O rap ainda é a voz dos oprimidos, a arma contra preconceitos virtuais, físicos e verbais.
Nosso manifesto não vai de encontro ao fanatismo partidário ou religioso, nosso grito é pelo direito de ir e vir, pela continuidade dos direitos fundamentais assegurados na constituição.
Ainda há tempo !!!!

O que tem a dizer?