terça-feira, 18 de setembro de 2018

“Inácio da Catingueira” traz Emicida afiado na rima e mostrando que não teme encarar seus críticos


O ano é 2018, os avanços tecnológicos acontecem a uma velocidade cada vez maior, porém nosso progresso como sociedade parece seguir a passos um pouco mais lentos. As redes sociais são um grande exemplo disso, espaço idealizado para que pessoas troquem ideias, sonhos e até seus problemas procurando acolhimento, um lugar que tinha tudo para ser pacífico, mas que hoje vive inundado com uma grande carga de comentários negativos, brigas e debates sem sentido.

As vitórias individuais que poderiam ser celebradas pelo coletivo, viram discórdia na internet, fazendo com que muitas vezes sobre espaço apenas para a crítica. Até o que vai ser dito, seja você uma pessoa pública ou não, precisa ser muito bem pensado para que não seja mal interpretado. Tempos complexos.

Antes das redes sociais sonharem em existir, em uma época em que o povo negro apenas levava vantagem quando conseguia dar nó em pingo d’água, eis que viveu Inácio da Catingueira. Uns dizem que existiu, outros que é só lenda, mas sabemos que era um escravo que travou uma peleja com Romano Caluete, pequeno proprietário rural da Paraíba, ali por volta de 1870. Poeta, Catingueira debateu ideias por oito dias a fio e nisso ganhou sua liberdade no papo, mostrando toda a sua habilidade de argumentação.

Com Emicida não foi muito diferente. Quem conhece sua história, sabe que ele veio de condições adversas e por meio da sua maestria com as palavras venceu discussões, Rinha de MCs, Batalha da Santa Cruz e a famosa Liga dos MC`s. A palavra, em ambos os casos, foi a responsável pela libertação. Mas uma pergunta que fica é: esse país está pronto para ver pessoas pretas realmente livres? Muitas tentativas de distorcer algumas das maiores conquistas da cultura hip-hop brasileira alcançadas pelo Zica da Rima e seu time, partem de mentes viciadas em aceitar pessoas de pele escura somente em lugares subalternos, a intenção desta distorção passa claramente o recado "volte para o seu lugar".

Ocupar os espaços que o rapper e a Laboratório Fantasma tem alcançado no mercado e no imaginário brasileiro segue sendo uma afronta sem precedentes. Manter o foco na grandeza da história que está sendo construída e na importância dela para o presente, o passado e o futuro, sempre foram uma característica de Emicida porém, em tempos de fake news, é importante colocar alguns pingos nos "is" e separar o joio do trigo.

O frustrante quando você luta contra essas estruturas é que por mais que você alcance sua liberdade individual, no coletivo seus irmãos tão tudo acorrentado. E a maior coisa que você pode ter, que é a sua liberdade, acaba se tornando uma coisa menor porque quando você olha no entorno as correntes estão em todo mundo menos em você. Aí cê se sente mal por isso também, tá ligado?”, reflete Emicida.

Por meio da música, Emicida se expressa como ninguém. E em “Inácio da Catingueira”, single lançado hoje, 18 de setembro, sua verborragia lírica vem com foco e dispara contra quem quer mais barulho sem sentido do que ideias trocadas em prol da evolução. Com instrumental de seu parceiro de longa data, DJ Duh, a música ganhou um lyric vídeo tão impactante quanto a rima, dirigido por André Maciel, artista plástico, ilustrador e fundador do estúdio Black Madre Atelier.

“A estética escolhida para este clipe está ligada diretamente ao personagem Inácio da Catingueira, que foi um escravo e por cantar Cordel usamos a xilogravura como estética geral, ambos fazer parte do mesmo universo, sendo a xilogravura usada na parte da literatura de Cordel. O clipe tem um formato de lyric vídeo”, finaliza André Maciel.

O single “Inácio da Catingueira” é uma realização Laboratório Fantasma Produções, já disponível no canal do YouTube do Emicida e também em todas as plataformas de streaming.

Emicida se apresenta dias 22 e 23 de setembro em São Paulo, na Casa Natura Musical. O show de abertura ficará por conta da MC e cantora Drik Barbosa.

Assista:




Ficha Técnica - Música
Letra e voz: Emicida
Música: DJ Duh
Gravadora: Lab Fantasma
Direção artística: Emicida

Produção executiva: Raissa Fumagalli
Mixagem: Maurício Cersosimo
Masterização: Maurício Gargel
Gravado em Lab Estúdio por Tofu Valsechi


Ficha Técnica - Vídeo
Direção, direção de arte e ilustrações: André Maciel
Animação: Bruno Mazzilli
Coordenação executiva: Evandro Fióti 
Produção executiva: Raissa Fumagalli

Produção e animação: Black Madre
Atendimento: Tina Castro
Coordenação e produção: Rafaela Lopez


Emicida na internet