUHAMMAD: O poder da coragem desse homem em dizer essas coisas mudou toda a trajetória da minha vida. 

Shaun King: Ele estava se tornando uma figura que transcendia a Nação do Islã. 

ABDUR-RAHMAN MUHAMMAD: Foi a política que realmente começou a brecha entre Malcolm e a Nação. 

MALCOLM X: Aqui o homem branco é o maior professor de ódio que já andou na Terra! 

ABDUR-RAHMAN MUHAMMAD: O FBI estava com muito medo de alguém como Malcolm X. 

MALCOLM X: Que tipo de democracia é essa? 

QASIM AMIN NATHARI: As pessoas tiveram que começar a se perguntar: "Se algo acontecer com Elijah Muhammad e Malcolm se tornar o líder, acabou para todos nós". 

RAY SIMPSON: E então, os tiros dispararam. 

ABDUR-RAHMAN MUHAMMAD: A morte de Malcolm nunca ficou certa comigo. 

TONY BOUZA: A investigação foi um fracasso. 

DAVID GARROW: Perguntar quem é o culpado é uma pergunta perigosa a ser feita. 

ABDUR-RAHMAN MUHAMMAD: Qual é a história real? 

EARL SIDDIQ: Está no livro de história. Deixe aí. Deixe isso em paz. 

KHALILAH ALI: Elijah Muhammad disse a todos: "Não levante a mão contra Malcolm X". 

IMAN MUSTAFA EL-AMIN: Ele não precisava dar o pedido. Alguém cuidaria disso. 

DAVID GARROW: O FBI deveria saber. 

ABDUR-RAHMAN MUHAMMAD: Por que alguém não quer chegar ao fundo disso? 

A. PETER BAILEY: Eles nunca tiveram a intenção de investigar seriamente esse assassinato. 

ABDUR-RAHMAN MUHAMMAD: Essa é a minha missão. Não vou parar até conseguir justiça, porque a história oficial de quem matou Malcolm X, não é verdade. 

Amy Goodman: Esse foi o argumento de Who Killed Malcolm X? Defende que dois dos três homens que foram condenados pelo assassinato de Malcolm X são realmente inocentes e que seus assassinos não capturados eram quatro membros de uma mesquita da Nação do Islã em Newark, Nova Jersey. 

Para mais, nos juntamos aqui em Nova York com alguns convidados. Em breve, Ilyasah Shabazz, uma das seis filhas de Malcolm X. Ela tinha apenas 2 anos quando seu pai foi assassinado na frente dela, de seus irmãos e de sua mãe. Ela é professora do John Jay College of Criminal Justice, organizadora da comunidade e autora premiada. 
Abdur-Rahman Muhammad é um estudioso independente, historiador, jornalista, escritor e ativista, amplamente considerado como uma das autoridades mais respeitadas na vida e no legado de Malcolm X. Ele apareceu na nova série documental Who Killed Malcolm X? (Quem Mantou Malcolm ?) E nos juntamos a Shayla Harris, produtora da série e cineasta e jornalista premiada. 

Shayla, vamos começar com você. Este é o dia em que Malcolm X foi assassinado. Você terá um evento hoje à noite com o professor Skip Gates, que é um dos produtores executivos desta série. Você pode falar sobre quando começou esta série documental e o significado do promotor de Manhattan de dizer que ele está pensando em reabrir a investigação sobre o assassinato de Malcolm X? 

SHAYLA HARRIS: Então, nossa equipe da Ark Media, que começou com os co-diretores Rachel Dretzin e Phil Bertelsen e meu colega produtor Nailah Sims, trabalhamos nessa série há mais de dois anos. E começamos nossa investigação apenas examinando todas as evidências, obviamente com base em algumas das bolsas e pesquisas iniciadas por vários acadêmicos notáveis, como Manning Marable, e pessoas como Zak Kondo, que destacamos no filme. E realmente queríamos escancarar esse tipo de segredo aberto sobre quem matou Malcolm X e realmente tentar corroborar algumas dessas coisas com evidências muito detalhadas e relatórios sólidos. E assim, para nós, o fato de DA Vance estar pensando em abrir o caso é realmente gratificante para nós e mostra que algumas das perguntas e as coisas pelas quais fomos incomodados também o estão incomodando. 

Amy Goodman: Então, explique a série. Seis partes. 

SHAYLA HARRIS: Então, esta é uma série de seis partes que segue essencialmente o último ano ou mais da vida de Malcolm. Não é um tipo de biografia do começo ao fim. Nós realmente queríamos investigar essa questão em particular sobre quem matou Malcolm X, e realmente tentar encontrar as testemunhas oculares vivas que meio que falaram naquele momento e começar a mostrar algumas das coisas que estavam girando em torno dele, não apenas focando apenas no homem que puxou o gatilho, mas meio que o contexto e os outros atores que podem ter sido cúmplices na criação de um clima em que as perguntas sobre quem o matou talvez não tivessem sido adequadamente investigadas. E assim, ter isso em destaque na Netflix, que é uma plataforma global e pode atingir públicos de todo o mundo, foi algo que estamos muito animados. 

Amy Goodman: E, é claro, este filme vai para ... (e se a investigação for reaberta), vai para questões maiores do que atiradores em particular ou que usavam a arma. 

SHAYLA HARRIS: Realmente. 

