sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

HARLLEY transforma decepções e dores em novo EP independente

​​​(Foto: Pri Lippi)​


“unlovers” mistura tons de trapsoul com hip hop e serve como trilha sonora para corações quebrados

Produzido e masterizado por Mano Judão no estúdio SSG Records (SP), “unlovers” é o primeiro trabalho de HARLLEY. Com apenas 19 anos, o paulistano reflete em suas letras as experiências amorosas negativas que teve ao longo da vida. Quando percebeu que os erros e dores se repetiam a cada rapaz novo que entrava em seu coração, decidiu transformar essas mágoas em arte. “Eu definiria esse trabalho como algo que eu precisei viver pra saber como funcionava. Aprendizado mesmo. Afinal, o ‘unlovers’ não aconteceria se não fosse tão real. Levou tempo para que eu percebesse que a minha música é moldada pelo meu estado físico e emocional, mas hoje em dia consigo controlar isso muito bem e expandir o meu lado criativo, embora ainda role a influência”, afirma.

Com referências de Drake, Rihanna e Bryson Tiller na bagagem, o artista encontrou em ritmos como o trapsoul misturado com elementos do hip hop, a base para contar a sua história. O álbum segue uma linha do tempo dividida em fases. “Antes de Ter Você” e “Conselho” falam sobre a superação na vivência de um jovem negro, LGBT, que mora em periferia e encara difíceis situações de homofobia e racismo. “A primeira mensagem é sobre se ver superior aos seus problemas, sobre superar isso e continuar seguindo os seus sonhos de cabeça erguida apesar de tudo”, explica HARLLEY.
Em seguida, os ouvintes são levados para o interlúdio “Broken Wings”que serve como a ponte para depois apresentar a envolvente “Explícito” e “Me Devora” - com participação de Murillo Zyess - canções que abordam a recaída emocional e a entrega do lado sensual. “Uma vez que muitas vezes os nossos corpos são objetificados, é importante que a gente saiba quais são os nossos limites sozinhos antes de se entregar para outra pessoa”, complementa o rapaz.
Após a superação e a recaída, vem sempre o momento de recuperação, que fica evidente em “Filho do Capão” que vêm primeiro com a revolta por todos os casos de hiper sexualização. Para fechar o EP, a dançante “O Jogo” mostra um lado festivo e desapegado com participação de Thalia Abdon. “Essa última música já abre uma prévia para os próximos projetos, a era pós unlovers. Me vejo preparado para fazer música sobre muitos assuntos. Estou inspirado e forte, sinto que o meu lado emocional se encontra muito equilibrado, o que me faz pronto para encarar desafios que podem aparecer ao longo do caminho”, argumenta o cantor.

Ouça aqui