quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Irmãs gêmeas misturam jazz, hip-hop e cânticos iorubá em disco de estreia




As gêmeas fraco-cubanas, Noami Diaz e Lisa Kaindé formam a dupla “Ibeyi”, que têm se destacado protagonizando apresentações com ingressos esgotados e turnês relevantes pelos Estados Unidos, África e Europa. Mas foi pela mão abençoada de Beyoncé, que as duas começaram a  ganhar mais olhares e ouvidos atentos…


Do nos2
Com o disco intitulado “ibeyi”, que em iorubá significa “irmãos gêmeos”, nas irmãs de apenas 20 anos, contam que ficaram surpresas quando a cantora norte-americana postou um vídeo da música delas em seu perfil do Instagram. “Estávamos num aeroporto quando ela [Beyoncé] publicou. Não entendemos nada!”, lembra Naomi.
“Muito antes de fazermos o disco, Jay-Z [marido da cantora] assistiu a um vídeo com uma versão de ‘Mama Says’ e entrou em contato com nosso manager à época pedindo a música. Acho que, depois disso, eles nos acompanharam”, acredita Lisa. O burburinho que atraiu o casal famoso foi provocado pela criativa mistura de beats afro-cubanos e eletrônicos, embalando composições interpretadas em inglês e em iorubá.
Mas não foi só o som que atraiu as atenções para a banda. O fato de as gêmeas terem físico e comportamento antagônicos aguçou curiosidades, criando uma mística em torno das garotas. Lisa, falante e com seus cabelos penteados num imponente black power, preparava-se para ser professora de música quando o duo decolou. Já Naomi, que esconde os intimidantes olhos de ressaca com suas longas mechas onduladas, costuma dizer que a parceria com irmã a salvou da “horrível” disciplina escolar.
Na música, seus estilos também se opõem. Enquanto Lisa ouve jazz e downtempo (ritmo eletrônico com andamento calmo), Naomi prefere o hip-hop. “Nosso trabalho torna-se interessante justamente porque jamais pensamos a mesma coisa”, acredita Lisa, e essa junção resultou numa sonoridade que as irmãs definem como “negro spirituals”, mescla de influências herdadas do pai, o percussionista cubano Miguel “Angá” Diaz, e da mãe e empresária da dupla, a franco-venezuelana Maya Dagnino.
Nascidas em Paris, as gêmeas moraram os dois primeiros anos de vida em Cuba. A infância das meninas é repleta de memórias dos shows do pai, instrumentista premiado com o Grammy Latino e parceiro de gente como o pianista cubano Chucho Valdés. E têm o universo mágico da santería, que mescla crenças católicas às tradições iorubá —similar ao candomblé brasileiro.
“Para nós, ela representa muito mais uma cultura do que uma religião”, explica Lisa. “Cresci com a ideia de que sou filha de Iemanjá e Naomi, de Xangô. Isso faz parte da nossa formação e é natural que esteja em nossa música”, afirma ela.
Aos sete anos, as meninas estrearam no conservatório. Lisa ao piano e Naomi na percussão. A primeira se divertia, enquanto a segunda se entediava. “A disciplina era duríssima. Eles não deixavam espaço para a criação. Era muito frustrante”, diz Naomi.
O Ibeyi começou a tomar forma quando Lisa debutou num palco profissional, aos 15 anos. O responsável foi o músico cubano Raul Paz, amigo da família, que a convidou para uma participação em seu show no Le Bataclan, famosa casa de espetáculos parisiense. “Depois disso, propuseram a ela gravar um EP e eu disse: ‘Você não vai fazer sem mim”, relembra Naomi.
O compacto, nunca lançado, foi parar nas mãos do britânico Richard Russell, dono da gravadora XL Recordings, cujo casting reúne artistas como Adele, Jack White e Radiohead. “Quando nós o encontramos, sentimos imediatamente que Richard produziria o disco. Isso mesmo antes de ele dizer uma palavra”, afirma Lisa.
“Ibeyi”, o álbum, reúne influências do jazz de Nina Simone, da eletrônica experimental de James Blake e do canto de Elis Regina. A essas referências, Lisa e Naomi agregaram os cânticos em iorubá, que entoavam no coral da infância.




Share this article

0 comentários:

Postar um comentário

 
Copyright © 2014 Noticiário Periférico • All Rights Reserved.
Template Design by BTDesigner • Powered by Blogger
back to top