Amy Goodman: As maiores forças do FBI, o Departamento de Polícia de Nova York. E falaremos sobre isso em um momento. Quero voltar para um trecho do documentário da Netflix Who Killed Malcolm X? 

MALCOLM X: Quem é você? Você não sabe. O que você era antes que o homem branco o chamasse de negro? Qual era seu nome? Não poderia ter sido Smith ou Jones. Eles não têm esse tipo de nome de onde você e eu viemos. 

ABDUR-RAHMAN MUHAMMAD: Malcolm falou a verdade para o sistema. Esse cara é destemido. 

MALCOLM X: É o homem branco que está rachando crânios! 

ABDUR-RAHMAN MUHAMMAD: Mas mesmo no auge de sua popularidade, ele tinha muitos inimigos. 

MALCOLM X: Eu acredito que haverá tentativas da minha vida. Eles estão espumando na boca. 

Amy Goodman: Então, esse é um trecho de Who Killed Malcolm X? Abdur-Rahman Muhammad, se você pudesse preparar o cenário para nós? Quero dizer, no final da vida de Malcolm X, não era apenas 21 de fevereiro. Era 14 de fevereiro, o bombardeio de sua casa e muito mais. Mas como você se envolveu com este caso? 

ABDUR-RAHMAN MUHAMMAD: Bem, por volta de 1980, Talmadge Hayer, o único assassino condenado e confessado, estava dando muitas entrevistas na televisão e estava tentando exonerar os dois homens condenados por ele, Norman 3X Butler e Thomas 15X Johnson . Ele estava falando com muita televisão local aqui em Nova York, Gil Noble e Tony Brown's Journal. E, quando jovem estudante, assisti a isso e foi aí que me expus ao caso. Foi aí que comecei a me educar. Mas ao longo do caminho, por volta de 1986, tornei-me muçulmano e comecei a circular entre a comunidade e a ouvir coisas que me levaram a levar a investigação um pouco mais longe. 

Amy Goodman: E, falando, quero dizer, sobre seu trabalho em Washington, DC, qual foi o seu trabalho diário ao longo dos anos. 

ABDUR-RAHMAN MUHAMMAD: Bem, quero dizer, fiz muitas coisas, mas mais recentemente fui guia de turismo. Mas, quero dizer, eu vendi carros 

Amy Goodman: Para o cemitério nacional de Arlington. 

ABDUR-RAHMAN MUHAMMAD: Para o cemitério nacional de Arlington, sim. E como eu disse, vendi carros. Eu já fiz várias coisas. Eu sou um cara da classe trabalhadora. Eu sou apenas um cara normal. Eu não tenho um diploma avançado. Não tenho nenhum tipo de cargo em nenhum lugar. Eu sou apenas alguém que estava preocupado com este caso e apenas o segui. 

Amy Goodman: E o que mais o perturbou, quando começou a investigar, sobre o que não foi investigado? 

ABDUR-RAHMAN MUHAMMAD: Bem, o que me perturbou é que os assassinos foram nomeados em 1977, 1978. Eles foram nomeados há muito tempo pelo tempo de Talmadge Hayer. E o que me preocupou 

Amy Goodman: E Talmadge Hayer foi o homem que admitiu estar envolvido no assassinato de Malcolm X, e ele foi preso por décadas. 

ABDUR-RAHMAN MUHAMMAD: Isso é exatamente correto. E a pergunta tornou-se, você sabe: por que a polícia não investigou o assunto e questionou os verdadeiros assassinos? Eles moram nas ruas há 50 e poucos anos. 

Amy Goodman: Nós vamos parar e depois voltar para esta discussão. Um novo documentário da Netflix acaba de ser lançado. Chama-se Quem Matou Malcolm X? Fique conosco. 

Amy Goodman: "This Bitter Earth", de Dinah Washington. This is Democracy Now !, democracnow.org, The War and Peace Report. Eu sou Amy Goodman. Hoje, 21 de fevereiro completa cinquenta e cinco anos que Malcolm X foi assassinado, morto a tiros, no Audubon Ballroom, em Nova York, quando ele começou a se dirigir ao público. Ele tinha apenas 39 anos. Este é outro trecho da série documental Who Killed Malcolm X? (Quem matou Malcolm X?) 

ABDUR-RAHMAN MUHAMMAD: Quando Malcolm foi para Meca, as escamas caíam de seus olhos. Ele foi capaz de rejeitar muitas das visões que o haviam ensinado. 

MALCOLM X: Por causa do renascimento espiritual pelo qual fui abençoado como resultado da peregrinação à cidade sagrada de Meca, não sou mais assinante de acusações abrangentes de qualquer raça. 

HERB BOYD: Malcolm está emergindo como líder mundial. Ele teve a oportunidade de se expressar completamente. 

MALCOLM X: Como você vai me dizer que é cidadão de segunda classe? A cidadania de segunda classe não passa de escravidão do século XX. 

WILLIAM JELANI COBB: Este não é mais um agitador que irrita os negros desprovidos de direitos dos centros urbanos americanos. Agora é uma pessoa que é embaixadora da América Negra. Suas preocupações não são mais apenas a polícia de Nova York; suas preocupações agora são o Departamento de Estado. 

MALCOLM X: Entenda isso, que a cédula é tão poderosa quanto a bala. E se você não usar a cédula, precisará usar a bala. 

ZAHEER ALI: Ele está sendo percebido como uma ameaça que precisa ser neutralizada. 

