terça-feira, 31 de outubro de 2017

CORPÓREA COMPANHIA DE CORPOS APRESENTA RÉS NA FUNARTE


Após o enorme sucesso da estreia de Rés, a Corpórea Companhia de Corpos volta a apresentar o espetáculo que agora faz parte da programação de "Negritudes Convergentes: Danças Independentes", projeto daCia Sansacroma que vai até o dia 26 de Novembro, na Funarte. Rés aborda as várias formas de encarceramento de tudo o que se levanta como feminino e a vulnerabilidade desses corpos no Brasil, propondo importantes reflexões através da dança.   

RÉS É A PRIMEIRA OBRA DA CORPÓREA QUE PRÕPOE REFLEXÕES SOBRE O CORPO NEGRO E PERIFÉRICO 

A Corpórea convida o público a conhecer esta produção em dança que busca evidenciar corpos negros em ações cotidianas, seu protagonismo, e refletir sobre a invisibilidade inerente ao nosso contexto social. 

Nos dias 02 e 03 de novembro, às 19h30, a Corpórea Companhia de Corpos apresenta o espetáculo Rés, no Complexo Cultural Funarte, como parte da programação do projeto "Negritudes Convergentes: Danças Independentes", produzido pela Cia Sansacroma, que vai até o dia 26 de Novembro. 

O espetáculo Rés, que teve sua estreia com muito sucesso no dia 17 de Outubro no SESC 24 de Maiopropõe uma grande reflexão sobre a situação de mulheres em situação de cárcere no Brasil, sobre a violência existente neste universo contra o gênero feminino, a vulnerabilidade destes corpos até chegar ao momento da prisão e direciona o olhar para quem são essas mulheres encarceradas de diversas formas (física e metaforicamente). 

Para além das grades e cadeados, “Rés” lança questionamento sobre quantas portas fechadas já existiram, existem e ainda existirão na vida destas pessoas que, de certa forma, são marcadas por serem mulheres negras. A obra faz uma análise também sobre o entorno e sobre as mulheres que acabam levando uma vida de encarceramento por terem companheiros, filhos e outros familiares em situação de cárcere.  

Com direção geral de Verônica Santos“Rés” é uma produção em dança e a primeira obra de uma trilogia em construção da Corpórea, que investiga uma outra forma de pesquisa e um novo olhar sobre como transladar o corpo negro cotidiano para a cena. Na sequência haverá uma montagem em teatro e depois um espetáculo em dança com aspectos performativos sobre a memoria do corpo e sua máscara, a pele. 

Em Rés, a dança é utilizada para apresentar três corpos femininos e negros em cena, que compartilharão as diversas possibilidades de reflexões e denúncias de um aspecto social que está sempre à margem das discussões.  

“Usamos os nossos corpos para denunciar o que um corpo negro feminino sente em uma situação de encarceramento. É por isso que a encenação não fala de números estatísticos. Buscamos uma reação da plateia, um incômodo ou simplesmente um estado de inércia. Não porque são expectadores, mas sim por sentirem o peso do encarceramento, queremos remete-los às suas próprias realidades. Em Rés a plateia nunca é um mero observador” – pontua Malu Avelar, uma das criadoras da Corpórea. 

Apesar do nome Rés, na obra não existem presidiárias (nem personagem, nem figuras, nem bailarinas), mas sim corpos expostos à situação que representem os diversos tipos de encarceramento. Essa característica reforça a nova forma de pesquisa intencionada pela Corpórea.   

SOBRE A CORPÓREA COMPANHIA DE CORPOS 
A Corpórea Companhia de Corpos tem como objetivo evidenciar corpos negros em ações cotidianas demonstrando o protagonismo presente inclusive em ações simples do dia-a-dia. Neste processo de historicizar seus corpos, a partir da trajetória de outros corpos, o grupo busca contextualizar suas referências estéticas, poéticas e políticas, entrelaçadas nesse corpo que se faz urgente e indispensável.  

Partindo de questões e reflexões sociais que desempenham o papel do corpo negro na cena, os fundadores: Verônica Santos, William Simplício e Malu Avelar estabelecem a preposição de uma pesquisa que objetiva não somente criar, mas, também resgatar suas ações, produções, memórias e trajetórias, no percurso de suas contemporaneidades na cena. 

A Corpórea Companhia de Corpos não se intitula uma companhia de dança, teatro, música ou performance. Como o próprio nome menciona, é uma companhia de corpos que usa da linguagem da "exposição" dos corpos negros para evidenciar o seu devido protagonismo em situações cotidianas.  

“Um pedreiro em cena mexendo com a massa e levantando uma parede. Isso é um corpo negro em evidência, expondo a potência máxima da sua existência humana negra e social. Nesta cena ou performance a pesquisa está nos olhares sobre o que se vê. A ação do intérprete e a reação da plateia é um dos campos de pesquisa mais valiosos da Corpórea. Como o nosso corpo faz você sentir, a partir do que nós sentimos” – descreve William Simplício. 

Conheça o potente trabalho da Corpórea Companhia de Corpos. Mais informações em www.facebook.com/corporeacompanhiadecorpos 

SINOPSE - RÉS 
O espetáculo “Rés” tem como temática principal o universo do encarceramento feminino e a vulnerabilidade desse corpo no Brasil. Diante deste contexto, o espetáculo propõe uma análise artística e poética, através de uma produção em dança sobre as estatísticas que envolvem o sistema de encarceramento em massa. Propondo uma importante reflexão através da dança, a Corpórea convida o público a conhecer um trabalho que evidencia o protagonismo negro nas estruturas do cotidiano. 
Quando: Dias 2 e 3 de novembro - Quinta e sexta, às 19h30. 
Ingressos: R$ 10 (meia-entrada: R$ 5) – Cartões não são aceitos  
*Entrada gratuita para moradores do bairro de Santa Cecília 
Duração: 50 minutos. 
Classificação etária: 12 anos 
Endereço: Complexo Cultural Funarte SP. Alameda Nothmann, 1058, Campos Elíseos. Mais informações: (11) 3662-5177 / funartesp@gmail.com 

FICHA TÉCNICA: 
Concepção e Direção: Verônica Santos 
Intérpretes Criadores: Débora Marçal, Malu Avelar e Verônica Santos 
Direção Musical: Melvin Santhana 
Trilha sonora: Melvin Santhana e Manassés Nóbrega  
Preparação de corpo cênico: William Simplício 
Provocadores: Dina Alves e William Simplício 
Iluminação: Danielle Meireles  
Figurino: Débora Marçal e Wellington Adélia  
Fotógrafo: Gal Oppido 
Assessoria de Imprensa: Luciana Gandelini 
Vídeo PerformanceNoelia Nájera 
Produção Executiva: UTPA 
Share this article

0 comentários:

Postar um comentário

 
Copyright © 2014 Noticiário Periférico • All Rights Reserved.
Template Design by BTDesigner • Powered by Blogger
back to top