quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

Se liga nas 10 indicações de 2017 do quadro: Hebreu Indica

Da esquerda pra direita de em cima: Alt Niss, Delatorvi, Souto MC, Família 4 vidas e Cíntia Savoli
Da esquerda pra direta em baixo: Flagelo Urbano, Preta Roots, Afrocalise, Carranca Records e OQuadro
O quadro "Hebreu Indica", surge de um pedido pra eu indicar artistas que gosto num artigo, tipo uma lista, mas lista sempre vai faltar alguém. Dai tive a ideia de uma vez no mês indicar um artista que eu gosto e acompanho o trampo, de preferência artistas fora do Hype.
Seguindo os passos de bons blogueiros, procuro estar atento ao máximo no rap brasileiro, e diferente do que muita gente pensa o rap brasileiro tem bons artistas!

Ano passado o quadro teve 10 edições e neste ano vamos dar continuidade ao quadro com mais 10.

Caso não tenha acompanhado, vou deixar abaixa o perfil de casa artista indicado, segundo a ordem de indicação.



Alt Niss fez alguns trabalhos como Backing Vocal em diversos segmentos inclusive no ritmo onde ela atua como artista que é o Soul, R&B, Rap e etc. 

A Alt Niss trabalhou com Slim Rimografia, Filiph Neo, Amiri, Renan Samam, Dee, Tatiana Bispo, Drik Barbosa, etc.. tanto em estúdio como ao vivo.
Fez parte do time que compunha uma das mais importantes festas de R&B ao vivo de São Paulo, a Golden, que fazia releituras de clássicos do R&B e Neosoul dos anos 90 e 2000.




Delatorvi, diferente dos outros MCs que me abordam, primeiro ele veio falar sobre o funk, porque eu havia comentado do preconceito que existe no rap para com os funkeiros. E na época ele produzia e cantava e tal e tava começando no rap.





Souto MC, como costuma utilizar, é marcada por seus posicionamentos políticos e engajamento em causas como o feminismo e a cultura hip hop. Ela tem presença e mostra não se intimidar: a exposição clara das suas ideias, o papo reto e o bom humor são características marcantes desta MC que começou a compor quando tinha de 14 para 15 anos – segundo ela, algo que fazia sem muita seriedade no início, mas que começou a priorizar quando viu a construção e melhoria de suas canções. Suas influências vão “do rock ao samba”, fato que leva seu trabalho para muitos ritmos.


O Grupo De Rap Família Quatro Vidas, formado por Maique Maia, “Sem Grana” e “Raphael da Arte” foi fundado em 2007, na cidade de Carapicuíba. Mantendo o propósito de uma música abrangente e de qualidade, obteve um rápido destaque no segmento Hip-Hop, se apresentando ao lado de grupos e artistas prestigiados como DMN, SP Funk, Helião & Negra Li e junto ao projeto “MPC Envenenada”, do DJ QAP.




Cíntia Savoli nasceu e cresceu numa família musical, onde sua mãe é cantora e pianista e sua irmã é pianista, alias a Cíntia também é.

Ela começou na musica numa banda de reggae em brasília onde ficou por 7 anos.





Flagelo Urbano aka Mein sana in corpore sano, aka Saint oficci, aka o Eremita Urbano
Rapper e productor, nascido aos 6 de outubro de 1981, na provincia de Benguela, Angola. Ao contrário do que muitos pensam este jovem começou no hiphop como dançarino de house, técno e funky, isto em 1993/94, nessa altura era o que estava em voga um pouco por toda parte. Ficou nisso até mais ou menos finais de 96, quando conheceu um amigo chamado salesso que lhe falava muito em Câmbio Negro, Racionais Mcs, Kris kross, Ice of Bass, salt..n pepa e muitos outros grupos que faziam sucesso na altura, fazendo com que ganhasse mais interesse por esse assunto. Nesse mesmo ano formam os Ney Company grupo do qual faziam parte Vadney, hoje flagelo urbano, Eliney, e Chidney. 



A realidade do grupo é que o rap muitas vezes fica não em ultimo plano, mas deixa de ser o foco.Pois de vez em quando a dupla tem seus mil corres pessoais e apesar de rolar um cache nas apresentações é só um complemento da renda.

Preta Roots é o primeiro grupo feminino do Espirito Santo a lançar um clipe que é o "Desce a favela", e também o primeiro juntamente com o "Melanina Mc's" a participar de um documentário.




O grupo AFROCALIPSE, é um projeto que nasceu de uma conversa entre Spaw e Gui em dezembro de 2013 com o desejo de cantar sobre coisas reais do dia a dia dos jovens de todas as periferias brasileiras. O grupo com suas letras contundentes e arranjos marcantes vem dia após dia crescendo no cenário gaúcho e já vem ganhando notoriedade no Brasil a fora por seus shows feitos com muita energia e interação com o público.




Este aqui é mais que especial porque vão ser indicados 3, que são: Ngma que eu já conhecia pela musica "Licença pra chegar". 
Larinu e o Attica! foram me apresentando pela minha parça Ana Rosa que também faz parte da equipe de 2 do Noticiário Periférico.

O que me chama atenção é que os 3 passam sentimentos em suas musicas de formas diferentes mas na mesma intensidade , são pessoas diferentes, com trampos diferentes mas que num contexto geral se completam, pois eles abordam temas bem interessantes e pertinentes.



O grupo baiano Oquadro literalmente é uma banda de rap, eles buscam inovações estéticas a partir do diálogo com outros estilos musicais e movimentos culturais. Apesar das composições do grupo ser de rap, eles oscilam entre outros ritmos musicais como: Dub, Afrobeat, flertam com Jazz, Rock Negro e Samba. Mesmo com toda esta mistura eles não deixam de ser rap.