ABDUR-RAHMAN MUHAMMAD: A maior injustiça é que o governo transformou um inimigo em um de seus cidadãos. Foi isso que levou a todo o resto. 

A. PETER BAILEY: O irmão Malcolm pode ter sido esse Messias. E é isso que eles não querem. 

ZAHEER ALI: Esse era o poder de Malcolm. Ele representou a força controlada do povo negro. 

MALCOLM X: Você não precisa de um debate. 

ZAHEER ALI: E deve ser desencadeado - 

MALCOLM X: Você não precisa de um filibuster. 

ZAHEER ALI: - seria um desafio formidável para o sistema. 

MALCOLM X: Você precisa de alguma ação. 

ZAHEER ALI: E em 1964 e 1965, essa força estava sendo desencadeada. 

AMY GOODMAN: Esse trecho da série documental Who Killed Malcolm X ?, argumentando que dois dos três homens que foram condenados e cumpriram anos de prisão pelo assassinato de Malcolm X são realmente inocentes e que seus assassinos não capturados eram quatro membros de uma nação de Mesquita do Islã em Newark, Nova Jersey. Continuamos nossa discussão hoje aqui na cidade de Nova York com nossos três convidados. Ilyasah Shabazz se juntou a nós, uma das seis filhas de Malcolm X. Ela tinha 2 anos quando seu pai foi assassinado à sua frente, seus irmãos e sua mãe; agora professor do John Jay College of Criminal Justice, organizador da comunidade e autor premiado. Ainda conosco, Abdur-Rahman Muhammad, estudioso independente, historiador, jornalista, escritor, ativista, amplamente considerado como uma das autoridades mais respeitadas que investigam o assassinato de Malcolm X, apresentado neste novo filme, Who Killed Malcolm X? E Shayla Harris, produtora da série, cineasta e jornalista premiada. 

Ilyasah, nossas condolências mais uma vez neste dia e o que aconteceu com seu pai, Malcolm X. 

ILYASAH SHABAZZ: Obrigado. Eu aprecio isso. 

Amy Goodman: Então, hoje, 55 anos atrás, você estava no Audubon Ballroom com sua mãe e três de suas irmãs. 

ILYASAH SHABAZZ: Está correto, minha mãe, que estava grávida na época, minha jovem mãe, meu pai. Uma semana antes, no que teria sido a noite do dia dos namorados nos Estados Unidos, um coquetel molotov, bomba de incêndio, foi jogado no berçário de onde o bebê de meus pais dormia. E uma semana depois, ele seria morto a tiros por balas de assassinos no Audubon Ballroom, que agora é o Malcolm X e o Dr. Betty Shabazz Memorial e Centro de Educação. E eu penso - sou grato por Abdur-Rahman Muhammad e por Shayla Harris e pelos produtores e diretores e por qualquer um que possa trazer luz à investigação de quem matou nosso pai, que tirou a vida de um jovem que desafiou a bússola moral de nações do mundo. 

Amy Goodman: Você tinha 2 anos? 

ILYASAH SHABAZZ: Sim, eu tinha 2 anos. 

Amy Goodman: Naquele dia. Agora, a maioria das pessoas não se lembra de quando tinha 2 anos. 

ILYASAH SHABAZZ: Certo. 

Amy Goodman: Mas você tem alguma memória? 

ILYASAH SHABAZZ: Não, não tenho. E estou muito agradecida por não ter memória, como minhas irmãs mais velhas, tenho certeza, podem lembrar, com 6 e 4 anos, o trauma e o caos e a compreensão de que nosso pai nunca voltou para casa, e especialmente para minha mãe, que era uma jovem mulher que realmente viu balas apenas rasgar o corpo de meu pai. 

Amy Goodman: Sua mãe estava grávida de gêmeos na época. 

ILYASAH SHABAZZ: Minha mãe estava grávida de minhas irmãs mais novas, as gêmeas, Malikah e Malaak. E Gamilah tinha apenas alguns meses de idade. 

Amy Goodman: Então, eu quero ir - e deixe-me perguntar. Seu pai, porque sua casa acabou de ser bombardeada no Dia dos Namorados, e parece que a polícia estava tentando espalhar boatos de que talvez isso não fosse verdade, ou ele havia feito isso consigo mesmo.

ILYASAH SHABAZZ: Correto. 

Amy Goodman: E então, eu quero ir para essa questão da polícia e do FBI. Você não consegue se lembrar. Você tinha 2 anos naquele dia. Mas a questão do que estava acontecendo no salão de baile antes de seu pai falar, a surpresa de muitas das centenas de pessoas que o procuravam, estava acostumada a ver filas de policiais onde Malcolm X falava. 

ILYASAH SHABAZZ: Isso mesmo. 

Amy Goodman: De repente, eles não estavam vendo filas de policiais. Shayla, você gostaria de falar sobre isso? 

SHAYLA HARRIS: Bem, acho que um dos aspectos mais preocupantes da investigação naquele dia é esse mesmo fato. Que Malcolm na época era uma figura notável, sua vida havia sido ameaçada publicamente de várias maneiras, e sua casa havia sido bombardeada, como Ilyasah mencionou, e o fato de que ele falaria na frente de várias pessoas, e não havia evidência visível da polícia, nenhuma medida exaustiva de segurança das pessoas que estavam entrando na sala naquele dia, levanta muitas questões. E isso era algo que queríamos entender e explorar. 

