quarta-feira, 22 de agosto de 2018

Do underground ao afropop, rapper Eldo Boss leva pluralidade nas suas músicas.



Salvador respira cultura, histórias e expressões. Uma cidade repleta de cores, temperos e centenas de detalhes no seu dialeto. E é essa pluralidade da capital baiana que Eldo Boss busca levar na sua musicalidade. Para o rapper, a cidade “é um organismo onde todos nós somos células fundamentais”, e é através do rap que ele achou o meio de transmitir suas ideias.
Carioca, Eldo Boss mora na Bahia desde os quatro anos de idade. Hoje com 30 vividos, o arquiteto e urbanista já carrega uma vasta bagagem na cena underground de Salvador. O músico já passou por bandas de HardCore, Metal, Jazz e música instrumental de influência africana. Apesar do amplo repertório musical, o rap sempre esteve entre as preferências de Eldo.
O rapper lançou em maio deste ano o seu primeiro single, intitulado ‘Assaltante da Cena’. A música, que leva produção de Victor Haggar, do selo Maximus, já apresenta as referências de Eldo do rock e afropop. Ele conta que a faixa fala muito sobre seu “ponto de vista sobre a música e os diferentes preconceitos que existem na ‘cena’ que prega tantas coisas antagônicas”.
Ainda em maio, Eldo Boss apresentou a música ‘Idioma das Ruas’, que também leva a assinatura da Maximus e do Estúdio Ruído Rosa, de Dill Pereira. Questionando os valores da sociedade e a mesmice dos debates da população, o rapper propõe na música falar “sobre o cotidiano e como as pessoas estão submersas em experiências tão líquidas”.
- “O rap transmite isso, as letras falam da rua, dos convívios cotidianos. Quero passar isso nas canções. Como nós interpretamos o espaço ao nosso redor, quais são os valores primordiais para o coletivo na formação da sua identidade?”, provoca o artista.
Em julho, dois meses após lançar o seu primeiro trabalho, o rapper divulgou a lyric vídeo da música ‘Morrendo cedo para se tornar um Hit’. A faixa traz um estilo mais undergroud que é representado não só na letra, mas também nos bastidores. Ela contou com a produção de Davizera, também conhecido como Beirando Teto, do estúdio Nausea Records, um dos nomes de grande destaque na cena rap underground de Salvador e outras regiões do Brasil.Com três trabalhos lançados neste ano, Eldo Boss pretende apresentar ainda mais a sua música ao público. Ele já está produzindo uma faixa com participação de Vagabundo Prodígio e outra solo, além do EP que pretende divulgar no fim do ano. O artista já revela um pouco do que o público pode esperar: “Tenho algumas canções construídas, mas quero testar antes e escolher as certas. Elas vão passar muito pela linguagem baiana e a estética da cidade”.