segunda-feira, 23 de julho de 2018

Criando Criadores abre 40 vagas para curso gratuito de produção cultural na Zona Leste de São Paulo


O projeto, que faz parte das ações formativas do programa ArcelorMittal Forma e Transforma, é realizado no município pelo segundo ano consecutivoOs interessados poderão realizar suas inscrições até o dia 31 de julho acessando este formulário ou por meio das redes sociais do projeto.

Com o objetivo de usar a cultura como elemento transformador de territórios e pessoas, o Criando Criadores, projeto de formação técnica em produção cultural, abre 40 vagas
destinadas a moradores de regiões periféricas de São Paulo. Nesta segunda edição, o curso gratuito acontece no distrito de Ermelino Matarazzo, zona leste de São Paulo.

Os participantes terão oportunidade de desenvolver habilidades nas áreas de mapeamento e cartografia social, empreendedorismo coletivo, planejamento e produção de eventos culturais. O projeto também promove uma agenda de encontros inspiradores para trocas de experiências com talentos e articuladores culturais das periferias de São Paulo.

A iniciativa é fruto de uma parceria entre a Cingulado, consultoria com foco em investimento social, o Movimento Cultural Ermelino Matarazzo e a ArcelorMittal, que patrocina o projeto por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura. “Criando Criadores é um dos projetos selecionados pelo programa ArcelorMittal Forma e Transforma, que tem como objetivo principal promover o desenvolvimento local por meio da arte e da cultura. O programa está presente em mais de vinte comunidades dos estados de São Paulo e de Minas Gerais”, relata Eduardo Diniz, diretor da unidade da ArcelorMittal, que fica no bairro no Jardim Keralux, em Ermelino Matarazzo.

Para garantir o processo de troca e aprendizado durante o curso, além do contato direto com educadores na área de gestão cultural, os alunos têm um orçamento disponível para organizar durante dois meses como, quando, onde e com quem será realizada uma Mostra Cultural, um processo pedagógico de construção coletiva para efetivar a conclusão do curso.

“Para viabilizar a construção de um processo de aprendizado prático e produtivo, os alunos serão divididos em grupos de trabalho para produção da Mostra Cultural. Além dos conteúdos adquiridos nas oficinas para nortear a produção do evento, eles terão o apoio de monitores, para auxiliar e tirar dúvidas durante esse processo que é bem mão na massa”, explica Aluízio Marino, um dos educadores do curso.

Ele acrescenta que essa metodologia do Criando Criadores torna os processos mais colaborativos, diversos, criativos, conscientes e resistentes. “Na periferia existe uma forma coletiva de fazer as coisas, principalmente no campo do empreendedorismo cultural. Por isso, é preciso aprender a trabalhar junto, em grupo. Aquele empreendedorismo onde cada um tem seu negócio e todos lutam pelo mesmo espaço, no qual a regra é competir, não está ajudando quem atua nesses territórios vulneráveis a se fortalecer como redes de convivência, produção e inovação”, enfatiza. “Precisamos buscar novas visões e modelos, e para isso não bastam livros, precisamos experimentar: pular direto a teoria e ir à prática.”


As atividades de formação e bate-papos do Criando Criadores serão realizadas aos finais de semana entre os dias 11 de agosto e 15 de setembro, na sede do Movimento Cultural Ermelino Matarazzo, um dos parceiros do projeto.

Os interessados poderão realizar suas inscrições até o dia 31 de julho acessando este formulário ou por meio das redes sociais do projeto.

Territórios em transformação

Há 30 anos lutando pelo fortalecimento da cultura na região, o Movimento Cultural Ermelino Matarazzo tem um papel fundamental ao promover as atividades e criar novas pontes na região para ampliar o impacto do Criando Criadores. “Na primeira edição do curso, realizada em 2017, o movimento nos ajudou a atrair outros agentes, coletivos e jovens com vontade de atuar na área cultural. Em 2018, a expectativa é continuar esse trabalho e ir além: queremos ampliar a área de atuação dentro do território e fortalecer ainda mais a rede de coletivos que vem se formando”, avalia Daniel Prata, coordenador de comunicação do projeto.

Um dos legados da primeira edição do Criando Criadores foi o fato do curso despertar nos participantes o interesse em se conectar ainda mais com seu território, como forma de atuação profissional e reconhecimento das potencias culturais da periferia. Esse processo de transformação pedagógica e social virou um documentário com participação dos alunos, mostrando como o empreendedorismo cultural pode ser ressignificado para ter fins coletivos e não individuais.

Assista aqui o minidocumentário do Criando Criadores 2017.   


Sobre a Cingulado www.cingulado.com.br/
Com o propósito de entender, explicar, planejar, mediar e executar projetos de ativação social, desde 2013, a Cingulado trabalha em projetos especiais de comunicação social, oferecendo serviços de pesquisa, mediação institucional, planejamento, avaliação de impacto, narrativas em vídeo e produção de eventos.


Sobre a ArcelorMittal Brasil - www.arcelormittal.com.br/
A ArcelorMittal Brasil é a maior produtora de aços longos e planos da América Latina. Faz parte do grupo ArcelorMittal, líder de aço e de mineração do mundo, com presença em 60 países e unidades industriais em 19 países. Guiado por uma filosofia para produzir aço de forma segura e sustentável, o grupo ArcelorMittal é o principal fornecedor de aço de qualidade nos mercados globais automotivo, de construção, eletrodomésticos e embalagens, com pesquisa e desenvolvimento de ponta e amplas redes de distribuição.

Sobre o programa ArcelorMittal Forma e Transforma - www.famb.org.br/
O programa ArcelorMittal Forma e Transforma, o cidadão construindo o amanhã, atua em prol do protagonismo cultural compensando às ausências nos territórios onde a ArcelorMittal está presente. Há mais de uma década promove a diversidade de práticas artísticas, tendo a cultura como um eixo de trabalho para inserção na sociedade, a favor da criação do senso de pertencimento, da dignidade e da cidadania. A ArcelorMittal acredita que o acesso a uma atividade regular de cultura, tem efeitos diretos no bem estar, na auto estima e na qualidade de vida.