Amy Goodman: Se você quiser falar sobre isso, Abdur-Rahman Muhammad, essa questão da falta de segurança, quando na verdade Malcolm X falava, ele costumava ser cercado pela segurança, pela polícia? 

ABDUR-RAHMAN MUHAMMAD: Bem, uma das coisas que encontrei em minha pesquisa é que a polícia desprezou Malcolm X. Você sabe, ele atacaria o chefe de polícia - e com razão - por seu apoio à violência contra afro-americanos na cidade. Ele era uma figura insultada. E eles não estavam prestes a colocar seus homens em risco para proteger a vida desse indivíduo que eles desprezavam, francamente. E assim, você ouvirá a polícia falar - nós identificamos, rastreamos a polícia que estava ouvindo no telefone de Malcolm. Gerry Fulcher, seu trabalho, o dia todo, das 8:00 da manhã às 10:00 da noite, era atender o telefone de Malcolm toda vez que ele fazia uma ligação. Então, eles sabiam que sua vida estava em perigo, estava em perigo, estava em perigo mortal. Mais uma vez, sua casa acabara de ser bombardeada. E não havia polícia a ser encontrada. Foi absolutamente terrível. 

Amy Goodman: E eles estavam ouvindo os telefones de muitas pessoas da Nação do Islã, e também entendiam outros desenvolvimentos que estavam ocorrendo. 

ABDUR-RAHMAN MUHAMMAD: Bem, ambos os grupos, os seguidores de Malcolm, a Organização da Unidade Afro-Americana e a Mesquita Muçulmana Incorporada, e a Nação do Islã estavam saturados de informantes. E, bem, eu diria "informantes", mas não posso dizer "agentes", porque naquela época o FBI não tinha agentes negros do FBI. Estes teriam sido informantes. 

Amy Goodman: Eu quero ir para outro trecho, e depois vamos falar mais sobre isso, porque enquanto eu digo que a polícia não estava presente, toda essa questão de informantes e até mesmo da folha de pagamento, por exemplo, de o Departamento de Polícia de Nova York, eles estavam na sala. Vamos para outro trecho de Who Killed Malcolm X? 

A. PETER BAILEY: Na década de 1960, o FBI lançou uma das maiores operações de contrainteligência em toda a sua história. 

MALCOLM X: Os negros de todos os lugares hoje em dia estão fartos da hipocrisia praticada pelos brancos. 

A. PETER BAILEY: E eles vigiaram muito de perto o irmão Malcolm. 

MALCOLM X: E se algo não for feito, receio que você tenha uma explosão racial. E uma explosão racial é mais mortal do que uma explosão atômica. 

ABDUR-RAHMAN MUHAMMAD: J. Edgar Hoover, diretor do FBI, tinha um medo mortal de alguém como Malcolm X. Malcolm estava sendo vigiado. Ele estava sendo seguido. O telefone dele foi tocado. 

JOHN FOX: Se você olhar para a investigação de Malcolm X, é quando ele se torna uma figura pública da Nação do Islã que o departamento começa a se interessar mais por sua retórica subversiva. 

ENTREVISTADOR: Você parece estar insatisfeito com tudo. Apenas o que você quer? 

MALCOLM X: Não estou insatisfeito com tudo. Só estou lhe dizendo que os próprios negros tomarão as medidas necessárias para se defender. 

DAVID GARROW: O FBI tinha vários informantes humanos pagos de alto escalão na liderança da Nação do Islã. Seria possível que os informantes do FBI estivessem ativamente envolvidos no assassinato de Malcolm? Quase certamente. 

A. PETER BAILEY: Alguns membros da Nação do Islã se tornaram ferramentas voluntárias. Mas eles eram os fantoches. Os marionetistas estavam encarregados de toda essa situação. 

Amy Goodman: Ilyasah Shabazz, você pode falar sobre isso? 

ILYASAH SHABAZZ: Bem, acho que meu pai disse que, quando ele - você sabe, em algum momento ele pensou que era a Nação do Islã que estava atrás dele, porque ele havia sido perseguido com espingardas serradas. Havia tantos desafios e ameaças contra a vida jovem dele e de sua esposa e com a casa deles bombardeada. Mas ele disse, quando foi para a França, que a França não o permitiria entrar no país deles. E ele percebeu que isso era maior que a Nação do Islã, que a própria Nação do Islã não tinha o poder de mantê-lo fora do território da França. E a França não queria que a história incluísse que Malcolm fosse assassinado em suas terras, e assim fala alto. E meu pai entendeu que sua vida não era apenas desafiada pela Nação do Islã e que era muito maior que isso. E, portanto, é importante observar o trabalho que ele estava fazendo, desafiando as potências mundiais, desafiando as nações do mundo por assumir o controle de uma distribuição desigual da riqueza do mundo e desafiando essa ameaça. 

AMY GOODMAN: Bem, quero voltar à Nação do Islã, por causa das brechas que poderiam ter sido exploradas nessa organização e da brecha que Malcolm X teve com o honorável Elijah Muhammad. Vamos voltar para Who Killed Malcolm X? 

LOCUTOR: Ministro Malcolm X. 

HERB BOYD: A ascensão que Malcolm teve é ​​fenomenal. Quero dizer, era 1952. Ele estava na prisão. E então, vários anos depois, ele é o porta-voz nacional da Nação do Islã. 

