quarta-feira, 5 de fevereiro de 2020

A importância do humor para as comunidades pretas americanas | DEF COMEDY JAM


Muitos de vocês devem se perguntar: A gravadora Def Jam? Aquela do jogo de luta? Sim, ela mesmo! 

O produtor e empresário Russell Simmons viu uma oportunidade de levar esses comediantes a um grande palco. Eles estavam falando uma verdade com a qual Simmons estava familiarizado, e ele sabia que o material e o estilo poderiam ser um sucesso entre o público mais popular, se apresentados de maneira adequada. E assim nasceu "Def Comedy Jam". 

Esse nova-iorquino é o homem renascentista do hip-hop. Ele também criou a principal gravadora de rap Def Jam Recordings e a revista de hip-hop One World, que posteriormente se transformou em uma série de TV sindicalizada. Seu Def Poetry Jam ganhou um Tony e um Emmy, sua marca de moda Phat Farm se tornou uma marca líder de roupas esportivas e sua Rush Philanthropic Arts Foundation dá aos jovens urbanos desfavorecidos acesso às artes. 

O primeiro episódio foi ao ar em 1992, e o programa durou oito temporadas em duas séries separadas em duas décadas diferentes. O programa lançou as carreiras - e transformou milionários uma dezena de comediantes negros que, de outra forma, talvez não encontrassem o tipo de exposição convencional necessária para ganhar a vida como artista em turnê. 


Mas nem tudo era um ar de rosas. Muitos críticos e comediantes - incluindo alguns apresentados no programa, menosprezaram o programa, observando que o material, a apresentação e a linguagem frequentemente retratavam negativamente os comediantes e a vida do povo preto. Dave Chappelle, cuja carreira recebeu um grande impulso por suas apresentações no "Def Comedy Jam", disse que de certa forma, o programa foi um desserviço, porque criou a expectativa de que todos os comediantes negros tivessem um estilo malandro e vulgar. E essa realidade foi o que levou Simmons a criar e continuar o show. É também o que o levou a trazê-lo de volta, já que o legado do programa retornou à HBO em novembro como de 2016 "All Def Comedy". 

Quão apropriado, então, que “Def Comedy” retorne em um momento em que as tensões raciais estejam novamente na vanguarda do discurso social da América. Enquanto os jogadores da NFL estão se ajoelhando durante o hino nacional, em um esforço para aumentar a conscientização sobre o racismo sistêmico e a brutalidade policial, uma nova geração de comediantes negros apresentará suas realidades no cenário da HBO.

Chris Tucker e Bernie Mac


Em uma entrevista em ao HipHopDX sobre "Def Comedy Jam 25", lançado na Netflix, Simmons disse sobre a agenda de filmagens do próximo programa: 

“A razão pela qual estamos fazendo isso em uma janela apertada é porque queremos que as piadas sejam atuais porque elas estão sempre cheias de poder social e político. É isso que os torna especiais. Eles são tão poderosos política e socialmente. Isso se tornou a norma para 'Def Comedy'. Se você percebe que Martin (Lawrence), Jamie (Foxx), Cedric (o artista), Bernie (Mac), Chris Tucker, Dave Chappelle, Steve Harvey e Katt Williams, todos eram foda, certo? Todos eles fazem apenas piadas? Não. Todos dizem palavrões - sobre a condição do sofrimento dos negros.” 

"Def Comedy Jam" é o programa icônico que trouxe a comédia negra para a frente quando outras plataformas na época não estavam dando oportunidade aos jovens humoristas negros com conteúdo. 

"Os comediantes eram jovens e da geração hip-hop, e estavam livres para falar sobre ideais e ideias do hip-hop", disse Russell Simmons, criador do Def Comedy Jam, a Mark Lamarr no Stand Up America da BBC2. "Era disso que se tratava. Essas histórias eram sobre a jovem América preta". 

