quarta-feira, 30 de maio de 2018

Contadores de Mentira aborda Canudos, Antonio Conselheiro, Medéia, Candomblé e Orixás da Cultura Afro Brasileira na Funarte São Paulo

Curra- março de 2017 net - foto jéssika castro  

“Encontramos a nossa maneira de celebrar um tema e não apenas interpretá-lo na dramaturgia da razão.
Celebramos a relação entre público, artistas, obra, instante. Contamos histórias pela lembrança, pela imagem, pelo cheiro,
pela dança, pela comida, pela cachaça, pela sombra, pela escuridão, pela luz, pelo silêncio.”


O grupo Contadores de Mentira apresenta, a partir do dia 1º de junho de 2018, dois espetáculos de seu repertorio, O Incrível Homem pelo Avesso (2011) e Curra-Temperos Sobre Medéia (2008), duas demonstrações de trabalho, Pensar com os Pés e Rito de Partilha, e duas rodas de conversa Terra, Território e Teatro – com a presença de lideranças no MTST e pesquisadores de temas sociais e artistas, e Intolerância Às Culturas Afro-Brasileiras, com representantes de terreiros, pesquisadores da cultura afro e artistas. Todas as atividades são realizadas naFunarte São Paulo (Al. Nothmann, 1058, Campos Elíseos, São Paulo), e todo o projeto foi contemplado pela Fundação Nacional das Artes - FUNARTE no Edital de Espetáculos de Artes Cênicas e Música/2018.
Espetáculos - O Incrível Homem pelo Avesso traz para o público Canudos e Antônio Conselheiro por meio de relatos e memórias que recontam um massacre de mais 25mil pessoas. Nesta obra, o grupo opta em narrar os vários Canudenses presentes na guerra e adentram na história do Brasil por um caminho contrário à ótica militar de "Os Sertões", de Euclides da Cunha.
No Curra-Temperos Sobre Medéia, o grupo se baseia nas tradições do corpo encontrado nos ritos profanos, nos brincantes populares e nas tradições do Candomblé e nos muitos Orixás da Cultura Afro Brasileira. Nesse espetáculo, uma cozinha funciona durante todo o tempo, provocando relações sensoriais em que a dança, a comida e a música celebram o mito da Medéia. Jasão é um orixá recebido pelo corpo de um cozinheiro. Medeia tem a força de Iansã e Glauce a beleza de Oxum.
São duas demonstrações de trabalho que o grupo traz para o público paulistano: Pensar com os Pés (14 de junho, às 20h30) é uma demonstração coletiva do grupo, uma partilha com o espectador sobre o processo de construção dos espetáculos, as pesquisas, os mergulhos e enfrentamentos do "Teatro de grupo". É a intimidade da sala de treinamentos e ensaios, aberto ao público. Rito De Partilha (21 de junho, às 20h30) é a demonstração de trabalho de Daniele Santana, artista do grupo Contadores de Mentira, que estrou o espetáculo homônimo em Quito, no Equador, em 2015. Em janeiro de 2017, a atriz passou a integrar a rede de Magdalena Project – Rede Mundial de Mulheres do Teatro – em Santa Clara – Cuba. Nesta demonstração, a atriz compartilha com o público traços de uma construção artística desenvolvida pelo grupo, um Teatro de Metáfora, Rito e Celebração.
Histórico - O Grupo Contadores de Mentira nasceu em 1995 na cidade de Suzano, onde desde 2012 mantém também uma sede física o “Teatro Contadores de Mentira”. Há 23 anos produzem projetos, espetáculos, festivais, encontros, e, sobretudo, um diálogo de sobrevivência, crescimento, articulação e atitude entre cidadania e cultura.
Existem e resistem, fora do grande centro – trabalhando no fluxo contrário ao pensamento de que apenas os grandes centros são produtores de cultura – propondo novos espaços e novos olhares para um teatro voltado aos ritos, à pesquisa de linguagens, e à construção de identidade. Embasam seus trabalhos nos estudos do Teatro Antropológico, firmando suas pesquisas em três eixos: metáfora, rito e celebração. Buscam nos povos e em suas manifestações populares, o viveres para suas criações.
Há nos Contadores de Mentira uma natureza de criação que evoca quase sempre seus ancestrais. ‘Quase sempre partimos da natureza histórica, tentando desenterrar ossos que nos possam sustentar ao longo do processo de criação. Não temos pressa e não isolamos um trabalho do outro. É um caminho que liga um percurso ao outro, dando continuidade e transformando a obra ao longo dos anos.’

Programação
De 01 a 10 de junho
Espetáculo O INCRÍVEL HOMEM PELO AVESSO
Sexta e sábados, às 20h30 e domingos, às 19h30
Duração: 130 min | Recomendação: 12 anos | Ingresso: R$ 20 e R$ 10 (meia)
Ingressos online:


Nesta obra, o grupo exalta Canudos e Antônio Conselheiro e opta em narrar os vários Canudenses presentes na guerra. Adentram na história do Brasil por um caminho contrário à ótica militar de "Os Sertões", de Euclides da Cunha. No espetáculo, contam relatos e memórias de algumas figuras ícones na comunidade de Canudos. Uma obra histórica e poética que reconta um massacre de mais de 25 mil pessoas.