MALCOLM X: Nós, que tivemos os olhos abertos pelo honorável Elijah Muhammad. 

SHAUN KING: Malcolm estava se tornando, de certa forma, uma figura que transcendia a Nação do Islã. 

MALCOLM X: Todo mundo no Harlem é muçulmano. 

SHAUN KING: Mas houve pessoas que lutaram com essa ascensão meteórica de Malcolm X. 

JAMES SHABAZZ: Malcolm deseja poder, e ele deseja televisão e imprensa. 

QASIM AMIN NATHARI: Houve quem começasse a pensar: "Se algo acontecer com Elijah Muhammad e Malcolm se tornar o líder, acabou para todos nós". 

ABDUR-RAHMAN MUHAMMAD: Ao longo dos anos, percebi que não conseguia entender o assassinato de Malcolm sem entender sua ascensão e queda na Nação do Islã e seu relacionamento complexo com seu mensageiro, Elijah Muhammad. 

MALCOLM X: O honorável Elijah Muhammad me ensinou tudo o que sei e me fez tudo o que sou. 

ABDUR-RAHMAN MUHAMMAD: A princípio, era como pai e filho. Mas havia algumas pessoas que pensavam que Malcolm estava se tornando muito poderoso e atrapalhava. A questão é: quem eram eles? E eles receberam uma ordem para matá-lo? 

WILLIAM JELANI COBB: Era como um teste de Rorschach, quando você olha para o assassinato de Malcolm - todos esses fatores contribuintes e é uma espécie de desfoque. E as pessoas olham para ela e dizem: "O que você vê?" E eu vejo muitas pessoas que queriam Malcolm morto. 

ELIJAH MUHAMMAD: Sou muito grato ao meu irmão Malcolm Shabazz aqui, que tem - por que, este é um discípulo real. Você terá que matar este para levá-lo embora. 

Amy Goodman: Essa última voz, Elijah Muhammad, disse: "Sou muito grato por meu irmão Malcolm Shabazz aqui. Ora, este é um discípulo real. Você terá que matar este para levá-lo embora." E antes disso, Jelani Cobb e nosso convidado, Abdur-Rahman Muhammad. Quero ir para outro trecho de Who Killed Malcolm X? isso começa com Malcolm X falando sobre o honorável Elijah Muhammad. 

MALCOLM X: Não há organização neste país que possa fazer mais pelos negros que lutam do que pelo movimento muçulmano negro, se quisesse. Mas chegou à posse de um homem que se tornou senil na velhice e talvez não perceba. E então ele se cercou de seus filhos, que agora estão no poder e não querem nada além de luxo e farão qualquer coisa para proteger seus próprios interesses. 

IMAN MUSTAFA EL-AMIN: Eu não excluiria ninguém, no momento em que era necessário, para remover Malcolm. Quero dizer, foi um distintivo de honra seguir em frente com Malcolm. Acho que o honorável Elijah Muhammad não deu necessariamente a ordem. Ele não teve que dar o pedido. Ele poderia dizer algo simples assim: "Cara, essa situação está realmente me causando um problema". E alguém cuidaria disso. 

AMY GOODMAN: From Who Killed Malcolm X?, a série documental da Netflix que acaba de ser lançada. Abdur-Rahman Muhammad, leve-o de lá. Fale sobre as brechas dentro da Nação do Islã e o contexto da época, o que você acredita que aconteceu. 

ABDUR-RAHMAN MUHAMMAD: Bem, houve uma verdadeira brecha no sentido de que Malcolm começou a ver as coisas de uma maneira diferente. Malcolm era mais um ator político, enquanto Elijah Muhammad queria ser mais como uma figura religiosa, uma figura muito, muito conservadora. Eles tinham uma política em que se abstinham de quaisquer protestos de direitos civis ou atividades de direitos civis. E ao longo do tempo em que Malcolm esteve na Nação, nos 12 anos em que serviu nesta organização, ele começou a ver o problema com essa posição, que era uma vergonha para a Nação do Islã o fato dele ser muito militante, discurso muito estridente e poderoso, mas ao mesmo tempo eles estavam completamente adormecidos quando se tratava de ativismo político e se engajavam na luta pelos direitos civis. E a luta pelos direitos civis, sob a liderança do Dr. King e dos outros líderes dos direitos civis, estava fazendo muito progresso, você sabe, na promoção dos direitos dos afro-americanos neste país. E a Nação do Islã, apesar de todo o seu discurso forte, realmente não fez nada. E assim, isso criou uma brecha com Malcolm. E isso foi exacerbado. Chegou ao ponto com a morte de Ronald Stokes em Los Angeles, em que entramos em 1962. Então, houve um. 

Amy Goodman: Explique. 

