segunda-feira, 9 de dezembro de 2019

A contribuição de pessoas não-pretas na cultura, não faz o Hip Hop menos preto por isso.


Se você veio aqui achando que eu vou falar que branco não pode fazer parte da cultura Hip Hop se enganou. Esse texto quero mostrar o porquê nós pretos afirmamos e reafirmamos que o HIP HOP é preto! 

Depois que o Eminem se tornou um rapper conceituado no mainstream estadunidense e mundial, vários brancos no Brasil vêm com o clichê que o Hip Hop não tem cor, que cultura não tem cor e blah, blah, blah. 

Se você estudar a fundo a história do Hip Hop e a efervescência cultural de Nova York, claro que vai encontrar contribuições de não-pretos na cultura dos elementos do Hip Hop. Isso é algo obvio. 


Temos o grafiteiro Taki 183, que foi um greco-americano, que trabalhou durante 10 anos como carteiro em Nova York e espalhou sua TAG por todos os cantos da cidade americana. Sua fama era tão grande que em 21 de julho de 1971 o famoso Jornal “The New York Times” publicou um artigo seu. Na manchete aparecia: “Taki 183″ Spawns Pals Pen.” 

MAS TEM UM DETALHE BEM IMPORTANTE: Antes do Taki, Cornbread e Cool Earl (pretos) já eram destaque na Philadelphia e o Julio 204 (Porto Riquenho) em Nova York também era destaque. 


Cornbread nasceu em 1953, é um grafiteiro da Filadélfia, criado em Brewertown, norte da Filadélfia. No fim da década de 60, ele e um grupo de amigos começaram a fazer grafites na Filadélfia, escrevendo seus apelidos nas paredes da cidade. O movimento se espalhou para a cidade de Nova York e floresceu no movimento moderno do graffiti, que atingiu seu auge nos EUA no fim da década de 70 e no início da 1980. 


A desculpa que usam no caso do Julio 204 não ter tido destaque, é que ele nunca saiu do seu bairro. Mas a verdade é que ele era membro da Savage Skulls, e suas TAGS tinham haver com sua gangue. Julio grafitava antes do TAKI. Taki era um cara branco “vandalizando” as ruas de Nova York e foi reconhecido como artista e porque o Julio não teve este mesmo reconhecimento pela mídia? 


É bem importante dizer que porto-riquenhos, dominicanos e cubanos que foram morar no EUA, eram em sua maioria miscigenados, portanto segundo a cultura de segregação racista estadunidense são pessoas não-brancas. Todos os povos que não era caucasianos, viviam nos guetos. Por tanto, afro-americanos e latinos miscigenados viviam nos mesmos espaços. 

Voltando... 


Crazy Leds num show no Soulsonic Force em 1982

Temos o famoso B-boy porto riquenho/estadunidense Crazy Legs, nascido no Bronx. Legs foi destaque nas primeiras histórias do Breaking que apareceram na imprensa popular, e como presidente da Rock Steady Crew. Seu status de pioneiro sempre refletiu em aparições em filmes e documentários. Crazy Legs é o mais conhecido e bem-sucedido comercialmente que os poucos membros originais remanescentes da Rock Steady Crew, no qual é o atual presidente. 

Eu poderia citar mais exemplos aqui, mas vamos a questão do porque a essência do Hip Hop é preta. 

Como dito acima, afro-americanos e latinos em Nova York dividiam os mesmos espaços e dividiram seus conhecimentos culturais entre si. 

Eu respeito muitas pessoas que eu conheço e que estudam muito sobre a história do Hip Hop, mas a história pode ser vista por diversos ângulos. Afinal, não é assim a tática do colonizador? contar a história segundo a sua versão, certo? Porque nunca deixam o povo preto contar sua própria história? 


Série de fotos impressionante mostra a Nova York dos anos 70 e 80

Período de Violência em Nova York 

As gangues iam aumentando de acordo com o aumento da violência em Nova York, nos anos 60 e 70 o Bronx era um bairro horrível sem nenhuma intervenção do estado a não ser representado pela força bruta policial. 

O bairro ficou violento e com a especulação imobiliária, obras que nunca foram feitas, afundou prédios e comércios da região e os deixou em ruínas. 

Como havia mais de 100 gangues na cidade de Nova York a violência estava gigante, pois o sistema destas gangues era territorial, cada gangue tinha seu território, suas regras, mas a regra que ambas tinham em comum era não pisar em território "inimigo" usando o "fardamento" de sua gangue. 

Eu sempre vou bater nesta tecla que o HIP HOP teve seu start porque Joseph MPA, membro do Black Panther Party sentou para conversar com o Yellow Benjy, lider da gangue Ghetto Brothers, tentando brecar as guerras entre as gangues dizendo que o inimigo não eram os membros de gangues rivais, mas o estado. 