AMERICA PRETA X AMERICA BRANCA 

Diferentemente do programa de TV aberta de Leno, o Def Comedy Jam estava confinado ao cabo - tarde da noite na HBO, em vez do horário de pico na NBC. No entanto, sua popularidade era imensa. Em 1998, quatro comediantes da Def Comedy Jam embarcaram na maior turnê de comédia da América, se apresentando em casas enormes como o Madison Square Garden, em Nova York. Entre o público negro, a turnê Original Kings of Comedy fez nomes familiares de suas quatro estrelas, mas para a maioria dos brancos esse fenômeno cômico passou praticamente despercebido. Quantas pessoas brancas já ouviram falar de Bernie Mac ou Cedric the Entertainer? Como Simmons disse a Lamarr: "A comédia acontecia por toda parte, em todo o país, e eles eram cegos demais para perceber isso". Mesmo quando ria, ainda havia duas Américas separadas - preto e branco. 


Steve Harvey
O stand-up televisionado quase sempre parece manso e empolgado. De forma singular, assistir ao Def Comedy Jam realmente parece estar em um clube de comédia. Os comediantes até zombam de seu público. "Você sabe como a gente se sente agora?" diz Steve Harvey, falando com uma mulher branca e solitária na plateia. "É assim que nos sentimos o tempo todo." 

SEM FILTRO 

Até celebridades não estavam seguras. "Spike me colocou no meu primeiro filme - Faça a coisa certa", diz Martin Lawrence, vendo o diretor de cinema Spike Lee na plateia. "O filho da puta não me emprega desde então. O que eu fiz para você, cara?" 


Martin Lawrence

O que é mais interessante é a completa falta de filtro. Esses comediantes “defendiam” Rodney King, mas também defendiam Mike Tyson. E, como a maioria dos artistas da rua, eles também são sem vergonha. "O gueto também tem menino branco", diz Lawrence, vendo um hip-hop branco em casa. "Foda-se. Se eu fosse branco, tentaria sair do gueto." E sua inteligência contém um aviso, emprestado de Naughty By Nature: "Se você nunca esteve no gueto, não vá ao gueto porque não entenderia o gueto, então fique fora do gueto." Quase poderia ser um lema para a Def Comedy Jam. 

Mas a melhor (e mais engraçada) comédia é sempre positiva, não negativa, e no seu melhor, Def Comedy Jam é sobre um povo oprimido triunfando sobre a injustiça. Pois, no final, nenhuma forma de vingança é mais positiva para a vida do que uma grande piada. "Eles dizem que o iatismo é o esporte número um dos Estados Unidos", diz Steve Harvey, discutindo sobre a Copa das Américas. "Nunca vemos nenhum de nós (pretos) navegando, vê? Depois daquele primeiro grande passeio de barco, perdemos nosso gosto por velejar." Somente quando a piada chega em casa, você percebe que ele está realmente falando sobre escravidão. "Antes de embarcarmos no barco de qualquer outra pessoa, queremos saber para onde está indo - e, mais importante do que isso, a que horas deve voltar." Até agora, ele está falando especificamente com aquele cara branco, mas há um sorriso em seu rosto - e no dela. Como diz Talent, "não leve nada dessa merda para o lado pessoal - é apenas uma comédia". Mas embora não seja nada pessoal, o Def Comedy Jam tem muito mais do que apenas fazer rir os negros. 

DEF COMEDY JAM 25 ANOS 



Em 2017, em comemoração aos 25 anos do programa, Russel reuniu grandes nomes que passaram pelo programa para comemorar a excelência negra na comédia. (Essa reunião pode ser vista na NETFLIX)

Se você já apreciou Cedric the Entertainer, Katt Williams, Chris Rock, Dave Chappelle, Bernie Mac, Martin Lawrence, Eddie Griffin, Leslie Jones, Mike Epps, DL Hughely, Sommore, Lavell Crawford, Kevin Hart, Adele Givens e Tracy Morgan, Patrice O'Neal, Tiffany Haddish, Aries Spears ou uma série de outros quadrinhos negros que fizeram seus nomes nos anos 90 ou 00, você quase certamente tem que "Def Comedy Jam" para agradecer. 

E se você não conhece esses comediantes e seu trabalho, assista a "Def Jam Comedy 25". Você terá uma nova apreciação pelo programa e o que ele fez por toda uma geração. 

Esse texto contem informações e traduções desses sites: The Guardian e Joplinglobe


Nenhum comentário:

Postar um comentário