ABDUR-RAHMAN MUHAMMAD: Bem, em abril de 1962, seguidor muito leal de Elijah Muhammad, veterinário da Guerra da Coréia com o nome de Ronald Stokes, que era muito, muito amigável com Malcolm, ele e sua esposa. Malcolm o amava profundamente. Ele foi brutalmente morto a tiros na mesquita com as mãos levantadas, sabe, apenas uma ação policial por algum incidente inofensivo, como vender roupas ilegais, que não eram ilegais, ok? Eles invadiram a mesquita e mataram o irmão. E isso fez Malcolm ficar furioso, irritado. Ele queria se vingar da polícia pelo que haviam feito a Ronald Stokes. 
E Elijah Muhammad vetou. E sua solução ou sua resposta foi: "Vá vender mais jornais de Muhammad Speaks". Você sabe, e a filosofia de Malcolm era: "Você nos ensinou que este homem é o diabo. Você sabe, este homem, ele colocou o pé em nosso pescoço e tirou a vida de nosso irmão. E por anos e anos e anos, ele pregou olho por olho. Ele disse: "Somos ensinados a obedecer à lei. Somos ensinados a ficar em paz. Mas se alguém lhe der uma mão, você a envia para o cemitério. Ele havia ensinado isso há anos. E agora que um dos muçulmanos havia sido morto, Malcolm sentiu que era a hora de responder. Era a hora de tomar nossa posição. E foi vetado. E ele teve que voltar para Nova York e explicar a seus seguidores muito militantes por que a Nação do Islã não fez nada, como sempre. E isso criou uma fenda na nação, porque isso estava causando um problema para Elijah Muhammad. 

Amy Goodman: Ilyasah Shabazz, fale sobre a mudança de seu pai ao longo do tempo, indo para Meca, voltando, querendo ir mais longe do que ele realmente estava sendo capturado dentro da Nação do Islã, tornando-se muito mais envolvido politicamente. 

ILYASAH SHABAZZ: Bem, acho que, sabe, essa coisa que meu pai foi preso e milagrosamente se tornou Malcolm X, ele sempre foi um líder. Ele sempre foi compassivo. Ele sempre foi um jovem instruído. Seus pais incutiram valores específicos nele e em seus irmãos: a importância do amor próprio, a importância da compaixão, o cuidado, a importância da literatura. 

Amy Goodman: Seu pai, um garveyita. 

ILYASAH SHABAZZ: Seu pai, presidente capitular de um movimento que comandava milhões de seguidores na década de 1930. Sua mãe, que era a secretária nacional de gravação dessa organização, garantiu que seus filhos entendessem seus papéis como seres humanos, como cidadãos globais. E para a Nação do Islã, meu pai, quando se juntou, encontrou centenas de membros. E ele pensou: "Esta é uma organização e mensagem importante demais, para que tenhamos mais membros, que queiram conhecer sua identidade, que queiram conhecer a história, que queiram conhecer seu relacionamento com Deus". Então, ele transformou essa organização de um punhado de membros para dezenas de milhares. A renda aumentou, milhões de dólares anualmente. Eles possuíam propriedades, imóveis, empresas, sua própria escola que operava e ensinava as crianças com seu próprio currículo de informações precisas. E assim, meu pai não apenas colocou um desafio a outros, que infelizmente teriam inveja de seu intelecto, de seu comprometimento, de sua justiça, mas também das potências mundiais, que realmente poderiam se importar menos com seus cidadãos, por sua própria ganância pessoal... E, portanto, acho que tudo o que tira Malcolm e sua capacidade de organizar e tudo o que ele faz é apenas um desserviço ao progresso. 

Amy Goodman: Quer dizer, ele expandiu os membros da Nação do Islã de centenas para milhares de pessoas. 

ILYASAH SHABAZZ: Certo. Dizem centenas de milhares ou dezenas de milhares? 

SHAYLA HARRIS: Milhares. 

ILYASAH SHABAZZ: Dezenas de milhares. 

SHAYLA HARRIS: Ainda muito. 

Amy Goodman: Então, eu quero voltar para - bem, vamos fazer uma pausa e depois voltaremos para um trecho final de Who Killed Malcolm X? Estamos falando sobre as especificidades dos homens envolvidos, mas também sobre as forças deste país que não queriam que Malcolm X continuasse. Novamente, 55 anos atrás, Malcolm X foi assassinado aos 39 anos, assim como o Dr. Martin Luther King alguns anos depois, ambos mortos aos 39 anos. Fique conosco. 

Amy Goodman: "Malcolm X", de Philip Cohran e do Artistic Heritage Ensemble. This is Democracy Now !, democracnow.org, The War and Peace Report. Eu sou Amy Goodman. Hoje, há 55 anos, em 21 de fevereiro de 1965, Malcolm X foi morto a tiros e assassinado no Audubon Ballroom, no Harlem, Nova York. Neste trecho da série documental da Netflix Who Killed Malcolm X?, Nosso convidado, Abdur-Rahman Muhammad, descreve imagens da cena fora do salão de baile após o assassinato. 

ABDUR-RAHMAN MUHAMMAD: O médico legista determinou que a causa da morte era a bala de espingarda. Não foram as feridas dos atiradores após o tiro que matou Malcolm X. A causa da morte foi considerada a espingarda serrada. 

REPORTER: Os participantes do rally apreenderam um dos pistoleiros enquanto ele tentava escapar do Audubon. 

ABDUR-RAHMAN MUHAMMAD: Há um filme de arquivo da cena do lado de fora do Audubon Ballroom logo após o assassinato. Você vê uma briga entre a polícia e a multidão que estava tentando derrubar Talmadge Hayer, o único dos assassinos a confessar. Há um homem parado na beira da multidão que se parece muito com William Bradley, que, segundo Hayer, disparou a espingarda que matou Malcolm. E ele está fingindo que faz parte da briga. E nesse tipo de desvio de direção, ele dá um passo atrás, e então você o vê atravessar a moldura, com muita calma, fechando o casaco, e ele simplesmente se afasta. Foi assim que ele escapou. Se William Bradley é o homem que tirou a espingarda e tirou a vida de Malcolm X e eu posso provar isso, quero enfrentá-lo cara a cara. 

