terça-feira, 31 de julho de 2018

Cromossomo Africano reforça as raízes afromineiras com o novo álbum “Eutu Ubuntu”


Nome forte da cena black belo-horizontina, o combo Cromossomo Africano retorna com seu terceiro trabalho de estúdio: o álbum Eutu Ubuntu. O título reforça a mensagem de união e de reconhecimento na alteridade, mensagem presente no discurso da banda. Segundo a vocalista Michelle Oliveira o neologismo Eutu significa “a junção do eu com o outro numa pessoa só”, enfatizando a força do diálogo e a importância de nos reconheceremos nos nossos pares. A palavra ganha força ao lado do termo “Ubuntu”, palavra africana de origem zulu que significa “sou porque todos nós somos”.

Produzido por Ricardo Cunha (guitarrista da banda) e Celson Ramos, que também assinou o disco anterior, o novo trabalho reforça a conexão com a brasilidade e a afromineiridade, além de ampliar a leitura musical da banda que busca referências na música negra universal, para além do funk e do soul que são suas bases sonoras. O novo álbum amplia também o debate sobre empoderamento feminino, orgulho negro e combate à intolerância, bandeiras sempre presentes na obra do Cromossomo Africano.

O disco traz as participações de Sérgio Pererê, Tambor Mineiro, Eduardo DW e Hironaky, nomes que também estarão presentes no show de lançamento que acontece no dia 14 de agosto, às 20h, no Teatro de Câmara do Cine Theatro Brasil Vallourec (Av. Amazonas, 315, Centro, Belo Horizonte). Os ingressos custam R$20 (inteira) e R$10 (meia).

Sobre o Cromossomo Africano
“Herança africana, alma brasileira, influência do soul, energia mineira”
O trecho da música “Pangeia” funciona como uma síntese da filosofia de união e de retorno às raízes africanas da banda formada por Michelle Oliveira (voz), Ricardo Cunha (guitarra e voz), Marcelo Kavalim (sax tenor, teclado e voz), Leonardo Brasilino (trombone), Alexandre Arnoni (bateria), Gláucio de Deus (contrabaixo), Léo Lana (percussão) e DJ Flávio Machado (toca-discos).

Influenciados por nomes como Black Rio, Funkadelic, Fela Kuti, Tim Maia, Nação Zumbi e outros que carregam a música de matriz africana em seu DNA, o Cromossomo produz um som vigoroso, que passeia tanto pela música negra norte-americana quanto pelos ritmos brasileiros, resultando em uma tradução muito própria de todo esse amálgama sonoro.

O trabalho de estréia da banda foi apresentado em 2014, com o EP Cromos Somos, com produção da própria banda. 2015 marca um momento importante com o lançamento do álbum Pangeia, trabalho que conta com a produção primorosa de Celson Ramos, músico que já colaborou em discos de artistas como Sandra de Sá e Berimbrown. A parceria se repete no novo trabalho da banda, o álbum Eutu Ubuntu.


Cromossomo Africano #nãopassaránapista



Eutu Ubuntu – Novo disco amplia conexões e diálogos
O álbum Eutu Ubuntu (2018) reforça ainda mais a sonoridade musical híbrida do grupo, passeando pelos diversos gêneros que formam a música negra no mundo. O trabalho apresenta um Cromossomo Africano mais maduro e mais seguro em experimentar.
A base da música negra norte-americana dos anos setenta permanece, o groove é alicerce essencial nesta receita, mas há outros vôos presentes nesta obra. A força dos tambores traz a presença de música negra mineira (Tambor Mineiro), ao mesmo tempo em que a obra se mantém universal, conectada com outros universos, a exemplo do flerte com a cultura Hip Hop através dos representantes da cena, no caso o MC Eduardo DW e o beat box de Hironaky, e do canto potente do multi-artista de Sérgio Pererê. As 11 faixas (+ a bônus track “#NãoPassaránaPista”) resultam em uma experiência musical que é ancestral e contemporânea sem hierarquizar se é mais importante a tradição ou a modernidade, é tudo ao mesmo tempo “Eutu Ubuntu”.


Ficha técnica show de lançamento Eutu Ubuntu 
- Direção artística: Michelle Oliveira
- Direção musical: Ricardo Cunha
- Músicos:
Alexandre Arnoni – Bateria
Flávio Machado – Toca-discos
Gláucio de Deus – Contrabaixo
Leonardo Brasilino – Trombone
Léo Lana – Percussão
Marcelo Kavalim – Sax Tenor, teclado e voz
Michelle Oliveira - Voz
Ricardo Cunha – Guitarra e voz
- Dançarinos:
Cláudio Machado e Wanderley Campos
- Convidados: 
Sérgio Pererê, Tambor Mineiro, Eduardo DW e Hironaky
- Produção: Coratio Produções (Michelle Braga)

SERVIÇO
Cromossomo Africano - Lançamento do álbum Eutu Ubuntu – participações de Sérgio Pererê, Tambor Mineiro, Eduardo DW e Hironaky.
Quando: terça-feira, 14 de agosto, às 20h
Onde: Teatro de Câmara do Cine Theatro Brasil Vallourec (Av. Amazonas, 315, Centro, Belo Horizonte).
Os ingressos custam R$20 (inteira) e R$10 (meia).
Link ingresso: https://bit.ly/2zEzpDO