terça-feira, 17 de outubro de 2017

Max Souza lança o som "Sangue, Suor e Lágrimas Parte 2" com part. Sarah Guedes, Kainná Tawá e Djonga



Em 14 de outubro de 1964, o líder anti-racista Martin Luther King  foi consagrado com o Prêmio Nobel da Paz por sua defesa dos direitos civis e sua liderança na resistência pacífica pelo fim do preconceito racial nos Estados Unidos. 
Com apenas 35 anos de idade, ele se tornou a pessoa mais jovem a receber o prêmio.

Protagonista na luta, foi decisiva sua participação para a declaração de inconstitucionalidade da segregação racial dos negros nos EUA. 
Ele liderou o movimento a favor dos direitos civis da população negra americana na década de 1950. Após o episódio da prisão de Rosa Parks, em 1955, uma mulher negra que se recusou a ceder seu lugar em um ônibus para uma mulher branca, 
King também organizou marchas para conseguir o direito ao voto, além de outros direitos civis básicos, bem como o fim da segregação e das discriminações no trabalho. Em 1963, realizou um dos discursos mais marcantes da história: o famoso “I have a dream”. A sua batalha por esses direitos resultou na criação da Lei de Direitos Civis (1964) e da Lei de Direitos Eleitorais (1965) nos EUA.

Está é nossa homenagem ao legado e a memoria de Martin Luther King, seguimos dando continuidade a luta ate que o teu sonho, o nosso sonho se torne realidade.
Paz, Justiça, Liberdade, Igualdade, Poder para o povo Preto.

Sangue, Suor e Lágrimas Parte 2
O Sonho se Mantem vivo!


FICHA TÉCNICA SOM Letra/Voz: Max Souza, Sarah Guedes, Kainná Tawá e Djonga Produção Musical: Celson Ramos Mixagem: Celson Ramos Masterização: Luciano Vassão Gravado no Estúdio Seu Som Music. Liric Vídeo: Drick Dollar © 2017 Monarca SA

Sobre Max Souza
Max Souza nasceu e cresceu em Contagem, cidade da região metropolitana de Belo Horizonte.
Seu primeiro contato com o rap ocorreu quando ainda criança. Desde então, o artista seguiu
ouvindo o gênero musical e sua primeira experiência com o movimento foi ao participar das
tradicionais batalhas de MC’s no Viaduto Santa Tereza. Estudante de Psicologia, Max utiliza
como método de composição o emprego de metáforas e analogias em suas letras. Ao abordar
o "eu" enquanto ser humano, o artista faz uso de uma linguagem não convencional em suas
músicas, valorizando as palavras, expondo conflitos e vivências pessoais, além de questões
sociais envolvidas no cotidiano dos negros. Fato este abordado em seu primeiro single
"Sangue, Suor e Lágrimas", no qual Max Souza retrata o genocídio e a marginalização da
juventude negra. A força da canção o levou a tornar-se um dos cinco finalistas do “Festival
Sons da Rua”, no qual concorreu com novos talentos do rap nacional de todo o Brasil e foi
selecionado para realizar um grande show na Arena Corinthians, em São Paulo/SP, dividindo o
palco com grandes nomes do rap atual, como Emicida, Criolo e Marechal. Alem disto Max
Souza atua também como produtor cultural e é idealizador e produtor da festa “Bronx 73 –
Voltando às Raízes” que ocorre a 2 anos na cidade de Contagem com produção independente.

Share this article

0 comentários:

Postar um comentário

 
Copyright © 2014 Noticiário Periférico • All Rights Reserved.
Template Design by BTDesigner • Powered by Blogger
back to top