Amy Goodman: William Bradley. Quem é esse, Abdur-Rahman Muhammad? Esse é um trecho de você falando no documentário, mas vamos falar sobre onde sua investigação levou. 

ABDUR-RAHMAN MUHAMMAD: William Bradley era um homem forte da Nação do Islã. Ele era o músculo da Mesquita N° 25 em Newark, Nova Jersey. Mas ele também era um gângster notório, assaltante de banco, com um longo e longo histórico criminal. Ele foi especificamente recrutado para realizar esse assassinato por causa de sua proficiência com a espingarda serrada, que é uma arma muito, muito difícil de disparar, disseram. Ele está na comunidade quase desde o início da fundação da Mesquita 25, em Newark. E ele é um criminoso infame nas ruas de Newark. Ele é bem conhecido. E ele usava o assassinato de Malcolm X como um distintivo de honra. Este foi o seu crédito de rua, que ele foi quem matou Malcolm. E ele lembraria você disso. E essa é a razão, a propósito - uma das razões - porque sabemos quem ele é, porque por muitos, muitos anos antes de ele ir para a prisão em sua última passagem, ele realmente se gabava. Você sabe, mesmo aquele trecho que acabamos de ver quando ele se afastava do Audubon, ele sentava lá e dizia: "Ei, foi assim que eu fugi", e assim por diante. 

Amy Goodman: Só para esclarecer, Thomas 15X Johnson cumpriu 22 anos de prisão; Norman 3X Butler cumpriu 20 anos de prisão pelo assassinato de Malcolm X, agora conhecido como Muhammad Aziz; e Talmadge Hayer - foram eles que foram para a prisão. E Talmadge Hayer disse que estava envolvido no assassinato, mas disse que os outros dois não estavam. E esta edição de William Bradley e por que ele não foi escolhido na época. Agora, quero também ir a Shayla Harris sobre isso, porque você tem no documentário esses momentos incríveis, como se estivesse conversando com Cory Booker, o senador, e voltando a um anúncio de quando ele estava concorrendo. prefeito. E há William Bradley no anúncio. 

SHAYLA HARRIS: Certo. 

Amy Goodman: Nesse ponto, é claro, ele está fora da prisão. Ele é um organizador da comunidade, administra uma academia ou capacitação da comunidade para jovens em Newark. E você mostra a foto de Cory Booker e diz: "Você o conhece?" 

SHAYLA HARRIS: Sim, quero dizer, esse é um momento incrível da série. E foi certamente um momento incrível para nós, quando percebemos que a pessoa que foi o gatilho desse incidente estava em um anúncio de campanha de Cory Booker, que é um político notável de Newark. E, você sabe, ele nem sabia da história de William Bradley. E isso foi parte do que impulsionou a investigação de Abdur-Rahman, e certamente a nossa, é que esse homem está escondido à vista de todos. 

Amy Goodman: E, no entanto, você tem Ras Baraka, agora prefeito de Newark, é claro, filho do famoso poeta e ativista Amiri Baraka, dizendo: "Sim, claro, nós sabemos disso" - acho que ele o chama de " cara de espingarda ", conhecido como" homem de espingarda ". Mas quando uma pessoa não é cobrada, você sabe, existem muitos boatos na comunidade. E temos que ter muito cuidado, porque conhecemos pessoas inocentes que foram acusadas de crimes ou condenadas por crimes, mesmo para as quais não estavam envolvidas. Mas essa questão, Ilyasah Shabazz, de uma pessoa que você diz, Abdur-Rahman, estava à vista de todos, não sendo presa, seus pensamentos? 

ILYASAH SHABAZZ: Bem, se ele não foi preso, obviamente alguém o protegeu. Alguém o protegeu de ir para a cadeia. E alguém o protegeu tanto que se sentiu invencível em continuar a viver em plena luz do dia, sabendo que havia acionado o gatilho e, reconhecidamente, meu pai. 

Amy Goodman: Este é o homem que apareceu exatamente quando seu pai estava falando na tribuna, e tem uma espingarda serrada debaixo do casaco, tira e o atira à queima-roupa. 

ILYASAH SHABAZZ: Isso mesmo. E assim, sabemos que a própria Nação do Islã não pode impedir que alguém seja preso, mas que deve ser alguém ou uma entidade muito maior. 

Amy Goodman: Então, eu não sei qual de vocês quer levar isso, mas Gene Roberts, no filme, Gene Roberts. E você estava apenas sugerindo, Abdur-Rahman Muhammad, quando dizia que há agentes da polícia, eles não são remunerados, são ativos, são informantes. Mas esse homem não estava nos livros como detetive da polícia de Nova York, agente disfarçado, mas era. E ele era um dos homens mais próximos de Malcolm X. Ele está bem ali, logo abaixo do pódio onde Malcolm X está falando. Ele é quem lhe dá ressuscitação boca a boca. Ele nunca ligou para nenhum julgamento. A polícia diz - ou melhor, os promotores dizem que nem sabiam que ele existia. 