Joseph foi ao Bronx na sede dos Ghetto Brothers e falou com Benjy sobre: educação, saúde, o porquê daquela situação social caótica mostrando que a saída era a união das gangues pois o inimigo era o estado. Joseph plantou a semente da pacificação. 
Após este encontro o Benjy decidiu que os Ghetto Brothers tivesse um conselheiro de paz. 

O escolhido foi um membro chamado "Black Benjy", que era conhecido e amado por todos por ser calmo. 

Num determinado dia numa "reunião" entre as gangues do Bronx, Black Benjy chega com um discurso pacificador, porém não colou e espancaram ele até ele ficar desacordado e morrer no hospital. 

Era pra ter desencadeado uma guerra civil, os Guettos Brothers estavam dispostos a vingar a morte do Black Benjy, membros de outras gangues que também amavam o Black Benjy estavam dispostos a achar os assassinos. Mas a semente que o Joseph plantou surtiu efeito. Yellow decidi não se vingar, mas reunir as gangues para assinar um tratado de paz ou um código de conduta das ruas. 

Saiba mais sobre em: 

Como uma gangue Porto-Riquenha (Ghetto Brothers), um membro dos Black Panthers e a morte de um jovem líder negro foram a faísca na criação do Hip Hop ???


Se não fosse a influência do Joseph e a morte de um jovem preto, provavelmente o Hip Hop nem existisse! Precisou de sangue preto jorrar para a criação da nossa cultura! 

É muito fácil vir com discurso que brancos contribuíram pra cultura quando pretos dizem com orgulho que o Hip Hop é preto! 

Quem criou o estereotipo e o rótulo de coisa de preto foi a sociedade branca, portanto sempre que um preto diz que o Hip Hop é preto ele não está só se referindo a origem de tudo, mas é uma questão de afirmação e orgulho! É de preto mesmo, e daí? foda-se seu preconceito! sempre foi assim! Mas agora é legal fazer parte do Hip Hop e todos querem uma fatia da cultura e dizer que também contribuíram, tá ligado? 

Muito sangue preto foi derramado para que brancos possam fazer seu rap, grafitar, dançar e por aí vai. 

“Ceis” quer uma fatia do bolo? Come fala que tá bom e diz quem fez a porra do bolo! Não vem com papo que a forma do bolo foi criação de branco, portanto vocês têm participação. 

Quem deu o nome HIP HOP? Em quais dias são comemorados o dia mundial do Hip Hop? 


Inclusive saiba mais sobre as duas datas: 

Dia mundial do Hip Hop | Porque existe duas datas comemorativas?

“Ah, mas quando você diz que o Hip Hop é preto você está deixando creditar influências não-pretas" 

Vamos SUPOR que estejamos apagando a contribuição de branco na cultura, certo? 

Não é nem o raspo do tacho do tanto de coisas que nos foi roubado! 

Eu não vejo ninguém falar da contribuição kemetica (egípcia) na cultura e filosofia grega, tá ligado? 

Os gregos estudaram em Kemet (Egito), sugaram tudo que tinham de sugar e ensinaram na Grécia como se fosse pensamentos deles. Pronto eis que formou o pensamento que é o “berço da civilização moderna". Ai você liga num canal de história bem famoso ai, ele fica com papo que Kemet era a civilização mais desenvolvida porque alienígenas ajudaram eles..hahahah Se foder pra lá, tio! 

Isso vale pra um monte de coisa! Apropriação tá no DNA caucasiano! 

Lembrando que a contribuição de pessoas não-pretas é em elementos da cultura Hip Hop, como na dança que dizem que tem passos russos, por exemplo. Há contribuições asiáticas também, isso não é negado em nenhum momento. Mas boa parte dos movimentos de dança vem de coisas que pretos e latinos praticavam nos guetos. E tirando a contribuição asiática que é algo presencial porque muitos guetos há asiáticos morando, a dança russa foi algo visto na tv e tal. Então eu não vejo como contribuição, mas uma influência ou “apropriação”. 

O samba não deixa de ser preto por ter instrumentos europeus sendo tocados em suas rodas, o Jazz não deixa de ser preto por ter um piano e por aí vai. 

Se há um apagamento dos brancos na cultura Hip Hop é uma pequena reparação histórica!

Este texto contém referências destas fonte: Wikipedia e Besidecolors

Um comentário:

  1. DO Carajoooo a matéria... NP sempre cirurgicamente informativo! VIDA LONGA MEUS MANES!

    ResponderExcluir