sexta-feira, 7 de setembro de 2018

"Thebate" eleitoral inspira primeiro clipe da dupla Bundep


Dupla faz humor escrachado em torno do atual contexto pré-eleitoral e promete polemizar ainda mais no EP "Assinamos com o Demo", prometido para breve pelo coletivo Shuriken Produções

É no embalo do tenso clima eleitoral atual que o Bundep, mais nova (e polêmica) dupla do rap nacional, se apresenta à cena, com o videoclipe de "The-bate". Formado pelos MCs nSANo e Moto Treta (pseudônimos e alter-egos de Zap-san e Underson Leitty, ambos com trabalhos solo já lançados), o Bundep destila um tipo de humor escrachado e pode ser definido como "os Mamonas Assassinas do rap".

Assinado pelo renomado diretor Vras77, que possui currículo e estúdio já consolidados na cena hip-hop brasileira e também integra o coletivo Shuriken, o videoclipe de "The-bate" simula, satiriza e ironiza um debate eleitoral. Nele, dois candidatos fictícios se digladiam com promessas que seguem diretrizes opostas: um é extremamente populista e ligado a questões progressistas para o povo "que vive no gueto"; e o outro é reacionário, racista, homofóbico e adepto da cultura de ódio e intolerância que tem sido propagada nas redes sociais - e nas ruas -, se apresentando como o "candidato do tiro" que vai "governar pra boy" e quer que os pobres sejam extintos.

Sobre semelhanças com o atual contexto eleitoral brasileiro, o selo Shuriken também faz ironia, ao ponderar que "quaisquer semelhanças com a realidade são mera coincidência". As interpretações, portanto, passam a caber a cada internauta...

ASSISTA:


Sobre o Bundep


A dupla prevê lançar seu primeiro EP, intitulado "Assinamos com o Demo", até o início de 2019, pelo selo Shuriken Produções - autodefinida como "a primeira multinacional do hip-hop brasileiro", com artistas, sedes físicas e trabalhos lançados no Brasil e no Japão.

O título da obra deixa uma incógnita sobre como esse "humor escrachado" tratará de tema tão complexo. E, para atiçar ainda mais a curiosidade dos interessados, entre os temas das próximas músicas haverá um "culto às drogas" promovido por pastores mercenários; e uma love song para mulheres gordas - sem a pecha de bullying, mas sim como um questionamento ao padrão de beleza feminino convencional. Quem viver ouvirá - e verá, já que outros videoclipes igualmente ou mais polêmicos estão nos planos da dupla.