ABDUR-RAHMAN MUHAMMAD: Jovem. Eles o chamavam de irmão Gene, originalmente da Virgínia. Ele disse que acabou de ingressar na força policial porque tinha um bebê novo, e, você sabe, é uma oportunidade que estava aberta para ele, então ele se juntou à polícia. Mas ele se juntou ao chamado BOSS, o Bureau de Serviços Especiais. Era uma divisão ultra-secreta do Departamento de Polícia de Nova York. Foi modelado após o FBI. 

E você está certo. Ele é a pessoa mais próxima de Malcolm nesta filmagem. Você o vê parado ao lado dele no pódio. Você verá trechos em que o Malcolm está saindo de um evento, e Gene está ao lado dele. E é realmente assustador, até que ponto Malcolm examinou. Quero dizer, eu me arrepio quando penso em quanto havia todo esse homem, que a aplicação da lei estava em todo esse homem. É absolutamente assustador. Mas sim, foi ele quem administrou a ressuscitação boca a boca e está em todas as imagens que você vê de Malcolm. 
E esse homem, mesmo estando de frente para o público no momento do assassinato, não foi chamado para o tribunal durante o julgamento dos três homens que foram condenados pelo assassinato - Norman 3X Butler, Thomas 15X Johnson e Talmadge Hayer. Mesmo sendo uma testemunha ocular voltada para a plateia e um policial, nunca foi chamado para o estande. 

Amy Goodman: Então, Ilyasah Shabazz, seus pensamentos sobre Cyrus Vance, o promotor público, dizendo que ele está pensando em reabrir a investigação sobre o assassinato de Malcolm X, do seu pai? 

ILYASAH SHABAZZ: Bem, acho que falo em nome da minha família, neste caso, quando digo que sou grato por Cyrus Vance, procurador do distrito de Manhattan, estar pensando em abrir esse caso e investigar quem realmente matou nosso pai. Acho que falo em nome de muitos milhões de apoiadores e seguidores neste país e em todo o mundo, quando digo que queremos saber não apenas quem o matou, mas por que ele foi morto. 

Amy Goodman: Então, Shayla Harris, por que você não expande isso e fala sobre esse legado? E quero voltar para Ilyasah por isso, do por que ele foi morto. 

SHAYLA HARRIS: Sim, quero dizer, acho que é uma pergunta importante. Quero dizer, Malcolm teve uma influência e um impacto tão importantes nas gerações posteriores. E ver que a morte dele foi negligenciada e não foi processada ou investigada de maneira adequada à sua estatura em nossa cultura, é realmente decepcionante. E acho que se essa é uma oportunidade de trazer justiça a ele e sua família, e certamente a Muhammad Aziz e sua família, então acho que é um bom começo. 

Amy Goodman: E, Ilyasah Shabazz, agora você é professora no John Jay College. Este é o Colégio de Justiça Criminal. Muito interessante que você esteja lá e o que ensina aos alunos agora, que estão lidando com a questão da justiça criminal e o que seu pai pensaria ser a justiça real neste país e no mundo? 

ILYASAH SHABAZZ: Sim, está certo. Você sabe, meu pai continua a inspirar essa geração. Eu sempre digo aos meus alunos e jovens ao redor do mundo que esta é a geração que consegue isso. Esta é a geração que manteve a verdade no poder. Eles acreditam na nossa humanidade. Eles acreditam na unidade de Deus, que somos todos seres humanos com os mesmos privilégios e oportunidades. 

Amy Goodman: E, Abdur-Rahman Muhammad, eu queria perguntar: Você já conheceu William Bradley, também conhecido como Al-Mustafa Shabazz? 

ABDUR-RAHMAN MUHAMMAD: Bem, essa é a coisa mais comovente da série. A resposta é não, eu não estava. E, você sabe, essa foi uma das partes mais difíceis desta pesquisa, é que, depois de todas essas décadas de investigação do assassinato de Malcolm X, tendo identificado William Bradley, toda a energia e recursos necessários para tirar uma foto dele para que eu pudesse obter uma identificação positiva, e chegamos a esse ponto em que estávamos prestes a confrontá-lo com seu crime horrível e perguntar: “Como você pôde fazer isso com o nosso povo? Como você vive com você mesmo? Como você lida com isso diariamente, sabe? Como você se explica? Você vai correr em casa como o covarde que você é, como o covarde sujo que você é? 

Amy Goodman: Mas você não conseguiu. 

ABDUR-RAHMAN MUHAMMAD: Eu não tive essa chance, não. Ele morreu. Quero dizer, estávamos lá. E isso - ele foi faleceu. 

Amy Goodman: E, é claro, é maior que um homem. Vai para a questão da polícia, do FBI, deste país. 

ABDUR-RAHMAN MUHAMMAD: Amy, nesse ponto.

Amy Goodman: Temos cinco segundos. Teremos que salvá-lo para outra hora. Abdur-Rahman Muhammad, estudioso, historiador, jornalista, ativista, apareceu na nova série documental Who Killed Malcolm X? Shayla Harris, produtora da série, cineasta premiada. E Ilyasah Shabazz, uma das seis filhas de Malcolm X. Sou Amy Goodman. Muito obrigado por se juntar a nós.

A SEGUNDA PARA VAI AO AR NO DOMINGO!

Caso você fale inglês, neste link (AQUI) você pode ouvir ou ler a entrevista 

Fonte: As Democracy Now!



Nenhum comentário:

Postar um comentário