Ficha Técnica: Direção e Dramaturgia: Cleiton Pereira /Composição e Direção Musical: Michael Meyson /Iluminação: Matheus Borges e Samuel Vital  / Operação de Iluminação: Matheus Borges / Figurinos: Contadores de Mentira / Atuadores: Alessandro Silva, Cleiton Pereira, Daniele Santana, Felipe Vieira Galisteo, Kaique Costa, Michael Meyson, Narany Mireya, Pâmella Carmo, Samuel Vital, Silas Xavier e Vanessa de Oliveira.
     
De 15 a 24 de junho
Espetáculo CURRA-TEMPEROS SOBRE MEDÉIA
Sextas e sábados, às 20h30 e domingos, às 19h30
Duração: 80 min | Recomendação: 14 anos | Ingresso: R$ 20 e R$ 10 (meia)
Ingressos online:


Curra-Temperos Sobre Medéia é uma celebração afro sobre o mito clássico. Um terreiro, uma arena, um banquete. Bebida, comida e pés descalços para celebrar o efêmero.  Este espetáculo faz parte de um caminho antropológico iniciado em 1995 pelo grupo. É baseado nas tradições do corpo encontrado nos ritos profanos, nos brincantes populares e nas tradições do candomblé e mitos Orixás da Cultura Afro Brasileira. No espetáculo, o público não é apenas expectador, é convidado para um “outro lugar”. Uma cozinha funciona durante todo o tempo provocando relações sensoriais onde a dança, a comida, a música celebram o mito da Medéia. Jasão é um orixá recebido pelo corpo de um cozinheiro. Medeia tem a força de Iansã e Glauce a beleza de Oxum. Creonte, senhor daquele terreiro exige o seu direito à propriedade enquanto crianças “Erês” cegas decidem o futuro da mãe.
Ficha Técnica: Direção e Dramaturgia: Cleiton Pereira / Atuadores: Cleiton Pereira, Daniele Santana, Kaique Costa, Narany Mireya, Pâmela Carmo, Samuel Vital, Soraia Amorim/ Direção Musical, Criação Musical e música ao vivo: Michael Meyson / Iluminação: Matheus Borges

DEMONSTRAÇÕES DE TRABALHO
14 de junho, quinta, às 20h30
PENSAR COM OS PÉS
Duração: 80 min | Indicação: livre | Grátis
É a demonstração coletiva do grupo, onde são compartilhados pontos como direção, dramaturgia do ator, construção de cena e dramaturgia do espectador. Também são partilhadas técnicas e experiências no campo das energias, expressividade e pré-expressividade. Neste trabalho o grupo partilha com o espectador o processo de construção, as pesquisas, os mergulhos e enfrentamentos que fazem parte do "Teatro de grupo". É a intimidade da nossa sala de treinamentos e ensaios, aberto ao público.
Atuadores: Cleiton Pereira, Daniele Santana, Kaique Costa, Matheus Borges, Narany Mireya, Samuel Vital / Direção: Cleiton Pereira/ Iluminação: Matheus Borges

21 de junho, quinta, às 20h30
RITO DE PARTILHA      
Duração: 80 min | Indicação: livre | Grátis
Rito de Partilha é a demonstração de trabalho da atriz Daniele Santana do grupo Contadores de Mentira e estreou em Quito no Equador no ano de 2015. Em janeiro de 2017 integrou a rede de Magdalena Project – Rede Mundial de Mulheres do Teatro – em Santa Clara – Cuba. Nesta demonstração, a atriz compartilha com o público traços de uma construção artística desenvolvida pelo grupo, um Teatro de Metáfora, Rito e Celebração. Este trabalho traz por meio de recortes de cenas, exercícios cênicos, a dramaturgia física do grupo, às vezes estranho à formação tradicional de atores. De modo a celebrar um tema e não apenas interpretá-lo na dramaturgia da razão. Partilhar experiências como essa é também uma forma de expansão criativa, uma maneira de estabelecer ainda mais a relação entre ator, teatro, obra e público.
Atuação: Daniele Santana / Direção: Cleiton Pereira/ Iluminação: Matheus Borges

RODAS DE CONVERSA
06 de junho, quarta, às 20h30, Grátis
TERRA, TERRITÓRIO E TEATRO
*Presença de lideranças no MTST e  pesquisadores de temas sociais e artistas.

20 de junho, quarta, às 20h30, Grátis
INTOLERÂNCIA ÀS CULTURAS AFRO-BRASILEIRAS
*Presença de representantes de Terreiros, pesquisadores da cultura afro e artistas.

SERVIÇO
De 01 a 24 de junho de 2018
Funarte São Paulo
Alameda Nothmann, 1058 - Campos Elíseos/ São Paulo
Tel.: 11 3662-5177 - Grátis